segunda-feira, fevereiro 11, 2008

PROEZAS DO BIRITOALDO



Imagem recolhida do blog Cuaoléu

PROEZAS DO BIRITOALDO

X


Quando o banguelo vê esmola grande fica mais assanhado que pinto no lixo!


Biritoaldo freou-se. O hidrovaco do amuo travou-lhe as emoções, principalmente quando descobriu que Chica lhe excomungara porque havia feito mal à moça, alfinetando-lhe as intimidades.
- Ele botou doença do mundo em mim! -, reclamava ela.
- O quê? Eu? Cê tá é doida! -, indignou-se com tal blasfêmia para um donzelão.
Doida? Era mesmo. Prova? Mais uma, arrepare: depois disso inventou de se alistar na polícia pra capar cabra safado. Já pensou? Era o sonho dela! A doida andava agora de servir a quepe e continências, não havendo mais no mundo quem dominasse fera tão diminuta, dum bigodinho ralo em cima dos beiços e sinal de sangue no olho direito. Arre égua! Topou o velocímetro dele, jurou por tudo e por todos os santos que jamais olharia nem para a sombra da maldizente. Até o retrato 3x4 rasgou e jogou fora. Estopô calango!
Ora, ela devia de andar meio zoró para tomar afeição pela farda. Hum, quem já se via de venta empinada, avalie. Doido que inventasse de se achegar àquela desvalida. E foi assim.
Já depois desta penitência alvoroçada, o Biritoaldo ganhou apelido novo: menino do punho forte. Nem ligava, determinado a trabalhar, ficar rico e comer as beldades que lhe fizeram careta a vida toda, cascavilhando pelo anjo-da-guarda para dar-lhe uma mãozinha e amainar as circunstâncias. Cadê-lo? Nem sinal. Enquanto não conseguia emprego nem oportunidade na vida, era a punheta que satisfazia sua ansiedade chegando a ficar tísico, fleumático, lívido, quase invisível, envergado de bem capaz esfregar a venta no chão. Se visse caçola de moçoila lá tava na bronha, nem trastejava. Viciou-se a tal ponto duma certa ocasião se enganchar mãos pelas pernas de dar um nó nas costelas. Findou estropiado e sem poder desatar os nós dos ossos entrevados. Enganchou umas das pernas no pescoço, as mãos no meio, aquele nó cego de homem-borracha de horas dando trabalho aos médicos para desfazer a emboança. Foi aí que numa das sessões compulsórias na clínica de recuperação e fisioterapia, Birito viu uma senhorinha baixinha, jeitosinha, arrumadinha, conduzindo um automovelzinho toda charmosinha e ficou apaixonado à primeira vista. Largou-se todo ali na hora e saiu procurando por saber quem era aquela coisinha que remexia no acorçôo de sua alma. Já vira a distinta por várias vezes passar dirigindo o seu carrinho. Nem lhe chamara a atenção, inicialmente. Agora, não, um estardalhaço remoía por dentro, deixando-lo doido de quase afinar os cambitos de tanto procurá-la. Já se imaginava ali com ela, guiando o veículo para cima e para baixo, filhos no banco traseiro, futuro feliz, distante. Depois de muita investigação ficou sabendo tratar-se da viuvinha das Frexeiras, viúva nova, há dois anos enlutada pela morte acidental e trágica do marido. Arrepiou-se, sim, ele encontrara a mulher que retomaria o fio de prumo da sua vida, que cuidaria dos seus momentos difíceis como aquele e não haveria dúvidas que seria uma mulher que realizaria todos os seus sonhos. Claro, viúva, cheia das bufunfas, independente, bastaria apenas dar entrada com a pêia dura, mais nada. O resto, com certeza, ele traçaria na maior.
A viuvinha conhecida pelas cercanias como a Bonitinha das Frexeiras, andava toda engalanada, elegantemente possuidora de uma harmonia na indumentária, olhos graúdos, cabelos lisos, cobiçada, amontada num veículo branco que bem combinava com sua estatura e leveza. Birito lá, na maior mutuca.
Na oportunidade de encontrá-la de frente, ele se desencontrava com o susto daqueles de travar a merda, o juízo, as reações, justo na hora em que ele estava prestes a derramar a caganeira que lhe acometia por causa da cachaçada cornuda da noite anterior, regada a pirão de sardinha com cebola cozida e tripa de porco assada. Dava-lhe um peripaque de ficar zonzo, chamando atenção mais pela doidice que pela leseira.
- Esse parece que tá com encosto! Sai pra lá, munganguento!-, sentenciou Bonitinha desconfiada.



