quarta-feira, janeiro 28, 2015

RILKE, MOZART, BACHELARD, MARIA DE MEDEIROS, MONTAIGNE, DONGEN & A SECA DO NORDESTE


A QUEM INTERESSA A TRAGÉDIA DA SECA? – No ano de 1900, Darcy Ribeiro registra uma notícia no seu Aos trancos e barrancos: como o Brasil deu no que deu, a respeito da grande seca que assola a região nordestina: “Grande seca – que se reitera em 1903 e 1904 – castiga o Nordeste, matando, imbecilizando e pondo na estrada multidões de retirantes que, de passagem, roubam cabras e ovelhas, invadem cidades rezando e esmolando. O governo cria frente de trabalho para socorrê-los”. Quem leu a obra de Raquel de Queiroz, O quinze, ficou sabendo o que se deu desses anos de seca, culminando com a grande seca de 1915. Sucessivos anos de seca levaram o jornalista e escritor Antonio Callado a denunciar que: “[...] Os “industriais da seca” se utilizam da calamidade para conseguir mais verbas, incentivos fiscais, concessões de crédito e perdão de dívidas valendo-se da propaganda de que o povo está morrendo de fome. Enquanto isso, o pouco dos recursos que realmente são empregados na construção de açudes e projetos de irrigação, torna-se inútil quando estes são construídos em propriedades privadas de grandes latifundiários que os usam para fortalecer seu poder ou então, quando por falta de planejamento adequado, se tornam imensas obras ineficazes”. A partir disso procurou-se levantar uma bibliografia acerca do tema, encontrando em Renato Duarte um farto material, incluindo Durval Albuquerque Junior, no seu artigo “Palavras que calcinam, palavras que dominam: a invenção da seca do Nordeste” que engrossa o caldo das denúncias acerca das ações dessa indústria nefasta que toma conta do desenvolvimento nordestino. Essa indústria, para Caroline Faria e Conceição Filgueira, é uma herança que aprisiona o Nordeste oriunda da sociedade patriarcal, escravocrata, monocultora, latifundiária e aristocrática do passado colonial, envolvendo fatores econômicos, sociais, raciais e diversas discriminações sérias das desigualdades entre as regiões. Acrescenta Roberto Alves Silva que o drama da calamidade pública ainda se repete nos períodos prolongados de estiagem e das chuvas irregulares: “Os meios de comunicação tratam de dar maior visibilidade aos problemas regionais e de recolocar para a população algumas soluções que poderiam mudar esse quadro. [...] As políticas emergenciais, no entanto, continuaram ocorrendo concomitantes às ações hídricas de combate à seca, sem promover modificações significativas nos determinantes estruturais das calamidades sociais nas secas; [...] Verifica-se que a proposta do “combate à seca e aos seus efeitos”, atualmente em crise, não participa ativamente da disputa tendo em vista que os seus fundamentos negam, explicitamente, os princípios da sustentabilidade”. Afinal, a quem interessa o drama de todo nordestino promovido pela indústria da seca? Vamos aprumar a conversa & tataritaritatá. Veja mais aqui.
REFERÊNCIAS:
ALBUQUERQUE JUNIOR, Durval M. Palavras que calcinam, palavras que dominam: a invenção da seca do Nordeste. Revista Brasileira de História. São Paulo, ANPUH/Marco Zero, vol. 15, nº 28, pp. 111-120; 1995.
CALLADO, Antonio. Os industriais da seca e os galileus de Pernambuco. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1960.
DUARTE, Renato. Bibliografia da seca do Nordeste. Banco do Nordeste/Universidade do Texas, 2002.
FARIA, Caroline. Industria da seca. InfoEscola/Fundaj, 1994.
FILGUEIRA, Maria Conceição. Eloy de Souza: uma interpretação sobre o Nordeste e os dilemas das secas. Natal : EDUFRN, 2011.
QUEIROZ, Raquel. O quinze. Rio de Janeiro: José Olympio, 1968.
RIBEIRO, Darcy. Aos trancos e barrancos: como o Brasil deu no que deu. Rio de Janeiro: Guanabara, 1985.
SILVA, Roberto Alves. Entre o combate à seca e a convivência com o semi-árido: transições paradigmáticas e sustentabilidade do de senvolvimento. Brasília: UnB, 2006. 

Imagem: Siréne espagnole (1912) do pintor neerlandês Kees van Dongen (1877-1968)

Ouvindo a ópera A flauta mágica, do compositor austríaco Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791), com a Orquestra Sinfônica de Limeira sob a regência de Fernando Barreto, soprano Raíssa Amaral, direção musical de Angelo Fernandes e direção cênica de André Estevez.


APRUMANDO A CONVERSA – Já dizia o escritor latino Sêneca (4aC/65dC): “A virtude não consiste em temer a vida, mas em fazer face às grandes adversidades e jamais voltar-lhe as costas”, trecho esse recolhido pelo filósofo e escritor francês Michel de Montaigne (1533-1592) nos seus Ensaios, acrescentando que: “Na verdade, é fácil menosprezar a morte; o mais bravo é o que saber ser infeliz”. E vamos aprumar a conversa & tataritaritatá!!! Veja mais aqui

