domingo, fevereiro 21, 2016

COELHO NETO & LOGOTERAPIA



A CONQUISTA – No livro A conquista (1899), do escritor e professor Coelho Neto (1864-1934), um romance de formação e de vida boêmia, narra as aventuras e desventuras (e falta de dinheiro e às vezes até de perspectivas de sucesso) de sua geração de poetas, teatrólogos, jornalistas, intelectuais, boêmios na cidade do Rio de Janeiro nos anos do final do século XIX, em que a campanha abolicionista e o movimento republicano estão a pleno vapor e que culminam com a libertação dos escravos no Brasil. Da obra destaco o trecho: [...] Imagina a minha situação. Tenho um caso de amor, amor fino; o meu lunch de hoje vai ser um fruto proibido. É uma dama da elite: loura, de olhos azuis, uma cabecinha de Bottielli. Vive a bocejar entre os sessenta anos gelados e impertinentes do marido e a ferrenha catadura do avô reumático, que enche a casa de gemidos quando a não abala com os roncos. Esse lírio formoso espera-me hoje às 3 horas da tarde, enquanto o marido discute no Senado uma prudente medida de salvação nacional e o avô toma o seu choque elétrico. A ocasião é das mais favoráveis. Dá-se, porém, o caso grave de eu não ter, no momento, calçado idôneo. As mulheres têm o olhar curioso e  essa então, que é pudica, no primeiro instante baixará os olhos e dará pelos meus sapatos, que começam a descambar em alpercatas. Tenho ali um par de botinas, mas apertam-me como credores, e tu compreendes que um homem que vai para tão arriscada fortuna deve ir preparado para todos os casos, principalmente para correr. Imagina que morre um senador e suspendem a sessão ou que, por excesso de umidade não funciona a máquina elétrica, como hei de eu, com os pés entalados, fugir à cólera do marido ou à fúria do avô? Um é bravio na oposição, deve ser tremendo em se tratando da honra doméstica; o avô foi revolucionário, viu muito sangue, e feroz. Demais, as minhas botinas (falo-te como a um irmão) têm um vício inveterado que me fazer perder um tempo precioso sempre que delas me sirvo. Tenho os minutos contados, devo seguir diretamente, aladamente se possível for, para Laranjeiras e, se eu as puser nos pés, sei que vou ter à secretaria de Agricultura. [...] Veja mais aqui.


Imagem: The Temptation of St. Hilarion (1894), do artista plástico Victor Karlovich Shtemberg (1863-1017). 

LOGOTERAPIA – A logoterapia, segundo seu criador Viktor Frankl, está baseada no confronto do paciente com o sentido de sua vida e o reorienta para o mesmo, tendo em vista ser oriunda do termo grego Logos que significa "sentido", sendo, com isso, "cuidar do sentido", sentido esse como significado de meta ou finalidade e a principal força motivadora no ser humano. A logoterapia possui dimensões denominada de noética, que compreende as projeções das dimensões biológicas, psicológicas e sociais se expressam em uma dimensão espiritual que se totaliza na existência. É somente nessa dimensão que o indivíduo pode sair de suas condicionalidades e visualizar o seu sentido. O termo Vontade de sentido compreende a busca da pessoa por um sentido que se identifica como a motivação primária em sua vida e que está na pessoa como mola impulsionadora de sua existência. O sentido é único e específico para cada um e deve ser vivido somente por aquele indivíduo. Ao tratar da frustração existencial e das neurose noogênicas, o autor assevera que existem pessoas que ainda não encontraram o sentido em suas vidas, tornando-se aflitas por um estado que chamado de frustação existencial. Essa frustação pode culminar em uma espécie de neurose. Essas são as neuroses noogênicas ou noógenas que são sempre de cunho espiritual e se baseiam em conflitos da existência onde as frustrações existenciais desempenham um papel central. Outro termo criado pelo autor é a noodinâmica que é a tensão interna existente entre o que uma pessoa é e aquilo que ela deveria ser de acordo com a sua realidade, seus valores e o seu sentido de vida. Esse estado noodinâmico é aquele estado entre aquilo que se é e aquilo que se deveria ser, sendo o mais adequado à normalidade do homem, superando seus obstáculos, desde que aceite o desafio de seguir em frente sem o receio do fracasso. Já o termo vazio existencial compreende a verificação de quando as pessoas não encontraram o sentido para as suas vidas. Este vazio se manifesta principalmente num estado de tédio, pelo domínio da rotina, necessitando-se de um sentido para viver. Dessa forma, a bovinidade do vazio existencial transparece sob as mais diversas máscaras como forma compensadora, ou seja, pelo conformismo, submissão, obcessões por poder, dinheiro ou sexo. Nesse sentido, o autor entende que o sentido da vida é único e característico de cada pessoa, suas peculiaridades e particularidades da vida de cada um, principalmente seus valores e tudo que definem o seu sentido da vida. Para o autor "[...] não é o que a vida pode lhe proporcionar, mas o que você pode fazer pela vida". A logoterapia afirma que o fim da vida não é a autorrealização, mas a autotranscendência, sendo, pois, aquela consequência desta. No que tange ao sentido do amor, o autor menciona que o encontro com o outro somente se dá quando dá-se abertura para aceitação da maneira que ele realmente é. Ninguém consegue ter plena abertura para conhecer outro ser humano se não amá-lo e, além disso, somente o amor o torna capaz de conscientizar o ser amado daquilo que ela pode e deveria vir a ser. Já que concerne ao sentido do sofrimento, expressa o autor que durante a vida o ser humano se defronta com situações nas quais o sofrimento é inevitável, em que não há mais esperança ou diante de uma fatalidade que não pode ser mudada, restando mudar a si mesmo, enfrentando o sofrimento com dignidade e coragem. Já o supra sentido é aquele que excede e ultrapassa toda e qualquer compreensão intelectual do ser humano, podendo ser bem exemplificado na fé religiosa, onde as pessoas confiam naquilo que não veem ou compreendem e esperam por um futuro do qual não tem provas que possa existir. Esse princípio, muitas vezes, impulsiona e dá forças às pessoas para superar as adversidades. A transitoriedade da vida confere ao fato da finitude humana, principalmente a iminente, que tende a tirar o sentido da vida. Para superar o sentimento de transitoriedade, o autor valoriza a historicidade manifesta no passado do indivíduo. Entre as técnicas logoterápicas estão a intenção paradoxal, baseada no fato de que o medo produz aquilo que se tem medo, ou seja, a ansiedade antecipatória; e a desreflexão, que se baseia no fato de que a intenção excessiva impossibilita aquilo que se deseja. EM BUSCA DE SENTIDO – O livro Em busca de sentido: um psicólogo no campo de concentração, de Vikton E. Frankl, traz um relatório de prisioneiro nos campos de concentração nazista, a apatia, o escárnio, os sonhos dos prisioneiros, a fome, a sexualidade, a ausência de sentimento, política e religião, a fuga para dentro de si, Espinosa, sofrimento como realização e a psicologia do campo de concentração, bem como após a libertação, os conceitos fundamentais da logoterapia, a vontade de sentido, frustração existencial, neuroses noogênicas, noodinâmica, o vazio existencial, o sentido da vida, a essência da existência, o sentido do amor, o sentido do sofrimento, problemas metaclínicos, logodrama, o supra-sentido, a transitoriedade da vida, a técnica logoterápica, a neurose coletiva, critica do pandeterminismo, o credo psiquiátrico, o otimismo trágico e reemanização da psiquiatria. A BUSCA DO SIGNIFICADO – O livro A busca do significado: logoterapia e vida, de Joseph B. Fabry, aborda temas como a descoberta pessoal, a dimensão humana, qual o sentido da vida, o valor dos valores, nossa consciência intuitiva, a essência da humanidade, a desintegração das tradições, o desafio da liberdade, aplicações da logoterapia, a realidade da religião e um prefácio de Viktor E. Frankl. Veja mais aqui e aqui.

