sexta-feira, fevereiro 15, 2008

FECAMEPA E A INDEPENDÊNCIA DO BRASIL




Imagens: FECAMEPA/Derinha Rocha. O grito do Ipiranga, de Pedro Américo (1888).


FECAMEPA E A INDEPENDÊNCIA DE QUEM?




Então, pessoal, vamos ao teitei. Tataritaritatá!
Pois é, tudo no Brasil é um embolado de coisas, maior cantiga de grilo: o tempo todo. Tanto é que se a gente for buscar a causa de cada coisa, com certeza, vai se deparar na causa da causa da causa da causa da causa e a última que se imagine que seja, será inacessível de se chegar de tão emaranhada que chega a ser. Eita! Quer dizer que a corda-de-guaiamum do enganchamento de tudo com todas coisas, traz só a comprovação de que tudo aqui é empurrado com a barriga do desdém e, depois estatelado num amontoado da gota, fica enrolado de tuim de num ter quem obre o milagre de desatar o nó. Arre, égua!
Oxente, bichim! Para entender o advento da dita independência do Brasil, é preciso voltar um pouquinho mais no tempo, nas antecedências.
Pois é, em antanho, desde que a família real chegou no Brasil que uma banda dos aquinhoados, a do centro-sul, vivia de paparicado e gozando das benesses. Mas a outra do Norte e Nordeste e demais regiões não alcançadas pelas mordomias, comia o farelo do pão que o diabo amassou. E o pior: pagando a conta e o pato. Pode?
Além disso, um processo de recolonização se desenvolvia entre os invasores aqui aboletados, que azoadamente metiam mãos pelas pernas, com seus requintes fedorentos provocando o aumento dos para sustentá-los no luxo, tudo para cobrir as despesas da Corte e marcando a exploração e opressão que os portugueses da nova Lisboa deixavam rolar. E, com isso, a insatisfação se espalhava como praga ruim de todo mundo querer se ver livre de Portugal loguinho e já, gerando um antilusitanismo que nasceu na Guerra dos Mascates e vinha remoendo por dentro.
Indubitavelmente, isso vai dar na revolução de 1817 que ocorreu por causa do declínio da cana-de-açúcar, da influência da maçonaria, das idéias liberais, da independência das colônias espanholas na América do Sul e dos Estados Unidos.
A insurreição finda na proclamação da república de Pernambuco, com governo provisório abolindo impostos, elaborando uma constituição assentada na liberdade e igualdade para todos perante a lei. Maior espalha-brasa vai se estendendo pelo Ceará, Paraíba e Rio Grande do Norte. Tome pé.
No meio disso, eis que surge o combate entre as tropas do rei e os insurretos, durando dois meses de rasga-bucho, misturando reações anti-revolucionárias que vieram com tropas da Bahia, juntamente outras oriundas de Alagoas, Paraíba e Rio Grande Norte, reprimindo dura e violentamente simpatizantes e suspeitos, até todos os líderes estarem dominados e condenados à morte.
Findada, todos os rebeldes executados e todos os aliados foram brindados com a distribuição de benesses, incluindo Alagoas que até então pertencia a Pernambuco, agora passava a ser a Capitania de Alagoas.
Há de convir que a bronca não só estava restrita ao espaço nordestino, uma vez que havia uma briga de foice nas altas esferas do palácio real, que envolviam 3 correntes que deixavam D. João VI zarolho e mais doido que cego em tiroteio: uma que era a favor do conluio com a Espanha, outra que exigia a volta do rei e, aindoutra, dos que pensavam em derrubá-lo do trono. Inclusive, ele já desconfiava que o filho e o conde dos Arcos tramavam destronar-lhe. Aí a sinuca-de-bico: ou adotava a constituição espanhola, ou dava um nó e empenava a coisa por aqui. Deixava.
Acontece que a farra acontecia dos dois lados. De um, os baba-ovos na festança provocando o povo que queimava os bonecos dos que se opunham a permanência do rei, nascendo, então, a tradicional festa da malhação de Judas em pleno sábado de aleluia; na outra ponta, os sabidos lusos se aproveitavam enquanto os outros se estranhavam nas mesquinharias da luta pelo poder e esvaziavam os cofres públicos e do Banco do Brasil. Afanagem braba mesmo!
Como a coisa ia mais para nem lá, nem loa, o fuzuê deu, então, na revogação da constituição espanhola com uma porretada de rei sendo instituída a regência confiada ao príncipe, para que ele arribasse se mandando com o rabinho entre as pernas de regresso a Lisboa, levando seus 3 mil cortesãos dilapidadores que rasparam todo dinheiro - calcula-se que 50 milhões de cruzados —, ouro e diamantes do Brasil, deixando lisas até as caixas de fundos de caridade e beneficência. O Banco do Brasil, cré cré, espatifou-se, tei bei! Sifu. Iiiiiih! O liseu brilhava, hehehehehehe!
O cenário dava conta da independência de toda América espanhola contra o Absolutismo, enquanto entre nós, a coisa seguia o continuísmo com a monarquia constitucional.
O pior é que a coisa estava mais para zona mesmo, porque em Minas, havia o sonho de uma república sem lei nem escravos, talqualmente aquela idealizada por Tiradentes. Na Bahia, outra sem desigualdade de classe ou raça, com os sonhos dos alfaiates sacrificados em 1799. Em Pernambuco, o sonho dos patriotas de 1817 com a emancipação política de justiça social. E no Maranhão que havia se desvinculado do governo geral, seguido depois pela Bahia e pelo Pará, a coisa andava mais para lá que para cá. Era sonho que não era brinquedo. Mas o negócio pegava fogo!
Para embananar tudo, um decreto das Cortes de Portugal, em 1821, determinava a abolição da regência e o imediato retorno de D. Pedro a Portugal, exigindo a obediência das províncias a Lisboa e a extinção dos tribunais do Rio de Janeiro. Era a recolonização iminente. Êpa! Assim não dá, fala sério!
Vem, então, o Clube da Resistência que advoga a permanência do príncipe que, enfim, decidiu desobedecer às ordens das Cortes e permanecer no Brasil: era o Fico. E ficou mesmo.
Bem ou mal, vai crescendo o movimento para que o país não se sujeite a retroceder à condição colonial. A coisa engrossa, pois, de um lado, está os Andradas; de outro, o Feijó e as catilinárias antiandradinas. O pau come. Bafafá medonho. Até chegar no dá, ou desce. E D. Pedro foi ficando no meio da união entre os proprietários rurais fluminenses, paulistas e mineiros, ao lado dos burocratas e comerciantes portugueses e brasileiros, para ir rolando até dá no que deu. Aí o pau cantou e a 6 de gosto o Brasil estava independente de Portugal com o manifesto do príncipe regente dirigido aos governos e nações amigas. Isso por causa de uma caganeira da peste que lhe assou o procto e deu nos nervos. E em 7 de setembro, uma data ilustrativa, a coisa, pelo menos, não virou conversa para boi dormir. Mas pra enrolança, deu.
Tudo foi se arrumando truculenta e acidentalmente até 12 de outubro de 1822, quando D. Pedro, de saco cheio e mordido do porco, foi aclamado e em 1º. de dezembro do mesmo ano tornou-se o primeiro imperador do Brasil.
Foi trupé. E teve guerra ainda. É, foi a guerra da independência que prosseguiu até 1823, com apoio da Inglaterra (por que será, hem?), comandada por dois veteranos das campanhas de libertação da América espanhola: general Pedro Labatut e almirante Cochrane.
O buruçu engrossa no meio da pacutia, dando com o rompimento entre os Andradas e D. Pedro que, virado na gota, dissolve a constituinte e vira o cão chupando manga. Aí, fodeu Maria-preá, né?
Bem, a coisa vai mais ou menos desembestadamente, mas vai.
No frigir dos ovos, essa independência mesmo só serviu sabe para quê? Afinal, conforme Caio Prado Júnior, a independência fora não mais que "arranjo político", implicando numa acirrada luta social. Além de, ainda, ser vista como fruto mais de uma classe que da nação tomada em conjunto, ou seja, obra do compromisso entre o conservadorismo da aristocracia rural e o absolutismo do príncipe. E, também, como anotou a historiadora Isabel Lustosa, serviu mesmo para cumprir um acordo assinado com uma cláusula secreta onde o Brasil saldava as dívidas de Portugal com o pagamento de 1,4 milhão de libras esterlinas à Inglaterra. Eita, independenciazinha cara da praga, hem?! Foi com isso que eles devolveram pra gente a chacota de que chapéu de otário é marreta!
Mas vamos à República, aprumando a conversa & tataritaritatá, tá?!!!!

