quinta-feira, março 07, 2013

LELOUP, ÉRICO VERÍSSIMO, MIA COUTO, LEONARDO BOFF, BAUDELAIRE, VALERIA FULOP, LITERÓTICA, DIREITO AUTORAL, PSICOLOGIA SOCIAL, TRABALHO & DOENÇAS OCUPACIONAIS


Arte da artista visual húngara Valeria Fulop.

LITERÓTICA: DOIS POEMAS – CONTUMAZ: Toda sexta-feira meio-dia em ponto, eu chego macorongo pra despranavear. E ela vem lá com cara indecente, ardilosa e premente a me trucidar. E chega a catar toda nuínha dizendo que é minha pro que der e vier. E logo ela quer saltar investida, gemendo a lambida a me delirar. Com sacolejar, sem-vergonha mais rara, abocanha e dispara meu bloco na rua. Ela morde a lua e acende meu frevo, eu pego e me atrevo maior cipoada. Ela cai de bocada e chupa que baba, quando o mundo desaba e eu nem aí. Eu fico daqui só maré cheia, quando ela negaceia e toda descabela. Abre toda janela, esfrega e alisa, e me dá uma pisa com todo carinho. Pede mais um cadinho da minha drupa, não se desgruda nem larga um tiquinho. E vai de mansinho de oito a oitenta, empina a venta e engole Pernambuco. Eu fico maluco e arreio a ripa, sacolejo a tripa até fim do cabo. É assim que me acabo o dia inteiro, mais que banzeiro gozando demais. E ela quer mais, faminta e taluda enquanto a cascuda só quer explodir. Então é aí nesse repasto, beijo-lhe grato e torno a beijar. A me fartar dos seus lábios vermelhos, a língua o seu relho e a boca um manjar. E grato a ficar, feliz Zé-bedelho, quando ela de joelhos, se põe a rezar. Ah! TEIMOSIA - Toda sexta-feira, meio dia em ponto, eu armo meu conto e me faço vigário. Eu domino o cenário, quando nua ela aponta e nem se dá conta que sou perdulário. Mas pelo contrário, timidez faz de conta na farsa já pronta zoar de falsário. É que refratário, faço que não quero, enquanto desespero sua languidez. Não vou de uma vez com sede ao seu pote, vou armando meu bote numa chave em nó cego. Onde bato meu prego, balanço o badalo e aprumo meu falo na sua roseta. Ela fica canhestra, de costa emborcada tão fogosa encarnada repetindo o prato. Não vendo barato e remexe a rabeira toda trampolineira, sestrosa cunhã. Quando geme o cardan, se contorce rameira feito puta fuleira, manhosa demais. Eu na tuia, ai ai ai, ela enche a tirrina e vira cabotina amocega corrimão. E nem vacila não ajeitando o garimpo, deixa o prato limpo, lambuzado nos beiços. Eu viril ofereço toda légua tirana e soluça que abana, maior teretetei. É que desenguiçei sua engrenagem azeitada, ainda se estira deitada, pronta pra outro teitei. Eu nem debreiei e finquei de primeira, lavei a derradeira fazendo escarcéu. Já virei um tetéu e salivo a fubamba pr´ela já perna bamba, refugar toda ardida. Mas é outra pedida, o tiro de misericórdia, ela ativa a concórdia a dengar domingueira. Pois toda sexta-feira, ela chega e destampa, quando não chora na rampa, deixa a tanga voar. E para encurtar o rebuliço medonho, o maior tiro-ponho pra ela esgoelar. É que não vou me esquivar de provar gostosura, pois toda formosura ela inteira me dá. Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui.


DITOS & DESDITOSFelicidade é a certeza de que nossa vida não se passando inutilmente. Pensamento do escritor Érico Veríssimo (1905-1975). Veja mais aqui.

O AMOR & O SEXO – [...] cuidar do corpo é cuidar do Universo e cuidar do Universo e do meio ambiente é cuidar também do nosso corpo. Porque o microcosmo e o macrocosmo não estão separados. [...] quando tocamos um corpo, não devemos esquecer que tocamos uma pessoa com toda a sua história. [...] o encontro de dois seres humanos, de dois sexos humanos não é, simplesmente, o encontro de duas libidos. É também o encontro de duas almas, é também o encontro de dois espíritos, é também o encontro de dois seres interiores. [...] ter prazer e felicidade quando o encontro se situa ao nível do corpo e da alma, ao mesmo tempo. [...] o ideal em uma visão holística é que todos os componentes do ser humano – o corpo, o psiquismo e o nous – possam se encontrar. [...] É a palavra bem-aventurança. Ela supõe o encontro dos seres sagrados, do homem e da mulher. O encontro do deus e da deusa - encontro no nível ontológico. [...] da harmonia entre o homem e a mulher, da harmonia entre dois seres, depene a harmonia do Universo. [...]. Trechos extaídos da obra O corpo e seus símbolos (Vozes, 1999), do PhD em Psicologia Transpessoal, doutor em Teologia e professor de Filosofia, Jean-Yves Leloup. Veja mais aqui.

