quarta-feira, outubro 03, 2018

OSMAN LINS, JEUDY, RAFAEL ALBERTI, UNAMUNO, ANNIE LEIBOVITZ, CAMILLA CABELLO & MARACATU REAL DA VÁRZEA


SÓ FALTAVA ESSA! - Imagem: arte da fotógrafa estadunidense Annie Leibovitz. - Entre coisas acontecidas e inventadas, já vi muitas coincidências nesse mundo de meu Deus por aí afora e valha-me tudo quanto é de doidice e arrepios. Já ouvi de tudo quanto é de coisa sobrenatural, de ficar de orelha em pé com incidências que dão trabalho com acrobacias mentais para justificar como é que pode aquilo ter acontecido, as mais disparatadas razões sequer davam para imaginar o que deveras sucedeu. No meio disso, há quem tenha visto, não acredita em nenhuma delas, mas afirma que há, inclusive sortilégios, ou mesmo pretexto para uma boa pinoia ou deixar o temeroso insone. Por conta disso, há quem recorra a todo tipo de crendice para se ver livre dos desfortunios, tem quem adivinhe antes da hora, como quem não arrede o pé dos horóscopos, saque das ocultidões da astrologia, coisas do tipo inexplicáveis, impossíveis ou de outro mundo, coisas assim do inusitado, mesmo que não tenham sido lá essas coisas, alguma até são, outras nem tanto, só que foram e ainda espalham brasa entre incautos e desconfiados. Explicações existem, quase nem sempre aceitáveis, mas vá lá, tipo esconjuro, déjà vu, cilada, ou aquela de que Deus protege os bêbados, as crianças e os doidos; ou mesmo daqueles que tiram fino na morte, escapam incólume e não aprendem a lição. Na verdade, o que tem de gente descrente que chama na grande no ver pra crer e, ao mesmo tempo, cultua o apocalipse da besta fera dos religiosos e outras pragas, não tendo cabimento nenhum motejo, pois, eu mesmo sei de gente condenada à morte por doença terminal asseverada por médico gabaritado com todos os equipamentos disponíveis da ciência, que só garantia no máximo seis meses de vida pro aniquilado, e até hoje ele zanza por aí sorridente pra cima e pra baixo, de se dizer boquiaberto: ué, curou-se como? Mistério. Quantas com mais de um século de existência de aprontar no fumo e na bebida, sequer baixaram emergências a vida toda, somente sorrindo e não levando nada a sério, de só se ouvir: como é que pode, hem? Ontem mesmo um atleta parrudo, saudável, abstêmio e antitabagista, passou, acenou e saiu sorridente, teve um piripaque, caiu, morreu na flor da idade. Que coisa!?! Afora aquelas mais cavernosas que custam mesmo acreditar e que vem logo com a falação de praxe: acredite, se quiser. Na verdade, o que há de mesmo é que o barulho lá de fora é enorme e atrapalha os meus pensamentos, rouba minha concentração, me tira do sério, me deixa neurótico ou virado na porra, pronto pra desaforar por aí que tem muito parasita que se passa por gente bem vestida e educada, muares diplomados, chatos de galocha peritos em dar toque de arrodeio e ganhar dinheiro, armados da maior picaretagem de tão inescrupuloso, pronto para desancar reputações e sair na maior depois de picar a mula para lugar incerto e não sabido, pra voltar com a cara mais lisa como se nada tivesse acontecido e começar tudo de novo, no fuxico, na trama e danação, isso sim, isso custa acreditar, como se não aprendesse a lição ou jamais tenha lição alguma pra ser aprendida, o que passou, passou, e nada mais resta que seguir adiante à espera de um milagre que cairá do céu e tudo será resolvido, só assim, Deus na causa e valha-nos todos nós. Dramas e comédias, de amigos que se foram assim do nada, duns estropiados que ressuscitaram na hora do enterro, casos que pairam dúvidas, outros intrigantes, afinal o estrupício é que incomoda, ou como diz Leon Eliachar: “nem sempre dramas, nem sempre comédias, mas irremediavelmente humanos – qualquer semelhança, portanto, é aquilo que todos nós sabemos”. Ora, ora, só faltava essa do misterioso, ah, nunca! Tudo é tão natural na vida. Então, vamos aprumar a conversa! © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui.

RÁDIO TATARITARITATÁ:
Hoje na Rádio Tataritaritatá especial com a música da cantora e compositora estadunidense de origem cubana, Camilla Cabello: Live Isle of Wight Festival, Live from Lollapalooza Argentina, Camila & Greatest Hits & muito mais nos mais de 2 milhões & 600 mil acessos ao blog & nos 35 Anos de Arte Cidadã. Para conferir é só ligar o som e curtir. Veja mais aqui.

