quinta-feira, agosto 20, 2020

CORA CORALINA, DÉCIO PIGNATARI, KARL KRAUS, MARTHA MEDEIROS, ROMAN VISHNIAC & ARGEMIRO PASCOAL


DIÁRIO DO GENOCÍDIO NO FECAMEPA – UMA: SABE AQUELA... O EXTRA NO HORROR DE CADA DIA... Passos errantes, de mil em mil, todo dia, conto nos dedos. Sigo na cidade a céu aberto e gente de gelo por ruas e descampados nem sabem dos que morreram desde anteontem, ou melhor, desde o outono, depois das festas do carnaval. As minhas mãos são rios florestais, raios e trovoadas, auroras de mares boreais e geografias inventadas ao deleite, porque a vida está difícil, quase impossível respirar nessa hora de zoadas, indiferenças e aflições. Se colho frutas na estrada, dos galhos não sei envenenados e insetos que nunca vi na fuligem negra do asfalto, enquanto meus pés varrem o mundo na poeira dos ventos e na faixa de pedestre o semáforo apita iminência, para Cora Coralina avisar: O que vale na vida não é o ponto de partida e sim a caminhada. Caminhando e semeando, no fim terás o que colher. Desço a ladeira de pedras e quebro a redoma, a cidade desaba do céu escuro, com todas as paisagens dissolvidas, como se a amanhã fosse a tarde anoitecida e daí, não sei mais de nada.

DE DOIS PARA MAIS DE MIL A CADA DIA (Imagem: The Last Days of Mankind – A Visual Guide to Karl Kraus’ Great War Epic, Artwork by Deborah Sengl). – Dois mundos saem do labirinto, e daí eu não sei qual deles sobreviverá, talvez nenhum. Qual é. Sou esse trânsito louco engasgado na encruzilhada, aos gritos e buzinas, ninguém se entende, estranhos com ofensas mútuas de desumanos aos esparros, todos aos esculachos recíprocos, a nossa barbárie, quantos selvagens, isso somos afinal, reduzidos a isso – a amígdala cerebral encolhida, tão se encolhendo mais, num estalo, sumiu e não mais Homo sapiens ou faber ou ludens ou Deus de Harari, nem nada mais. O chão é móvel e me leva para longe deles. Do zoadeiro da gente de gelo e dos sorridentes de Arcimboldo, em cada esquina uma medusa atônita com o Grito deMunch repete em eco de Décio Pignatari: Poesia é a arte do anticonsumo, e ele, logo atrás me diz: O que me interessa hoje? Passar da tecnologia para a sabedoria. E passam por mim, e são muitos os vultos e envultados multicores e o riso de cada um deles é um quebra-cabeça cheios de charadas, enigmas de não sei quando, ah esse mundo não é mais o mesmo, eu sei; essa vida a qualquer hora vai parar, eu sei, o mundo já parou e ninguém sabe é se haverá quem esteja vivo depois que tudo isso passar, ou se a espécie humana se salvará da extinção daqui mais algumas décadas, não sei, que o diga Karl Kraus: A guerra, a princípio, é a esperança de que a gente vai se dar bem; em seguida, é a expectativa de que o outro vai se ferrar; depois, a satisfação de ver que o outro não se deu bem; e finalmente, a surpresa de ver que todo mundo se ferrou. Ele sorri e ironicamente arremata: O progresso técnico deixará apenas um problema: a fragilidade da natureza humana. Baixei os olhos diante disso e ele se foi com ar de desencanto. Eu sei, quando não somos os carrascos de nós próprios, somos as vítimas para todos nós. Coisas de humanos.

TRÊS IDAS & QUASE NENHUMA VOLTADiante da ameaça de extermínio que nos ronda há tempos, me bate aquela sensação sentida ao ler as obras do fotógrafo e microbiologista russo Roman Vishniac (1897-1990), famoso por filmar a cultura judia antes do Holocausto: Estes são os rostos de crianças que abracei, beijei e amei. Não posso imaginar que eles estejam mortos, que ninguém sobreviveria... Um milhão e meio de crianças entre os seis milhões... Mas isso eu sabia... Eu queria salvar seus rostos, não suas cinzas. Você pode fazer alguma coisa com isso? Sim, você pode chorar. E chorei muito, tanto até e Martha Medeiros sussurrou na minha desolação: Faça o que for necessário para ser feliz. Mas não se esqueça que a felicidade é um sentimento simples, você pode encontrá-la e deixá-la ir embora por não perceber sua simplicidade. Não é a altura, nem o peso, nem os músculos que tornam uma pessoa grande, é a sua sensibilidade sem tamanho. Sim, eu sei. E pude abraçá-la para dizer sim e sou pau-brasil solitário na devastação, em extinção e pronto. Celebro a vida sobre todos os mortos do outono ao inverno, a vida deles para todos viverem. E os levo, pé na estrada, cidade a céu aberto. Gente de gelo nas ruas ermas, passos errantes conto nos dedos. Até mais ver.

ARGEMIRO PASCOAL
A arte do dramaturgo Argemiro Pascoal (1948-2012), criador do Teatro Amadores de Caruaru (TAC), em 1957, e do Teatro Experimental de Arte (Arte), em 1962, criador e realizador do Festival de Teatro Estudantil do Agreste (FETEAG), a partir de 1982, e é autor das peças O testamento, Festa de casamento, O bordel, A epopeia do beato, Um canto de amor, País de Caruaru. Veja mais aqui, aqui, aqui & aqui.


JUDITH SCHALANSKY, TRIIN PAJA, ANNA LEMBKE, VCA & CRÔNICA NA ESCOLA

  Imagem: Acervo ArtLAM . Ao som dos álbuns Morning Star (2021), Beethoven: Piano Sonatas nº 3 in C Major, Op. 2 & nº 16 in G Major, ...