segunda-feira, abril 22, 2024

FABIENNE BRUGÈRE, WARSAN SHIRE, FATOU DIOME, ANTÔNIO MADUREIRA, POEMA & POESIA NA ESCOLA!

 

 Imagem: Acervo ArtLAM.

Ao som dos álbuns Sirens (Zone Records, 1994), Passionate Voice (2004), Rough and Steep (2006), The Ten Thousand Steps (Biomusique, 2008), Journey (Sony, 2012), Eternal Om (Hearts of Space, 2016) e Calm and Comfort (Hearts of Space, 2022), da compositora, multi-instrumentista, vocalista e produtora estadunidense de origem armênia, Lisbeth Scott. Veja mais aqui.

 

PROSCRITO MIGRANTE DO MEU PRÓPRIO CHÃO: QUANTUM MUTATUS AB ILLO... – A minha vida entre parêntesis topadas & pontapés, sequioso então pelos inumeráveis devires das ensolaradas noites dos meus crebros breus infindos. Ainda tive bons motivos para rir tão à toa, empolgado demais para baldes enormes de água fria, resiliente demais para mais uma queda, otimista demais para mais um contratempo. Mesmo assim enfrentava o implacável, como se insistentemente ouvisse Barbara Oakley: A Lei da Serendipidade: a sorte favorece quem tenta... A persistência costuma ser mais importante que a inteligência...Tantas expectativas, oh não, quantos disparates, desempenho para um inconsequente – algumas vezes mergulhado em conflitos crônicos, ônus da própria natureza. Outras, péssimo humor, pouco animador - tão desencorajadoras situações aversivas, episódios nada atraentes soavam caus&feito no plausível, quando o mais era tão falso, pretextos e comiseração. A contragosto, frustrações e deixa pra lá, mais ouvia Aniela Jaffé: O homem é a única criatura com o poder de controlar o instinto pela sua própria vontade, mas também é capaz de suprimi-lo, distorcê-lo e feri-lo - e um animal, para falar metaforicamente, nunca é tão selvagem e perigoso como quando é ferido... Ah, como urrava pelas constâncias dramáticas, outras nem lembro - também desapontei muito, confesso. Vulgaridade e a reputação quase nenhuma, anonimato esparramado, davam vida desinteressante e sem sentido. Era só o eco de Agnès Bertholet-Raffard: Somos todos vulneráveis porque todos podemos precisar de cuidados, mas, ao mesmo tempo, somos todos interdependentes porque todos beneficiamos dos bons cuidados dos outros e, para que a sociedade funcione, é importante ter cuidados... Nenhum, olvidava os que tinha, nem os dei. Um tanto descascado, ainda pueril no meio de tempestades arrebatadoras explodindo minha cabeça e o envelhecimento precoce: eu e o meu país cambaleante, quão mudado se fez, até certo ponto mais que desagradável, e sabia - a ingenuidade mata: viver mais um dia do que resta e seguir em frente. Até mais ver.

 

A CASA

Imagem: Acervo ArtLAM.

1 - A mãe diz que dentro de todas as mulheres há quartos trancados; cozinha da luxúria, \ quarto da dor, banheiro da apatia. \ Às vezes os homens vêm com chaves. \ e às vezes os homens vêm com martelos.

2 - Nin soo joog laga waayo, soo jiifso aa laga helaa, \ Eu disse Pare , disse Não e ele não ouviu.

3 - Talvez ela tenha um plano, talvez ela o leve de volta para a casa dela \ só para ele acordar horas depois em uma banheira cheia de gelo, \ com a boca seca, olhando para seu novo e elegante procedimento.

4 - Aponto para o meu corpo e digo: Ah, essa coisa velha? Não, eu apenas coloquei.

5 - Você vai comer aquilo? — digo para minha mãe, apontando para meu pai que está deitado na mesa da sala de jantar, com a boca cheia de uma maçã vermelha.

