sexta-feira, agosto 15, 2008

CANETTI, HEIDEGGER, GEORGES BRASSENS, PETER GAY, HENRI SENDERS, BARALDI, LITERÓTICA & SEDUÇÃO DE MARYNA


A arte do fotógrafo holandês Henri Senders

LITERÓTICA: A SEDUÇÃO DE MARYNA - Perdi a noção de tudo, não sei mais nada. Há tempos só penso em Maryna, seu jeito exuberante de ser altaneira nos meus sonhos e a viver em mim inteira e nua pelas manhãs mais radiosas dos meus dias sem sossego; por todas as tardes mormaçadas de volúpia acesa a querê-la de todo jeito e custo; pelas noites enluaradas de lascívias desprendidas de um infinito desejo indomável; por madrugadas incendiadas de querências infindas que me fazem ficar em claro imaginando sua vida entre as minhas mãos desesperadas. Ah, Maryna. Ela disse que viria e eu espero há milênios que ela chegue inteiramente viva para satisfazer minha loucura desenfreada de manifestar minha paixão desmedida e abraçar seu corpo imantado de prazeres. Sabia, um dia ela viria, ah eu sei ela virá para atender os meus pedidos genuflexos de amor atordoado além da conta, ela virá porta aberta vestida de negro com as fagulhas dos seus olhos alumiando a minha solidão, decote cavado a mostrar os seios inflados pela respiração entrecortada de sua tesão maciça e indomável, mãos na cintura delineando a dimensão do seu ventre vulcânico a despejar nas pernas abertas torneadas se insinuando no lascão da saia para me seduzir mais que o impacto inesperado e a me dizer com seus lábios entreabertos que chegou para me redimir da demora de tantas chegadas. Ao vê-la estou completamente descontrolado e vou até ela, musa perfeita dos meus versos aturdidos, para minhas mãos errantes se acomodarem em tocar suas faces, segurar seu rosto para beijar-lhe a boca mil vezes tantas outras beijações e saborear seu batom por milhões de ósculos apaixonados infinitamente desencontrado de mim e de tudo. Beijo-lhe mais e mais e não me canso de beijá-la mais e mais a boca rubra e seu hálito de fêmea esguia pecaminosa, enquanto apalpo seus ombros, braços, seios, oh seios que delicadamente aperto acarinhando-os terna e resolutamente, para firmar minha força aos seus quadris e contorna-los às ancas e púbis, a saber-me disposta para entrega da minha sanha usurpada. Giro em torno dela e me espanto com a constatação genuína da sua gostosura assimétrica e apetitosa por todas as suas curvas, dorso a torso, dos pés à cabeça, o cheiro dela, mulher faceira e torno a beijá-la a pele, a carne, e a tocá-la como quem toma pra si os detalhes de suas entrâncias e reentrâncias, sou-me dela e ela a mim lânguida se descontrai e me deixa tê-la em todas as suas poses e formas expostas para ser servida unhas e dentes insaciáveis. Ela, então, virou-me as costas e riu remexendo danada, provocação de quem solta dentro do vestido, me pede a descobrir seus segredos mais inalcançáveis. E tomo-a a lamber suas costas, mãos pegadas nos glúteos, até que ela se revira para a façanha de suas mãos inquietas no meu sexo revirado e a empurrá-la até a mesa, deitada a remover seu salto alto e esfregar meus lábios aos seus pés estirados e meus dedos passeando entrepernas enquanto vou lambendo-as pelas coxas até alcançar o olho do furacão do seu sexo escancarado e eu faça promissora colheita de todos os seus sabores à minha língua no seu clitóris e o olfato do seu perfume íntimo a me inebriar de babar todas as frutas do seu pomar saboroso e minhas mãos das coxas pro polegar brincando de entra e sai a mexer muito doidamente no interior da sua vagina suculenta e o indicador roçando a rosa do seu ânus lubrificado por seus fluidos a se enfiar desassossegado para arrancar suspiros e mais usufruir das minhas investidas pro seu gozo vulcânico nos estertores orgásmicos e a me eletrizar priápico canibal no seu sexo estrelado até gemer e urrar ensandecida de prazer banhada em suor. Ela me faz parar e puxa-me os cabelos para alcançar sua boca trêmula e ávida por zis beijos a sentir meu sexo vivo em riste rente ao seu em polvorsa. Ela se levanta com sua boca na minha sabedora por ser-me isca fisgada a exorbitar do prazer ao ser por ela empurrado, obrigando-me a sentar na poltrona e ela, jeitosa e sedutora, levantando a saia, toma assento sobre meu sexo e ajeitando-se a alisar o meu no seu, e sentir sua trêmula emulação, deslizando na sua fenda para ser deliciosamente enfiado gruta adentro e ela cavalgar amazona ufana que vai para os sem fins de tudo, açoitando-me com sua marcha cadenciada de quem jamais vai parar de seguir sem rumo por todos os pontos cardeais e direções inventadas no universo e a qualquer custo me fará segui-la hirto dentro dela, ao seu comando e palavras de ordem, morro acima, céu abaixo, eu dentro dela até que ela jorre oceânica sobre o meu gozo astronômico e interminável. Ah, resfolegante e vencida, ela deita a cabeça ao meu ombro e eu sussurro que ela tinha que ser minha, jurei, minha, só minha, toda minha, e única para eu ficar no seu dia, enfiado na sua carne, no conforto da sua vulva, eu dentro dela e nela só se vive uma vez pra nunca mais, um dia o que eu mais quero porque ela tem de ser minha e o amor amadureceu e ninguém no mundo será mais feliz do que sou dentro dela. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui e aqui.


