terça-feira, agosto 26, 2008

THOMAS MANN, TRILUSSA, BABEUF, KOHLBERG &VOTO MORAL


VOTO MORAL

Luiz Alberto Machado

A consolidação indubitável da democracia é confirmada, dentre outras ações, pelo exercício pleno do voto. Por resultado de tal participação, a escolha individual se reflete no anseio da coletividade, formando, assim, livremente, os desígnios da população.
Afinal, com o embate eleitoral nasce o nosso discernimento para optar por aquele que represente bem os nossos objetivos, muito embora a gente nunca tenha acertado. Pelo menos tentamos e precisamos tentar sempre.
Infelizmente, com a pugna dos candidatos nasce o caos e, com ele, uma grita de discordâncias que vai se insinuando até se acentuar claramente sobre a nossa preferência.
Na verdade, é um zoadeiro dos diabos que não leva a lugar nenhum. Isso porque se é para o bem da democracia, temos de fazer cumprir o nosso papel.
Por causa disso somos molestados por despropósitos imensuráveis e imblóglios que mais confundem as já tacanhas frivolidades de metas nas arguições fúteis dos postulantes. É cada patranha chega dar nos nervos.
Virulentamente invadem com propostas perniciosas e inócuas a nossa santa paciência, carregados de imposturas e engodos, como o de salvar a humanidade de mais de milhares de anos de vícios em apenas um mandato.
Os detentores dos despautérios se comprometem a melhorar nossa condição de vida, quando tal propositura foge das esferas de tal pleito.
Para se ter uma idéia do desplante, os intrépidos sequer encaram de frente as contradições sociais já imanentes nas questões por eles advogadas, desconhecendo totalmente a tragédia que há por trás da nossa sobrevivência. Inclusive, muitos dos que estão agora pleiteando cargos eletivos já tiveram oportunidade de representar nossa gente. E, apesar disso, nada fizeram ou se tem feito para amenizar as rachaduras de tais contradições. Pelo contrário, avalizaram o tempo todo tais controvérsias.
No entanto, esses incólumes pretendentes prometem deus e o mundo, azucrinando não só com os seus portentosos carros-de-som nossos ouvidos, com as mais fervorosas aparições, com discursos de meia tigela, encardidos pela força do tempo, com a imunidade dos santos e a impunidade dos desmiolados.
Mesmo assim, desprestigiados sob a pecha da ineficiência, fazem tudo para chamar atenção, não conseguindo esconder no bojo de suas candidaturas que por trás das decisões políticas, há todo um processo de acordo, conchavos e pizzas. E que no final das contas, sobra pra gente mesmo. E só.
Perdulários, insistem em não admitir que o legislativo seja um antro de aves de rapinas, sedentas de poder; que o executivo seja o ninho das raposas obesas, sentadas sobre o baú dos interesses gerais; e que o judiciário seja a preguiça absorta, contando cifrões e sentenças prescritas.
Falastrões, apenas, com discursos distantes da ação inventam de tudo antes da eleição. Depois, quem vê o cara de novo morre, só 4 anos depois mesmo quando eles precisam abrir os dentes, os braços e o bolso de novo. Sem contar a nossa triste recaída de reeleger as trepeças mais reincidentes da história. Eu mesmo só vejo todo mundo dizer que fulano dos grudes não podia ser sequer eleito, quando, na verdade, o sujeitinho já tem 5 ou 6 mandatos encarreados, reeleito ninguém sabe como. Coisas do Brasil mesmo.
Contudo, devemos exercer o voto seguindo o critério moral, seja na majoritária, quanto nas proporcionais.
Vigilantes. O voto deve ter o sentido do dever cumprido para produzir efeitos benéficos e cobrar dos nossos eleitos que alijem todos os trapaceadores que sequer ruborizam diante do flagrante dos seus próprios pecados.
O sufrágio universal é a nossa subscrição voluntária na participação de nossa posição antagônica mediante tantos descalabros.
Precisamos exercer a cidadania e, com ela, pleitear condições mais favoráveis de vida. E isso votando consciente para que o Brasil possa contar, de verdade, com o brasileiro.
VEJA MAIS:
A PRAGA DO VOTO VENDIDO
FECAMEPA


DITOS & DESDITOSTodos os homens têm igual direito à satisfação das suas necessidades e ao usufruto de todos os bens da natureza, e a sociedade deve consolidar esta igualdade. Pensamento do jornalista francês François Noël Babeuf (1760-1797), que participou da Revolução Francesa e foi executado por seu papel na Conspiração dos Iguais.

COMUNIDADE JUSTA - [...] A pressuposição de que o estudo do desenvolvimento moral deve ser guiado pela filosofia moral era central para minha intuição de como focalizar esse desenvolvimento. Para que algo fosse considerado moral ou avanço evolutivo seria necessário partir de algumas definições filosóficas, pressuposições e argumentos. Essas pressuposições estariam abertas a questionamento, à luz de achados empíricos, mas não se podia pensar que fossem isentas de valores. Trechos de Minha busca pessoal pela moralidade universal (Harper & Row, 1981), do psicólogo estadunidense Lawrence Kohlberg (1927-1987), propondo a “comunidade justa”, acreditando que seria local onde os alunos exercitariam as virtudes necessárias para a vida em sociedade, desenvolvendo o hábito do diálogo, da assunção de papéis, de habilidades racionais e de julgamento moral, o que conseqüentemente remeteria a autonomia moral tão proclamada por Piaget.

