domingo, fevereiro 28, 2016

BIRITOALDO – A VINGANÇA NO FORMIGUEIRO


BIRITOALDO: A VINGANÇA NO FORMIGUEIRO - Biritoaldo, meu Deus, esse veio de encomenda! Ele até que se esforça, mas pense num horror! Imagine o que é um ré-pra-trás! Imaginou? O cara não acerta uma, sequer! O parvo é só o sol na moleira com o sal se pisando pra banda dele! Primeiro veja o bronco: a camisa, a gola desajeitada, o colarinho troncho, a carreira de botão cada um na casa errada, a calça cu-de-mochila, queimando o arroz, uma perna maior que a outra no desabanhado e, o pior, pegando borboleta! A mangação: - Vixe, que coronha! Quando não: - Ei! De braguilha aberta, mô fio?!? Bote vexame no riscado! Quando vê um cachorro, se estranham dele fugir das mordidas; quando cruza com um gato, o bicho que se arrepia todo. Jumento? Olhe o coice, desgraçado. Quando feliz, pisa num tolote de bosta. Ih, tira o pé da merda, zé-roela! Se vai na calçada todo nos trinques da domingueira, tem de algo acontecer pra jogar lama e botar tudo a perder! Vai pegar condução, destino errado. Se vai falar, logo se vê que se trata de um conselheiro Acácio. Amizade? O último amigo abotoou o paletó faz tempo. Livrou-se dele. Os dentes queiros tudo encruado na boca, imagine tudo doendo duma vez só! Por isso, nunca entende direito o que falam - Ô cara tapado da porra! Se é da mulher, só leva desacerto; dos vizinhos, xingamentos; da família, reprovação. Ou seja: além queda, cotovelada nas fuças! Se cai de costa, quebra a pomba; se leva topada, empena o espinhaço. Avalie, só vive com o pau da venta arranhado e levando pisada na unha encravada. Ai, doeu. Quando se deita na cama, o lastro arrebenta e acorda todo mundo! Maior buruçú pra tudo que é lado. Ah, quando dão espaço, maior folga: cheio das intimidades. Oxe, o cara não tem o menor simancol! Só é bronca na caixa dos peitos e muito grito por desaforo na lata. Isso quando não é Alceste pra todo lado no maior esporro! Pelo visto, já viu, né? O cara não tem moral nenhuma: o que apanha da vida, não tá no gibi! Exceto... ah, quando não tendo mais de onde levar bordoada, se tranca no banheiro pra chorar. É aí que aparece a sua vingança! É que na hora da micção, aparece lá no vaso sanitário, uma desavisada duma formiguinha zanzando ao léu. Aí meu, ele apruma a pontaria do pingolim e só fica satisfeito quando leva a bichinha na força do mijo pra morrer afogada. Pronto, feliz da vida. Vingado! De peito lavado! Agora, sim. E fica esperando pra ver se aparece outra prele esmagar com a força do mijo. Eita, apareceu! A hora da vingança II. E lá vai ele empurrando a formiguinha pra descarga! Fica horas nisso. Não sei onde ele arruma tanta carga pra detonar! Aí dá a curiosidade de ver se tem mais: achou uma tuia delas fazendo carreirinha na borda do vaso. Oxe, lá vai a força do jato da mangueira dele pra atacar suas inimigas! Agora foi. Não deixa uma só pra remédio. Por conta disso, já deu até de se ajeitar no arruado lá da casa dele, de não poder avistar um buraco na terra que, pra ele, vira formigueiro. Inclusive, criou uma técnica pra não ser flagrado pela polícia mijando na rua. Sabe como é? Ele chega, ajeita a perna da calça, apruma o calcanhar como uma biqueira bem na loca das formigas e deixa a urina escorrer pra causar maior maremoto de urina na morada delas. Ô vingança! Freud explica? Jung, por favor! (Luiz Alberto Machado). Veja mais das Proezas do Biritoaldo aqui, aqui e aqui

 Imagem: arte do artista visual e editor Jamilton Barbosa Correia. Veja mais aqui.

Veja mais Ferreira Gullar, Oscar Wilde, Montaigne, Louis Malle, Lisztomania, Juliette Binoche, O morto e a lua, Luhan Dias & Virginia Lane aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
 Veja aqui e aqui.


KRISHNAMURTI, MILLÔR, CELSO FURTADO, JOSEPH CAMPBELL, BARBOSA LIMA SOBRINHO, GILVAN LEMOS, RIO UNA & MARQUINHOS CABRAL

MARQUINHOS CABRAL: DESDE MENINO SOLTO NA BURAQUEIRA – A gente aprontou muitas e tantas no quintal lá de casa e nos cômodos da casa dele ...