sábado, julho 07, 2007

SOLANO TRINDADE, KESSELRING, FRED ALLEN, VICTOR SEGALEN, ZILBERMAN, ALDO ROSSI, SCHURIAN, VERDET, OTTO RUDOLF & FECAMEPA



QUANDO UM PAÍS VIVE SÓ DE NHENHENHÉM, NÃO DÁ OUTRA: O PENCÓ ENGANCHA NA CORNICE E NADA VAI PRA FRENTE!! - Gentamiga, vamos aprumar a conversa! É que desde que os perós invadiram Pindorama, que o FECAMEPA começou na maior lambança por aqui. Por isso mesmo, não sei porque ainda insistem nessa história eufemista de descobrimento quando, na verdade, o que houve de mesmo, foi uma invasão despranaveada. Só os Fabos que insistem nessa coisa. Aliás, foi com a bagunçada de coreto desses perós e outras trepeças maledicentes. que apareceram os primeiros Fabos: os mamelucos. Esses trastes, cuspindo no prato que comeram, foram os maiores carniceiros dizimando os nativos. Os mamelucos pulverizaram tudo. E com eles vieram os Fabos graúdos que chegaram aos baronatos, coronelatos, descaratos e o escambau! Pintaram e bordaram nas capitanias de toda colônia, massacraram, afanaram, se arrumaram e empombaram tudo ao longo desses quinhentos anos e lá vai teibei, contando nos últimos duzentos anos com a participação especial da maçonaria e do clero para embananar mais ainda a colônia, o reino, o império, a arrumação da independência e a criação duma republiqueta totalitária disfarçada de liberal, com arroto destemido e impunidade a toda prova. Ao longo desses séculos todos, pintaram o FECAMEPA multicolorido com o Brasil com o bafo quente dos seus peidos fedorentos e fiapos do bigode, fazendo com o país aquela cena nas linhas iniciais duma obra de Foucault: fizeram dos seus interesses, arroubos e mijados como se fossem cavalos. Pegaram, então, o primeiro cavalo e amarraram na perna direita da patriamada; outro, na perna esquerda. Depois, um na mão direita; mais outro na mão esquerda. Mais um pelo pescoço. E, por via de dúvidas, um mais raçudo amarrado pelos culhões. E puxaram e puxam o Brasil em todas as direções da gente só ficar esperando o estraçalhado, vez que ora um puxa para noroeste, outro pro sudeste, enquanto os outros, ao mesmo tempo, seguem direções opostas: nordeste, centro-oeste, norte, sul, sotavento, barlavento, pra casa da peste ou rumo cacete a quatro. Resultado: por esta razão, se tivesse que representar o Brasil numa figura geométrica teria que ser um multipolígono com ultra porrilhões de ângulos, que poderia ser identificado tal deformidade como um quaqualígono ou coisa parecida de tão disforme que se parece. U-hu! A culpa disso? Os Fabos de sempre. Se bem que os Fabos possuem uma tipologia que envolve outras subespécies. Mas fiquemos nas principais, então. Em primeiro lugar, vêm os Fabos bicudos que são os casacudos das altas esferas governamentais, do Executivo, do Legislativo, do Judiciário e da mão invisível, claro! Os fode-tudo, não sobra nada, a não ser o reino deles. Também os Fabos meia-boca, aqueles que pinotam o tempo todo entre a administração pública e a iniciativa privada, só se arrumando e dando nó-cego em tudo. Outro atraso de vida. Por fim, os Fabos lhelheguelhés, os porranenhuma que só vivem de trampolinagens, compadrio e arrumadinhos, peiticando a paciência dos outros e melando qualquer perspectiva exitosa. Agora o pior: quando um desses três ou todos ao mesmo tempo aprumam a munheca para trabalhar um desacerto, só dá contraproducência e um azarão da gota que vem pra gente de empenar tudo e não ter esperança de encontrar nem o túnel, quanto mais a luzinha miúdíssima no fim. Infelizmente tenho que dizer que a esmagadora maioria dos trelosos Fabos está entre os que aprontam todas e, depois, com a consciência pesando mais que elefante no quengo, choram de joelhos aos pés da cruz pedindo perdão. São conhecidos como papa-hóstias que, ao se acharem perdoados, voltam a delinqüir. Melhor: trelar à toa. Azar o nosso, né? E ainda se mostram que não querem papo com religião, pode? Outra substancial parcela dos Fabos está entre aqueles que são do contra e berram nos templos seus protestos com o evangelho no sovaco: deixam de dar cagadas às claras para, às escondidas e entre tramóias e orações, amarrarem o Brasil e todos em nome do senhor. É outra trupe endemoninhada mesmo, viu? Uma parcela bem menor, não fede nem cheira: ora ateístas, ora corintheanos, dão uma de neonazistas, pintam de samaritanos, consertam como espiritualistas, fazem todo jogo, levam tudo nas coxas, dão salto solto, bundacanasca, plantam bananeira, vendem a mãe e se julgam reais brasileiros. Por isso digo, o Brasil nunca será um país de verdade enquanto existir um Fabo promovendo o FECAMEPA por aqui. Ih, bronca da peste erradicar essas pragas, viu? Como diz o Magela Ceguinho: - É muito difícil. Tenho dito. Vamos aprumar a conversa & tataritaritatá! (Luiz Alberto Machado). Veja mais aqui.


