segunda-feira, fevereiro 22, 2016

NÉLIDA PIÑON, ODUVALDO VIANNA FILHO & JÚLIO POMAR



FUNDADOR – No livro Fundador (Labor, 1976), da escritora Nélida Piñon, destaco o trecho: [...] – Por que, em vez de mulher, não nasceu homem? disse ele algumas vezes. E cedeu ante a rainha porque Eleanora o exigira. Logo que a conheceu, pernoitando ali, numa das suas rápidas viahens. Olhou a filha e disse: - Então, na floresta encontra-se a taça de vinho raro! Eleanora pediu-lhe o nome. Outras informações, a que a filha cedia segundo a própria vontade. Sem que a sua rebeldia, aquele jeito de se perder em abismos como quem se afina com a superfície da terra, incomodasse a rainha. Talvez a tivesse encantado. E conferiu-lhe a honra que o pai teria dispensado. Se a rainha o consultasse, declinaria do convite, sua filha partir para a corte, viver entre dissolutos e formadores de uma outra época. Temia Eleanora e seu riso de pássaro alterando a filha que nem ele dominava, mas que sempre fora seu orgulho. Ele que lhe dizia boa noite recebendo em troca um longo olhar, um toque delicado em suas mãos e se viam no dia seguinte com a brevidade de um inseto [...]. Veja mais aqui e aqui.


DE UMA CENA DE PAPA HIGHIRTE, DE ODUVALDO VIANA FILHO - [...] Papa Highirte – É. Você tem bom gosto menina... Graziela –Que é isso, Papa, eu não... Papa Highirte – Tenho vinte séculos, menina, completos em março, não pense que me engana... É justo. Eu preciso de ajuda mesmo para amar você. (Senta-se. Bate nas pernas. Graziela senta-se no colo dele). Papa Highirte – Agora beijos. Graziela sorri. Encosta-se nele. Beija-o). Papa Highirte – Por que não veio ontem? Graziela – Assim... não vim... fiquei assim... Papa Highirte – Boa explicação, menina, boa explicação.... (Riem. Ficam abraçados. Muda a luz. Papa continua com Graziela no colo) [...] Papa Highirte – Tem belas coxas a Graziela... é a putinha mais bem conservada que conheço, a putinha... um seio pequeno, a putinha tem um seio pequeno de donzela... hein? Você não acha bonita a coxa de Graziela?... Hein, Mariz?..... hum.... o rapaz tem seus orgulhos... [...] Mariz - Falou do seu peito, da sua coxa, da sua anca, anca de égua de Grande Prêmio.... me contou como beija seu peito, peito de menina debutante, que ele beija seu peito até ficar roxo o bico do seio...  (Graziela ri). Graziela - ...sabe? E ele senta numa cadeira e pede pra mim andar, primeiro vestida, assim toda coberta, eu fico andando, aí ele pede pra tirar o soutien, fico só de vestido o seio balançando, acho que andei um dia a tarde toda, parecia uma exaustão, ele fica olhando, fuma, bebe pulque, sabe o que ele mais gosta que eu faça? Vou andando assim de costas, a blusa fechada, aí eu pego chego bem de longe e assim de repente viro assim com a blusa aberta, fico um instante, zapt, ai viro de novo, ai ele pede pra mim dançar como eu danço na boite... PAPA HIGHIRTE – peça teatral do autor e ator Oduvaldo Viana Filho (1936-1974), participante ativo do Teatro de Arena, fundador do Centro Popular de Cultura e do Grupo Opinião. Teve sua trajetória personificada pela luta contra o imperialismo cultural. Sua dramaturgia coloca em cena a realidade brasileira através do homem simples e trabalhador, sendo unanimemente considerada a mais profícua de sua geração, com textos como Chapetuba Futebol Clube, Papa Highirte e Rasga Coração. Papa Highirte foi escrita em 1968, relata ocaso de um ditador latino-americano, no exílio, amargando suas obsessões e seus fantasmas do passado. Por mais que ele se veja como um bom homem, sua ação ou omissão causou um injusto aglomerado de vítimas. O texto se tece e constrói em torno desse ajuste de contas fatal, quando o personagem cogita o regresso ao seu País. Esse texto, assim como Rasga Coração, foram duas obras-primas de Vianinha, ambas premiadas em concursos promovidos na época, pelo Serviço Nacional de Teatro. Veja mais aqui, aqui e aqui.

REFERÊNCIA
VIANA FILHO, Oduvaldo. O melhor teatro Oduvaldo Viana Filho. São Paulo: Global, 1984.


Veja mais sobre:
Imprensa Brasileira aqui e aqui.

E mais:
As pernas no Cinema & o Seminário – A relação do objeto, de Jacques Lacan aqui.
As pernas de Úrsula de Claudia Tajes & Mil Platôes de Gilles Deleuze & Félix Guattari aqui.
Marlene Dietrich & Hannah Arendt aqui.
Diálogos sobre o conhecimento de Paul Feyerabend & a poesia de Lilian Maial aqui.
As pernas da repórter Gracinaura aqui.
A tragédia humana de Imre Madách, a música de Pierre Rode, o cinema de Robert Joseph Flaherty, a pintura de Franz West, a arte de Vera Ellen & Anne Chevalier & Sarah Clarke aqui.
Educação, orientação e prevenção do abuso sexual aqui.
Segmentação do mercado na área de serviços aqui.
Das bundas & outros estudos bundológicos aqui.
Aristóteles, Rachel de Queiroz, Chick Corea, Costa-Gavras,Aldemir Martins, Teresa Ann Savoy, José Terra Correia, Fernando & Isaura, Combate à Corrupção & Garantismo Penal aqui.
Presente dela todo dia e o dia todo aqui.
O caboclo, o padre e o estudante, Lendas Nordestinas & Luiz da Câmara Cascudo aqui.
As obras de Gandhi & Programa das Crianças aqui.
Os lábios da mulher amada aqui.
Ritual do prazer aqui.
Funções do superego e mecanismos de defesa aqui.
Memória e esquecimento aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.


CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Imagem sem título do artista plástico modernista português Júlio Pomar
Veja Fanpage aqui & mais aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja os vídeos aqui & mais aqui e aqui.



ÍTALO CALVINO, WILLIAM BLAKE, WORDSWORTH, SUZANA ALBORNOZ, SOLIDARIEDADE & LIBRAS NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A QUEM INTERESSAR POSSA – Aprendi a ver na escuridão, a luz restava dentro de mim como um minúsculo pavio aceso, mostrando o fim do túnel ...