6 - Quanto maior é o meu corpo, quanto mais quartos trancados há, mais homens vêm com chaves. Anwar não foi até o fim, ainda penso no que ele poderia ter aberto dentro de mim. Basil veio e hesitou na porta por três anos. Johnny de olhos azuis veio com uma sacola com ferramentas que usara em outras mulheres: um grampo de cabelo, um frasco de alvejante, um canivete e um pote de vaselina. Yusuf gritou o nome de Deus pelo buraco da fechadura e ninguém respondeu. Alguns imploraram, alguns subiram na lateral do meu corpo em busca de uma janela, alguns disseram que estavam a caminho e não vieram.

7 - Mostre-nos na boneca onde você foi tocado, disseram. \ Eu disse que não pareço uma boneca, pareço uma casa. \ Eles disseram: Mostre-nos a casa. \ Assim: dois dedos no pote de geleia \ Assim: um cotovelo na água do banho \ Assim: uma mão na gaveta.

8 - Devo contar a vocês sobre meu primeiro amor, que encontrou um alçapão sob meu peito esquerdo há nove anos, caiu nele e não foi visto desde então. Todo \ de vez em quando sinto algo subindo pela minha coxa. Ele deveria se dar a conhecer, eu provavelmente o deixaria sair. Espero que ele não tenha \ topei com os outros, os meninos desaparecidos de cidades pequenas, com mães simpáticas, que faziam coisas ruins e se perdiam no labirinto de \ meu cabelo. Eu os trato muito bem, uma fatia de pão, se tiverem sorte, um pedaço de fruta. Exceto Johnny de olhos azuis, que arrombou minhas fechaduras e entrou. Garoto bobo, acorrentado ao porão dos meus medos, toco uma música para afogá-lo.

9 - TOC Toc. \ Quem está aí? \ Ninguém.

10 - Nas festas aponto para o meu corpo e digo: É aqui que o amor morre. Bem-vindo, entre, sinta-se em casa. Todo mundo ri, acham que estou brincando.

Poema da premiada escritora, editora e professora Somali, Warsan Shire.

 

OS VIGILANTES DE SANGOMAR - [...] Ser mãe é viver a serviço de um ser em formação, mesmo quando você não quer mais existir para si mesmo. Sem Bouba, Coumba tinha perdido a mulher que tinha sido, deixando apenas a mãe de Fadikiine para se agarrar. Ser mãe é respirar por uma vida diferente da sua, Coumba descobriu isso. [...] é o que um olhar atento pode detectar nos olhos dos homens, quando a curva dos seus ombros protege as mulheres e as crianças contra a violência do mundo. [...] Toda criança sabe que sua mãe é o mastro sólido sobre o qual erguer a esperança, quando o moral está a meio mastro. [...] A liberdade total, a autonomia absoluta que exigimos, quando acaba de lisonjear o nosso ego, de nos provar a nossa capacidade de nos responsabilizarmos, revela finalmente um sofrimento tão pesado como todas as dependências evitadas: a solidão. O que significa a liberdade, senão o nada, quando já não é relativa aos outros? O mundo se oferece, mas não abraça ninguém e não se deixa abraçar. [...]. Trechos extraídos da obra Les Veilleurs de Sangomar (Hachette, 2021), da escritora senegalesa Fatou Diome.

 