DITOS & DESDITOS – [...] As variações da ciência dependem das variações das necessidades humanas, e os homens de ciência costumam trabalhar, quer queiram, quer não, consciente ou inconscientemente, a serviço dos poderosos ou do povo, que lhes pedem confirmação de suas aspirações. [...] O conhecimento está a serviço da necessidade de viver... E essa necessidade criou no homem os órgãos do conhecimento... O homem vê, ouve, apalpa, saboreia e cheira aquilo que precisa ver, ouvir, apalpar, saborear ou cheirar ... Os parasitas que, nas entranhas dos outros animais, vivem dos sucos nutritivos por estes preparados, como não precisam de ouvir ou ver, não ouvem nem vêem ... Para estes parasitas não deve existir nem o mundo visual nem o mundo sonoro. [...]. Extraído da obra O sentimento trágico da vida (Educação Nacional, 1953), do filósofo, escritor e dramaturgo espanhol Miguel de Unamuno (1864-1936). Veja mais aqui.

A SOCIEDADE TRANSBORDANTE – [...] A ética, o direito, a história são coordenadores e depositários de sentido que sustentam modelos de representação do mundo e de interpretação dos acontecimentos. Todavia, as relações com o mundo, com os outros, os modos de apreensão do espaço e dos objetos não parecem concordar com tal enquadramento simbólico. O desvio entre os discursos que dão sentido ao mundo ou à existência e a materialidade das coisas não cessa de crescer. [...] No processo generalizado de consumo, deixa de haver alma, sombra, duplo e imagem, no sentido especular. Já não existe contradição do ser, nem problemática do ser e da aparência. Dá-se apenas a emissão e a recepção de signos, abolindo-se o ser individual no interior desta combinatória e deste cálculo de signos [...] a atual sociedade não é, por conseguinte, transbordante de sentido porque dá em espectáculo a realidade, mas porque se situa além da espectacularização, porque neutraliza a oposição entre a realidade e os seus simulacros mediáticos. É por isso que a crítica da sociedade do espectáculo, a partir do desfasamento em relação a uma suposta realidade exterior que lhe servisse de referente, se tornou obsoleta e ingênua, visto ter passado a estar integrada no próprio sistema mediático e a servir de alimento ao próprio funcionamento das redes da informação. Os discursos sobre o “vazio”, sobre o “efémero”, sobre a “desrealização do mundo”, acabam por produzir uma negação estereotipada das angústias, das cóleras, das emoções, das tentativas de violência crítica…- como se o indivíduo não tivesse senão que assistir à sua própria desrealização. Pouco importa se é mera ilusão ou ficção. Cada um sabe que a ilusão permanece fundamental, existencial e que, neste sentido, perde praticamente o seu estatuto de ilusão tornando a emoção sempre possível [...]. Trechos extraídos da obra A sociedade transbordante (Século XXI, 1995), do filósofo, sociólogo e escritor francês Henri-Pierre Jeudy.

GUERRA SEM TESTEMUNHAS – [...] Hoje, porém, se ainda estou incerto quanto ao processo a seguir em minha exposição – ou em minha procura? – ocorre-me de súbito o ardil de confessar esta inatividade e referir ao mesmo tempo os fins da obra projetada. O que era obstáculo transforma-se em pretexto para agir; converte-se em literatura o que me impedia de escrever. Dêste modo, sem o fazer deliberadamente, ilustro o postulado gideano segundo o qual o escritor, longe de evitar ou ignorar suas dificuldades, nelas deve se apoiar. [...]. Trecho extraído da obra Guerra sem testemunhas (Ática, 1974), do escritor e dramaturgo Osman Lins (1924-1978). Veja mais aqui.

EQUIVOCOU-SE A POMBAEquivocou-se a pomba. / Equivocava-se. / Por ir ao norte, foi ao sul. / Acreditou que o trigo era água. / Equivocava-se. / Acreditou que o mar era o céu; / que a noite a manhã. / Equivocava-se. / Que as estrelas orvalho; / que o calor, a nevasca. / Equivocava-se. / Que tua saia era tua blusa; / que teu coração, sua casa. / Equivocava-se. / (Ela dormiu na beira / tu, no topo de um ramo). Poema do poeta espanhol Rafael Alberti (1902-1999).


A ARTE DE ANNIE LEIBOVITZ
A arte da fotógrafa estadunidense Annie Leibovitz. Veja mais aqui e aqui.

AGENDA
Maracatu Real da Várzea – 21 anos, 15/dez, 14hs, Praça Pinto Dâmaso – Av. Afonso Olindense, Recife – PE & muito mais na Agenda aqui.
&
De repente a crise, Carlos Eduardo Novaes, Nicandro Nunes da Costa, David Harvey, David Salle, O Trabalho & Ricardo Antunes, Desigualdade & Direitos & Elaine Rossetti Behring & Silvana Mara de Morais dos Santos, Antonio Carlos Nóbrega, Caroline Dale, Lee Ritenour & Rosana Simpson aqui.


ADA LIMÓN, MÓNICA BUSTOS, LETÍCIA CESARINO, ANUNA DE WEVER & O RECIFE DE CESAR LEAL

    Imagem: Acervo ArtLAM . Ao som dos álbuns Olho D'água (1979), Revivência (1983), Rio Acima (1986), Ihu - Todos Os Sons (1996),...