ALGUÉM FALOU – [...] A história de um homem é sempre mal contada. Porque a pessoa é, em todo tempo, ainda nascente. Ninguém segue uma única vida, todos se multiplicam em diversos e transmutáveis homens. [...] Trecho extraído da obra Cada humem é uma raça (Leya, 2012), do premiado escritor e biólogo moçambicano Mia Couto. Veja mais aqui e aqui.

O CONHECIMENTO - [...] O ato de conhecer, portanto, representa um caminho privilegiado para a compreensão da realidade; o conhecimento soznho não transforma a realidade; transforma a realidade somente a conversão do conhecimento em ação. [...] A educação da práxis visa atingir esses três objetivos principais: a apropriação por cada cidadão e da comunidade dos intrumentos adequados para pensar a sua pratica indiviodual e social e para ganhar uma visão globalizante da realidade que o possa orientar em sua vida; a apropriação por cada cidadão e da comunidade do conhecimento cientifico, político, cultural acumulado pela humanidade ao longo da história para garantir-lhe a satisfação de suas necessidades e realizar suas aspirações; a apropriação por parte dos cidadãos e da comunidade dos instrumentos de avaliaçãocritica do conhecimento acumulado, reciclá-lo e acrescentar-lhe novos conhecimentos através de todas as faculdades cognitivas humnanas quem além da razão, incluem a afetividade, a intuição, a memória biológica e histórica contida no próprio corpo e na psiquyé, os sentidos espirituais como o da unidade do todo, da beleza, da transcendencia e do amor. Tal educação integral capacita e forma o ser humano para gestar uma democracia aberta, sociocósmica e um desenvolvimento que garante uma sociedade sustentável. [...] Trechos da obra Depois de 500 anos que Brasil queremos? (Vozes,2000), escritor, teólogo e professor universitário Leonardo Boff. Veja mais aqui.

UM POEMA - A natureza é um templo onde vivos pilares / podem deixar ouvir confusas vozes: e estas / fzem o homem passar através de florestas / de símbolos que o vêem com olhos familiares. / Como os ecos além confundem seusrumores / na mais profunda e mais tenebrosa unidade, / tão vasta como a noite e como a claridade, / harmonizam-se os sons, os perfumes e as cores. / Perfumes frescos há como carnes de criança / ou oboóes de doçura ou verdejantes ermos / e outros ricos, triunfais e podres nas fragrâncias / que posuem a expansão do universo sem termos / como o sândalo, o almíscar, o benjoim e o incenso / que cantam dos sentidos o transporte imenso. Poema extraído da obra As flores do mal (Nova Fronteira, 1985), do escritor, tradutor, crítico de arte e poeta francês, Charles Baudelaire (1821 - 1867). Veja mais aqui e aqui.

 Arte da artista visual húngara Valeria Fulop.




DIREITO AUTORAL NA ERA DIGITAL – A obra Direito autoral na era digital: impactos, controvérsias e possíveis soluções, de Manuella Santos, trata da propriedade intelectual, evolução histórica, desenvolvimento no Brasil, natureza jurídica, função do direito autoral, a era diogital, licenças, vantagens e criticas.
FONTE:
SANTOS, Manuella. Direito autoral na era digital: impactos, controvérsias e possíveis soluções. São Paulo: Saraiva, 2009.

DIREITOS AUTORAIS – A obra Direitos autorais de Pedro Paranaguá e Sérgio Branco, trata para que serve o direito autoral, abrangência da lei, obras não protegidas, software, o direito do autor, direitos morais e patrimoniais, domínio público, o direito da sociedade, limites legais, o direito em movimento, licença e cessão de direitos, direitos conexos, gestão coletiva e infrações.
FONTE:
PARANAGUÁ, Pedro; BRANCO, Sérgio. Direitos Autorais. Rio de Janeiro: FGV, 2009.

