sexta-feira, fevereiro 21, 2014

HYPATIA, JOHN DOS PASSOS, MIYÓ VESTRINI, NEGRI, COMPAGNON, DOSSE & AITMATOV


ÁGORA, O FILME

Luiz Alberto Machado*


O filme espanhol Alexandria, cujo título original é Ágora, lançado em 2009 sob a direção de Alejandro Amenábar, com roteiro escrito pelo próprio diretor em parceria com Mateo Gil, retrata a Alexandria do antigo Egito, entre os anos de 355 e 415 d.C. Tem-se, portanto, que a narrativa é desenvolvida no cenário do politeísmo pagão dos egípcios, dominada pela soberania romana com as tradições gregas e levada pelos conflitos e tensões entre cristão e judeus.
O drama envolve dois aspectos: o primeiro deles de natureza histórica, envolvendo questões político-religiosas do período ocorrido no final do séc. IV d.C., compreendendo as relações entre pagãos, cristãos e judeus. A segunda, de natureza filosófica.
O primeiro aspecto histórico traduz as relações de domínio do Império Romano confrontando o paganismo que adotava a condução politeísta da classe dominante, e o confronto entre judeus e cristãos nas disputas de poder na luta pela soberania religiosa, econômica e política da antiguidade. Demonstra o período de intolerância religiosa que efetivou a conversão de pagãos ao cristianismo e o seu convívio com o judaísmo e a cultura greco-romana. A intolerância religiosa cristã despreza a condição feminina, principalmente atacando Hypatia de ateia e bruxa, o que afronta sua proteção pelo prefeito Orestes, um pagão convertido ao Cristianismo pelas conveniências políticas da época.
Nesse aspecto histórico, o filme torna aguda a grande contradição que envolve a morte de Jesus, levando a seguinte indagação: como Jesus foi assassinado pelos judeus, se no ato de sua crucificação ele foi considerado pela tabuleta com as inscrições INRI (Jesus de Nazaré, rei dos judeus)? Essa contradição persegue até os dias atuais, tornando-se clara, como demonstrado no filme, a intolerância de todas as partes envolvidas na trama. Além do mais, mostra o sentido oposto que foi adotado pelos cristãos, contrariando os ensinamentos de Jesus na defesa do amor, da paz, da liberdade e da justiça.
O aspecto filosófico envolve a astrônoma, filósofa e professora Hypatia de Alexandria (370 d.C. – 415 d.C.), filha do matemático, diretor do Museu e da Biblioteca do lugar, Théon, confrontando o heliocentrismo do astrônomo e matemático grego Aristarco de Samos (320 a.C.-250 a.C.), contrapondo-se as ideias de Pitágoras, Heráclides e do cientista grego Claudio Ptolomeu (90 d.C.-168 d.C.), que defendiam o geocentrismo.
Para Aristarco, a terra girava em torno do sol, proposta que seria quase dois mil anos mais tarde reafirmada por Nicolau Copérnico, John Kepler e Galileu Galilei. Contudo, o sistema ptolomaico se manteve por catorze séculos, sendo substituído apenas no Séc. XVI.
A filósofa que se manteve solteira e livre para estudar e lecionar, não se submetendo a autoridade de qualquer homem, é envolvida por dois amores dedicados, o do prefeito que era pagão convertido ao Cristianismo, Orestes, e do escravo também convertido cristão, Davus, enquanto ela se dedicava aos estudos astronômicos, matemáticos e filosóficos, principalmente levada pelas ideias de Aristarco do movimento da terra em torno do sol. Por se negar à conversão cristã, optando em se manter neutra na questão e devotando sua crença apenas à Filosofia, ela é apedrejada até a morte em 415 d.C.
Por conclusão, o filme traz a mensagem de como o conhecimento, a Filosofia e a Ciência foram oprimidas pelo sectarismo e pela intolerância religiosa, bem como pela sede de poder que caracterizou o apogeu do Cristianismo no Ocidente. Veja mais  aquiaqui e aqui.

* Resenha apresentada à disciplina Bases Filosóficas e Epistemológicas da Psicologia, ministrada pelo Professor Álvaro Queiroz.

 


DITOS & DESDITOS - Sim, haverá inverno, haverá frio, haverá nevascas, mas depois haverá primavera novamente... Ainda hoje me pergunto muitas vezes: talvez o amor produza um sentimento de inspiração semelhante ao experimentado por um artista ou por um poeta? Pensamento do escritor quirguiz Chinghiz Aitmatov (1928-2008).

 

ALGUÉM FALOU - Uma contribuição sobre o fato da ajuda às famílias para as crianças irem à escola, o Bolsa Família, era uma ajuda dada pelas cotas, para que parte das populações negras poderem ir à escola. E isso não foi somente uma ajuda no nível da sobrevivência, não simplesmente de fuga da pobreza, mas de conquista de uma cidadania verdadeira, plena. Essas lutas são filhas desse processo e o proletariado, a multidão que está em questão nessas lutas, hoje, é filha desse desenvolvimento, que é a revolução trabalhista que Lula começou. Pensamento do filósofo italiano Antonio Negri (1933-2023). Veja mais aqui e aqui.

