segunda-feira, janeiro 12, 2015

TARSILA, HANNAH ARENDT, GRIEG, ELEANOR GIBSON & RUBEM BRAGA


HANNAH ARENDT - A filósofa política alemã de origem judaica Hannah Arendt (1906-1975), em seu livro A condição humana, destaca que: [...] Vistos como parte do mundo, os produtos da obra – e não os produtos do trabalho – garantem a permanência e a durabilidade sem as quais o mundo simplesmente não seria possível. É dentro desse mundo de coisas duráveis que encontramos os bens de consumo com os quais a vida assegura os meios de sua sobrevivência. Exigidas por nosso corpo e produzidas pelo trabalho deste último, mas sem estabilidade própria, essas coisas destinadas ao consumo incessante surgem e desaparecem num ambiente de coisas que não são consumidas, mas usadas, e às quais, à medida em que as usamos, nos habituamos e acostumamos. Como tais, elas geram a familiaridade do mundo, seus costumes e hábitos de intercâmbio entre os homens e as coisas, bem como entre homens e homens. O que os bens de consumo são para a vida humana, os objetos de uso são para o mundo do homem. É destes que os bens de consumo derivam o seu caráter de objeto; e a linguagem, que não permite que a atividade do trabalho produza algo tão sólido e não-verbal como um substantivo, sugere a forte probabilidade de que nem mesmo saberíamos o que uma coisa é se não tivéssemos diante de nós 'o trabalho de nossas mãos'. [...] É esta durabilidade que empresta às coisas do mundo sua relativa independência dos homens que as produziram e as utilizam, a 'objetividade' que as faz resistir, 'obstar' e suportar, pelo menos durante algum tempo, as vorazes necessidades de seus fabricantes e usuários. [...] Em outras palavras, contra a subjetividade dos homens ergue-se a objetividade do mundo feito pelo homem, e não a sublime indiferença de um a natureza intacta, cuja devastadora força elementar os forçaria a percorrer inexoravelmente o círculo do seu próprio movimento biológico, em harmonia com o movimento cíclico maior do reino da natureza. Somente nós, que erigimos a objetividade de um mundo que nos é próprio a partir do que a natureza nos oferece, que o construímos dentro do ambiente natural para nos proteger contra ele, podemos ver a natureza como algo 'objetivo'. Veja mais aqui

 Imagem: Academia, da pintora e desenhista brasileira Tarsila do Amaral (1886-1973).

Ouvindo: Concerto para Piano e Orquestra em Lá Menor, Op. 16, do compositor norueguês Edvard Hagerup Grieg (1843-1907), com a Orquestra Sinfônica de Porto Alegre (OSPA), Regência de Marcelo Lehninger e piano de Lígia Moreno.

OS PROFESSORES DE GRÁMATICA E CONCURSOS PÚBLICOS – O jornalista e escritor modernista brasileiro, Rubem Braga (1913-1990) desabafou em sua crônica Nascer no Cairo ser fêmea de cupim, do seu ótimo livro Ai de ti, Copacabana (1960), contra o purismo dos professores de gramática e as esdrúxulas alternativas apresentadas em provas de concurso público: Conhece o vocábulo escardinchar? Qual o feminino de cupim? Qual o antônimo de póstumo? Como se chama o natural do Cairo? O leitor que responder "não sei" a todas estas perguntas não passará provavelmente em nenhuma prova de Português de nenhum concurso oficial. Alias, se isso pode servir de algum consolo à sua ignorância, receberá um abraço de felicitações deste modesto cronista, seu semelhante e seu irmão. Porque a verdade é que eu também não sei. Você dirá, meu caro professor de Português, que eu não deveria confessar isso; que é uma vergonha para mim, que vivo de escrever, não conhecer o meu instrumento de trabalho, que é a língua. Concordo. Confesso que escrevo de palpite, como outras pessoas tocam piano de ouvido. De vez em quando um leitor culto se irrita comigo e me manda um recorte de crônica anotado, apontando erros de Português. Um deles chegou a me passar um telegrama, felicitando-me porque não encontrara, na minha crônica daquele dia, um só erro de Português; acrescentava que eu produzira uma "página de bom vernáculo, exemplar". Tive vontade de responder: "Mera coincidência" — mas não o fiz para não entristecer o homem. Espero que uma velhice tranquila - no hospital ou na cadeia, com seus longos ócios — me permita um dia estudar com toda calma a nossa língua, e me penitenciar dos abusos que tenho praticado contra a sua pulcritude. (Sabem qual o superlativo de pulcro? Isto eu sei por acaso: pulquérrimo! Mas não é desanimador saber uma coisa dessas? Que me aconteceria se eu dissesse a uma bela dama: a senhora é pulquérrima? Eu poderia me queixar se o seu marido me descesse a mão?). Alguém já me escreveu também — que eu sou um escoteiro ao contrário. "Cada dia você parece que tem de praticar a sua má ação — contra a língua". Mas acho que isso é exagero. Como também é exagero saber o que quer dizer escardinchar. Já estou mais perto dos cinquenta que dos quarenta; vivo de meu trabalho quase sempre honrado, gozo de boa saúde e estou até gordo demais, pensando em meter um regime no organismo — e nunca soube o que fosse escardinchar. Espero que nunca, na minha vida, tenha escardinchado ninguém; se o fiz, mereço desculpas, pois nunca tive essa intenção. Vários problemas e algumas mulheres já me tiraram o sono, mas não o feminino de cupim. Morrerei sem saber isso. E o pior é que não quero saber; nego-me terminantemente a saber, e, se o senhor é um desses cavalheiros que sabem qual é o feminino de cupim, tenha a bondade de não me cumprimentar. Por que exigir essas coisas dos candidatos aos nossos cargos públicos? Por que fazer do estudo da língua portuguesa unia série de alçapões e adivinhas, como essas histórias que uma pessoa conta para "pegar" as outras? O habitante do Cairo pode ser cairense, cairei, caireta, cairota ou cairiri — e a única utilidade de saber qual a palavra certa será para decifrar um problema de palavras cruzadas. Vocês não acham que nossos funcionários públicos já gastam uma parte excessiva do expediente matando palavras cruzadas da "Última Hora" ou lendo o horóscopo e as histórias em quadrinhos de "O Globo?". No fundo o que esse tipo de gramático deseja é tornar a língua portuguesa odiosa; não alguma coisa através da qual as pessoas se entendam, ruas um instrumento de suplício e de opressão que ele, gramático, aplica sobre nós, os ignaros. Mas a mim é que não me escardincham assim, sem mais nem menos: não sou fêmea de cupim nem antônimo do póstumo nenhum; e sou cachoeirense, de Cachoeiro, honradamente — de Cachoeiro de Itapemirim! Veja mais aqui. 

