domingo, setembro 30, 2012

NÚRIA AÑÓ, TARIQ ALI, SAMANTA SCHWEBLIN, ADORNO, MICHAEL PALMER & LITERÓTICA


 TERCEIRO POEMA DE AMOR PRA ELA - (Imagem: Acervo LAM) -  O terceiro poema pra ela é como o terreiro aquarela, tudo dela que faz comigo: a cobiça, os castigos, as explorações do umbigo, tudo que nela vem pra mim. Assim: ela me tira o sono, me larga em abandono. Rouba meu sossego, se fecha em segredo; me prega uma peça, me faz de trepeça; me torra a paciência, me larga na demência do coração a pedir clemência e ela embromando, nem aí. Taí, ela me dá nos nervos, chega eu me atrevo a cobrar atenção. Ah, não! Ela me faz de desvalido, aquele que foi vencido, caso sem solução. Mas que azarão! Ah, ela come meu juízo no meio duma chuva de granizo d´eu me lascar de montão. Que desolação! Sou fritado na sua frigideira, todo meu afeto é só brincadeira na sua cavilação. E me lasco de antemão porque sou resto de comida, a data preterida, maior sujeito broco. Ela me passa por troco, me larga por descarte, nem sirvo pra estandarte porque sou mala sem alça. Não tem a menor graça ser mercadoria sem nota, feito a caçola da Maricota, ou cotoco no osso mucumbu. Que azedo angu, d´eu pular numa perna só, de num saber desatar esse nó, sem frenagem na banguela. Tô me acabando feito panela num mata-burro que me empaco, com a moleta no sovaco, a bosta do cavalo do bandido. Nessa eu tô mesmo fudido, sem valer sequer um taco, verdadeiro cara de tabaco, feito papagaio de pirata ou vassoura atrás da porta. Ela nem desentorta e me deixa chutando lata, dando a cara à tapa, ruim que só arroz de terceira. Mas que moedeira, sou pra ela farinha de Araripina, do lixo a fedentina, inda mais carne de pescoço, liso sem tostão no bolso, jogado quem nem lavagem na pia, no castigo da água fria na latrina dá descarga, que nem mesmo a mãe do guarda vem pra me salvar. É de lascar! Sou atleta de regra três, o mais otário freguês, um juiz em campo minado, um refém seqüestrado e com o ataque na banheira, com o vacilo da bobeira e a mão à palmatória. Isso é que é uma luta inglória, feito duplicata vencida, feito cata o chefe sem torcida, eita, trabalhão danado! Sou inquilino despejado sujeito mais sem noção de perder o camburão no pantim da malcriada. Pacutia incruada que no toitiço esfrega, é aí que o bicho pega, tiro logo nove horas, dou bafejo e tudo tora, ela fica então mansinha. Faz-se então toda tadinha, com a cara mais lisa, como a guerra fosse brisa, fiquei só no esculacho. Aí acendo o facho no pinguelo da priquita, dou um jeito que ela grita chega a baba a boca larga. Tomo logo a vanguarda e me aprumo na manzanza, no meio dessa bonança da menina dos seus olhos. É nela que eu me molho, quando o milagre opera, quando ela exaspera de pernas pro ar. Aí vou me arrumar, tirando ali todo proveito, de dar-se a todo respeito, nela até morrer de amar. © Luiz Alberto Machado. Veja mais aqui, aquiaqui.

 


DITOS & DESDITOSPrefiro estar do lado dos perdedores, das pessoas incompreendidas ou solitárias, em vez de escrever sobre os fortes e poderosos. Pensamento da escritora espanhola Núria Añó. Veja mais aqui.

 

ALGUÉM FALOU: Você tem que ser realista, a objetividade é a base de qualquer plano bom. Estranho pode ser bastante normal. Pensamento da premiada escritora argentina Samanta Schweblin. Veja mais aqui.