PENSAMENTO DO DIAO sentido de um acontecimento para a sua posteridade, enquanto se difere de seu sentido para a sua própria época ou de suas causas, está perpetuamente aberto a revisões. A História, em suma, é inacabada no sentido de que o futuro sempre utiliza seu passado de novas maneiras. Pensamento do historiador alemão Peter Gay (1923-2015). Veja mais aqui

A ANGÚSTIA – [...] A completa insignificância que se anuncia no nada-e-nenhures não indica uma ausência de mundo, mas adverte, ao contrário, que o estado intramundo perdeu toda a importância em si mesmo e que, sobre o fundo desta insignificância do intramundo, nada mais há a não ser o mundo que ainda possa, em sua própria mundanidade, se impor. [...]. Trecho extraído O ser e o tempo (Vozes, 1989), do filósofo alemão Martin Heidegger (1889-1976). Veja mais aqui, aqui e aqui.

UM PASSEIO – [...] Minha mãe, anteriormente, não significava muito para mim. Eu nunca a via sozinho. Estávamos sob tutela de uma governanta, e sempre brincávamos no andar de cima, no quarto das crianças. Meus irmãos tinham quatro e cinco anos e meio menos do que eu. Georg, o menor, tinha uma pequena grade para si. Nissim, o do meio, tinha fama de arteiro. Logo que ficava só, aprontava uma travessura. Abria as torneiras do quarto de banhos, e quando se descobria a água já escorria ao andar térreo pela escada; ou desenrolava o papel higiênico até que o corredor de cima estivesse todo coberto de papel. Ele sempre inventava novas traquinagens, cada vez piores, e como era impossível dissuadi-lo, todos acabaram chamando-o dethe naughty boy”. [...] Mas as mais belas conversas daquele tempo eram as que eu mantive com meu pai. Pela manhã, antes de ir para o escritório, ele vinha ao quarto das crianças e tinha palavras adequadas a cada um de nós. Ele era inteligente e divertido, e sempre inventava novas brincadeiras. Essa curta aparição era feita antes do café da manhã, que ele tomava na sala de refeições com a minha mãe, quando ainda não havia lido o jornal. Ao anoitecer, voltava com presentes para cada um de nós, e não houve um único dia em que ele voltou para casa sem nos trazer algo. Então ficava mais tempo e fazia ginástica conosco. Do que ele mais gostava era nos sustentar, os três, de pé sobre seu braço estendido. Ele segurava os dois pequenos, mas eu tinha de aprender a me equilibrar, e embora eu o amasse mais do que a qualquer outra pessoa, sempre tinha um pouco de medo dessa parte do exercício. [...]. Trecho do conto Passeio à margem de Mersey, extraído da obra A língua absolvida: história de uma juventude (Companhia das Letras, 2010), do escritor e ensaísta búlgaro e Prêmio Nobel de Literatura de 1981, Elias Canetti (1905-1994). Veja mais aqui e aqui.

O MALANDRO ARREPENDIDO - Ela tinha uma cintura bem torneada / cadeiras cheias / e caçava os machos nos arredores da Madeleine. / pelo seu jeito de me dizer: Meu anjo / te apeteço? / eu vi logo que se tratava de uma debutante. / Ela tinha talento, é verdade, eu o confesso. / Ela tinha gênio, / mas sem técnica um dom não é nada. / Certamente não é tão fácil ser puta como ser freira, / pelo menos é o que se reza em latim na Sorbonne. / Sentindo-me cheio de piedade pela donzela / ensinei-lhe os pequenos truques de sua profissão / e ensinei-lhe os meios para fazer logo fortuna / rebolando o lugar onde as costas se assemelham à lua, / Porque na arte de fazer o trottoir, confesso, / o difícil é saber mexer bem a bunda. / Não se mexe a bunda da mesma maneira / para um farmacêutico, um sacristão, um funcionário. / Rapidamente instruída por meus bons ofícios / ela cedeu-me uma parte de seus benefícios. / Ajudavamo-nos mutuamente, como diz o poeta: / ela era o corpo, naturalmente, e eu a cabeça. / Quando a coitada voltava para casa sem nada / dava-lhe umas porradas mais do que com razão. / Será que ela se lembra ainda do bidê com / que lhe rachei o crânio? / Uma noite, por causa de manobras duvidosas / ela caiu vítima de uma doença vergonhosa, / então, amigavelmente, como uma moça honesta / passou-me a metade de seus micróbios. / Depois de dolorosas injeções de antibióticos / desisti da profissão de cornudo sistemático. / Não adiantou que ela chorasse e gritasse feita louca / e, como eu era apenas um canalha, fiz-me honesto. / Privado logo de minha tutela, minha pobre amiga, / correu a suportar as infâmias do bordel. / Dizem que ela se vendeu até aos tiras! / Que decadência! / Já não existe mais moralidade pública / na nossa França! Poema do poeta, compositor e cantor francês Georges Brassens (1921-1981).


