quinta-feira, julho 10, 2008

BACHELARD, JOSÉ J. VEIGA, QUINTANA, RESTIF DE LA BRETONNE, ELSA VON FREYTAG, BIOGÊNESE, SADISMO, LITERÓTICA & OUTRAS LOAS



A arte da artista polonesa Elsa von Freytag-Loringhoven (1874-1927).

LITERÓTICA: BIZIGA- Insatisfeita ela sempre está. Pudera, não há nada mais que o amor no seu mundo. E parece querer sempre mais do que posso lhe dar. Insaciável, uma fonte inesgotável, sempre recheada e explodindo de prazer. É claro que não me farto de estar o tempo inteiro enfiado nos seus colossais guardados, sempre tirando proveito e me esgueirando sempre mais que meu próprio privilégio, sempre mais que meu merecimento. Confesso, ela é sempre demais. Além da conta. E mais quer, mais exige, mais pede, mais chega com manha, aumentando o dengo, se derretendo carinhosamente para cada vez mais me aprisionar nas suas garras amorosas. Não há como resistir, mesmo quando ela se mostra irritada com a minha inadimplente presença, embora eu sempre esteja à disposição de satisfazê-la, fogo queimando, explosões siderais. Mas, tem sempre um porém: ela quer mais e eu tome, sua danada! Tome, tome! E lascando tudo, quebrando todos os limites, batendo todos os recordes. Quer mais? Besteira perguntar e tome mais! Isso é um poço sem fundo? Inesgotável, reitero. Por isso sempre insatisfeita e resmungona vai ficando. E quanto mais contrariada, mais nua. A cada insatisfação mais cai uma alça da blusa, mais seus passos largos sobem um centímetro a mais na saia acima das coxas, mais o decote vai inflamando minha gula, mais o seu olhar vai ficando aceso de luxuria, mais a sua boca se torna sedenta, mais seus seios incham prazerosos, mais seu ventre se avoluma na minha predileção, tudo mais e muito mais até que eu me enfio e a submeto a todos os meus caprichos que só conduzem ao prazer mútuo e a salvação de nós dois. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui.


PENSAMENTO DO DIA - Nada me irrita tanto quanto os ignorantes e os imbecis. Apesar da loucura que há em ter de se irritar contra três quartos e meio do mundo. Pensamento do escritor francês Restif de la Bretonne (1734-1806). Veja mais aqui.

IMAGINAÇÃO & DEVANEIO – [...] O devaneio é uma mnemotécnica da imaginação. [...] um grande paradoxo está associado aos nossos devaneios voltados para a infância: esse passado morto tem em nós um futuro, o futuro de suas imagens vivas, o futuro do devaneio que se abre diante de toda imagem redescoberta. [...]. Trecho extraído da obra A poética do devaneio (Martins Fontes, 1996), do filósofo, crítico literário e epistemólogo francês Gaston Bachelard (1884-1962). Veja mais aqui e aqui.

OS PECADOS DA TRIBO – [...] Como previ, a reunião de anteontem foi mesmo a última. Passei hoje cedo pela Casa do Couro e vi uns funcionários vedando as portas com a fita verde da interdição. Um grupo já grande de pessoas olhando de longe. Esperei que os funcionários terminassem o trabalho, e quando recolheram o rolo de fita e a lata de cola, e já vinham descendo os degraus, encostei-me num deles, o de cara mais simpática, e perguntei o que estavam fazendo [...] Quando as pessoas passam a andar de cabeça baixa, como se procurassem alguma coisa no chão, e o que era familiar e inocente de repente toma feições estranhas e ameaçadoras, e todo mundo passa a falar baixo ou a não falar nada, com medo da própria voz, e qualquer barulho inevitável soa como um trovão e causa perda de voz, arrepios, suores frios, e até pensamentos têm que ser vigiados e tratados como manifestação de doença perigosa, é sinal de que alguma coisa muito séria está acontecendo ou vai acontecer a qualquer momento [...]. Trechos extraídos da obra Os pecados da tribo (Bertrand, 2005), do escritor do realismo fantástico brasileiro José J. Veiga (1915-1999). Veja mais aqui.


