quarta-feira, outubro 31, 2018

ANA CRISTINA CÉSAR, NATALIE MERCHANT, HELMUT NEWTON, RURAL E URBANO


É ASSIM QUE É OU NÃO – Imagem: Phiplip Treacy, do fotógrafo alemão Helmut Newton (1920-2004). - A dona de casa se esmera para arrumar cantarolando a casa emburrecida de tantos pisos espelhados de cera e tetos arranjados de luzes com todas as ordens nas paredes e cantos da organização mais intacta e desumana, a conferir nenhuma imundície nem poeira a difamar sua elegância atapetada de vaidade. Ela vai de sala em vãos aos quartos, copas e cozinhas, delicadas ornamentações de varandas, escadas e corredores, tudo na mais perfeita arquitetura, dela não dispensar o menor dos detalhes de dobras, cortinas e adereços. É que ali só ela mora consigo e mais ninguém para desmanchar seu penteado ou tirar o brilho dos olhos ou o sorriso dos lábios, só o capricho da dona para ufaná-la além das amigas e comadres, quando nem ela sabe o sepulcro das poupanças abarrotadas de numerários para orgulho de quem esbanja o inabitável na imobilidade dos desejos. Ah, quanta habitação do fausto, é ali que se mata um saci presepeiro por acordar as crianças e ali não podem brincar em nome de todas as etiquetas da ostentação, tudo nos conformes da abundância de nunca brincar de pobre de marré no jogo daqui que veio dacolá: Je suis pauvre dans ce jeu d’ici. É de lá que o reino dos homens se faz ortodoxia imperativa do moralismo falso e inclemente dos dentes nas orelhas, com tudo previsível no aluguel de vinco das casas dos botões dos palitós com broches na gola, lenço no bolso e abotoadura nos punhos, e que faz tudo muito opaco para amanhã, porque a verdade possível foi varrida pra debaixo dos tapetes pra que tudo soe limpo e intocável. A sala está um brinco e pronta para receber os achegados com suas risadas de dólares embotidos no coldre e armas empunhads pela burrice gozam da impunidade para que cada vez mais sangue lave a honra imaculada dos estúpidos e fique por isso mesmo porque aos amigos tudo e aos inimigos as barras da lei de conveniência e camaradagens da leniência para dar de ombros e mãos apertadas no código de sátiros energúmenos de colarinho a se baquetear nas assembleias da miséria alheia e pelos púlpitos dos templos das mentiras deslavadas, com suas ladainhas de prosélitos do poder a furar o céu com breguices idiotas pros que perderam a memória na digital diplomada, na ganância dos que querem mais que os outros e nada mais. Ainda ousam sorrir da dor na alma do meu povo. Ainda anteontem havia alguma esperança, agora não mais porque a morte ronda anunciando a tragédia do apocalipse anunciado, não há como se salvar. Nada demais por isso, a salvação não existe e poderia sorrir mais que sou: as nuvens são mordaças ao Sol e os rios apodrecidos e o ar contaminado e a terra deserta, saídas bloqueadas por dentes que rangem seu ódio e infelicidade. É preciso estar adiante e inventar destinos pra seguir. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui.

DITOS & DESDITOS:
Tu queres sono: despe-te dos ruídos,
e dos restos do dia, tira da tua boca
o punhal e o trânsito, sombras de
teus gritos, e roupas, choros, cordas e
também as faces que assomam sobre a
tua sonora forma de dar, e os outros corpos
que se deitam e se pisam, e as moscas
que sobrevoam o cadáver do teu pai, e a dor (não ouças)
que se prepara para carpir tua vigília, e os cantos que
esqueceram teus braços e tantos movimentos
que perdem teus silêncios, e os ventos altos
que não dormem, que te olham da janela
e em tua porta penetram como loucos
pois nada te abandona nem tu ao sono.
Poema extraído da obra A Teus Pés (Ática, 1998), da escritora e tradutora Ana Cristina César – Ana C. (1952-1983). Veja mais aqui, aqui, aqui e aqui.

A ARTE DE HELMUT NEWTON
A arte do fotógrafo alemão Helmut Newton (1920-2004). Veja mais aqui.

AGENDA:
III Ciclo de Debates o Rural e o Urbano – 12/14 novembro, na UFRPE & muiro mais na Agenda aqui.
&
Contando história, John Keats, Canhotinho & Costa Porto, Eliane Potiguara, Pintando na Praça & Resistência dos versos, Elisa Fukuda, Duo Fênix – dos pianistas Cláudio Dauelsberg & Délia Fischer. Leo Brouwer & Jane Monheit aqui.

RÁDIO TATARITARITATÁ:
Hoje curta na Rádio Tataritaritatá a música da cantora e pianista estadunidense Natalie Merchant: Live Concert KBCO Rock Fest, Leave Your Sleep & com 10000 Maniacs Live & Unplegged MTV Live & muito mais nos mais de 2 milhões & 800 mil acessos ao blog & nos 35 Anos de Arte Cidadã. Para conferir é só ligar o som e curtir. Veja mais aqui.
 

ADA LIMÓN, MÓNICA BUSTOS, LETÍCIA CESARINO, ANUNA DE WEVER & O RECIFE DE CESAR LEAL

    Imagem: Acervo ArtLAM . Ao som dos álbuns Olho D'água (1979), Revivência (1983), Rio Acima (1986), Ihu - Todos Os Sons (1996),...