Pular para o conteúdo principal

AS PERNAS NO CINEMA & O SEMINÁRIO DE OBJETIVO DE LACAN



AS PERNAS NO CINEMA – Muitos e diversos filmes tratam das pernas das mulheres. Todavia, destaco alguns deles aqui, primeiramente o filme Domicílio conjugal (1970), do cineasta francês François Truffaut (1932-1984), em que as belas pernas da atriz francesa Claude Jade são bem destacadas nas cenas. Do mesmo cineasta O homem que amava as mulheres (L’Homme Qui Aimait Les Femmes, 1977), em que é efetuada uma apologia às pernas das mulheres, abusando das cenas em que a câmara é colocada bem perto do chão, acompanhando o andar delas e mostrando desde o início das saias ou de seus vestidos até os sapatos. Outro belíssimo filme é Le genou de Claire (O joelho de Claire, 1970), dirigido pelo cineasta Éric Rohmer, conta a história de um diplomata de carreira que de férias e às vésperas do seu casamento, recebe a visita de uma ex-namorada, através da qual, conhece uma jovem que possui uma irmã, Claire, que será cobiçada por ele, com a fantasia de acariciar o seu joelho. Veja mais aqui e aqui.


O SEMINÁRIO – A RELAÇÃO DE OBJETO, DE JACQUES LACAN -  O livro O seminário: a relação de objeto, de Jacques Lacan, trata da teoria da falta de objeto, o esquema Z, o objeto perdido e reencontrado, pérolas, o objeto, a angustia, o furo, o fetiche e o objeto fóbico, as três formas da falta de objeto, o que é um obsessivo, a tríade imaginária, o falicismo e o imaginário, realidade e wirklichkeit, o objeto transicional do senhor Winnicott, o significante e o Espírito Santo, a imagem do corpo e seu significante, a usina do isso, a dialética da frustração, a frustração e o verdadeiro centro da relação mãe-filho, retorno do Fort-Da, a mãe do simbólico ao real, a criança e a imagem fálica, a fobia da pequena inglesa, da análise como bundling e suas consequências, a perversão a olho nu, a verdadeira natureza da relação analítica, a solução fetichista, o paroxismo perverso, perversão transitória de um fóbido. Na segunda parte trata das vias perversas do desejo, abordando sobre o primado do falo e a jovem homossexual, Freud, a menina e o falo, o significante Niederkommt, as mentiras do inconsciente, o serviço da dama, o mais-além do objeto, bate-se numa criança e a jovem homossexual, intersubjetividade e a dessubjetivação, a imagem molde da perversão, a simbólica do dom, frustração, amor e gozo, esquema permutativo do caso, a insistência simbólica da transferência, pai potente e impotente, o amor, a falta e o dom, Dora entre questão e identificação, metonímia perversa e metáfora neurótica. Na terceira parte trata do objeto do fetiche, abordando a função do véu, o falo simbólico, como realizar a falta, a lembrança encobridora, fixação na imagem, alternância das identificações perversas, estrutura do exibicionismo reativo, a identificação ao falo, o travestismo e o uso da roupa, mostrar diferente dar a ver, girl/Phallus, o objeto e o ideal em Freud, frustração de amor e satisfação da necessidade, o falo e a mãe insaciável, o dom se manifesta no apelo, a substituição das satisfações, a erotização da necessidade, o espelho do júbilo à depressão, papel significante do falo imaginário. Na terceira parte trata da estrutura dos mitos na observação da fobia do pequeno Hans, abordando sobre o complexo de Édipo, a equação pênis/criança, o ideal monogâmico na mulher, o outro entre a mãe e o falo, o pai simbólico é impensável, a bigamia masculina, sobre o complexo de castração, critica da Aphanaisis, o pai imaginário e real, o ser amado, a angustia, o engodo ao pênis que agita, os animais da fobia, o significado no real, a rede da carta roubada, sozinho com Mariedl, a criança metonímica, o preto diante da boca, a fobia estrutura o mundo, para que serve o mito, funções e estrutura do mito, o Krowall e o orgasmo infantil, a fantasia das duas girafas, o enraizado, o perfurado, o amovível, a transposição simbólica do imaginário, como se analisa o mito, dar a ver e ser surpreendido, o professor bom Deus, o método de Claude Lévi-Strauss, nua e de camisola, captura no mecanismo permitatorio, o significante e o chiste, regra de ouro, valor combinatório do significante, Hans no país das maravilhas, malicia e ingenuidade, o que se vai pelo buraco, circuitos, por que o cavalo, do cavalo à estrada de ferro, o vaivém de Hans, Wegen e Wagen, permutações, não trote de mim, o barraco que desaba, seja um verdadeiro pai, a pinça, transformações, o phalus denathus, descarga do significante, a angustia do movimento, cair e morder, o canivete na boneca, as calças da mãe e a carência do pai, o lounf e a roupa, o desaparafusamento da banheira, beija-a um pouco mais, a suplência ao pai, infecunda castração materna, a ideia de Anna, ensaio de uma lógica de borracha, o pai na geladeira, o feixe e a foice, a metáfora paterna, a mãe desdobrada, uma paternidade imaginária, me dará sem mulher uma progenitura, da intersubjetividade ao discurso, o objeto em função de desaparafusamento e Anna senhora do cavalo. Na quinta e última parte, trata sobre o envio abordando de Hans-o-fetiche a Leonardo-no-espelho, a saída pelo ideal materno, Hans filha de duas mães, o abutre era um milhafre, o outro tornado pequeno outro e a inversão imaginária de Leonardo. Veja mais aqui, aqui, aqui & aqui.