O PALHAÇO – [...] temos que viver e se acaso não podemos ser homens de ação, se acaso temos que palmilhar uma vida passiva, assaltam-nos as forças interiores que nos destroem o caráter, transformando-nos em loucos ou heróis. Preparei um caderno para contar “a minha história”. Por quê? Talvez para fazer alguma coisa. Talvez por amor à psicologia. Talvez para justificar tudo quanto me sucedeu. A necessidade conforta. Talvez para adquirir domínio sobre mim mesmo, o poder olhar para tudo o que se passou, com um sentimento algo assim como a indiferença. Estou realmente convencido que a indiferença é uma espécie de felicidade [...] Eu, por minha parte, aprontava meu trabalho mecânica e rapidamente, para ter oportunidade de contemplar o rio, sentado na taverna, ou de parar para ver passar um trem de carga, enquanto sonhava, certamente, com algum espetáculo teatral, um concerto, ou um livro que acabara de ler. Lia muito, tudo o que podia cair-me nas mãos, e tinha uma grande capacidade de assimilação. Vivia todas as personagens literárias, e parecia reconhecer-me em cada uma delas. [...] Termino de escrever, e atiro fora a pena, cheio de nojo. Cheio de nojo! E o final... [...] Trechos do conto do escritor alemão e Prêmio Nobel de Literatura de 1929, Thomas Mann (1875-1955). Veja mais aqui e aqui.

TRES POEMAS - A FOCINHEIRA - Sabe que sou fiel e afeiçoado, / dizia o Cão ao Homem, e disposto a tudo, / mesmo a ser sacrificado cumprindo as suas ordens. / Isto posto, quero falar, agora, com franqueza: / a focinheira põe-me deprimido; / por que não dá-la ao Gato, que é fingido, / apático e traidor por natureza? / O Homem responde: - Mas a focinheira / lembra sempre a existência de um patrão / que te protege e, de qualquer maneira, / é quem te ampara e te garante o pão./ - Já que assim é, o dito pelo não dito! / Corrige o Cão, desculpe-me a besteira. / E, deste aí, com ar convicto, / passou a falar bem da focinheira... A JUSTIÇA AJUSTADA - Júpiter disse à Ovelha: - São injustos / e odiosos, além disso, contra a lei, / os sucessivos sustos / com que os lobos te afligem, eu bem sei!... / É melhor, entretanto, que suportes / com paciência os agravos: a questão é que os lobos / são fortes demais, para não ter razão... NÚMEROS - Eu valho muito pouco, sou sincero, / dizia o Um ao Zero, / no entanto, quanto vales tu? / Na prática és tão vazio e inconcludente / quanto na matemática. / Ao passo que eu, se me coloco à frente / de cinco zeros bem iguais a ti, / sabes acaso quanto fico? / Cem mil, meu caro, nem um tico a menos / nem um tico a mais. Questão de números./ Aliás, é aquilo que sucede / com todo ditador que cresce em importância / e em valor quanto mais são os zeros a segui-lo. Poemas do poeta satírico italiano Trilussa (Carlo Alberto Salustri – 1871-1950).


 

Veja mais sobre Nascente, John Rogers Searle, Ludovico Ariosto, Antonín Dvořák, Michael Frayn, Kimberly Peirce, Yayoi Kusama, Literatura Infantil, Matthew William Peters, Mara Altman, Chloë Sevigny & Hilary Swank aqui.


E mais:
Exórdio, João Guimarães Rosa, Sofia Gubaidulina, Quintiliano, Carlo Goldoni, Tsai Ming-liang, Howard Rogers, Revolução de 1817, Alberta Watson, Zinaida Serebriakova & Sandra Magalhães Salgado aqui.
Guilherme Vaz, José de Alencar, Mariza Lacerda, Stela Freitas, Sergio Bernardes, Moira Kelly & Simone Moura e Mendes aqui.
Hermeto Pascoal, Jorge de Lima, Djavan, Arriete Vilela, Pedro Cabral & Íbys Maceioh aqui.
Nênia de Abril, Hanif Kureishi, Paul Valéry, Jacob Levy Moreno, John Coltrane, Augusto de Campos, Joana Fomm, Tamara Karsavina, Projeto Escola de Arte Cidadã, Carl-Henning Pedersen, Literatura Infantil & Neurociência e educação aqui.
Sulamita, minha filha & as previsões do Doro aqui.
Goethe, Mestre Eckhart, Lúcio Cardoso, Nelson Rodrigues, Myriam Taubkin, Leonardo Mota, Chen Kaige, Gong Li, Spencer John Derry & Quem tem cu tem medo aqui.
Fecamepa à República aqui.
Elvira, a debutante do coronel, Agostino Carracci, Ísis Nefelibata & as previsões do Doro aqui.
O amor mais que de repente, Cristina Kolikoviski, Agostino Carracci, Sasha Alexander & as previsões de Doro aqui.  



CRÔNICA DE AMOR POR ELA

Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.

 

IMRE KERTSZ, MAVIS GALLANT, VERONICA FRANCO, CHARLOTTE YONGE& CLODOALDO CARDOSO

  Ao som do show Almério e Martins gravado ao vivo no Teatro do Parque, Recife, 21 de novembro de 2021.   TRÍPTICO DQP: Isso é aquilo ...