quarta-feira, setembro 28, 2011

A MULHER, LUTAS E CONQUISTAS



A MULHER NOS PRIMÓRDIOS DA HUMANIDADE - O papel da mulher estava definido dentro de uma particularidade: elas eram consideradas como um recurso financeiro e tratada pelos homens das formas tribais mais remotas do planeta, como um animal ou pedaço de terra adquirido. Ela detinha, portanto, uma condição de submissa e subalterna desde as mais remotas eras.
MULHER NA ANTIGUIDADE - Predomínio das deusas Afrodite, Semíramis, Rhianom, Astartéa, Cibele, Freya, Frigga, Ostara, Innana, Nisara, Nungal, Nigirimm, Figuras representativas e que exerceram papéis sociais e religiosos: a Nossa Senhora de Babalon e da besta que monta, bem como da RaínhaBoudica, entre outras.Lilit, Jezabel, Kun-Bau de Kish, entre profetisas, vestais, volvas, guerreiras, escravas revoltosas, poetas, tocadoras de músicas, sacerdotisas, além de cortesãs e prostitutas.
A MULHER NA GRÉCIA ANTIGA - Entre os gregos, todavia, devida a predominância e prazer masculino, além da concorrência dos escravos, a mulher já se encontrava humilhada, escravizada, degradada, sendo, pois, considerada instrumento para simples reprodução. Exemplo disso era o tratamento dispensado pelos espartanos que entendiam a mulher apenas como responsável por uma raça forte, concebendo filhos sadios e belos, sendo obrigadas a educá-los. Já os atenienses dividiam as mulheres em classes, mantendo a esposa legítima quase em clausura e instruindo as que se destinavam às cortesãs. Entre o universo judeu, a mulher detinha uma posição de absoluta inferioridade em relação ao homem, em conformidade com a lei mosaica. Tem-se, com isso, que a opressão sofrida pela mulher é resultado das transformações ocorridas nas relações humanas desde as primeiras sociedades que se conhece, ocorrendo momentos no final da Antiguidade, em que ela era colocada em situações de superioridade e que, em muitas culturas, a mulher era vista como um ser especialmente capaz de realizar certos encantamentos e receber favores das divindades. Safo foi uma poeta grega que viveu na cidade lésbia de Mitilene, ativo centro cultural no século VII a.C.. Nascida algures entre 630 e 612 a.C., foi muito respeitada e apreciada durante a Antiguidade, sendo considerada "a décima musa" por Platão.
A MULHER NA IDADE MÉDIA - Era do Obscurantismo: A mulher era um zero, desprezadas tanto pelos homens como por elas mesmas, mantendo a condução secular de Eva como a arquiteta responsável pela queda do homem. A Mariolatria – Séc. XII: a costela de Adão, era destinada à união social com o homem. Martas: aquelas que vivem e morrem nas cidades O culto à Maria Madalena que era a figura da prostituta que se arrependera para seguir Jesus, dando-se oportunidade à construção de lares para arregimentar e converter as decaídas que haviam reconhecido o erro de sua trajetória. A dama honorável pelo jogo do amor palaciano, oriundo do amor puro dos árabes e da importação do culto à Virgem Maria de Bizâncio. A dama da Cavalaria, os demônios súcubus e íncubus.
A MULHER NA IDADE MODERNA – SÉCULOS XV – XVIII - Surge o capitalismo e a caça às bruxas: a sexualidade e a prostituição feminina. As mulheres da burguesia desempenharam um papel fundamental na economia familiar: ajudavam o marido nos negócios e empregava-se no serviço doméstico ou em oficinas têxteis. As cortesãs eram as amantes dos ricos e poderosos nobres que lhes providenciavam bem-estar, luxo e com isso podiam frequentar as cortes, em troca da sua companhia, e seus favores. As mulheres do estrato mais desfavorecido encarregavam-se dos trabalhos domésticos e agrícolas. A prostituição feminina: o aumento da pobreza, a expulsão dos camponeses das suas terras e a grande quantidade de mulheres sem meios para casar, aumentou o número de prostitutas pobres.
A MULHER NA CONTEMPORANEIDADE - Já no século XX, deu-se o movimento do operariado estadunidense iniciado em 1903, proporcionando a criação da Women’s Trade Union League, enfrentando as crises industriais de 1907 e 1909, redundando na grande manifestação realizada em 1908, quando as mulheres socialistas denominaram esse movimento de Dia da Mulher. As greves de 1910 levadas a cabo por protestos étnicos e políticos, levaram ao atendimento de uma série de reivindicações da classe trabalhadora. Em 1911, um grande incêndio irrompeu na TriangleShirtwaistCompany, no qual morreram 146 pessoas, 125 mulheres e 21 homens, a maioria deles judeus. Já em 1917, exatamente no dia 8 de março, trabalhadoras russas do setor de tecelagem entraram em greve por melhores condições de vida e trabalho, e contra a entrada do czar na Primeira Guerra Mundial. A partir de então, passou-se a defender essa data como o dia que deveria ser dedicado à mulher, abrangendo as lutas delas tanto no continente americano, como no continente europeu e asiático, por melhores condições de vida e de trabalho, como também pelo direito de voto. Nas décadas seguintes uma série de acontecimentos foi deflagrada e até os dias hoje, as mulheres mantêm em pleno século XXI, o combate a eventos de natureza sórdida e misógina. Faz-se necessário mencionar que todas as lutas das mulheres incorporaram não só as suas reivindicações, como a das crianças, dos idosos, dos oprimidos, de sufrágio, da educação para todos e de todas as pautas contendo as condições necessárias para o respeito à dignidade do ser humano. Veja mais aqui e aqui.



