segunda-feira, janeiro 11, 2016

MARIE CURIE & TODO DIA É DIA DA MULHER


Os sonhadores não merecem a riqueza, porque não a desejam!

Sejam menos curiosos a respeito das pessoas, e mais curiosos com relação às idéias.

MARIE CURIE – Manya Sklodowska, mais conhecida como Marie Curie (1867-1934), era a filha entre três irmãos de uma família polaca triste e empobrecida, pai professor de Física e a mãe pianista emérita, herdando assim a cabeça do pai e as mãos da mãe, revelando aptidão precoce para a ciência experimental. O pai havia perdido o emprego por ter a aspiração de libertar a Polônia da tirania do czar russo, abrindo uma escola particular com resultados medíocres. Todos os dias quando ela ia pra escola cuspia na estatua dedicada aos infiéis da sua pátria, a pequena e valente rebelde expressava o seu desprezo pela tirania não só ausência dos opressores, como também na presença deles. Uma certa professora alemã, Mayer, espiã dotada de prodigiosa capacidade para o ódio, procurava tornar sua vida insuportável, alisando seus cabelos com mão rude para fazer-lhe uma convencional trança de Gretchen. Em vão. Os cabelos de Manya, como o seu espírito, recusavam submeter-se às imposições tiranas, quando a professora gritou: - Deixe de me fitar dessa maneira! Proíbo-lhe que me olhe de alto! E Manya, que tinha estatura bastante mais elevada que a professora, respondeu brandamente: - Não posso olhá-la de outro modo, Mademoiselle. Contudo, apesar de sua rebeldia, ela recebeu a medalha de ouro ao terminar o curso secundário em 1883. Decidiu-se trabalhar e disse pra irmã mais velha: - Eu arranjo um trabalho de governanta, assim poderia ajudar-te a estudar. Depois de alcançares o teu diploma, toca-te a vez de me ajudar. Parecia um plano audacioso, mas deu bom resultado. Ela tornou-se criada de ensinar na família de uma madame estúpida, vulgar e intolerante que poupava o azeita das candeias e esbanjava o seu dinheiro em jogos de cartas. Manteve-se governanta para ajudar a irmã nos estudos na Sorbonne, até se formar e casar, passando a cumprir a sua parte no trato, levando a jovem governanta para estudar também na Sorbonne. Foi quando afrancesou seu nome para Marie Sklodovska, aos 23 anos, comentando-se dela: - Lindos cabelos, lindos olhos, lindo talhe de moça. O único inconveniente é que ela não fala com ninguém. E por quatro anos levou uma vida de monge: sozinha para não ser um peso pra irmã. Um dia quando desmaiou, o cunhado descobriu que ela não se alimentava para não pesar nas despesas da irmã. Vivia no mundo dos livros e das aulas, ignorando a pobreza e a fome. Física, Química, Matemática, poesia, música, Astronomia, todo o âmbito da terra e dos céus viera a ser incluído nos seus domínios intelectuais. Adorava o laboratório e deixavam os professores encantados com sua imaginação, entusiasmo e habilidade, demonstrando o interesse por se especializar em dois ramos: Física (1893) e Matemática (1894). E depois de uma malograda experiência romântica, jurara dedicar o resto da sua vida somente à paixão exclusiva pela ciência. Foi quando conheceu Pierre Curie que também devotara sua vida apenas à ciência. Estudaram juntos e se casaram, reunindo gênios numa parceria de amor. Como eram livres pensadores não tiveram nem padre nem tabelião no casamento, desfrutavam do amor aos seus modos. Desde o principio encontraram dificuldades insuperáveis e superaram-nas. Passaram a investigar a natureza do urânio e descobriram que a misteriosa radiação desse metal era uma propriedade atomeica. Então o lampejo de uma grande ideia iluminou a mente de Marie: tomou todos os corpos químicos conhecidos e submeteu-os, um por um, a uma prova rigorosa. O urânio era o único elemento que possuía aquele misterioso poder de irradiação. Outro metal, o tório, tinha o mesmo poder em grau mais ou menos igual. A esse poder Marie Curie deu o nome de radioatividade – a ativa propriedade penetradora de certos tipos de raios. Ao examinar alguns compostos de urânio e do tório, encontrara uma radioatividade muito mais forte do que se poderia esperar da quantidade de urânio e de tório existentes nos compostos. Procurou por um novo elemento: pechblenda, que era um minério de alto preço, extraída na Boêmia, para obtenção dos sais de urânio empregados na manufatura de vidro. Para resolver o problema de sua investigação, os dois esquisitos cientistas, para espanto de toda a gente, começaram a encomendar toneladas de lixo para o seu alpendre e jogá-los ao fogão de ferro fundido com chaminé enferrujada por quatros anos consecutivos, descobrindo, com isso, dois segredos: uma substancia a que deram o nome de polônio, em homenagem à pátria de Marie e outra denominada rádio. A natureza do polônio já era assombrosa: possuía uma radioatividade muitíssimo superior à do urânio, enquanto o rádio era a oitava maravilha do mundo porque seu poder de radiação excedia um milhão e meio por cento o do urânio. Ganharam o Prêmio Nobel por isso e não puderam recebê-lo pessoalmente, estavam muito doentes. Quando se descobriu o valor terapêutico rádio, os Curie se recusaram a tirar proveito da descoberta: - O rádio é um instrumento de misericórdia e pertence à humanidade. Recusaram o lucro pessoal e as honrarias, só queriam um laboratório para realizar suas experiências. Quando foram indicados para a Legião de Honra, responderam: - Tenha a bondade de agradecer ao ministro e informá-lo que não sinto a menor necessidade de ser condecorado, mas que tenho extrema precisão de laboratório. Quando propuseram a Academia para eles, responderam: - Ainda não descobri qual é a utilidade da Academia. Quando Pierre foi habilitado para nomeação no Sorbonne, foi oferecido um laboratório bem equipado. Eis que no dia que foi visitar o editor, Pierre fora vítima de um acidente e morreu. Depois, Marie aceitou a cadeira do marido na Sorbonne – a primeira vez que uma mulher na história da França ocupava um posto no ensino superior -, continuou com suas experiências no laboratório. Em 1911 ela recebeu o Prêmio Nobel pela segunda vez, aceitou-o apenas por lhe proporcionar uma oportunidade ampliar o âmbito das suas pesquisas: o poder curativo do rádio. Quando rebentou a Guerra Mundial de 1914, ela organizou e superintendeu pessoalmente a instalação de aparelhos de raios X para tratamento dos soldados feridos. O que ela trabalhou a vida inteira para o bem da humanidade, trouxe um resultado fatal: ela descobriu o rádio e demonstrou seu poder curativo em certas enfermidades; morreu envenenada pelo rádio – a destruição progressiva dos órgãos vitais uma vida de excessiva exposição às radiações. Veja mais aqui e aqui.