A arte do fotógrafo holandês Henri Senders


NUM É MESMO ZIRALDO!!!! POR ISSO QUE EU DIGO QUE MARCIO BARALDI É O MAIOR ROCKCHARGISTA DO PLANETA!!! - Marcio Baraldi é um dos mais promissores chargistas e cartunistas do país. Cabra inquieto, criativo e criador de uma penca de projetos que vão se constituindo nas mais elogiadas iniciativas de um artista que se preze, ele vai delineando sua carreira com sucesso e muito bom humor. Da sua lavra nasceram as revistas do Adrina-lina e Roko-Loko, do Tatoozinho, Humor-Tifer, sem contar com o primeiro game rock´n´roll do Brasil: Roko-loko no castelo do Ratozinger! E tudo isso primando pelo bom gosto, pela irreverência e pela arte de um dos maiores artistas desta terra. Prova disso? Taí: a publicação do livro “Moro num país tropiacaos”, uma coletânea de charges do Marcio Baraldi, publica em 2001 pela Publisher Brasil. Por isso que eu digo que se trata do maior rockchargista, maior rockcartunista, maior rockamigo & o escambau! E quem diz isso não só sou eu. Veja o que Ziraldo diz dele: "Rebelde com causa e graça! Carcamano brabo, brigador, alma rebelde que começou a ser gerada em Modena, de onde veio o avô, este é o Marcio, de sobrenome Baraldi, caricaturista, chargista, desenhista de historia-em-quadrinhos, comunista perigoso. Ou melhor, só não é comunista perigoso porque esta categoria já saiu de moda há algum tempo. Mas indignado ele é, inconformado, também. E zangado. Suas charges, quando tocam de leve o alvo, deixam a vitima pronta para ir pra UTI. O Baraldi não pega leve, profissional dos mais sérios – mas muito engraçado – ele trabalha como um condenado, fazendo charges diárias para a Folha Bancária e para mais uma dezena de publicações sindicais, afinal ele acredita na vitória da classe obreira. Acontece, porem, que ele tem uma coisa que é fundamental num chargista: a fé no ser humano, esta certeza de que o homem não pode serão... tão... tão assim como esses caras que estão lá nas suas charges são. Ele crê que a gente tem que denunciar, tem que berrar, tem que gritar bem alto, com nosso engenho e arte, para despertar os que, nas charges do Marcio, estão lá levando porrada. Ele fez desta missão – bradar sua indignação e seus propósitos – sua labuta diária e, com a devida paga por sua competência, é um dos poucos profissionais brasileiros – na área – a poder viver de seu desenho e de seu Humor, exclusivamente. O que é uma gloria que merece esta perpetuação que vem através do livro. Pois é aqui que, para sempre, fica gravada a marca do artista. Porque gosto de quem trabalha com afinco e fé e porque gosto do trabalho do Marcio Baraldi, achei uma alegria fazer o prefacio deste Caos Tropical, na certeza de que ele é abençoado por Deus – apesar das injustiças! – e bonito por natureza! Ziraldo, Rio de Janeiro, 8 de janeiro de 2002”. Veja a entrevista com Márcio Baraldi aqui e mais aqui e aqui.


Veja mais sobre:
De domingo a domingo, Pierre Weil, Hans Christian Andersen, Michala Petri, Francis Fergusson, Agnès Jauoi, Francisca Praguer Fróes, Pietro da Cortona & Jura Mamede aqui.

E mais:
Trelas do Doro: doidices na sucessão aqui.
A arte de Cláudia Cozzela aqui.
Big Shit Bôbras: Zé Bilola candidato a vereador em Xoxotópolis aqui.
A pobreza aqui.
Carl Rogers, Educação, Voyeurismo & Allen Jones aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
 Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra: 
 Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.

BATAILLE, GUBAIDULINA, MARCUSE, JOÃO UBALDO, CORBIÈRE, MARIA AGUILAR, FRINEIA, VERA & MÁRCIA NUNES

O SONHO DE VERA – Imagem: arte da artista espanhola Maria José Aguilar Gutierrez . - Desde criança Paulina chamava atenção em Toulouse. A...