segunda-feira, agosto 18, 2008

LITERATURA DE CORDEL: ZÉ BREJÊRO



EU VI O BRASÍ JOGÁ.

Zé Brejêro

Já farto dos prejuízo
Que eu tinha nas prantação
Azuní meus matulão
Num corozin de cavalo
Caminhei seiscentas légua
Dessas qui satanáis maicou
E fui pará no interior
No istado de São Paulo

O póbe do meu quartáu
Num agüentando as caminhada
E eu já cas canela inchada
De tanto assim caminha
Pedí rancho na Senzala
Da fazenda Trêis Maria
E só entonce no outro dia
Me incontrei nas capitá

Bati o mundo e o fundo
Atráz de incolocação
Pru fim bati num portão
Dum palacete granfino
Donde apareceu um gorducho
Cum cara de quem mato
E após cubá-me todo, falou:
“-Qui dezeja seu minino?”

“-Meu patrão cheguei do norte
Um tanto desmantelado
Num tenho no borso um cruzado
Prá móde comprar um pão
Se vormicê pricizá
Dum trabaiadô dispôsto
Aceito com muito gosto
seja qual for a função”

“Entre prá dentro cabôco
Sua graça cuma é?
Vamos bebê um café
Mode adispôis cunversá
Eu preciso de um vigia
De vergonha e de corage
Pra guarda minha garage,
Minha casa e meu quintá”

Ganhei logo a confiança
Daquele bom cidadão
Qui num era mais patrão
Era um pai e um amigo meu
E a cabo de trêis semana
Me falou-me: “Zé Brejêro,
Vô viajar prú instrangeiro
E vormicê vai mais eu”

Veja as coisa cuma é,
Quando Deus qué meu patrão:
Um curumba disgraçado
Qui nunca andou nem de trem
Mitido cum gente de bem
Viajando de avião

E cum distino as Oropa
Pra vê o Brasí jogá
Eu já tinha visto falar
Qui o Brasí era o mió
Mais quando ispiei cum esses óio
Qui a terra hái de cumê
Posso afrirmá sem tremê
Num pode havê mais mió

O patrão mim ensinou-me
O nome dos jogadô
Do bolêro ao centrefó
Ele deu difinição:
O golêro era Girmá
Qui pegava inté pensamento
Djarma era o elemento
Siguro na maicação

O outro beque, o Beline
O falado capitão,
Pelos are ou pelo chão
Num queria brincadeira.
Foimava cum Orlando e Zito
A respeitada barreira

Na ponta isquerda o Zagalo
Topava quarqué parada
E quando dava uma canelada
Era da páia avuá
Perto dele um mulecote
Cunhicido prú Pelé
Esse tando cum a bola nu pé
Pudia comemorá

E o centrefó, o Vavá
Foi na minha opinião
O mais mió jogadô
Tendo os péis do Didi
Aqueles passos bem feito
Levava tudo nos peito
E sempre maicava um gol

Só não posso mi isquecê
Dum caboco meio Zambêta
Qui fazia tanta faceta
Tanta goga e imbraiação
Qui os póbre dos ingrês
Ficava tudo azuado
Uns de cóca outros assentado
E outros cá cara no chão

Cum jogadô dessa maica E aqui fica um consêio
Ninguém pudia perdê Pra num si perdê de vista
E cuma havera de sê Jogadô do Brasí é artista
O Brasí foi campeão E discunhece maicação
E se o patrão entrô na farra Quem inventou aquela taça
O xeleléu nem se fala Faça outra diferente
Isquecemo inté as mala Prú que a qui vêio cá gente
No campo de aviação Ninguém dêxa vortá não.


ZÉ BREJEIRO - Nivaldo José da Silva, mais conhecido como Zé Brejêro, é hoje, um dos poucos cultores da poesia matuta, em Alagoas. Aliando o estilo de seus versos à harmonia da sua forma de declamar, ocupa, com justiça, lugar de realce nos meios literários alagoanos.

VEJA MAIS:
LITERATURA DE CORDEL


Veja mais sobre:
Despertar, Friedrich Perls, Ezra Pound, Paul Valéry, Hilary Hahn, Consuelo de Castro Lopes, Carlos Reichenbach, Lev Chitovsky, Aldine Muller & Bruno Braquehais aqui.

E mais:
Só porque hoje é sábado, Carlos Drummond de Andrade, John Keats, Raphael Rabello, Claude Lelouch, Marguerite Arosa, Larissa Maciel, Anouk Aimée, Helmut Newton & Atenção sistemática à saúde aqui.
O romance do pavão misterioso, de João Melchíades da Silva aqui.
A arte fotográfica de Andréia Kris aqui.
Biogênese, sadismo & outras loas tataritaritatá aqui.
Violência, Assírios & Sodoma, Antiguidades Judaicas, Alexandre, A guerra e a fé, O fantástico blitzkrieg, Colombo & as terras do Brasil aqui.
Literatura de cordel: História do capitão do navio, de Silviano Pirauá de Lima aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
 Leitora comemorando a festa do Tataritaritatá!
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra: 
 Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.
 
 

HERMILO, JESSIE BOUCHERETT, LUIZ BERTO, PINTANDO NA PRAÇA & SERRA DO QUATI – CAPOEIRAS

SERRA DO QUATI, CAPOEIRAS - Imagem: Serra do Quati/Capoeiras/Raimundo Lourenço. - Nasci na beira do Una, andejo do dia singrando na vida. ...