REFERÊNCIA
LACAN, Jacques. O seminário: a relação de objeto. Rio de Janeiro: Zahar, 1995.


Veja mais sobre:
Aijuna, o mural dos desejos florescidos aqui.


E mais: 
Imre Madách, Franz West, Pierre Rode, Vera Ellen, Anne Chevalier, Sarah Clarke & muito mais aqui.
Crônica de amor por ela aqui.
O Recife do Galo da Madrugada aqui.
Utopia, Charles Dickens, Alfred Adler, Carybé, Rogério Duprat, Hector Babenco, Sonia Braga & Tchello D’Barros aqui.
A psicanálise de Karen Horney & o papo da tal cura gay aqui.
A hipermodernidade de Gilles Lipovetsky & a trajetória Tataritaritatá aqui.
Três poemetos da festa de amor pra ela aqui.
Poetas do Brasil aqui, aqui e aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA;
Veja Fanpage aqui e mais aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra:
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja os vídeos aqui& maisaqui e aqui.




Postagens mais visitadas deste blog

A MULHER

A MULHER – Quando criei o blog “Crônica de amor por ela” levado pelo mote dado pela poetamiga Mariza LourençoEla nua é linda – um bloguerótico” eu pensava publicar meus versos, tons & prosas poéticas voltadas para o amor e afetividade, sexualidade e cumplicidade das paixões, desejos e amizade entre os seres humanos.


Arte: Mariza Lourenço.
De primeira, eu queria fazer uma homenagem às mulheres pelo reconhecimento de grandeza do seu ser.


Arte: Mariza Lourenço.
Depois, eu queria fazer uma homenagem ao amor, este sentimento que envolve todos os seres humanos.


Arte: Derinha Rocha.
Quando menos pensei eu estava com um livro pronto: o “Crônica de amor por ela” reunindo poemas, prosas poéticas, poemiúdos, .canções, proseróticas, poemiuderóticos, croniquetas, noveletas, expressões ginofágicas priápicas e outros teréns e juras de amor por ela.


Arte: Derinha Rocha.
UNIVERSO FEMININO – O universo feminino muito me encanta, fascina e me faz cada vez mais cativo ao maravilhoso ser que é a mulher.


Ar…

STEVENSON & FANNY, MARIANNE MOORE, BETTY MEGGERS & HANNAH YATA

A ÚLTIMA CARTA PARA FANNY - O mundo está cheio de tantas coisas, os sonhos são maiores que as dores. O sangrento Jack me persegue desde a infância, mesmo quando as aventuras davam num débil inválido, enfermiço, era eu um acendedor de lampiões com o bicho-papão fungando nas sombras dos meus cabelos. Só me restava a noite solitária com o sopro dos ventos, calafrios e tempestades terríveis, as lembranças de Cumme e as suas histórias horripilantes. Sempre foi assim entre a espada heroica e a pena inglória, os mapas e histórias inventadas, os paladinos marinheiros marchando para salvar a humanidade indefesa na minha cabeça, me fazendo faroleiro das ondas, tormentas e naufrágios, a distinguir o que era e não era entre vagabundos e ilibados senhores da sociedade. Como fui reprovado pelos professores, já sabia que nunca seria um contador de história respeitável, só um plumitivo que nada mais era que uma alma perdida com passatempos mirabolantes na ideia. Nunca me vi levantando paredes para mo…