DITOS & DESDITOS - Uma celebridade é uma pessoa que trabalha duro a vida inteira para se tornar conhecida e depois passa a usar óculos escuros para não ser reconhecida. Pensamento do comediante estadunidense Fred Allen (1894-1956).

ALGUÉM FALOU: Minha amante tem as virtudes da água: um sorriso claro, gestos fluidos, uma voz cristalina e cantando gota a gota. Pensamento do médico naval, etnógrafo, arqueólogo, escritor, explorador, linguista e crítico literário francês Victor Segalen (1878-1919).

POBREZA & GLOBALIZAÇÃO – [...] É preciso considerar que um bom número de grupos sociais – sociedades pastoris, agricultores de culturas rotativas, caçadores e coletores, mas também desempregados, sem-teto, meninos e meninas de rua, pessoas desalojadas – não tem as mínimas condições de participar do comércio internacional. Ora, o combate à pobreza deveria dirigir-se prioritariamente àqueles que estão excluídos, totalmente ou de maneira considerável, do ‘processo de troca’ do mercado [...]. Trecho extraído da obra Ética, política e desenvolvimento humano: a justiça na era da globalização (EDUCS, 2007), do filósofo suíço Thomas Kesselring.

IDENTIDADE DA NAÇÃO – [...] Cada nação formula uma imagem de si mesma, mas sua carnadura provém dos textos literários. Eles se tornam canônicos, quando respondem positivamente a esse desiderato ideológico, amarrando as pontas da construção social, para criar a impressão de unidade [...]. Trecho extraído de Cânone literário e história da literatura (Organon, 2001), da professora e pesquisadora Regina Zilberman. Veja mais aqui.

ARQUITETURA DA CIDADE – [...] por arquitetura da cidade podem se entender dois aspectos diferentes: no primeiro caso, é assimilar a cidade a um grande artefato, uma obra de engenharia e de arquitetura, mais ou menos grande, mais ou menos complexa, que cresce no tempo; no segundo caso, podemos nos referir a entornos mais limitados da cidade inteira, a fatos urbanos caracterizados por uma arquitetura própria, portanto, por uma forma própria. Nos dois casos, percebemos que a arquitetura não representa mais que um aspecto de uma realidade mais complexa, de uma estrutura particular, mas ao mesmo tempo, sendo o dado último verifi cável dessa realidade, constitui o ponto de vista mais concreto com o qual se pode encarar o problema [...]. Trecho extraído da obra A arquitetura da cidade (Martins Fontes, 1995), do arquiteto italiano Aldo Rossi (1931-1997). Veja mais aqui.