FESTA BRINCARTEFoto: Iracy Mergulhão. - BRINCARTE: 5 ANOS – Já está no blog Brincarte a postagem com fotos de toda festa de comemoração do aniversário, ocorrido no último dia 24 de setembro, no Espaço Cultural Linda Mascarenhas, em Maceió. Confira no Brincarte.




Veja mais sobre:
Quando Papai Noel foi preso, Henryk Górecki, Demócrito de Abdera, Jane Campion, Alfred Eisenstaedt, Frédéric Bazille, Fernando Fabio Fiorese Furtado, A Comédia, Meg Ryan, A prisão de São Benedito & Luiz Berto aqui.

E mais:
Oniomania & Shopaholic, Píndaro, Mestre Eckhart, Maimônides, Paulo Leminski & Gilton Della Cella aqui.
A depressão aqui.
Ansiedade: elucubrações das horas corridas aqui.
O sabor da princesa que se faz serva na manhã aqui.
Orçamento & Finanças Públicas & os quadrinhos de Sandro Marcelo aqui.
Educação, Professor, Inclusão, Emir Ribeiro & Velta aqui.
A Lei de Responsabilidade Fiscal aqui.
Gilbela, é nela que a beleza se revela aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Leitora Tataritaritatá!
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra: 
 Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.


terça-feira, setembro 27, 2011

RUDYARD KIPLING, ROGERS, MARIANA MASCHERONI, BIANCA LI, GUEIXAS & LITERÓTICA


MUSA TATARITARITATÁ: MARIANA MASCHERONI

Fotos: Imagens recolhidas do perfil MySpace de Mariana Mascheroni.



PAS DE DEUX




No palco do meu coração sedento jamais houvera tamanha fascinação, jamais houvera, porque algo mais infrene se fizera aroma de seiva na noite fria de agosto: a presença resplendente do seu corpo de mulher.

Ah, jamais houvera tão irresistível: à meia luz seu jeito maçã desolada, cabeça pendida no ombro da solidão. Na horagá, a minha chegada de sempre: a captura. E franze o rosto, cerra as pálpebras, morde os lábios e estremece suplicante a suspirar o magnetismo do coração que palpita na sintonia que nos impele um ao outro. Nada a deter e o amor embala na rede dos devaneios quando nos píncaros da sedução se insinua num écarté para me provocar com requisições de gracejos acariciantes, a me insultar no entalhe pujante de costas com o pé na barra a dar-me todos os regalos de um ensaio fotográfico particular, ali exclusivo estourando meus sentidos.

Ah jamais houvera e nossos corpos fremem de desejos e já me precipito envolvê-la para o embalo íntimo de um atittude libidinoso, colados um no outro a inalar o incenso dos nossos laços de sentimentos transpassados. Mas judia de mim a rodopiar com seu magnetismo. Rodopia incólume na noite enquanto eu afio os dentes. E rodopia mais o seu bailado sem fim, até que possessa, de repente, me leva ao nocaute num grand decárt sobre meu corpo.