Imagem: Maldita, recolhida do Guindastes de Carol Costa.

Estava estropiado. Era aperto de deixá-lo dismilinguido.
Toda vez que Bonitinha transitava pela rua da clínica, ele engolia seco algo que o engasgava. Era uma tosse de cachorro velho, duas horas para se aliviar da convulsão. Levava tabefe nas costas até desentalar tudo. Vôte! Seria alegria? Virgem santa! Deu logo um jeito de dominar os exasperos mode seus amigos não apupá-lo por bicha sem-vergonha, brocha de uma figa, punheteiro inveterado, incapaz de se dominar mediante figura tão altaneira como a de uma mulher bonitinha. Ele endoidou o cabeção e foi capaz das mais malucas asneiras pra cativá-la e, ao que parece por maldição, nem lhe dava bola.
O bicho entediou-se do insucesso, revolveu suas próprias trevas e começou por inquirir a sua sina de não agradar mulher alguma. Que seria? Que feiúra lhe perseguia? Que ogro tão asqueroso via-se nas suas feições? Qual desafeto se exporia indisfarçavelmente sobre sua figura ínfima e insignificante para afugentar mulheres do seu querer? Ah! Mas isso ia mudar, se ia, ora. Ficar rico, pai de família, respeitado, endinheirado, posudo cheio das pregas, tudinho ia olhar pra ele e ver-lhe um cara decente. Sonhava horas.
A Bonitinha ia e vinha e ele apalermado, estatelado, imóvel, incapaz de qualquer vogal enunciar sequer para atrair sua atenção. Endoidou mesmo e quando via a distinta dava bundacanasca no ar, plantava bananeira, saía às quedas, ficava de quatro que nem tamborete, vôte! Isso é lá jeito de cumprimentar a moça, desgraçado? E não bastava as gaias da Chica Doida, agora uma paixão platônica por essa tal de Bonitinha, era o fim do mundo. Infortúnio dos brabos. Quase dava uma de Cyrano de Bengerac pra cima dela, mas desistiu por não possuir vocação poética suficiente para o flerte. A coisa embrabeceu.
Bico de Buli boatou para todo mundo sua mais nova paixão virando uma enxovalhada de risadagens. Zezo Cocão fazendo coro com Pedim-do-padre, a turma da mangação toda para zombar da paixão abilolada e impossível do coitado. Será possível?
- Será possive que num tenho uma colher-de-chá na vida?
- Só quando a galinha criar dentes! -, vaticinavam os do contra.
Vigiando o tempo todo até descobrir a residência dela, justo na hora em que estava estacionando seu possante 1.0 na garagem e foi fechando o portão de seu domicílio, surpreendida com a presença dele na maior lábia dos apaixonados portando um buquê de flores murchas para presentear-lhe assim. Foi aí que ela assustou-se e chamou a polícia:
- Sai-te ladrão feioso! -, gritou ela pra ele.



Imagem: Maldita, recolhida do Guindastes de Carol Costa.

