segunda-feira, fevereiro 08, 2016

O FREVO


 Imagem: arte da saudosa Derinha Rocha.

O FREVO

Luiz Alberto Machado

Não disfarço: sou amarrado em frevo!

Tanto é que além de pular - porque dançar, sempre fui ruim das pernas -, inventei de compor alguns. Isso porque o frevo é uma das expressões mais marcantes da pernambucanidade e nela está enraizada a empolgação de um ritmo musical fogoso e alegre que, normalmente, aparece durante o carnaval. Coisa de louco mesmo.

Quando se avizinha o carnaval, logo se destabocam as folias e, inevitavelmente, a liberdade come no centro.

Numa breve abordagem histórica, o frevo nasceu em Pernambuco no século XIX e guarda até hoje uma polêmica: quem nasceu primeiro, a música ou a dança?

Conforme Valdemar de Oliveira: "Foi, de fato, no Recife dos fins do século XIX, começos deste, que a música foi aparecendo, conduzindo a dança, ou a dança foi tomando corpo, sugerindo a música. É impossível distinguir bem: se o frevo, que é a música, trouxe o passo ou se o passo, que é a dança, trouxe o frevo. As duas coisas foram se inspirando uma na outra - e completam-se".

Tanto é que levou José Ramos Tinhorão ao mencionar na sua "Pequena história da música popular" que: "Tal como no caso do maxixe, o frevo do Recife surgiu da interação entre música e dança, a ponto de não se poder distinguir - como tão bem ressaltou o estudioso pernambucano Valdemar de Oliveira [...] Os estudiosos do frevo pernambucano, embora discordando em vários pontos quanto a pormenores de sua história, são unânimes em concordar que as origens do passo (nome atribuído às figurações improvisadas pelos dançarinos ao som da música) se prendem à presença de capoeiras nos desfiles das duas mais famosas bandas de músicas militares do Recife da segunda metade do século XIX".

Por causa disso, o melhor mesmo é curtir a música e ver se, ao ouvi-la consegue ficar parado num canto. Para mim, isso é impossível.

Uma outra questão interessante é quanto a origem da denominação frevo, que, segundo Tinhorão, o nome serve "[...] para designar a visão dos milhares de recifenses caindo no passo: os saltos da dança, vistos de longe, davam à multidão o aspecto de uma superfície líquida fervendo, e na linguagem popular pernambucana ferver sempre fora frever".

Daí a explicação: o nome frevo vem de ferver, de quentura, agitação, efervescência. E, na verdade, não é outra coisa senão tudo isso junto no maior rebuliço.

Sim, com o seguinte detalhe: pelo vício de linguagem, ferver era pronunciado "frever", como em "frebento", da expressão "frebe-do-rato", passando, assim, a se denominar frevo à música de composição ligeira, execução vigorosa e, invariavelmente, estridente que, segundo o maestro e estudioso Guerra Peixe, é "[...] a mais importante expressão musical popular", a ponto de levar Carlos da Fonte Filho, no seu livro "Espetáculos populares de Pernambuco", a considerar ser então o ritmo uma alegre mistura de polca e dobrado, com influência do maxixe, do galope, da quadrilha, da marcha e, até do tango brasileiro. Verdadeiro amontoado de coisas.

Além do mais, há uma tipologia muito peculiar ao frevo: o frevo-de-rua, que é instrumental, sem letra, que sai levando o povo pelas ruas e tem sua maior representantividade no "Vassourinhas", de Matias da Rocha.

Já a marcha de bloco que, segundo Carlos Fonte Filho: "[...] é executada por uma orquestra composta por instrumentos de corda, como violão, cavaquinho e banjo", tem, como exemplo dessa modalidade, a "Evocação n. 1", de Nélson Ferreira e "Saudade", dos irmãos Valença. E, enfim, o frevo-canção que se assemelha às marchinhas cariocas onde são cantadas as letras compostas de rara poesia, como os compostos por Capiba e cantados pela voz do legendário Claudionor Germano, ou mesmo o "Hino do Elefante", de Clídio Nigro.

Tudo isso sem contar com o repertório vastíssimo da dança que hoje comporta mais ou menos cento e vinte passos, entre volteios, pulos, gesticulações e até acrobacias, com a maior liberdade na indumentária.

Mais outro detalhe: é exatamente na apresentação das mulheres quando o frevo assume uma sensualidade marcante pela utilização de blusas curtinhas e minissaias rodadas, deixando os marmanjos de queixo-caído, levados, pelo entusiasmo a pular cada qual ao seu modo e jeito. Tudo em nome da folia e da liberdade.

Pelo visto, não é à toa que o frevo é uma das marcas pernambucanas: bastando aparecer os seus primeiros acordes para todo mundo remexer o esqueleto, caindo solto na frevada e se preparando para se esbaldar com o ritmo que já passou a ser popularmente conhecido como levanta-defunto. E tem essa alcunha porque, para quem conhece, é impossível não mexer nenhum músculo quando executado na rua, nos salões, ou onde eclodir.

Realmente o frevo é uma dessas formas musicais contagiantes que leva todo folião ao êxtase no passo, na dança e na folia toda. Mesmo fora do carnaval, quando os acordes introdutórios soam de longe, qualquer desavisado corre logo para ver o que está acontecendo, por isso que também é logo entendido como ajunta-gente, tal seu poder de arregimentar adepto-até-de-um-olho-só.

Não posso me furtar a dizer que o frevo já vem no sangue do pernambucano desde seu nascimento, mesmo que seja alheio a esse fato, mas que, indubitavelmente, ao ouvi-lo sentirá nas entranhas a revolução provocadora da música.

Veja mais aqui e aqui.


Veja mais sobre:
Amor imortal na Folia Tataritaritatá, Manuel Bandeira, Pedro Nava, Carlo Goldoni, Cacá Diégues, Carybé, SpokFrevo Orquestra, Luís Bandeira, Ana Paula Bouzas, Tatiana Cañas, Carnaval & Claudia Maia aqui.

E mais:
Jacques Prévert, A Paz de Ralph M. Lewis, Milton Hatoum, Eric Fischl, Jonathan Larson, Monica Bellucci, Madhu Maretiore & Sônia Mello aqui.
Fecamepa & Óleo de Peroba, Educação & Hilton Japiassu, Bresser Pereira & A psicanálise de Leopold Nosek aqui.
Erro médico & dano estético aqui.
A literatura de Hilda Hilst aqui, aqui, aqui e aqui.
O pensamento de Carl Rogers aqui e aqui.
O ativismo de Rosa Parks aqui.
A personologia de Henry Murray aqui.
Poetas do Brasil aqui, aqui e aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA;
Veja Fanpage aqui e mais aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra:
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja os vídeos aqui & mais aqui e aqui.





 Veja as homenageadas aqui.

VINICIUS, MIGUEL ASTURIAS, ORTEGA Y GASSET, CAMILLE CLAUDEL & RICHARD MARTIN

IARA, IARAVI – Um dia Fiietó se apaixonou. E ele com a sua força e firmeza no braço, altivez de porte e agudez de vista, dominava a matari...