sexta-feira, fevereiro 12, 2016

A MULHER CHINESA


 Imagem: estátua unearthed mulher cerâmica na China antiga em Olaria e esmalte de Casa & jardim no AliExpress, Alibaba Grou.

A MULHER NA CHINA ANTIGA - Na Ásia o domínio era do homem e tanto o taoísmo, na China, como o tantrismo, na Índia, havia o predomínio de disciplinas sexuais e as mulheres eram mantidas reprimidas. Ambas eram polígamas, assim como os árabes, cujos harém formariam material para a fantasia no Ocidente monógamo por meio das crenças islâmicas. Entretanto, enquanto a igreja cristã primitiva advogava a abstinência sexual, nas doutrinas do Tao “o Caminho”, a “Senda Suprema da Natureza”, eram advogadas condições tais como: “Quanto mais forem as mulheres com quem um homem tenha intercurso, tanto maior será o beneficio que ele derivará do ato [...] Se em uma noite, ele puder ter intercurso com mais de dez mulheres, tanto melhor”. Assim, o taoísmo tornou-se uma filosofia que impregnou toda a estrutura do pensamento e sociedade chineses por mais de dois mil anos, desenvolvendo, com isso, um conceito de mundo, no qual a existência se apresentava como um movimento dinâmico de perpetua mudança, embasada na força conhecida como ch’i – a essência vital, o hálito de vida -, cuja senda é a Senda Suprema, o Caminho, o Tao. A divinação manual, o I-ching (o “Livro das Mutações”), dava à força passiva o nome de yin (a vagina, ou umidade lubrificadora dos órgãos sexuais femininos) e à ativa de yang (o pênis, ou o sêmen do homem), descrevendo como elas se fundiam para impulsionar o ch’i ao longo da Senda Suprema: “A interação de um yin e de um yang é chamada Tao, e o processo gerativo constante que daí resulta é chamado de mutação”. Este, portanto, o propósito de que o homem devesse aprender a viver em perfeita harmonia com a natureza, observando-se a disciplina do corpo. Durante a antiga dinastia Han (206aC-24aC), manuais circulavam, a exemplo de A arte da Câmara de Dormir, dedicados aos segredos da Câmara de Jade, com partes voltadas para comentários introdutórios sobre o significado cósmico do encontro sexual, as carícias preliminares, descrições do ato do intercurso com técnicas e posições, receitas e prescrições úteis, entre outras. O objetivo era a harmonia yin-yang, denominando-se de “nuvens e chuva” o ato do intercurso, utilizando-se de afrodisíacos, tais como a droga da galinha calva, a poção do chifre de veado, entre outras. Em oposição ao taoísmo surgiu o pensamento do filósofo e religioso chinês Confúcio (551ac-479aC), que, por sua vez, defendia que as mulheres eram absoluta e incondicionalmente inferiores, além de serem de difícil convivência: “Se nos mostrarmos amistosos com elas, logo perderemos o poder de controla-las e, se mantivermos distância, ficam ressentidas”. Em vista disso, as mulheres dessa época constituíam apenas uma necessidade biológica para a produção de filhos homens, os quais iriam continuar ministrando as necessidades dos ancestrais. Elas participavam dos haréns ao lado de três a doze esposas e concubinas, chegando a nobreza a ter mais de trinta. O Li-chi – Livro dos Ritos -, confuciano estipulava que “[...] mesmo que uma concubina esteja envelhecendo e desde que ainda não tenha atingido os cinquenta anos, o marido deverá ter intercurso com ela a cada cinco dias”. O favoritismo entre as mulheres era calculado para resultar na ruina da paz domestica que prejudicaria a carreira de um homem. O casamento entre os chineses não unia o homem apenas à sua esposa principal, mas também às irmãs e empregadas dela, as quais ele trazia consigo, como suas esposas secundárias. Ele teria um período de experiência de três meses, antes de solenemente estabelecer qual a Primeira Esposa. Ele possuía o direito de repudiar sua esposa principal, via de regra por esterilidade ou doença incurável, repudiando, por consequência, as irmãs e acompanhantes. A história oficial da dinastia Han foi realizada pela erudita Dama Pan Chao, uma das primeiras notáveis chinesas que acreditava que as meninas deviam receber a mesma educação elementar que os meninos, vez que as mulheres eram iletradas, excetuando-se aquelas que possuíam vontade e oportunidade de aprender, ou as cortesãs que utilizavam a educação como ferramenta de seu comércio. O poema Yü-t’ai-hsing-yung, do poeta Fu Hsüan, dava conta de que: Amargo deveras, é ter nascido mulher, / seria difícil imaginar-se algo tão inferior! / Ninguém derrama uma lágrima quando ela se casa e parte... / O amor de seu marido é tão indiferente como a Via Láctea, / mas no entanto ela deve segui-lo, como o girassol segue o sol. / Em breve, os corações de ambos se afastam tanto, como o fogo e a água, / ela é acusada por todos e tudo que saia errado [...]. As esposas eram mães e donas-de-casa essencialmente, cada uma delas ocupando seu lugar na hierarquia dos aposentos das mulheres e cada uma com suas tarefas diárias específicas. Suas horas vazias eram preenchidas diante do espelho, cuidando dos cabelos ou da pintura do rosto. Outras se ocupavam com casos amorosos ilícitos e seus aposentos eram em geral reservatórios de feminilidade frustrada, não sendo incomum que filhos adultos tivessem casos com as esposas secundárias ou concubinas do pai. Em geral, as mulheres só se encontravam com os maridos à horas das refeições ou na cama, de maneira que a conversa se restringia a temas domésticos. Os confucianos desdenhavam das mulheres que tentavam tomar parte nos interesses do marido e consideravam a participação feminina nos assuntos públicos como a raiz de todos os males, como defendia o estadista do século IIdC, Yangg Chên: “Se às mulheres forem confiadas tarefas envolvendo contato com o mundo exterior, elas provocarão desordem e confusão no império, levando vergonha à Corte Imperial. Não se deve permitir que mulheres tomem parte em assuntos do governo”. Inclusive constava no Li-chi a abominação ao contato físico casual entre o marido e mulher ou concubina, tampouco permitia que frequentassem o mesmo poço ou local de banhos, nem pendurar suas roupas no mesmo cabide para vestes. Seguindo esse ditame, o Concílio de Macon, de 585dC, decretou que nenhum cadáver masculino deveria ser sepultado ao lado de um feminino, enquanto este último não se decompusesse. Entretanto, foram estabelecidas regras que formalizaram um código de cortesia domestica, assegurando até mesmo à ultima concubina, um grau de dignidade humana raramente conferido a alguém que não às mulheres de alto nascimento nas sociedades monogâmicas do Ocidente. O paternalismo do estado confuciano não inibia as esposas, concubinas ou viúvas, enquanto que, conforme o filósofo do século III, Ko Hung, as mulheres jovens vagavam a divertir-se no mercado, visitando os parentes pela noite, além de recreios budistas e para ver caçadas e pescarias, organizando piqueniques nas montanhas e margens dos rios. Elas podiam viajar em carruagens abertas, cantando e tocando músicas, bebendo e festejando, enquanto que, para o filósofo mencionado, promoviam a decadência da família e a ruína do Estado. 