© Luiz Alberto Machado. Direitos reservados.



Veja mais sobre
Lição pra ser feliz, Fernando Pessoa, Rajneesh, Graciliano Ramos, Aristófanes. Adriana Calcanhoto, Buster Keaton, Mikalojus Konstantinas, Victor Gabriel Gilbert & Literatura Infantil aqui.

E mais:
Manoel Bentevi, Sinhô, Marshal McLuhan, Andrea Camileri, Marcelo Pereira, Mario Martone, Giulia Gam, Anna Bonaiuto Fecamepa – quando o Brasil dá uma demonstração de que deve mesmo ser levado a sério! & Parafilias aqui.
O sonho de Desidério & Emmy Rossum aqui.
Literatura de Cordel, A mulher escandinava, Ettore Scola, Francisco Julião, Jarbas Capusso Filho, Sophia Loren, Linguística, Shaktisangama-Tantra, Fetichismo & Abacaxi aqui.
Albert Camus, Robert Musil, Maceió, Jools Holland, Denys Arcand, Pál Fried, Sandu Liberman, Eugene Kennedy, Anna Luisa Traiano, Lady Gaga, Gestão do conhecimento & Capital humano aqui.
Durkheim, Rodolfo Ledel, Claudio Baltar, Micahel Haneke, Samburá, Juliette Binoche, Ernesto Bertani, O artista e a fera, Janaína Amado, Intrépida Trupe, Direito & Mauro Cappelletti aqui.
Big Shit Bôbras aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Leitora parabenizando o Tataritaritatá.
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA


Paz na Terra
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.


DRUMMOND, RIMBAUD, LEMINSKI, MARITAIN, GILVAN LEMOS, JACOB DHEIN, GENÉSIO CAVALCANTI, CARIJÓ & SÃO BENTO DO UNA

CARIJÓ, SÃO BENTO DO UNA – Imagem: Céu de São Bento do Una , de Renatinha @Renatalcaet – Carijó, meu amigo, minhas mãos limpas e esta mis...