ÉLUARD, APPIA, ALMODÓVAR, OSMAN LINS, PAULO CESAR PINHEIRO, ALBERTO DE OLIVEIRA, MALHOA, PENÉLOPE CRUZ, VALERIA PISAURO & MUITO MAIS NO PROGRAMA TATARITARITATÁ!!!!

CANTO DE CIRCO – O livro Os gestos (José Olympio, 1957), do escritor pernambucano Osman Lins (1924-1978), reúne treze contos que foram escritos nos anos 1950, abordando sobre a impotência e angustia do ser humano. Do livro destaco esse trecho do Canto de Circo: Ergue a cabeça e contemplou o lugar onde tantas vezes se apresentara para os seus breves triungos no trapézio. No dia seguinte, desarmariam o Circo – pensava; e na próxima cidade, quando o reerguessem, ele estaria longe. Nunca, porém, haveria de esquecer aquela frahil armação de lona e tabique, as cadeiras desconjuntadas, o quebra-luz sobre oespelho partido e o modo como os aplausos e a música chegavam ali. Baixou os olhos, voltou a folhear a revista. Em algum ponto do corpo ou da alma, doía-lhe ver o lugar do qual despedia e que lembrava, de certo modo, o aposento de um morto, semelhança esta que seria maior, não fosse a indiferença quase rancorosa que o rodeava; pois, a despedida iminente, só ele sentia. Os colegas – o equili…

EGBERTO GISMONTI, HANNAH ARENDT, SARAH BERNHARDT & ANJA MATKO

A ALMA DE GISMONTI - Os acordes do Palhaço de Circense trouxeram lembranças do primeiro contato na Dança das Cabeças: acordes de cordas e teclas, batidas de corpo e de alma. Outras memorações, como a do Nó Caipira ou Zig-Zag, tão similares às coisas de minha gente com suas quermesses cumprindo penitentes a sua obrigação para livrar das mandingas, enganando as dores do mundo às mungangas e saudando a vida nos parques de diversão, ou na saída da sessão do cinema, as rodas de conversa com adágios e licenciosidades nas lapadas da tirana com estalado dos dedos e caretas de mamulengo pras quatro festas do ano, no meio de loas com livusias e pinoias de Malasartes e Camonge. Ah, minha gente, como coisas de Carmo, a Cidade Coração e a herança ítalo-libanesa: a mãe que canta acalanto para ninar o futuro do seu filho ou como quem junta mão-de-milho a tomar da garapa ou do ponche, soltando lorotas e potocas para quem puxa moda de viola, parlendas e mnemonias das coisas do Monge de Ipanema ou de C…

MOLIÉRE, DURAS, PANCHATANTRA, CYBELE, VLAMINCK, MUDDY & IDA BAUER.

O DOENTE IMAGINÁRIO – A peça O doente imaginário (Le malade imaginaire, 1673) é a última entre as escritas pelo dramaturgo, ator e encenador francês Jean-Baptiste Poquelin, mais conhecido como Molière (1622-1673). Considerado um dos mestres da comédia satírica, essa peça composta em três atos, critica os costumes da época ao contar a história de um velho hipocondríaco Argan que se julga pesadamente doente sem realmente estar, acatando cegamente toda as ordens do médico que se aproveita da situação. Por outro lado, o doente quer por fim da força que sua filha Angélique contraia matrimonio com um filho de médico para que possa receber gratuitamente do genro o seu tratamento. Entretanto, a jovem filha está apaixonada por Cléante, tornando-se livre para casar depois de um ardil tramado por seu irmão Bérald para curar seu pai de sua fixação com médicos. Destaco o seu Quarto Ato: (Uma cenaburlesca, de coração de grau de um médico. Assembléia composta de porta-seringas, farmacêuticos, doutor…