Ah, Cinderela exata do meu tope, Loba certa do meu querer. E eu sou todo delírio nessa festa que jamais houvera. E na agonia dos quereres imponho poder nas minhas mãos que se acercam de sua feição, alisam seu rosto, se apossam de sua feitura para arrancá-la ao beijo, nos enroscando na dança. E aos solavancos murmuramos arrastados pelo tapete de pétalas no assoalho da pulsação vital, atrás da porta, das cortinas, esgotando calcinados nosso parque de diversão que traz o repique dos sinos no júbilo, crepitando a nossa fogueira de ímpeto selvagem nas alturas das suas nuvens para chover meu amor, na invasão da sua selva com todos os segredos de entrega e felicidade.

Ah jamais houvera e ofegantes usufruímos a vida e com ela nossos turbilhões mais que enlouquecidos derrubam colunas, grilhões, capitéis, pedestais, leis e limites, até alcançar o podium do grand finale a nos fartar embriagados da sidra dos nossos corpos desforrados.

Ah, jamais houvera pas de deux como devaneio do amor na noite fria de agosto, jamais houvera.

© Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui.


MARIANA MASCHERONI- A bailarina e professora carioca Mariana Mascheroni participou de importantes repertórios clássicos como Coppélia, Bela Adormecida, Lago Dos Cisnes, entre outros. Atualmente está cursando o CQID de Ballet Clássico do Sindicato da Dança do Estado do Rio de Janeiro. Ela também é manequim profissional formada pela Escola Quartier Latin do Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversão do Rio de Janeiro. Veja mais dela no MySpace e no YouTube. Hoje é o aniversário dela, aqui a nossa homenagem. Confira mais Musa Tataritaritatá.

DITOS & DESDITOSQuem sabe o que é o medo? Não falo de medo comum de agressão, ferimento ou morte, mas o medo abjeto e arrepiante de alguma coisa que não se pode ver. Pensamento do escritor britânico Rudyard Kipling (1865-1936).

QUANDO FALA O CORAÇÃO - [...] Quando uma pessoa se une a outra, ela deixa de lado a sua identdade individual e se torna parte de uma consciência maior que agora inclui ela e a outra pessoa. Embora as pessoas que se unam uma a outra possam continuar tendo uma certa consciência de sua própria identidade individual, essa consciência é secundária e não é significativa para o que está acontecedo no momento, mas sim a união. [...]. Trechos da obra Quando fala o coração (Vetor, 2004), do psicólogo norte-americano e criador da abordagem psicoterapeuta Terapia Centrada na Pessoa, Carl Rogers (1902-1987). Veja mais aqui.

GUEIXAS –[...] Há diferentes motivos para que uma mulher escolha a vida de gueixa. Uma jovem de 16 que resolve experimentar a vida de maikp tem ideias e prioridades diferetes das de uma mulher de 26 anos que sabe que ao tornar-se gueixa poderá obstruir as possibilidades de uma vida de casada comum. [...] há uma coisa que une todas essas mulheres na escolha da carreira: a inclinação pelas artes. [...] Já mulheres que entrampara a profissão imaginando que encontrarão um marido entre os clientes, mas a maioria das gueixas [...] parece acreditar que essa não é uma boa razão para escolher a vida de gueixa. [...] As gueixas estão em situação de poder juntar-se aos ricos e famosos, e por vezes isso leva ao casamento; tais coisas acontecem. Mas é duvidoso que um homem vá às áreas de gueixas expressamente para procurar uma esposa. Ao chegarem aos 30 anos, em geral as gueixas já abandonaram completamente a ideia (ou a esperança secreta) de casamento. Muitas copnsideram aborrecida e repressora a vida da mulher japonesa casada comum. Afirmam que jamais trocariam sua independência pela respeitabilidade do matrimonio [...]. Trechos do livro Gueixa (Objetiva, 2003), de Liza Dalby.


A arte da coreógrafa. Diretora de cinema, dançarina e atriz Bianca Li.