OBSTINAÇÃO DE MULHER  - A psicóloga e professora norte-americana, Eleanor Jack Gibson (1910-2002), na década de 1930, ao se candidatar ao programa de pós-graduação na Yale University, recebeu a informação de que o diretor do laboratório de primatas não permitia a presença de mulheres em suas instalações. Ela também foi impedida de participar de seminários sobre a psicologia freudiana, tendo em vista que as mulheres eram proibidas de usar a biblioteca dos estudantes e a lanchonete porque era de uso exclusivo dos homens. Só depois de 1932, quando se casou com o também psicólogo James J. Gibson que ela se doutorou em Psicologia pela Universidade de Yale e passou a lecionar no Smith College e na Universidade de Cornell. Os seus estudos envolveram investigações sobre a aprendizagem humana e animal, analisando o desenvolvimento das capacidades de leitura e o desenvolvimento perceptual em crianças e adolescentes, desenvolvendo o processo de diferenciação. A partir da década de 1970, ela passou a se dedicar à causa ambiental desenvolvimento estudos na área de Psicologia Ambiental, passando a ser membro da Sociedade Internacional para a Psicologia Ecológica. Veja mais aqui.


Veja mais sobre:
Gilberto Freyre, Papisa Joana, Içami Tiba, Oswaldo Montenegro, Giovanni Battista Tiepolo, James Gillray, Johanna Wokalek & Direito do Consumidor aqui.

E mais:
Proezas do Biritoaldo aqui.
O narrador de Walter Benjamim aqui.
Vardhamâna & O Jainismo aqui.
Beda & a psicologia de George Kelly aqui.
A violência no mundo & a psicologia de Gordon Allport aqui.
Georg Lukács, Psicologia Social & Filosofia do Direito aqui.
A poética de Aristóteles aqui.
O erotismo de George Bataille aqui.
Escola, Psicologia Escolar & Literatura de Cordel aqui e aqui.
Direito do Consumidor aqui e aqui.
Steven Pinker, Jane Goodall, Extinção de Línguas & Macacos aqui.
Poemas de Thiago de Mello aqui.
Carl Sagan, John Dewey, Holística, Perls & Gestalt Terapia, Cérebros & Computadores, Educação Infantil & Programa Tataritaritatá aqui.
A poesia sem pele, de Lau Siqueira aqui.
Freud & o Sistema Penal, Jorge Luis Borges, Eduardo Giannetti, Içami Tiba, Xico Sá & Alquimia da Saúde aqui.
Friedrich Nietzsche, Luís da Câmara Cascudo, François-André Vincent, Dmitriy Kabalevskiy & Programa Tataritaritatá aqui.
Henri Matisse, Miguel de Unamuno & Rita Lee aqui.
Quando alguém se põe à sombra, não pode invocar o sol, Ralf Waldo Emerson, Milena Aradisk, Paul Klee & Felicia Yng aqui.
Ainda assim é uma história de amor, Henrich Böll, Mário Ficarelli & João Câmara aqui.
Hoje PNE é o outro, amanhã pode ser você, Gregory Corso, Maria João Pires & Yves Klein aqui.
O mundo parou pro coração pulsar, Sêneca, Liah Soares & Jean Fautrier aqui.
Com a perna na vida foi ser feliz como podia, Anastasia Eduardivna Baburova, Rachel Kolly d’Alba, Alina Percovich & Rui Carruço aqui.
Jogo Duro aqui.
História da mulher: da antiguidade ao século XXI aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Art by Ísis Nefelibata
Veja Fanpage aqui & mais aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja os vídeos aqui & mais aqui e aqui.




DRUMMOND, RIMBAUD, LEMINSKI, MARITAIN, GILVAN LEMOS, JACOB DHEIN, GENÉSIO CAVALCANTI, CARIJÓ & SÃO BENTO DO UNA

CARIJÓ, SÃO BENTO DO UNA – Imagem: Céu de São Bento do Una , de Renatinha @Renatalcaet – Carijó, meu amigo, minhas mãos limpas e esta mis...