domingo, setembro 16, 2012

REBECCA WEST, JONATHAN LITTELL, PEDRO ÁNGEL PALOU & LITERÓTICA


PRIMEIRO POEMA DE AMOR PRA ELA - Foi com seu jeito franzino que ela tirou um fino no céu e acertou em cheio e com escarcéu a minha retina. Esse jeito menina cheia de vida traquina virou a noite do dia dentro de mim que sem guia e na maior fantasia ficou tatuada na memória. Era a sua vitória, uma asa torta, pá virada. Eu de chapa: será roubada? Era não, era uma deusa em plena profanação. Ah, que festão no meu coração. O cheiro da sua carne amena, uma menina falena cheia de truques e simulação. Eu na maior perdição. Ela apontando pro norte e eu seguia pro sul sua sorte, maior gamação. Eu, então, sigo seu jeito que ofusca quando ela aonde me busca e não me dou por vencido. Sou enxerido e muito pelo contrário, sou vencedor. Sou o domador dessa andeja presente. E a gente, coração cheio divide a vida meio a meio sem prova dos nove ou descarte. Ela faz estandarte da minha expressão. E me leva nas mãos pelo rio do seu ventre. Eita, chaleira quente das boas esquentadas, seu chamego ponto de chegada que de mim resta quase mais nada porque sou simplesmente um reles dependente, humano reincidente querendo seu colo e suas miragens, paisagens oníricas de sua boca fatídica dos meus naufrágios. Ela cobra então ágio no nosso céu de beijos, multiplicando os desejos de abraços, cobiças e ânsias. Santa extravagância! E a vida treme nos seios dela, entre o meu coração e a apalpadela no seu sexo gostoso, é aí que vem o gozo de todos ais e uis porque os nossos sonhos são todos tão azuis. © Luiz Alberto Machado. Veja mais aqui, aquiaqui.

 


DITOS & DESDITOS - Parece... que o homem ficou chocado com a guerra e esqueceu como ser um animal político. Essa suspeita é confirmada pela disseminação do fascismo, que é uma fuga precipitada para a fantasia da necessidade do pensamento político. Pensamento da escritora inglesa Rebecca West (1892-1983). Veja mais aqui e aqui.

 

ALGUÉM FALOU: Os sentimentos podem até matar coisas tão boas como o amor e o ódio. O humor é realmente uma das coisas mais dificeis de definir, muito mesmo. E é muito ambíguo. Ou você tem, ou não. Não o pode obter. É verdade e é facilmente dito que a linguagem é material, e algo realmente se materializa quando alguém escreve. O embaraço parece ser a única possibilidade de compreensão entre pais e filhos. Uma família sem uma ovelha negra não é uma família típica. A poesia é a impressão de estar sempre em contato com a morte. Pensamento do escritor e tradutor alemão Heinrich Böll (1917-1985), Prêmio Nobel de Literatura de 1972. Veja mais aqui.

 

FAMÍLIA - [...] a percepção ‘negativa’ - que associa as mudanças na família à ideia de perdas em geral - aparece reforçada pela degrada­ção das condições de vida, pelas estatísticas recentes sobre violên­cia, tráfico de crianças, menores abandonados, crimes passionais, bem como é estimulada pela mídia televisiva que trata de mostrar o amplo leque de estilos alternativos de vida. [...] são mudanças estreitamente relacionadas com as transformações nos modos de vida, valores e as condições de produção da população. [...]Trechos extraídos de As famílias no Brasil contemporâneo e o mito da desestruturação (Cadernos Pagu, 1993), da socióloga Ana Maria Goldani. Veja mais aqui, aqui e aqui.

 