Veja mais sobre:
Das decepções com as mazelas na vida, Luís da Câmara Cascudo, Noam Chomsky, Hector Babenco, Frieze Magazine, Marília Pêra, Maria Luísa Mendonça, Xuxa Lopes, Sara Bareilles, Danielle Winits, Enki Bilal & O rabicho da Geralda aqui.

E mais:
A explosão do prazer & Zine Tataritaritatá aqui.
Desenvolvimento Psicossocial & Justiça à Poesia aqui.
A mulher e as relações de gênero aqui.
A mulher, a Lei Maria da Pena & Ginocracia aqui.
Paulo Freire & a Pedagogia do Oprimido aqui.
Satyricon de Petrônio aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Leitora Tataritaritatá
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra: 
 Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.



domingo, setembro 25, 2011

GORE VIDAL, FEYERABEND, MAUPASSANT, JORGE FRANCO, MALIKA FAVRE & LITERÓTICA

 
Art by Malika Favre



PAROXISMO DO DESEJO - Imagem: Arte by Ísis Nefelibata - Nada melhor que a sua chegada no mormaço da tarde: carne fresca e trêmula de Luisa Micheletti suspirando desejo dentro do vestido. E eu enamorado pelo decote valho nada mais que menos de R$ 1,99 porque viro a sua criptonita e babo canibal pronto pro repasto delicioso que palpita e seduz entre as suas coxas no saiote que me fazem Goya no seu olhar Natalie Portman quando sou mais que Lobão na cobiça do seu remexido sensual de Vanessa da Mata. É aí que ela se rende, vendida, inheta de manha e cheia de munganga como quem desfila em trajes mínimos pela praia do Janga a me chamar de banguelo na rua, na chuva, na fazenda, ah! Cobiçada prenda que faz ao vivo o que sabe e eu a ela, dois bicudos, dou meu recado e topa tudo autografando a foto e eu D2 carburando na sua fogueira, pronto para incendiar o mundo e o universo. É aí que vou Gustave Courbet enquanto ela Catherine Deneuve nua Séverine no devaneio do meu coração Luis Buñuel me provocando pra que eu seja o motorboy mandando ver na lambreta, levando na maior toda a máquina indomável que nua, linda, implacável vai se insinuando e vou pastorando com jeito e jinga até não resistir sem qualquer empecilho. É quando ela mexe os cílios, desenfreada, finda emo com toda aura domada pela minha certeira ferveção que espragata os tomates, descasca banana, chupa laranja - minha língua vira solo de guitarra Kisser Sepultura reverberando nas entranhas como o meu mergulho na Ponta Verde do seu corpo. Ela ronrona, resmunga, fala feito hap e eu repente como o sol na pele lavando a alma e a jega na sua graça e sanha, porque sou vilão sem papas na língua nem escrúpulo nem nada, sou Nelinho mandando o canudo nela goleira vazada com prazer bola na caçapa, gol, sou goleada, sou passe certo na jogada, ela de voleio e eu gozando na jangada com minha tocha viva e ela sádica porque sou campeão e ganho a taça e o premio Nobel, porque tudo se arregaça, tudo é ignóbil e tudo me dá e tudo dou pra ela, sem piedade nem noção, porque tudo finda dela nua e dada numa gravura tatuada no meu coração. Veja mais  aquiaqui.


DITOS & DESDITOSQuando a noite ficou escura, bem escura, deixei meu abrigo e comeceu a caminhar de mansinho, com passos lentos e surdos, por essa terra repleta de mortos. Pensamento do escritor francês Guy de Maupassant (1950-1893). Veja mais aqui.

DIÁLOGOS DO CONHECIMENTO - [...] as ideias, como as borboletas, não subsistem e basta; desenvolvem-se, entram em relações com outras ideias e produzem seus efeitos. [...]. Os historiadores modernos (da ciência e de outras matérias) encontraram defeitos suplementares. A orde3m da descrição num artigo cientifico tem pouco a ver com a ordem descoberta, e alguns dos elementos signularem revelam ser quimeras. Isso não significa que os escritores sejam mentirosos. Sendo forçados por um modelo especial, sua memória muda e fornece as informações necessárias (porém fictícias) [...]. De fato, repetindo-me, a “filosofia” entendida como âmbito de atividade bem determinado e homogêneo existe tão pouco quanto a “ciência”. Há as palavras, há também os conceitos, mas a existência humana não revela traço das fronteiras implícitas nos conceitos. Trechos extraídos da obra Diálogos sobre o conhecimento (Perspectiva, 2008), do filósofo e físico austríaco, Paul Feyerabend (1924-1994). Veja mais aqui, aqui e aqui.

