Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2013

FERNANDO MELO FILHO, O PRIMEIRO PARCEIRO NA MÚSICA

Na foto: Arnaldo Afonso Ferreira, Fernandinho Melo Filho, Paulo Profeta, meu pai, eu e leitores. Acervo pessoal
Luiz Alberto Machado

Conheci Fernandinho – apelidado de Fernando Bigodinho e se assinava no registro de nascimento por Fernando Albuquerque Melo Filho -, quando ainda estudava no Ginásio, quase meados da década de 1970, por aí.

Imagem: uma das letras apresentadas na III Feira de Música.
Tudo aconteceu porque eu havia participado da III Feira de Música, realizada por Fernando Pinras, com duas músicas estrambólicas que não sei como tive coragem de apresentá-las só ao violão e que já nem me lembro mais como que danadas que eram. Foi aí que fui apresentado pelas mãos de Marquinhos Cabral e Mauricinho Melo Filho, ele todo animado a mim se reportou com seu jeito peculiar:
- Bicho, muito legal aquelas suas duas músicas, visse? -, disse-me com seu costumeiro sorriso franco e seu jeito de fungar insistentemente amolegando a pêia.
Logo nos tornamos parceiros musicais, curtidores que éramo…

A RAPIDINHA PRO PRAZER DELA

A RAPIDINHA PRO PRAZER DELA - Toda sexta-feira, meio-dia em ponto, ela chega do trampo toda avexadinha. Logo desalinha a me soltar corda na vontade que engorda com sua boca cangula. E me abocanha com gula, me agarra e me beija, começando a peleja no maior pega-pega. Ela esfola e se esfrega enquanto se despe. E eu com a peste a romper seus atalhos, me apegando ao seu talho, a maior sopa quente. Tudo bem rente na sua carne guisada pras minhas dentadas e pro meu repasto. Eu vou de arrasto arrancando a calcinha, o sutiã e a blusinha, tudo jogado. E começo o impado enchendo a pança com folia e festança de cabo a rabo. Não há menoscabo, inteira tigela. Ela que se escalpela aos grandes bocados. Eu viro ajegado quando o beijo debréia, eu pulo na boléia da sua caçarola. Ela cai de gabola e me faz seu cambão, acende a ignição a toda voltagem. Pego bigu na viagem e engato a primeira, ela enverga a traseira e me deixa tantã. E vou tal bambambam botando a segunda no rego corcunda do seu cardam. E …