ARTE FANTÁSTICA – A obra Arte fantástica (Taschen,2005), do psicólogo, sociólogo e antropólogo austríaco Walter Schurian, reúne trabalhos artísticos focados em temas fantásticos e surreais, começando com "Toteninsel" de Böcklin e incluindo Dorothea Tanning, Max Ernst, os bonecos de Hans Bellmer, o pintor australiano Sidney Nolan, os monstros de Giger, o papa Cattelan e os híbridos dos irmãos Chapman, bem como a pintura surreal de Magritte e Delvaux, o trabalho místico e sensual de Gustav Klimt e os auto-retratos de sonho de Frida Kahlo. Artistas: Balthus, Hans Bellmer, Arnold Böcklin, Fernando Botero, Maurizio Cattelan, Jake e Dinos Chapman, Salvador Dalí, Paul Delvaux, Peter Doig, Alfred Kubin, James Ensor, Max Ernst, Ernst Fuchs, Frida Kahlo, Gustavo Klimt, Joana Miró, Sidney Nolan, Odilon Redon, Dorothea Bronzeamento, Franz von Stuck, Andrew Wyeth. Cada livro na série de arte e movimento de arte, incluindo introdução detalhada rico em fotografias, além de uma linha do tempo dos eventos mais importantes nos setores políticos, culturais, científicos, esportivos, entre outros, que ocorreram durante o período de tempo, descrição e interpretação da obra, retrato do artista e informações biográficas. Veja mais aqui.

CONTO AFRICANO - [...] Uma noite, um velho viu um morto iluminado pelo luar. O velho reuniu uma quantidade de animais e lhes disse: “Qual de vocês quer atravessar o morto ou a lua para a outra margem do rio?”. Duas tartarugas se apresentaram: a primeira, que tinha patas compridas, pegou a lua e chegou sã e salva à outra margem; a segunda, tinha patas curtas, pegou o morto e se afogou. É por isso que a lua morta volta sempre, ao passo que o homem morto, nunca. [...]. Extraído da obra O céu, mistério, magia e mito (Objetiva, 1987), do astrônomo, historiador e matemático Jean-Pierre Verdet. Veja mais aqui e aqui.

TEM GENTE PASSANDO FOMETrem sujo da Leopoldina / correndo correndo / parece dizer / tem gente com fome / tem gente com fome / tem gente com fome / Piiiiii / Estação de Caxias / de novo a dizer / de novo a correr / tem gente com fome / tem gente com fome / tem gente com fome / Vigário Geral / Lucas / Cordovil / Brás de Pina / Penha Circular / Estação da Penha / Olaria / Ramos / Bom Sucesso / Carlos Chagas / Triagem, Mauá / trem sujo da Leopoldina / correndo correndo / parece dizer / tem gente com fome / tem gente com fome / tem gente com fome / Tantas caras tristes / querendo chegar / em algum destino / em algum lugar / Trem sujo da Leopoldina / correndo correndo / parece dizer / tem gente com fome / tem gente com fome / tem gente com fome / Só nas estações / quando vai parando / lentamente começa a dizer / se tem gente com fome / dá de comer / se tem gente com fome / dá de comer / se tem gente com fome / dá de comer / Mas o freio de ar / todo autoritário / manda o trem calar / Pisiuuuuuuuuu. Poema extraído da obra Cantares do meu povo (Fulgor, 1961), do poeta, folclorista, pintor, ator, teatrólogo, cineasta e militante Solano Trindade (1908—1974).

A ARTE DE OTTO RUDOLF SCHATZ
A arte do pintor austríaco Otto Rudolf Schatz (1900-1961).



Veja mais Por um novo dia, George Frideric Handel, Mary Del Priore, Mark Twain, Kóstas Ouránis, William-Adolphe Bouguereau, Sarah Connolly, Mika Lins, Dora Carrington, Christopher Hampton, Emma Thompson, Melanie Lynskey & Mariza Lourenço aqui

E mais também Tom Jobim, Virginia Woolf, William Somerset Maughan, Adelaide Cabete, Pompeu Girolamo Batoni & Renata Bonfiglio Fan aqui.






CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Leitora Tataritaritatá!
Veja aqui e aqui.
 

Vamos mesmo aprumar a conversa & tataritaritatá!!!!!

STEVEN PINKER, NEILA TAVARES, ISADORA DUNCAN, RITA JOANA, GINÁSIO MUNICIPAL DOS PALMARES & RESSURREIÇÃO DO BARÃO

A PRIMEIRA RESSURREIÇÃO DO BARÃO - Depois da perda trágica do segundogênito, teibei! E da fuga ruidosa de sua primogênita atrepada na cac...