ÉTICA DO CUIDADOTodas as vidas são iguais e os mais vulneráveis precisam de atenção... Estamos num capitalismo patriarcal: a economia e a política, globalmente, estão nas mãos de uma ordem masculina até manifestações preocupantes como o questionamento do direito ao aborto nos Estados Unidos. As desigualdades de género fazem, portanto, parte desta ordem, embora desde o movimento #MeToo as mulheres tenham exigido justiça de género. A ética do cuidado questiona as razões e a história destas desigualdades, enfatizando a natureza central de atividades como o cuidado dos corpos, o trabalho emocional e a resposta às necessidades vitais. O cuidado tem valor; deve ser pago tanto quanto possível e partilhado entre homens e mulheres. As mulheres são delegadas às tarefas de cuidado porque isso lhes foi imposto ao longo da história, a ponto de fabricar a perspectiva de uma natureza feminina amorosa! Agora, ninguém, por exemplo, é mãe em nome de um instinto. Criamos papéis, binários que prejudicam a nossa vida, que poderia ser muito mais livre. Da mesma forma, criamos profissões “femininas” que são menos remuneradas porque são consideradas fáceis. No entanto, cuidar de pessoas muito idosas em lares de idosos exige conhecimentos, experiência e competências, tanto quanto o trabalho de alvenaria. A ética do cuidado reside numa atitude aberta com a perspectiva de Carol Gilligan de uma “voz diferente”, de escuta do outro, em grande parte atribuída às mulheres ao longo da história. A atenção à singularidade de uma situação complexa onde as pessoas se relacionam, reabilitando o lugar das emoções e da racionalidade dialógica, é muitas vezes desvalorizada, ao contrário de uma moralidade que exibe princípios. No entanto, é disso que precisamos hoje... Pensamento da filósofa francesa Fabienne Brugère, autora da obra L'Éthique du “care ” (PUF, 2021), considerando o cuidado como uma ética com rosto humano, contextual e renovada na abordagem da razão e dos sentimentos, na atenção ao outro, nas formas de responsabilização. A fundamentação teórica é uma antropologia da vulnerabilidade, a possibilidade de tornar audível a voz das mulheres e dos vulneráveis. Esta ética está enraizada em debates da psicologia moral, da filosofia prática, da sociologia e da política. Hoje, a transição da ética para a política se faz graças à exigência do cuidado como filosofia social, voltada para enfrentar um ciclo político de desregulamentação e a crise dos estados de bem-estar social, razão pela qual as filosofias do cuidado apreendem através das vidas comuns ligadas ao cuidado, estes exércitos de populações invisibilizadas e marginalizadas na atual estrutura do mercado. Cuidado, ou como entender a interdependência e as dependências hoje, nas relações baseadas na solidariedade e na partilha de recursos.

 

COMPOSIÇÕES PARA VIOLÃO, DE ANTONIO MADUREIRA.

[...] Há artistas cuja música reverbera, de forma amplificada, muito mais que o significado isolado das notas e dos ritmos. Eles não seguem uma tendência, eles criam valores. Elas carregam no âmago de sua criação toda uma cultura, uma história, um modo de vida, um anseio expresso por um povo. Eles criam vínculos entre o universal e o regional, entre o rural e o urbano, entre uma cultura milenar e o hoje [...].

Trecho da apresentação do violonista, regente, escritor, comunicador e professor, Fabio Zanon, para o songbook Composições para violão Antonio Madureira (Autor, 2016), do músico Antônio Madureira, vinculado ao Movimento Armorial e integrante do Quinteto Armorial. Veja mais aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.

 

UM OFERECIMENTO: SANTOS MELO LICITAÇÕES

Veja detalhes aqui.

&

Tem mais:

Poema & Poesia na Escola aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.

Curso de Gestão & Produção Cultural aqui.

Livros Infantis Brincarte do Nitolino aqui.

Curso: Arte supera timidez aqui.

Poemagens & outras versagens aqui.

Diário TTTTT aqui.

Cantarau Tataritaritatá aqui.

Teatro Infantil: O lobisomem Zonzo aqui.

Faça seu TCC sem traumas – consultas e curso aqui.

VALUNA – Vale do Rio Una aqui.

&

Crônica de amor por ela aqui.

 


JUDITH SCHALANSKY, TRIIN PAJA, ANNA LEMBKE, VCA & CRÔNICA NA ESCOLA

  Imagem: Acervo ArtLAM . Ao som dos álbuns Morning Star (2021), Beethoven: Piano Sonatas nº 3 in C Major, Op. 2 & nº 16 in G Major, ...