REFERÊNCIAS
FABRY, Joseph. A busca do significado: logoterapia e vida. São Paulo: EXE, 1984.
FRANKL, Viktor. Em busca do sentido: um psicólogo no campo de concentração. São Leopoldo: Sinodal/Petrópolis: Vozes, 1991.
______. Psicoterapia: uma casuística para médicos. São Paulo: E.P.U, 1976.
______. Fundamentos antropológicos da psicoterapia. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.
RODRIGUES, R. Fundamentos da logoterapia na clínica psiquiátrica e psicoterápica. Petrópolis: Vozes, 1991.
XAUSA, I. A. M. O sentido dos sonhos na psicoterapia em Viktor Frankl. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2003.


Veja mais sobre:
O cis, o efêmero & eu aqui.


E mais:
Wystan Hugh Auden, Stanislaw Ponte Preta, Anaïs Nin, Maria de Medeiros, Alberti Leon Battista, Francisco Manuel da Silva, Luli Coutinho & muito mais aqui.
Cancioneiro da imigração de Anna Maria Kieffer & Ecologia Social de Murray Bookchin aqui.
A poesia de Sylvia Plath & a Filosofia da Miséria de Proudhon aqui.
Antonio Gramsci & Blinded Beast de Yasuzo Masumura & Mako Midori aqui.
Mabel Collins & Jiddu Krishnamurti aqui.
Christiane Torloni & a Clínica de Freud aqui.
Paulo Moura, Pedro Onofre, Gustavo Adolfo Bécquer, Marcos Rey, Mihaly von Zick, Marta Moyano, Virna Teixeira aqui.
A irmã da noite aqui.
A obra de Tomás de Aquino & Comunicação em prosa moderna de Othon M. Garcia aqui.
Essa menina é o amor aqui.
Uma gota de sangue de Demétrio Magnoli & mais de 300 mil no YouTube aqui.
A filosofia & Psicologia Integral de Ken Wilber & o Natal do Nitolino aqui.
Possessão do prazer aqui.
Roberto Damatta & o Seminário do Desejo de Lacan aqui.
A febre do desejo aqui.
A nova paixão do Biritoaldo: quando o cara erra a porta de entrada, a saída é que são elas aqui.
A ambição do prazer aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Veja Fanpage aqui & mais aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja os vídeos aqui & mais aqui e aqui.



ANNIE BESANT, RAMOS ROSA, ARTHUR MILLER, TORERO, LORI KIPLINGER PANDY & VLAHO BUKOVAC

IARAVI & A LUA – No dia que a apaixonada cunhã Iaravi perdeu o caminho de volta pra sua casa caingang e se desencontrou do seu amado F...