 

LITERATURA PARA QUÊ? - [...] A literatura pode divertir, mas como um jogo perigoso, não um lazer anódino [...] A recusa de qualquer outro poder da literatura além da recreação pode ter motivado o conceito degradado da leitura como simples prazer lúdico que se difundiu na escola do fim do século [...] Seu poder emancipador continua intacto, o que nos conduzirá por vezes a querer derrubar os ídolos e a mudar o mundo, mas quase sempre nos tornará simplesmente mais sensíveis e mais sábios, em uma palavra, melhores [...] A literatura não é a única [introdução à inteligência da imagem], mas é mais atenta que a imagem e mais eficaz que o documento, e isso é suficiente para garantir seu valor perene [...]. Trechos extraídos da obra Literatura para quê? (EdUFMG, 2009), do professor belga Antoine Compagnon.

 

MIGALHAS DA HISTÓRIA - [...] Essa história em três tempos revela o dinamismo profundo de uma escola que se define por sua abertura e permite o acesso a novos objetos, novos horizontes para atingir um nível particularmente rico em produção histórica. No entanto, paradoxalmente, a história semeada pelas ciências sociais acabou por abandonar sua identidade e arrisca-se bastante a perder-se na explosão em uma miríade de objetos diferentes e sem relações entre eles. Corre o risco de desaparecer como a zoologia ontem ou de conhecer a crise e a marginalização que a geografia conheceu. [...]. Trecho extraído da obra L’Histoire en Miettes – Des Annales a la Nouvelle Histoire (Unicamp, 1994), do historiador e sociólogo francês François Dosse.

 

1919 – [...] desejava que amanhã fosse o primeiro dia do promeiro mes do primeiro ano [...] um h0mem tem que gostar de muitas coisas na vida [...]  Embarque num navio de carga e vea o mundo, tenha aventuras e terá histórias engraçadas para contar quase todos os serões: um homem precisa amar... o coração que bate mais depressa o pressentimento de que haja... em tades enevoadas passos que se escutam, táxis, olhos de mulheres... muitas coisas na sua vida. [...] Vida, liberdade e a busca da felicidade [...] Aprendeu a esperança de uma nova sociedade em que ninguém viveria sem sorte [...] O mundo já não é divertido [...] Um homem tem de fazer muitas coisas na vida [...]. Trechos extraídos da obra 1919 (Rocco, 1989), do escritor e pintor estadunidense descendente de imigrantes portugueses originários da Madeira, John dos Passos (1896-1970). Veja mais aqui e aqui.

 

A CHAMADA - Quando perguntei por que não havia telefonado, \ ele me explicou que havia sido enterrado vivo \ e que não tinha telefone. \ Em seus finos lábios de galinha \ há ou não \ ousadia. \ Tudo era estritamente legal. \ É porque você não acredita em Deus? \ Se não fosse fácil, \ você não tentaria fazer isso. \ Significância, \ significando, \ significativamente, \ sinal. \ Fui até a varanda \ e olhei o parque, \ irmandade irritante de crianças gritando \ e pássaros calibrados. \ Ouvi o controle remoto mudando de canal, \ sem som. \ Senti nas minhas costas \ a vontade dele de vestir as calças \ e ir embora. \ Fui até a cozinha descascar batatas. Poema da poeta e jornalista francesa radicada na Venezuela, Miyó Vestrini (1938-1991).

 


Veja mais sobre:
O viúvo do padre aqui.

E mais:
Max Weber & Norah Jones aqui.
John Keats & Bárbara Lia aqui.
Mario Quintana, Wang Tu, Tácita, Eduardo Souto Neto, Carlito Lima, Mike Leight & Vera Drake, Suzan Kaminga & Ansel Adams aqui.
Humanismo e a Educação Humanista aqui.
Yoram Kaniuk, Thelonious Monk, Robert E. Daniels, Eugene de Blaas, Meir Zarchi,, Luciana Vendramini, Camille Keaton, Tono Stano, Eliane Auer, Prefeituras do Brasil, Juizados Especiais & Responsabilidade civil das instituições bancárias aqui.
Crepúsculo dos Ídolos de Nietzsche & Projeto Tataritaritatá aqui.
Dicionário Tataritaritatá aqui.
O mal-estar na civilização de Freud & Coisas de antonte e dantanho aqui.
Nomes-do-pai de Lacan & BBB & Outras tacadas no toitiço do momento aqui.
A ilusão da alma de Eduardo Giannetti & A poesia veio dos deuses aqui.
Troço bulindo nas catracas do quengo, Fernando Fiorese & Abel Fraga aqui.
O mistério da consciência de Antonio Damásio &Nó na Garganta de Eduardo Proffa & Jan Claudio aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Leitora Tataritaritatá!!!!
Veja mais aqui, aquiaqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja os vídeos aqui & mais aqui e aqui.




JUDITH SCHALANSKY, TRIIN PAJA, ANNA LEMBKE, VCA & CRÔNICA NA ESCOLA

  Imagem: Acervo ArtLAM . Ao som dos álbuns Morning Star (2021), Beethoven: Piano Sonatas nº 3 in C Major, Op. 2 & nº 16 in G Major, ...