- Essa mulé é braba, é pau de dá em doido! -, saiu ele com o coração todo machucado.
Dois dias e meio para convencer o delega da paixão do meliante. Ladrão ou tarado? Nossa! E tome dificuldade para se conceder o seu alvará de soltura. Ufa!
Pedim-do-padre mais amaloqueirado que os outros, sagaz pretendente de ver os outros esparramar a venta na merda, chegou solidário e teve uma idéia de assoletrar em detalhes para ele, um diálogo eficaz na hora que se tivesse frente a frente com a desejada, despejando sua paixão sem embaraço. Ensaiaram uns quinze dias. Biritoaldo fez um esforço sobre-humano para concatenar as idéias. Fizeram testes protagonizados por ilustres pinicas como a Maria Chibateira e quando ela envolvida pela lábia se endereçava para o ósculo e atraída pela lamúria dele, havia uma estatelação, uma inutilidade da parte dele, incapaz de consumar seu desejo. Foram horas, mocréias outras dividindo a cena do ensaio, experientes catraias como Derivalda, Dulcinha Cabaceira, Xuxa Preta, Anja Froucha, Maríinha Cu-de-apito, Zefa-bunda-panela-de-pressão, Gildinha-bundeira, Zula piniqueira, Maria Zanôia, Tide-boca-de-suvaco, Diva Chupona, Aleijadinha do Padre, Rute Banguela, Dione Espríta-de-rola, Fefé Buchuda, Quitéria-engole-homem, Pata Cabeluda, Priquito de Cuscus, Tonha-boceta-de-jega, Milonguinha, Nega do Cuzão, Maria-corta-rola, Nise-doida-por-bimba, Bocetuda-pé-de-pica, Julinha-flor-de-homem, Bicha-lascada e Cheba Louca, um pastoril verdadeiro de insones condutoras do prazer nas horas de aperto de qualquer cristão. Foram tantas performances que ele jurou ser Don Juan, não sabendo o desprezo oculto delas por ele.
Às escondidas soubera que foi Pedim-do-padre quem armou tudo, pura sacanagem. Deixou pra lá. Pelejava sozinho e decorando depois de varar umas tres noites repetindo o que dizer. Chegou a hora agá. Investido de uma domingueira, perfumado por colônia forte, pigarreado de deixar a voz afinada num timbre másculo, Bonitinha inocente estacionou seu carro e enquanto fechava o portão de sua casa ele destemperou tonitruante:
- Senhora, não ignore não, meu coração está endoidado pela figura de sua senhora, não achando jeito de aliviar tensão, requer, solenemente, com este buquê de flores, sua mão para um namorico com objetivo de noivado quiçá casamento... -, fez tanta força para impostar a voz que findou falando fino e engasgado com seu próprio palavreado. Ela esperou o desajustado se refazer e destabocou em cima da bucha:
- Meu filho, o senhor está com febre ou é o sol quente do meio dia que afetou seu juízo? Isso é pilhéria ou o senhor está variando por um acaso? Olhe bem, viu? Se eu gostasse de andar com urubú no sovaco eu namoraria com você! Se assunte, folgado. E vá procurar um rio no deserto e morra afogado por lá mesmo, tá? E vá-se embora senão chamo a polícia de novo!
Bateu-lhe a porta na cara dele ficar surdo de vez com o estrondo. Maiores foram as palavras duras, secas e rentes dela, deixando-o mouco e desajuizado com tal desfeita. Marasmódico, o coitado foi vítima ainda da maior chacota pelo despropósito que ele próprio contou aos mínimos detalhes aos presepeiros de sua corriola. A matula em festa. Bem feito, quem manda ser besta? Foi iludido, agora é tarde. Ah! O papagaio Popó nem poupou-lhe a lorota.
- "Um dia, noite de lua, Birito abriu a porta pra cagar na rua, o guarda, ia passando, você tá preso, corno, porque tá cagando!!! Grugrugrugru!"
- Arre égua!!!! Eu inda fico rico e mango de todo mundo!!!

© Luiz Alberto Machado. Direitos reservados.Veja mais aqui.



Veja mais sobre:
Brincar com arte, Johan Huizinga, Cecília Meireles, Ziraldo, Fernando Botero, Teatro Infantil & Literatura Infantil aqui.

E mais:
Proezas do Biritoaldo: quando Cupido acerta no alesado, Deus faz, o diabo ajunta aqui.
Tolinho & Bestinha: Quando Tolinho deu uma de bundão e quase bate as botas aqui.
Fceamepa: dando uns pulos que ninguém é quadrado aqui.
Crônicas Natalinas aqui.
Râmana Mahârshi, Raimundo Carrero, Bardesanes, Rainer Werner Fassbinder, Elisa Fukuda, Hanna Schygulla, Sustentabilidade & Direito Tributário aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
 Leitora parabenizando o Tataritaritatá (Arte: Ísis Nefelibata).
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.

VARGAS LLOSA, RANCIÈRE, BADIOU, WAGNER TISO, QUINET, BRUNO TOLENTINO, FRANCINE VAYSSE, FRESNAYE, NÁ OZZETTI & JOAQUIM NABUCO

A BARATA & O MONSTRO - Imagem: The Architect (1913), do pintor cubista francês Roger de la Fresnaye (1885-1925). - A noite e a solid...