SEXO É POLÍTICA“Mas o senhor não pode ser favorável à publicação de pornografia!” [...] estava na televisão, sendo entrevistado por dois homens – ou pessoas, como se diz hoje em dia. Um deles era um conservador, representando a opinião decente de metade do país. O outro era um reacionário, representando a opinião decente de metade do país. “Claro, sou a favor de que se publique...” [...] Nervosamente, tocou a testa com os dedos e continuou – “da América queriam liberdade de palavra apenas para... ahn.... a política”. “Mas sexo é política”, comecei... e terminei. Fuialvo de dois olhares vazios de expressão. Seria a mesma coisa se eu tivesse dito que a heresia palagiana nunca criará raízes na parte sul do território Amish. Nemo conservador nem o reacionário jamais tinhamouvido dizer uma coisa daquelas antes, e eu sabia que nunc seria capa de explicar-me em profundidade nos sete minutos que restavam de termpo no ar. [...] Era só dissimulação: meu herói secreto é o falecido rei Herodes. Sexo é política. [...] fui lembrado do fato de que não só sexo é política como – direta e indiretamente – o sexofoi um tema de importância báisca nas eleições deste ano. [...] As atitudes sexuais de qualquer sociedade são resultado de decisões políticas. [...] Embora as noções que temos sobre o que constitui um comportamento sexual correto apóiem-se geralmente em textos religiosos, esses textos são invariavelmente interpretados pelos governantes com o objetivo de manter os governados sob controle. Qualquer atividade sexual, intelectual, recreativa ou política que possa diminuiir a quantidade de carvão extraído de uma mina, o número de pirâmides construídas, a quantidade de leis que, por sua vez, apóiam-0se em revelações divinas passadas aos homens por qualquer deus ou deuses eventualmente em moda no momento. As religiões são manipuladas para servir àqueles que governam, a sociedade, e não o oposto. [...] Por sorte, nada que é humano é constante. [...] Uma mulher capaz de sustentar0se e de sustentar seu filho é uma ameaça ao casamento, e o casamento é a instituição central através da qual os proproetários do mundo controlam as pessoas que realizam o trabalho. O homossexualismo também representa uma ameaça a seu antigo domínio, porque homens que não têm mulher nemfilhos comos quais se preocupar não são facilmente domináveis quanto os que têm. [...] Muitos cristão e alguns judeus não gostam muito de gente branca pobre, partindo do velho princípio puritano de que se que você é bom, Deus irá enriquecê-lo. [...]. Agora sabemos por que os ricos estão sempre conosco. Deus gosta deles. [...] Em desespero de causa, os proprietários da naçaão agora voltaram a apelar para os testados e comprovoados botões quentes: salvem do inimigo sem Deus nossas crianças, nossos fetos, nossos banheiros femininos. Como de hábito, os botões do sexo mostraram-se satisfatoriamente quentes. [...] achavam que “não deveria haver leis, nem federais nem estaduais, regulamentando a prática sexual. Ou bem se interpreta isso como umanotável demonstração de viva e deixe viver (atitude que a atual Suprema Corte sabidamente não compartilha) ou isso possivelmente não passa da sabedoria cínica de nosso povo, que sabe, por experiência, que qualquer área em que o governo meta a mão ficará irremediavelmente bagunçada. [...]. Oficialmente, nossas atitudes em relação a sexo têm origem no Antigo e no Novo Testamentos. Mesmo hoje em dia os fundamentalistas cristãos gostam de dizer que como cada uma das palavras do livro bom é absolutamente verdadeira, cada uma das injunções divinas deve ser absolutamente obedecida se não quisermos que as imensas planícies da nação fiquem juncadas de colunas de sal – ou pior. [...] À mulher ordenou-se que servisse e obedecesse ao marido tão completamente quanto ele, por sua vez, servia e obedecia seu mestre temporal, citador da Bíblia. [...] Agora, qual é, afinal, o objetivo de tanto disparate? Por que condenar os desejos sexuais naturais em nome da religião? [...] As relações homossexuais entre heróis eram frequentemente celebradas na antiguidade. O mais antigo rexto religioso fala do amor entre dois homens, Gilgamesh e Enkidu. Quando Enkidu morreu, Gulgamesh desafiou a própria morte para trazer seu amante de volta à vida. [...]. Na realidade, não existe isso que se chamaria uma pessoa homossexual, assim como não existe isso que se chamaria uma pessoa heterossexual. As palavras são adjetivos que descrevem atos sexuais, não pessoas. Esses atos sexuais são perfeitamente naturais; se não fossem, ninguém os executaria. [...] Trecho de Sexo é política, extraído da obra De fato e de ficção: ensaios contra a corrente (Companhia das Letras, 1987), do romancista, dramaturgo, ensaísta, roteirista e ativista político estadunidense Gore Vidal (1925-2012).