DIREITO DE AUTOR EM OBRA COLETIVA – A obra Direito de autor em obra coletiva de Antonio Carlos Morato trata da obra coletiva em seus aspectos gerais, a autoria e a criação, os direitos da personalidade e a obra coletiva, a obra coletiva no direito estrangeiro e no ordenamento jurídico brasileiro, as especiais de obra coletiva, entre outros assuntos.
MORATO, Antonio Carlos. Direito de autor em obra coletiva. São Paulo: Saraiva, 2007.

DIREITO AUTORAL E A CONVERGENCIA DE MIDIAS. A obra Direito autoral e a convergência de mídias, de Deborah Nigri trata de noções gerais de direito autoral, o advento da internet, a convergência das mídias diante das novas questões para o direito do autor, princípios legais da proteção do direito do autor, direitos conhexos, Fair Use, direito de imagem, entre outros assuntos.
NIGRI, Deborah. Direito autoral e a convergência de mídias. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2006.
Veja mais aqui.

PSICOLOGIA SOCIAL DOS VALORES HUMANOS – O livro Psicologia social dos valores humanos: desenvolvimentos teóricos, metodológicos e aplicados (Senac, 2006), organizado por María Ros e Valdiney V. Gouveia, trata de temas como a psicologia social dos valores sob uma perspectiva histórica, aspectos universais na estrutura e no conteúdo dos valores humanos, atitudes e comportamento e uma nova visita a um tema clássico, o individualismo e o coletivismo normativo, procedimentos de escala para a medição de valores, consenso, estabilidade e signficiado nos valores sociais abstratos, validade dos modelos transculturais sobre os valores, internalização de valores sociais e estratégias educativas parentais, valores e redução do preconceito, os significados da saúde e a saúde como um valor, os significados da identidade nacional como valor pessoal, descrições das culturas, indicadores psicológicos e macrossociais, valores do trabalho e das organizações, valores culturais e decisões de comportamento nas organizações de trabalho, entre outros assuntos. Veja mais aqui.

AMBIENTE DE TRABALHO E DOENÇAS OCUPACIONAIS – Para desenvolver trabalho acadêmico sobre a temática do Meio Ambiente do Trabalho, voltada para a prevenção de doenças ocupacionais e promoção da saúde, traz a exigência de se abordar o conceito e características do meio ambiente do trabalho, as doenças ocupacionais e a sua prevenção. Em seguida, tratar acerca das previsões da legislação laboral ambiental, as normas regulamentadoras diante dos problemas de extensão e divulgação pública, para levar em consideração a saúde do trabalhador e a importância de conhecimento dos direitos, o papel do empregador e a importância da CIPA e da formação de comissões para divulgação e estudo das Normas Regulamentadoras, e, por fim, analisar o problema e o indicativo de solução: políticas públicas de divulgação nos âmbitos dos Poderes Públicos com participação dos trabalhadores e empregadores. Veja mais aqui e aqui


Veja mais sobre:
Convite no Crônica de amor por ela, Zygmunt Bauman, Sérgio Porto, Friedrich Hölderlin, Oswald de Andrade, George Gershwin, Anaïs Nin, Kiri Te Kanawa, Lucélia Santos, Pedro Almodóvar, Parmigiano, Penélope Cruz Sanchez, Sumi Jo & Luciah Lopez aqui.

E mais:
Marie Curie & Todo dia é dia da mulher aqui.
Beethoven, Eric Kandel, Hermeto Pascoal, Linda Lovelace & Nina Kozoriz aqui.
Hypatia, Mary Calkins, Oswald de Andrade, Parmigiano, Stanislaw Ponte Preta & Geraldo Azevedo aqui.
Dicionário Tataritaritatá aqui.
Galdino vive aqui.
A psicologia, os adolescentes & as DST/AIDS aqui.
Proezas do Biritoaldo: quando o balde tá entupido, a topada leva a merda pro ventilador aqui.
O vexame da maior presepada aqui.
Espera aqui.
Lavratura aqui.
A solidão de Toulouse aqui.
A lágrima de Neruda aqui.
Poema em voz alta aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Leitora Tataritaritatá!
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra: 
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.





DOSTOIÉVSKI, MIRIAM MAKEBA, JANIN NUZ & AMIGOS DA BIBLIOTECA

QUE VAI, VAI; SÓ NÃO SE SABE PARA ONDE – UMA: OUTRA DAS FILHAS DA DOR – Danina, 19 anos, linda de morrer, primeiro emprego: caixa no Fri...