 

MINIMA MORALIA – [...] Após a extinção do sujeito, a arte é o que menos se deixa salvar pelo empalhamento do sujeito, e o único objeto que dela seria digno atualmente, o puro inumano, furta-se ao mesmo tempo a ela por sua enormidade e sua inumanidade. [...] Trecho extraído de Minima moralia (Beco do Azougue, 2008), do filósofo e musicólo alemão,Theodor W. Adorno (1903- 1969), que no livro Prismas – Crítica cultural e sociedade (Ática, 1998) ele diz: Escrever um poema após Auschwitz é um ato bárbaro, e isso corroi até mesmo o conhecimento de por que hoje se tornou impossível escrever poemas. Também no Dialética do esclarecimento (Zahar, 1985) expressa: O conceito é a ferramenta ideal que se encaixa nas coisas pelo lado por onde se pode pegá-las. Por fim, no Palavras e sinais: modelos críticos (Vozes, 1995): Paz é um estado de diferenciação sem dominação, no qual o diferente é compartido. Veja mais aqui aqui e aqui.

 

COCANHA, COCAGNE, COCAIGNE & CUCCAGNA – Cocagne é um país de localização desconhecida, registrado na comedia Le Roi de Cocagne (Paris, 1719), de um relato anônimo Le Dit de Cocagne, do séc. XIII, registrado por Marc-Antoine Legrand, local famoso por sua comida requintada, que não é cozida, mas cresce como flores. Doces e chocolates nascem na borda das florestas, pombos assados voam pelo ar, vinho perfumado jorra das fontes e bolinhos chovem do céu. O palácio real é feito inteiramente de açúcar de confeiteiro, as casas são de maltose, as ruas são calçadas com pasteis e as lojas fornecem mercadorias de graça. Diz-se que a casa de biscoito de gengibre existente em uma das florestas alemãs, famosa graça às explorações de um par de irmãos, vem de Cocagne. Os habitantes gozam de uma espécie de imortalidade porque desconhecem a guerra e, além disso, quando atingem cinquenta anos, voltam aos dez anos de idade. Servem-nos uma tropa de silfos, gnomos e ninfas aquáticas. Por outro lado, Cocaigne, recolhido de Jurgen: A comedy of justice (N.Y. 1919), de James Branch Cabell, é uma ilha situada adiante de Sargyll, reino de Anaitis, conhecida também como Dama do Lago, suposta filha do Sol e parente da Lua. Sua missão é desviar, virar para o lado e derivar. Ela viaja muito, demonstrando especial interesse em tirar ascetas da trilha espiritual que conduz à canonização. Foi ela que deu a Artur de Camelot a espada de Excalibur e que fez Guinevere, esposa dele, se apaixonar por Lancelot. As primeiras pessoas a chegar em suas portas foram Adão e Eva, agora representados na aldrava da porta. Há somente uma lei nesse reino insular: Faze o que parece bom para ti. Já Cuccagna é um pequeno país não muito longe da Alemanha, registrado por anônimos nos relatos Capitolo di Cuccagna (sec. XVI), Storia del Campriano contadino (sec. XVII) e Trionfo del poltroni (sec. XVII). De acordo com alguns viajantes, entra-se por um rio. No meio do pais ergue-se o monte Mecca, um vulcão cheio de sopa borbulhante. De suas entranhas saem raviólis e outras massas que, rolando por suas encostas cobertas de queijo, caem num vale de manteiga derretida. Lá os visitantes verão macacos jogando xadrez, a família real dormindo três anos de cada vez numa cama de linguiças, faisões assados correndo ao som de trompas e chuvas de capões caindo do céu. O solo produz trufas do tamanho de casas, os rios estão cheios de leite ou vinho. No inverno as montanhas ficam cobertas de requeijão, e durante o ano inteiro doces deliciosos crescem ao longo das estradas. As casas são feitas de vários tipos de comida italiana e as pontes são grandes salames. As carruagens andam sozinhas, sem necessidade de cavalos, e as árvores dão todo tipo de frutas. Uma fonte pequena está ao dispor de quem queira reduzir a idade lavando-se em suas águas. As mulheres dão à luz cantando e os bebês falam assim que nascem. Quem dorme mais, ganha mais; quem for encontrado trabaçhando é levado imediatamente para a prisão. Veja mais aquiaqui.

 

A MULHER DE PEDRA – [...] Como vivemos nossas vidas não depende, infelizmente, apenas de nós. Circunstâncias, boas ou ruins, intervêm constantemente. Uma pessoa próxima a nós morre. Uma pessoa não tão próxima de nós continua vivendo. Todas essas coisas afetam a forma como vivemos. [...]. Trecho extraído da obra Mulher de Pedra (Record, 2002), do escritor, roteirista e cineasta paquistanês Tariq Ali, que expressa a atualidade assim: Afinal, vivemos em um mundo onde as ilusões são sagradas e a verdade, profana. Veja mais aqui.