A FEIRA DO CRACK (UM GUIA) - As palavras mais precisas sobre os desafios colocados aos romances de Crack seriam pronunciadas, creio, por Italo Calvino em Seis Propostas para o Próximo Milênio. Nestas páginas, Calvino propôs uma reflexão que se faz necessária hoje, quando a literatura e, sobretudo, a narrativa veem seu potencial leitor deslocado pelas tecnologias do entretenimento: os videogames, os meios de comunicação de massa e, recentemente, para quem pode pagar, os jogos. realidade virtual em que, ah, paradoxos do desenvolvimento, um indivíduo equipado com um capacete muito moderno e uma luva anatômica pode ver, ouvir e até sentir as aventuras que um disco compacto lhe proporciona. Como, então, o narrador pode competir com seus escassos meios para conquistar leitores perdidos naquele vasto mundo de pouca escuridão? Calvino, indo em frente, sabia a resposta: usando as armas mais antigas do comércio, o que quer que digam sobre a prostituição mais antiga do mundo: A leveza. Calvin ponderou esta virtude da literatura, pensando que funciona como Romeu e Julieta, o Decameron ou o próprio Quixote construíram sua poderosa maquinaria narrativa baseada numa estranha leveza. Ou melhor: de uma aparente simplicidade. foi mais fácil lidar com uma mensagem moral terrível por meio deste recurso. O olhar afiado, o ácido críticas de parceiros, estão sujeitos a um humor leve e fresco não isento do mais terrível dos sarcasmos. Chesterton dizia que o humor na literatura deveria produzir hilaridade, mas congelando o sorriso em uma careta reflexiva que para o tempo e desenterra o espelho. Primeiro território da feira de crack que visitamos com você: El Palacio de riso. A rapidez. Os teóricos da comunicação sabem há muito tempo que a implosão da informação anda de mãos dadas com a deflação do significado. A guerra persa, a primeira via satélite, nos esclareceu sobre isso; na realidade não sabíamos nada, embora pensássemos que víamos e sabíamos tudo. No entanto, não podemos negar que a primeira coisa que surpreende é a frieza aterrorizante. Se pouco depois do início do século o mundo estremeceu, e o verbo é gráfico, com o naufrágio do Titanic, hoje as tragédias da guerra de Sarajevo não chocam nem comovem: informam. Segundo território visitado: A Montanha Russa. A multiplicidade. Dom Quixote é talvez a obra múltipla por excelência na história da literatura. Gargantua está em seus calcanhares e Tristam Shandy carrega sua mala. Hoje, é inútil apontar, a própria realidade se lança a nós múltipla, revela-se multifacetada, eterna. São necessários livros em que um mundo total se abra para o leitor, e o aprisione em nossa seção anterior, usamos esse mesmo verbo, mas aqui a estratégia é diferente. Não é a vertigem, mas a sobreposição de mundos de que trata. Use todo o potencial metafórico do texto literário para nos dizer novamente: “Aqui estão, conheçam-se”. Terceiro território coberto na feira do Crack: A Casa dos Espelhos. A visibilidade . Virtude suprema da prosa, sua textura cristalina. O próprio Flaubert viu assim: “Que negócio de cachorro é a prosa! Nunca se termina de corrigir. Uma boa prosa deve ser tão rítmica e sonora quanto um bom verso. Não o formalismo ocioso, mas uma busca pela intensidade da forma, uso minucioso das magníficas virtudes da língua espanhola e seus múltiplos significados. Quarto lugar na feira: A Bola de Cristal. A precisão.Calvin sutilmente nos alertou para isolar os valores sobre os quais estamos falando. E é com esta última seção que podemos ilustrar como não há exatidão sem precisão, como não há velocidade sem precisão e exatidão, e como a leveza é impossível sem vertigem, transparência e velocidade. Exatamente é todo bom texto em prosa. Mais ainda, equilibrado. A velha preocupação com a substância e a forma é gratuita quando uma obra literária busca devotadamente a exatidão. Conan Doyle sabia disso, para quem o efeito era tudo. Para conseguir isso, você tem que recorrer a todo o resto. Mas talvez o maior ensinamento dessa proposta de Calvino seja nos fazer entender que a exatidão da obra literária não é possível se não ocorrer naturalmente, alcançada sem esforço. Picasso disse: “A inspiração existe, mas