O REDONDO UNIVERSO DO POETA E DA POESIA – Abordando sobre a poesia do poeta alemão Rainer Maria Rilke (1875-1926), o filósofo, crítico literário e epistemólogo francês Gaston Bachelard (1884-1962), na sua obra A poética do espaço (Abril, 1978), expressa que: [...] Às vezes existe uma forma que guia e que enfeixa os primeiros sonhos. Para um pintor, a árvore se compõe em sua redondeza. Mas o poeta retoma o sonho mais alto. Sabe que o que se isola se arredonda, toma a figura do ser que se concentra em si. Nos Poemas Franceses de Rilke, isso acontece. Em torno de uma árvore sozinha, meio de um mundo a cúpula do céu vai arredondar-se seguindo a regra da poesia cósmica. [...] É certo que o poeta só tem sob os olhos uma árvore da planície: ele não pensa em nenhuma árvore lendária que fosse só para ele todo o cosmos unindo a terra e o céu. Mas a imaginação de ser redondo segue sua lei; já que a nogueira é, como diz o poeta, orgulhosamente redonda, ele pode saborear a abobada dos céus. O mundo é redondo em torno do ser redondo. E de verso em verso, o poema vai crescendo, aumenta seu ser. A ávore está viva, pensando, voltada para Deus. [...] Aqui, o devir tem mil formas, mil folhas, mas o ser não suporta nenhuma dispersão: se eu jamais pudesse numa vasta coleção reunir todas as imagens do ser, todas as imagens múltiplas, cambiantes que, da mesma forma, ilustram a permanência do ser, a árvore rilkiana abriria um grande capítulo em meu álbum de metafísica concreta. Veja mais aqui e aqui


A ENCANTADORA BELEZA LUSITANA DE MARIA – Desde que a vi como Anais Nin no Henry & June do Philip Kaufman, a Yvonne de La Tentation de Vénus de Istvan Szabo, a Marta no Huevos de oro de Bigas Luna, no Pulp Fiction de Quentin Tarantino, mais no Porto da Minha Infância, Paraíso Perdido, Retrato de Família, entre outros filmes em que ela desfilou a sua beleza encantadora, que me tornei fã da atriz, cineasta e cantora portuguesa Maria de Medeiros Esteves Victorino de Almeida, ou simplesmente, Maria de Medeiros. Nada mais justo que aqui homenageá-la na campanha Todo dia é dia da mulher. Veja mais aqui.


Veja mais sobre:
Leila Diniz, Psicologia Infantil, Béla Bartók, Gerd Bornheim, Gutzon Borglum, David Lean & Sarah Miles, Nilto Maciel & Clotilde Tavares aqui.

E mais:
Aurora, Zaratustra, Hermeto Pascoal, Alfred Adler, Viktor Frankl, Gregory Corso, Tennessee William, Pedro Almodóvar, Gaston Guedy & Penélope Cruz aqui.
Helena Blavatsky, João Ubaldo Ribeiro, Édouard Manet, Stendhal, Vital Farias, Joana Francesa & Jeanne Moreau aqui.
Constituição Federal, Yamandu Costa, Terêncio, Beaumarchais, Sharon Tate & Julie Dreyfus aqui.
Quarup & Antonio Callado, Angela Yvonne Davis, Tavito Carvalho, Jean-Claude Forest, Giovanni Lanfranco, Barbarella & Jane Fonda aqui.
Virginia Woolf, Tom Jobim, Somerset Maughan, Adelaide Cabete, Pompeu Girolamo Batoni & Renata Bonfiglio Fan aqui.
Dante Alighieri, Lewis Carroll, Djavan, Friedrich Schelling, Rosa Parks, Paula Rego, Fernando Fiorese, Carrie-Anne Moss, Jaorish Gomes Telles & Programa Tataritaritatá aqui.
Errâncias de quem ama, promessas da paixão, Oscar Wilde, Richard Strauss & Leonie Rysanek, Lenda Bororo A origem das estrelas, Sonia Ebling de Kermoal & Dorothy Lafriner Bucket aqui.
A ponte entre quem ama e a plenitude do amor, Murilo Rubião, Wäinö Aaltonen, Manuel Colombo, Anneke van Giersbergen, Ramón Casas, Eduardo Kobra & Fátima Jambo aqui.
Legalidade sob suspeita, Anna Moffo, Viola Spolin, Reisha Perlmutter, Floriano de Araújo Teixeira & Moína Lima aqui.
Os seus versos, danças & cantos do Cacrequin, Jasmine Guy, Renata Domagalska, Lívia Perez & Quem matou Eloá, Luciah Lopez & Vera Lúcia Regina aqui.
Água morro acima, fogo queda abaixo, isto é Brasil, Noêmia de Sousa, Juarez Machado, Tetê Espíndola, Glauco Villas Boas, Geraldo de Arruda Castro & Giselda Camilo Pereira aqui.
O prêmio do amor & Christine Comyn aqui.
Presente de aniversário, Svetlana Ziuzina, Juan Medina & Carla Osório aqui.
Pequena história da formação social brasileira de Manoel Maurício de Albuquerque aqui.
A linguagem na filosofia de Marilena Chauí aqui.
A poesia de Chico Buarque aqui.
Vigiar e punir de Michel Foucault aqui.
Norberto Bobbio e a teoria da norma jurídica aqui.
Como se faz um processo de Francesco Carnelutti aqui.
Fecamepa no reino do ficha suja aqui.
Tolinho & Bestinha: Quando Bestinha emputecido prestou depoimento arrepiado aqui.
Fecamepa : quando o furacão dá no suspiro do bandido, de uma coisa fique certa: a gente não vale nada aqui.
Lasciva da Ginofagia aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.
História da mulher: da antiguidade ao século XXI aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Leitora Tataritaritatá!
Veja Fanpage aqui & mais aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja os vídeos aqui & mais aqui e aqui.



HERMILO, JESSIE BOUCHERETT, LUIZ BERTO, PINTANDO NA PRAÇA & SERRA DO QUATI – CAPOEIRAS

SERRA DO QUATI, CAPOEIRAS - Imagem: Serra do Quati/Capoeiras/Raimundo Lourenço. - Nasci na beira do Una, andejo do dia singrando na vida. ...