 

QUEM DEVE DIZER: Quem deve dizer / que a Casa das Línguas não é aquele lugar / onde os ratos enxameiam em torno de seus pés / sob sofás florescendo / não é aquele lugar / de neve envenenada, canetas que secam / e segredos agora tarde demais para saber / e, certamente, o murmúrio lá embaixo / era um mur-era um mur-era um / murmurando quase para ser ouvido / um borbulhando como água / invisível, por baixo / E olhe a sombra de uma asa / cai aqui como sangue / bebe profundamente de si mesmo / e sussurra sim por não / Uma vez que aqueles rostos por trás do vidro / podem ter retornado seu olhar / podem até ter se reunido / a seus membros, a fim de ficar / Quem deve dizer / que certas palavras não se espalharam / tanto quanto os olhos dos gatos podiam ver / do outro lado do rio no escuro. Poema do poeta estadunidense Michael Palmer. Veja mais aqui.

 

PROGRAMA DOMINGO ROMÂNTICO – O programa Domingo Romântico que vai ao ar todos os domingos, a partir das 10hs (horário de Brasilia), é comandado pela poeta e radialista Meimei Corrêa na Rádio Cidade, em Minas Gerais. Confira a programação deste domingo aqui. Na edição deste 30/09 do programa Domingo Romântico, uma produção da radialista e poeta Meimei Correa e apresentado por Luiz Alberto Machado, está com uma programação pra lá de especial, confira as atrações: George Gershwin, Mahatma Gandhi, Johan Svendsen, Miguel de Cervantes, Miles Davis, Machado de Assis, Alessandro Stradella, Baden Powell, Jerry Lee Lewis, Sérgio Porto (Stanislaw Ponte Preta), Sting, Milton Nascimento, Ronald Golias, Monica Bellucci, Mário Bortolotto, Ivan Lins, Gal Costa, Plinio Marcos, Wilson Simonal, Maria Rita, Geraldo Azevedo, Fito Paez, Johny Mathis, Alceu Valença, Tim Maia, Jorge Vercilo, Zelia Duncan e Lenine, Sonia Mello, Eliane Bastos, Thalita Carauta, Elaine Kundera, Paulinho Moska, Luciana Soler, Ozi dos Palmares, Chacrinha, Roberta Miranda, o Rei da Voz Francisco Alves, Chitãozinho & Xororó, Paulynho Duarte, Cantor Pitanga, Walter Pepê, tudo isso muito mais!! Veja mais aqui.


Confira mais detalhes e veja outras edições do programa aqui.




Veja mais sobre:
Ginofagia aqui, aqui e aqui

E mais:
O presente na festa do amor aqui.
Primeiro encontro, a entrega quente no frio da noite aqui.
Primeiro encontro: o vôo da língua no universo do gozo aqui.
Ao redor da pira onde queima o amor aqui.
Por você aqui.
Moto perpétuo aqui.
O uivo da loba aqui.
Ária da danação aqui.
Possessão Insana aqui.
Vade-mécum – enquirídio: um preâmbulo para o amor aqui.
Eu & ela no Jeju Loveland aqui.
O flagelo: Na volta do disse-me-disse, cada um que proteja seus guardados aqui.
Big Shit Bôbras aqui.
A chupóloga papa-jerimum aqui.
Educação Ambiental aqui.
Aprender a aprender aqui.
Crença: pelo direito de viver e deixar viver aqui.
É pra ela: todo dia é dia da mulher aqui.
A professora, Henrik Ibsen, Lenine, Marvin Minsky, Columbina, Jean-Jacques Beineix, Valentina Sauca, Carlos Leão, A sociedade da Mente & A lenda do mel aqui.
Educação no Brasil & Ensino Fundamental aqui.
Bolero, John Updike, Nelson Rodrigues, Trio Images, Frederico Barbosa, Roberto Calasso, Irma Álvarez, Norman Engel & Aecio Kauffmann aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Leitoras comemorando a festa Tataritaritatá!
Art by Ísis Nefelibata
Veja aquiaqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra: 
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.

EMMA LAZARUS, NADINE GORDIMER, LAGERLÖF, YOURCENAR & JOAN RODRIGUEZ

    Ao som de Pavane por une infante défunte (1899), de Maurice Ravel , com a Orchestre National de France, sob a regência da maestrina fin...