ROSÁRIO TIJERAS – [...] Rosário é dessas mulheres que são veneno e antídoto ao mesmo tempo. Quem quer se curar ela cura, quem quer se matar ela mata. [...] O que aconteceu foi meu mais belo e doloroso segredo, e agora que está morta, continuará sendo para sempre mais secreto e ainda mais saudoso e doloro. Vou escrevê-lo num diário para que sempre volte novo, como se estivesse acabado de acontecer, por isso gostaria de baijá-la agora, para lembrar outra vez de sua boca, aprovetando que seus beijos sempre tinham o mesmo gosto. Beijá-la agora com a certeza de que não descontará em mim o peso de suas culpas. [...] Tenho de deixá-la, olhá-la pela ultima vez e deixá-la, a ultima vez que estou com ela, a última vez que pego sua mão, a última, isso é que me dói. Não queria ir sem beijá-la pela última vez, o último beijo do último da fila. Já não dá mais, como sempre, é tarde, levam-na de seu último mundo, rolando sobre a maca, tão linda ainda, “isso é tudo, Rosário Tijeras”. Trechos do romance Rosario Tijeras (Objetiva, 2007) do escritor colombiano Jorge Franco.


Art by Malika Favre
  



Veja mais sobre:
O presente na festa do amor aqui.

E mais:
Primeiro encontro, a entrega quente no frio da noite aqui.
Primeiro encontro: o vôo da língua no universo do gozo aqui.
Ao redor da pira onde queima o amor aqui.
Por você aqui.
Moto perpétuo aqui.
O uivo da loba aqui.
Ária da danação aqui.
Possessão Insana aqui.
Vade-mécum – enquirídio: um preâmbulo para o amor aqui.
Eu & ela no Jeju Loveland aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
O flagelo: Na volta do disse-me-disse, cada um que proteja seus guardados aqui.
Big Shit Bôbras aqui.
A chupóloga papa-jerimum aqui.
Educação Ambiental aqui.
Aprender a aprender aqui.
Crença: pelo direito de viver e deixar viver aqui.
É pra ela: todo dia é dia da mulher aqui.
A professora, Henrik Ibsen, Lenine, Marvin Minsky, Columbina, Jean-Jacques Beineix, Valentina Sauca, Carlos Leão, A sociedade da Mente & A lenda do mel aqui.
Educação no Brasil & Ensino Fundamental aqui.
Bolero, John Updike, Nelson Rodrigues, Trio Images, Frederico Barbosa, Roberto Calasso, Irma Álvarez, Norman Engel & Aecio Kauffmann aqui.
Por você aqui.
Eros & Erotismo, Johnny Alf, Mário Souto Maior & o Dicionário da Cachaça, Ricardo Ramos, Max Frisch, Marcelo Piñeyro, Letícia Bretice, Frank Frazetta, Ricardo Paula, Pero Vaz Caminha, Gilmar Leite & Literatura Erótica aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Imagem: Art by Ísis Nefelibata.
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra: 
 Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.




KEATS & FANNY, LAING, JANE CAMPION & ALEXANDER ARCHIPENKO

FANNY, O TESTEMUNHO DERRADEIRO – Agora o meu testemunho derradeiro: compartilho definitivamente meu sofrimento com esta ode, para que ...