tem que encontrá-lo trabalhando.” O que queremos dizer? Agilidade, poder de descrição (e descrever é observar com a intenção de tornar as coisas interessantes, como queria Flaubert, mas também selecionar aquelas pequenas coisas grandes, que não só fazem parte da vida, mas são vida) e aquele ingrediente que permite que o leitor continue lendo incansavelmente e aumente sua curiosidade. Revela-se a importância que o narrador do final do século deve dar à exatidão que implica colocar a palavra exata no momento certo. são vida) e aquele ingrediente que permite ao leitor continuar lendo incansavelmente e aumentar sua curiosidade. Revela-se a importância que o narrador do final do século deve dar à exatidão que implica colocar a palavra exata no momento certo. são vida) e aquele ingrediente que permite ao leitor continuar lendo incansavelmente e aumentar sua curiosidade. Revela-se a importância que o narrador do final do século deve dar à exatidão que implica colocar a palavra exata no momento certo. E assim terminamos o penúltimo lugar visitado: El Tiro al Blanco. A consistência. Italo Calvino pretendia escrever esta seção com base apenas na análise de um dos mais belos textos de Melville, Bartelby, o Escrivão. Esse estranho personagem, funcionário de um cartório, aos poucos se recusa a participar da existência, repetindo a frase “preferi não”. No final da história, Bartelby é preso e morre repetindo a frase, recusando-se até mesmo a comer. Coerente com o seu projeto de vida e com o seu futuro, o romance Crack parece uma renovação do tradicional último espaço a visitar: refazer, e com a mesma vontade de naufragar, a feira do Crack, apresentada no tetrálogo seguinte. 1. Romances de crack não são textos pequenos e comestíveis. São, sim, o churrasco das carnes: que outros escrevam os bifes e as almôndegas. À leveza do descartável e do efêmero, os romances de Crack opõem a multiplicidade de vozes e a criação de mundos autônomos, uma empresa nada pudica. Primeiro mandamento: "Amarás Proust acima de todos os outros". 2. Os romances de crack não nascem da certeza, a mãe de todas as aniquilações criativas, mas da dúvida, a irmã mais velha do conhecimento. Não há, portanto, um tipo de romance Crack, mas muitos; não há um profeta, mas muitos. Cada romancista descobre seu próprio pedigree e o exibe com orgulho. De pais e avós campeões, os romances de Crack apostam em todos os riscos. Sua arte é, mais do que a do completo, a do insatisfeito. Segundo mandamento: “Não desejarás o romance do teu próximo”. 3. Romances de crack não têm idade. Eles não estão treinando romances e evitam a frase de Pellicer: "Tenho anos e acho que o mundo nasceu comigo". Portanto, os primeiros romances de seus doze autores não são as tentações da autobiografia, o primeiro amor e a conta familiar pesam acima de tudo. Se o bem mais precioso do romancista é a liberdade de imaginar, esses romances exacerbam o fato buscando o contínuo desdobramento de seus narradores. Nada é mais fácil para um escritor do que escrever sobre si mesmo; nada mais chato do que a vida de um escritor. Terceiro mandamento: “Você honrará a esquizofrenia e ouvirá outras vozes; deixe-os falar em suas páginas.” 4. Romances de crack não são romances otimistas, cor-de-rosa, amigáveis; eles sabem, como Joseph Conrad, que ser esperançoso no sentido artístico não implica necessariamente acreditar na bondade do mundo. Ou buscam um mundo melhor, mesmo sabendo que talvez, em algum lugar que não saberemos, tal ficção possa ocorrer. Os romances de crack não são escritos nesse novo esperanto que é a língua padronizada pela televisão. Festa da linguagem e, porque não, de um novo barroco: ora da sintaxe, ora do léxico, ora do jogo morfológico. Quarto mandamento: "Você não deve participar de um grupo no qual você é aceito como membro." Texto escrito pelo Pedro Ángel Palou García no Manifesto Crack (1996), dando conta do Movimento Crack, ou literatura da geração Crack, descrevendo o movimento mexicano que começou em meados da década de 1990, iniciado por vários autores mexicanos que romperam com as convenções literárias, tais como Ignacio Padilla, Jorge Volpi, Eloy Urroz e Ricardo Chávez-Castañeda.