Veja mais sobre:
Ada Rogato & Todo dia é dia da mulher aqui.

E mais:
É pra ela na Crônica de amor por ela, Heitor Villa-Lobos, Liev Tolstói, Ernesto Sábato, Pablo Neruda, Rosana Lamosa, Délia Maunás, Magali Biff, Aurélio D'Alincourt, Alipio Barrio & Michelle Ramos aqui.
Os clecs de Eno Teodoro Wanke aqui.
A poesia de Bocage aqui.
De golpe em golpe a gente vai aprendendo aqui.
O que sou de praça na graça que é dela aqui.
O que sei de mim é só de você aqui.
Ética e Moral aqui.
A luta pelo direito, de Rudolf Von Ihering aqui.
A saúde da Mulher aqui.
Abuso sexual, Sonhos lúcidos, Antropologia & Psicologia Escolar aqui.
Cândido e o otimismo, de Voltaire aqui.
A liberdade de Spinosa aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra: 
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.



TODO DIA É DIA DA MULHER – Dando continuidade na campanha Todo dia é dia da mulher, trazemos hoje as homenageadas do mês de janeiro 2015.




Veja mais aqui.

ARIANO, LYA LUFT, WALLON, AS VEIAS DE GALEANO, FECAMEPA, JOÃO DE CASTRO, RIVAIL, POLÍTICAS EM DEBATE & MANOCA LEÃO

A VIDA NA JANELA – Imagem: conversando com alunos do Ginásio Municipal dos Palmares - Ainda ontem flores reluziam no jardim ornando muros...