Veja mais:








Veja mais sobre:
Alvorada na Folia Tataritaritatá, Pablo Neruda, João Ubaldo Ribeiro, Egberto Gismonti, Capiba, Ricardo Palma, Tsai Ming-liang, Cristiane Campos, Fernanda Torres, Chen Shiang-Chyi, Revista Germina, Digerson Araújo, Asta Vonzodas & O cérebro autista aqui.

E mais:
Georg Trakl, Paul Auster, Sarah Kane, Gertrude Stein, Felix Mendelssohn, Woody Allen, Gil Elvgren, Marion Cotillard & Big Shit Bôbras aqui.
Ginofagia & as travessuras do desejo na manhã aqui.
Rio São Francisco: Velho Chico, Turíbio Santos, Cláudio Manuel da Costa, Lampião de Isabel Lustosa, Ítala Nandi, Hugo Carvana, Paulette Goddard, Natalia Goncharova, Música & Saúde aqui.
Penedo às margens do Rio São Francisco aqui.
Simone Weil, Simone de Beauvoir, Emma Goldman, Clara Lemlich, Clara Zetkin & Tereza Costa Rego aqui.
O homem ao quadrado de Leon Eliachar aqui.
Febeapá, de Stanislaw Ponte Preta aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA;
Veja Fanpage aqui e mais aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra:
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja os vídeos aqui & mais aqui e aqui.


TODO DIA É DIA DA MULHER
Veja as homenageadas aqui.


PRIMO LEVI, ALTHUSER, OSCAR WILDE, FERNANDA MONTENGRO, SÉRGIO AUGUSTO DE ANDRADE, NEUZA PARANHOS, APOLLONIA SAINTCLAIR & PADRE BIDÃO

OS MILAGRES DO PADRE BIDIÃO - Muito se tem falado a respeito dos milagres praticados pelo Padre Bidião. Eu mesmo nunca vi um sequer, mas...