ICONOCLASTIA
“Eles ergueram a Torre de Babel
Para escalar o Céu,
Mas Deus não estava lá!
Estava ali mesmo, entre eles,
Ajudando a construir a torre.”
(Mário QuintanaA Construção). Veja mais aqui.

A BIOGÊNESE NA ANTIGUIDADE -  Segundo Ovídio, em suas Metamorfoses, conta-se que, após o dilúvio devastador, Deucalião e Pirra repovoaram a terra, nela semeando pedras que se transformavam em homem, enquanto da terra surgiam animais diversos. Lucrécio também contava que a terra engendrava toda vida e o acaso era autor de numerosas monstruosidades inviáveis, como também de velos resultados capazes de subsistir. Virgilio, em suas Geórgicas, descreve longamente o nascimento das abelhas a partir das entranhas de um touro abandonado à putrefação depois de morto segundo uma técnica precisa. Foi Aristóteles o primeiro verdadeiro biologista que observou atentamente a natureza, descobrindo numerosos modos de geração desconhecidas até então, muitas refletindo prodígios de observação.


SADISMO – É a situação em que a pessoa sente prazer proporcionando dor a alguém. O sádico pode apresentar-se em diversos níveis de sua fúria, ou seja, alguns têm o desejo de machucar o outro levemente ou de forma suportável, tendo relações sexuais bruscas ou ainda querer o sexo anal para ouvir as queixas carinhosas da mulher ao dizer que aquilo está doendo. Em outras situações o grau de sadismo chega a machucar ou ferir. As práticas de sadismo por parte da mulher geralmente são mais leves, as mais comuns são mordidas, machucões, arranhões, entre outras. Todos possuem um pouco de sadismo, sobretudo na hora do orgasmo quando perdem o controle de si, no entanto, nada que se compare com a perversão sexual.
A arte da artista polonesa Elsa von Freytag-Loringhoven (1874-1927).


G-8: EITA, PANELINHA DA PORRA!!! - Gente, nunca vi nada mais abjeto que panelinha de apaniguados. Os prosélitos se lambuzam enquanto os outros só lambem farelos. Uma dessas abjetas igrejinhas é o paradoxal G8 que o Grupo dos Sete e a Rússia, um grupo internacional que reúne os sete países mais industrializados e desenvolvidos economicamente do mundo, mais a Rússia, obviamente, né? Todos se autoproclamam países democráticos, caia nessa! Sabem quem são? Os USA-e-nos-joga-fora, o Japão, a Alemanha, o Reino Unido, a França, a Itália e o Canadá, que antes eram o antigo G7, mas tiveram que abrir o furico para a Rússia. O que eles fazem? Masturbação de poder, mais nada. Onde tem Bushit tem o que? Merda a grosso e a varejo. Apois é, eles decidem as coisas sem legitimidade nem transparência e nós que tomamos no papeiro todo assado. Pode?

PADRÃO TATARITARITATÁ DE QUALIDADE - Gostei dessa idéia do meu amigo artista visual e porreta, Tchello d´Barros de criar o PADRÃO TATARITARITATÁ DE QUALIDADE. Gostei imensamente mesmo. Tanto é que começo as regras não técnicas desse padrão assim: Se o Estado não cumpre a sua parte, quem cumprirá? Tô esperando? Que nada, mãos à obra deles porque neles que a coisa pega para depois jogar na lata deles! Vamos nessa? Vambora.