 

BENEVOLENTES - [...] Não se tratava de um problema de humanidade. Alguns naturalmente, podiam criticar nossas ações em nomes de valores religiosos, mas eu não estava entre eles e na SS não devia haver muitos desse tipo; ou em nome de valores democráticos, mas o que é conhecido como democracia, havíamos superado na Alemanha já havia certo tempo. Os raciocínios de Blobel não eram na realidade inteiramente idiotas: se o valor supremo é o Volk, o povo ao qual pertencemos, se a vontade desse Volk encarna-se efetivamente em um chefe, então, com efeito Füherworte haben Gesetzeskraft. Mas ainda assim era vital compreendermos em nós mesmos a necessidade das ordens do Führer: se nos curvássemos a elas por simples espirito prussiano de obediência, por espirito de Knecht, sem comprendê-las ou aceita-las, isto é, sem a elas nos submetermos, então não passaríamos de bezerros e escravos, não homens. [...]. Trecho da obra Les bienveillantes (Companhia das Letras, 2007), do escritor estadunidense Jonathan Littell. Veja mais aqui.

 

SINAL FECHADO - Olá, como vai? / Eu vou indo, e você, tudo bem? / Tudo bem, eu vou indo correndo / Pegar meu lugar no futuro, e você? / Tudo bem, eu vou indo em busca / De um sono tranquilo, quem sabe? / Quanto tempo, pois é, quanto tempo / Me perdoe a pressa / É a alma dos nossos negócios / Pô, não tem de quê / Eu também só ando a cem / Quando é que você telefona? / Precisamos nos ver por aí / Pra semana, prometo / Talvez nos vejamos, quem sabe? / Quanto tempo, pois é, quanto tempo / Tanto coisa que eu tinha a dizer / Mas eu sumi na poeira das ruas / Eu também tenho algo a dizer / Mas me foge à lembrança / Por favor, telefone, eu preciso beber / Alguma coisa rapidamente / Pra semana, o sinal / Eu procuro você, vai abrir, vai abrir / Prometo, não esqueço / Por favor não esqueça, não esqueça / Não esqueço, adeus. Letra da música de Paulinho da Viola. Veja mais aqui, aqui e aqui.

 

PROGRAMA DOMINGO ROMÂNTICO – O programa Domingo Romântico que vai ao ar todos os domingos, a partir das 10hs (horário de Brasilia), é comandado pela poeta e radialista Meimei Corrêa na Rádio Cidade, em Minas Gerais. Confira a programação deste domingo aqui. Na edição deste 16/09 do programa Domingo Romântico, uma produção da radialista e poeta Meimei Correa e apresentado por Luiz Alberto Machado, está com uma programação pra lá de especial, confira as atrações: Arnold Schoenberg, Manuel Maria do Bocage, B. B. King, Carlos Gomes, José Régio, Maria Callas, Lya Luft, Jimi Hendrix, Federico Garcia Lorca, Victor Jara, Oscar Wilde, Georges Bataille, Arrigo Barnabé, Antonio Abujamra, Geraldo Vandré, Ismael Silva, Lupicinio Rodrigues, Jards Macalé, Neila Tavares, Geraldo Azevedo, Adriana Calcanhoto, Joana Carvalho, Itamar Assumpção, Jerzy Milewski, Leci Brandão, Fernanda Torres, Djavan, Marina Lima, Joana Fomm, Marcos Valle, Viviane Mosé, Hamilton de Holanda, Amy Winehouse, Tim Maia, Tania Alves, Barry White, Sandra Pêra, Arlindo Cruz, Seresta Moderna, Ricardo Martins, Ibys Maceioh, Etti Paganucci, Mácleim, Falcão, Bruno Motta, Frank Aguiar, Ultraje a rigor, Negra Li, Gardênia Marques, Anand Rao & Soninha Porto & muito mais! Veja mais aqui.


Confira mais detalhes e veja outras edições do programa aqui.


Veja mais sobre:
Ginofagia aqui, aqui e aqui

E mais:
O presente na festa do amor aqui.
Primeiro encontro, a entrega quente no frio da noite aqui.
Primeiro encontro: o vôo da língua no universo do gozo aqui.
Ao redor da pira onde queima o amor aqui.
Por você aqui.
Moto perpétuo aqui.
O uivo da loba aqui.
Ária da danação aqui.
Possessão Insana aqui.
Vade-mécum – enquirídio: um preâmbulo para o amor aqui.
Eu & ela no Jeju Loveland aqui.
O flagelo: Na volta do disse-me-disse, cada um que proteja seus guardados aqui.
Big Shit Bôbras aqui.
A chupóloga papa-jerimum aqui.
Educação Ambiental aqui.
Aprender a aprender aqui.
Crença: pelo direito de viver e deixar viver aqui.
É pra ela: todo dia é dia da mulher aqui.
A professora, Henrik Ibsen, Lenine, Marvin Minsky, Columbina, Jean-Jacques Beineix, Valentina Sauca, Carlos Leão, A sociedade da Mente & A lenda do mel aqui.
Educação no Brasil & Ensino Fundamental aqui.
Bolero, John Updike, Nelson Rodrigues, Trio Images, Frederico Barbosa, Roberto Calasso, Irma Álvarez, Norman Engel & Aecio Kauffmann aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
 Leitora comemorando a festa Tataritaritatá!
Veja aquiaqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra: 
 Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.




MARTIN AMIS, PHYLLIS A. WHITNEY, ROSANA PALAZYAN & PAULA BERINSON

    Ao som dos álbuns Violão Popular Brasileiro Contemporâneo (1985), Camerístico (2007), Original (2002) e Dois Destinos (2016), do vio...