quarta-feira, agosto 06, 2008

PAULINA CHIZIANE, HARRY CROSBY, HÉLÈNE CIXOUS, EVELYN DE MORGAN, IRAH CALDEIRA & TRÂMITE DA SOLIDÃO



A arte da pintora britânica Evelyn De Morgan (1855-1919)

BATISMO DE FOGO – Há muito que o meu coração espera! Por um cêntuplo de vezes evitei, não abjurei meus sonhos, nenhum perjúrio lavou-me o pecado. A minha inquisição, quem me acolherá? Que direi assim tão só, compungido, minguando nas cinzas. Da primeira vez, do primeiro amor, da primeira. Há muito que o meu coração poreja na pia, no nome, aniquilado e só. Não serei consagrado em meu sacramento, apenas confirmado entre os humanos na minha pletora alucinação. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui.


DITOS & DESDITOS – Somente quando você estiver perdido pode amar e se encontrar sem perder o seu caminho. O pensamento sempre funcionou por oposição. Pensamento da escritora francesa Hélène Cixous.

ALGUÉM FALOU: Há um tempo de adaptação com o outro para saber como jogar com ele. Depoimento ao Centro de Estudos de Crítica Genética (PUC/SP, 1993), de Luis Mello.

NIKETECHE - [...] Ruínas de uma família. A Lu, a desejada, partiu para os braços de outro com véu e grinalda. A Ju, a enganada, está loucamente apaixonada por um velho português cheio de dinheiro. A Saly a apetecida, enfeitiçou o padre italiano que até deixou a batina só por amor a ela. A Mauá, a amada, ama outro alguém. Só fiquei eu, a rainha, a principal, para lhe salvar a honra de macho. Todas elas vieram e pousaram no meu teto, uma a uma, como aves de rapina. Agora levantaram voo uma atrás da outra. Todas amaram o meu homem, sugaram-lhe todo o mel e partiram. Agora está à beira do abismo. Treme, pede socorro. Meu Deus, eu sou poderosa, eu sinto que posso salvá-lo desta queda. Tenho nas mãos a fórmula mágica. Dizer sim e resgatá-lo. Dizer não e perdê-lo. Mas eu o perdi muito antes de o encontrar. Ignorou-me muito antes de me conhecer. [...] Os seus braços caem como um fardo. As três trovoadas que um dia tentou encomendar contra o noivo da Lu hoje atacam-lhe o cérebro, o coração e o sexo e fazem dele um super-homem calcificado no éden da praça. Ele só vê o escuro e a chuva. Fica uns minutos intermináveis a contemplar o vazio. Era uma ilha de fogo no meio da água. Solto-o. Não cai, mas voa no abismo, em direção ao coração do deserto, ao inferno sem fim. Trechos da obra Niketche: uma história dc poligamia (Companhia das Letras. 2004), da escritora moçambicana Paulina Chiziane. Veja mais aqui.

OCASO - flecha pra dentro do mar / sumindo como esperança / pesada tal zarcão / uma luz é apagada / mão pra dentro dum bolso / um fundeamento de barco / o escafandrista imerge / um pensamento se afunda / um olho se fecha / um pássaro se afoga / um gigante desvanece / último pulso de um coração. Poema do poeta e editor estadunidense Harry Crosby (19898-1929).


A arte da pintora britânica Evelyn De Morgan (1855-1919)


MUSA DA SEMANA: IRAH CALDEIRA


Ela é mineira de Pernambuco.

É cantora de forró, xote, baião e de coisas lindas de morrer.

Primeiro ela lançou Mistura Brasil, 1999.

Canto do Rouxinol, 2001.

Irah Caldeira Canta Maciel Melo, 2004.

Entre o Calango e o Baião, 2006.


Dela, diz o escritor pernambucano Luiz Berto: “A estrela de todos nós”: “(...) Irah Caldeira insere-se com extraordinária luminosidade em constelação onde fulguram talentos de rara virtuosidade entre as mulheres cantadeiras de uma nação chamada Nordeste. Com brilho e trajetória que fazem do seu desempenho estupenda demonstração do vigor da arte desse peculiar recanto de mundo.Tendo a seu crédito três CDs – impossível salientar qual o melhor deles – essa mineira, assim como o Rio São Francisco, seu conterrâneo, se deu por inteira à Nação Nordestina, na qual se instalou com fidalguia e na qual foi recebida com a honraria da benquerença e a calidez do aplauso dos seus cidadãos. À riqueza propiciada pelas águas do Velho Chico nos sertões da Nação Nordestina ajunta-se agora a borbulhante riqueza do talento dessa mineira vigorosa e bonita, que bateu asas das Gerais e aqui pousou em vôo sereno e cheio de majestade. Quando de suas apresentações, a figura imponente da artista mais e mais se agiganta e preenche cada espaço e cada recanto do palco, despejando brilho, luz, energia e alegria por sobre a platéia, um público fiel e atento, que não se cansa de prestigiar os espetáculos dessa ave encantada e sublime. Além da beleza física e do talento invulgar, Irah Caldeira é uma alma apaixonante, que encanta à primeira vista e que alia à sensibilidade de artista a sensibilidade da pessoa humana que adotou a Nação Nordestina como sua segunda pátria e dela fez a seara onde lavora seu talento, sua arte e sua dedicação de intérprete dos nossos ritmos, de embaladeira dos nossos sonhos e de apascentadora do nosso rebanho de esperanças. Vai t’embora, Irah, te dana por esse mundão nordestino e brasileiro de Deus, espalhando teu canto e tua alegria, forrozando e preenchendo os ares do palco do mundo com tua arte, teu sorriso de meiga onça sertaneja, tua boniteza e teu talento. Que Deus te proteja e te ilumine, estrela de todos nós! “.


E sexta-feira, dia 08 de agosto, é aniversário dela. Por isso: Feliz aniversário Irahlinda!!!!!




VEJA MAIS:
MUSA DA SEMANA


Veja mais sobre:
Renovação, Adalgisa Nery, Josefina Álvares de Azevedo, Patrizia Laquidara, Marina Colasanti, Liliana Cavani, Claudia Cardinale, Maria Martins, Niki de Saint Phalle & Visão holística em psicologia e educação aqui.

E mais:
Médicos deprimidos, Chico Folote & Besta Fubana, Charlie Chaplin, Estupro, Glândulas endócrinas & o poder humano aqui.
A poesia & arte de Alê Cavagna aqui.
Proezas do Biritoaldo aqui.
Fecamepa aqui.
As trelas do Doro & o escambau aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
 Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra:


Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.


CHARLAINE HARRIS, SEBASTIAN SEUNG, CONNIE PALMEN, MIHÁLY BABITS & JORGE WERTHEIN

  Ao som do Concerto Instrumental (2015), gravado ao vivo pela violonista alémã Jule Malischke , nas oficinas em DD-Hellerau.   TRÍPTICO DQP...