sexta-feira, janeiro 01, 2016

CLARICE LISPECTOR & TODO DIA É DIA DA MULHER


 UMA APRENDIZAGEM OU O LIVRO DOS PRAZERES DE CLARICE LISPECTOR – [...] E ali estava a mulher, de pé, o mais ininteligível dos seres vivos. [...] Ela tivesse a intenção de um dia dar-se, pois sabia que teria de dar a alguém o que ela era, senão o que faria de si? [...] E era isso o que estava lhe faltando: o mar por dentro como o líquido espesso de um homem. [...] Às vezes de noite acordava em sobressalto sentindo a falta de Ulisses, como se tivesse alguma vez dormido com ele. E não conseguia readormecer porque o desejo de ser possuída por ele vinha forte demais. [...] sabia no entanto que o fato de desejá-lo tão intensamente não queria dizer ainda que ela avançara. Pois antes também desejava os seus amantes e não se ligara a nenhum deles. [...] Então, como tudo ia acabar, em imaginação vívida, pegou a mão livre do homem, e em imaginação ainda, ao prender essa mão entre as suas, ele doce ardia, ardia, flamejava. [...] E por enquanto ela não tinha nada a lhe dar, senão o próprio corpo. Não, nem o próprio corpo: pois com  os amantes que tivera, ela como que apenas emprestava o seu corpo a si própria para o prazer, era só isso, e mais nada. [...] Foi nesse estado sonho-deslumbre que ela sonhou vendo que a fruta do mundo era dela. Ou se não era, que acabara de tocá-lo. Era uma fruta enorme, escarlate e pesada que ficava suspensa no espaço escuro, brilhando de uma quase luz no espaço escuro. E que no ar mesmo ela encostava sua boca na fruta e conseguira mordê-la. [...] Eles se haviam possuído além do que parecia ser possível e permitido, e no entanto ele e ela estavam inteiros. A fruta estava inteira, sim, embora dentro da boca sentisse como coisa viva a comida de terra. Era terra santa porque era a única em que um ser humano podia ao amar dizer: eu sou tua e tu és meu, e nós é um. [...] Ele se interrompeu beijando demoradamente sua carne perfumada. E ela de novo caiu na vertigem que a tomou, e era de novo feliz como um ser pode morrer de felicidade. E de novo pela quarta vez eles se amaram. [...] Foi um sobressalto que ela sentiu a mão dele pousar no seu ventre. Não havia nesse momento sensualidade entre ambos. Embora ela estivesse cheia de maravilhas, como cheia de estrelas. Ela estendeu então a própria mão e tocou-lhe o sexo que logo se transformou. REFERÊNCIA: LISPECTOR, Clarice. Uma aprendizagem, ou o livro dos prazeres. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1991. Veja mais aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.


Veja mais sobre:
Viva Manguaba, Manoel Bentevi, Alain Resnais, Aldo Brizzi, Luís da Câmara Cascudo, Luís de Camões, Sábato Magaldi, Sabine Florence Azéma, Tomas Spicolli, Larry Vincent Garrison, Trapiá, Teatro Renascentista & Viviani Duarte aqui.

E mais:
Educação Holística, Claude Houghton, Paulo Bruscky, Psicologia Escolar, Crimes Online & Flimar aqui.
Chaplin & Tempos Modernos, Stendhal, Marina Saleme, Psicodrama, Educação & Direito Ambiental aqui.
Quando ela é toda sonsa na paixão aqui.
Decameron de Boccaccio, Flimar & 30 anos de arte cidadã aqui.
Aprontações dela no ápice do amor aqui.
A contumácia dos desejos dela aqui.
Crônica de amor por ela aqui.
Tolstói, Psicologia Cultural, Alimentos Avoengos, Heroi, Direito, Cinema & Padre Bidião aqui.
O cativeiro amoroso da teimosia dela aqui.
Michel Foucault, Mary Vieira, Fernando Paixão, Roserlei, Assédio Moral, Psicodrama, Flimar, Educação & Síndrome de Burnout aqui.
A mútua dívida do amor aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra: 
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.



TODO DIA É DIA DA MULHER – A campanha Todo dia é dia da mulher não se restringe apenas ao dia 08 de março – Dia Internacional da Mulher, nem apenas ao 30 de abril – Dia Nacional da Mulher. Advoga, portanto, que todo dia é dia da mulher, sejam elas intelectuais, famosas celebridades meritórias ou anônimas do dia a dia. Por isso trazemos as homenageadas de dezembro 2015.


 
Veja mais aqui.



A MULHER & BOM PASTOR, JEAN DE LÉRY, BARDAWIL, GALBRAITH, DESIGUALDADE, PICA-PAU & ARRELIQUE DE OZI

Livro, curso & consultas aqui . ARRELIQUE - Arrelique é coisa de menino, dona Judith, de menino levado da breca que sai bandolei...