FICHA PODRE – QUE COISA, HEM? - O Brasil é coisa mesmo de paradoxo, é ou não é? Veja só: uma comissão do Senado aprovou projeto que barra os candidatos que possuem a ficha suja, ficando os deletérios proibidos de se candidatarem, bastando simplesmente ter uma condenaçãozinha em primeira instância. Eu pergunto, primeiro: qual juiz mordido dos cachorros doidos que condenou um políticozinho merreca que seja, hem? Segundo: qual o político que tem ficha “limpa”, hem? Pelo que sei, no mínimo o cara se enrolou com uma apropriação indébita ou coisa que valha que não passou de um inquérito que virou processo mofado em qualquer comarcazinha da vida. E o pior? Ah, mas tem o pior de tudo isso: antes mesmo de ser votada no Senado para seguir para a Câmara, aquele presidentezinho do Senado que tem uma ficha “limpíssima”, o tarzinho potiguar do Gabarildo não sei das quantas, já disse na lata de todo mundo, em alto e bom som: “A proposta não valerá para as eleições de outubro”. Vixe! E pra qual eleição valerá? Ah, deve ser pra eleição de presidente da Sudepone, do síndico de prédio a ser construído em rua projetada, em... em.... em PORRA NENHUMA! Vamos aprumar a conversa, gente! E tataritaritatá!!!

PIADINHA:
Dois amigos se encontram no bar. Um deles está com um olho roxo.
- O que foi que te aconteceu? -, pergunta o outro.
- Eu levei um frango congelado na cara.
- Mas como foi que aconteceu isso?
- É que ontem minha mulher estava de mini-saia e ela abaixou no congelador para pegar alguma coisa. Eu estava atrás dela e não resisti, agarrei ela ali mesmo.
- Sério?
- Claro! E ela não queria, se remexia, e eu fiquei com mais tesão ainda, e mais ela gritava, mais eu continuava...
- Pô!
- E ela se debatia como uma louca, e eu cada vez com mais tesão...
- Só estou imaginando a cena -, diz outro, excitado.
- E então, enquanto eu transava, ela conseguiu pegar um frango congelado e bateu com o frango na minha cara!
- Mas que coisa! Tua mulher não gosta de transar?
- No Carrefour não...

ESSA É BOA! (MAS NÃO TEM GRAÇA NENHUMA) - Tá circulando por aí que o Brasil é o terceiro maior consumidor mundial de cosmético. Vixe! Ou as mulheres estão se empanturrando da coisa para deixar na medida sua cara-de-pausice (escondendo rugas, risadas e puladas de cerca) ou a baitolagem adquirida está engrossando o caldo. Nada contra. De verdade, cada qual, cada qual. Só um inconveniente: foi na semana passada, eu estava proferindo uma das minhas amalucadas conferências, uma daquelas de provocar mordedura de orelhas dos presentes com riso no coarador, que quando desci da tribuna, fui saudado efusivamente por uma distinta senhora bonitona que, ao me abraçar, coitada, deixou um taco bem graúdo do reboco na minha boca. Parecia comestível, mas não era, aquele gosto de pó compacto ou sei lá o nome daquelas coisas. Fiquei comiserado da distinta, não pela camuflagem, mas pelo flagra. É a vida. Toquei pra frente.


Veja mais sobre:
Cocão do padre, Darcy Ribeiro, Oswald de Andrade, Hilda Hilst, Éric Rohmer, Belchior, Rosamaria Murtinho, Zouzou, Isadora Duncan & Zsigmond Kolozsvary aqui.

E mais:
Cantiga do mamoeiro & outras loas aqui.
Fecamepa no aluado mundo mágico aqui.
A arte de Catarina Maul aqui.
Miolo de pote: na volta da Teibei, filosofia de boteco aqui.
Antecipação da tutela aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
 Leitora comemorando a festa do Tataritaritatá!
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra:
 Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.

MARUJA TORRES, EMILY ESFAHANI SMITH, MARUŠA KRESE, SUSANA SZWARC & ZABÉ DA LOCA

      TRÍPTICO DQP: Valuna, estaca zero. Imagem: COLAM , ao som dos álbuns Da idade da pedra (2002), Zabé da Loca (MDA, 2003) e Bom todo...