quinta-feira, março 07, 2013

MARILENA CHAUÍ, SHEEMA KALBASI, ALBA ZALUAR, MICHEL TOURNIER, ELEANOR HODGMAN PORTER & ALTER EGO


ALTER EGO - Abri a porta e o céu estava cinzento. E na penumbra da sala, o meu coração está feliz com os acordes do Koln Concert de Keith Jarret. A minha pena ainda transcreve imagens da cabeça: um asno na lira e seus fragmentos múltiplos desentoados de pedaços outros. Deus me abençoe. Deus me proteja nessa desolação, uma ausência que atormenta. Joguei meu último poema no riacho e outros tantos no interior das garrafas para jogá-los ao mar, quem sabe alguém desavisado não se importune ao ler meus versos. A solidão me silenciou. Estou esvaziado. Logo eu que vim curumba da terra batida do Una, nascido em sessenta com Brasília e o videoteipe, expondo agora sintaxes exclusivas do coração. Inauguro a minha agonia. Eu que morri tantas vezes sem chegar ao desespero, que vim de longe, de um mundo pequeno onde hoje a vida é quase reduzida a uma condição inóspita. Eu que ergui a minha própria casa, o meu contíguo pardieiro e fiquei entregue ao meu abandono, sem nunca haver ambicionado grandes palácios ou usado um cajado para imprimir a ordem. Eu que sou o mar que beija a terra na pose mais íntima de se amar. Sou eu que valho o que medra nada, um astronauta intrépido no mundo da lua, um zagueiro insone das coisas da minha gente, um lavrador dos dias que venham depois. E quando beijo eu sou de mim o que é para todos. E quando abraço eu sou de graça o que é de mim. E quando sorrio eu sou de paz pra não ser guerra. E quando eu choro eu sou em flor mais que a ternura. Sou eu calor a quarenta e tantos graus. Eu sou o tom de si, de mim, Jobim. O tom que salte, deite, Waits. O que faz, que foi, que é, Tom Zé. O tom depois, de antes, Tom Cavalcanti. Sou eu que gosta de cheirar xibiu de moça donzela. Sou a que já no caritó reza todas as noites por Santo Antônio casamenteiro ajeitar um príncipe encantado para esquentar os pés nas noites de frio. Sou meu coração Caravaggio pintando o sete e santos e sempre atraído pela promiscuidade e rebeldia. Meu coração de frases obscenas na calada da noite, na luta para não ser devorado na competição natural da vida. Meu coração pavão a legislar em causa própria, sempre a me desvencilhar da espada de Dâmocles sobre a cabeça. Sou eu que tenho a força do braço Anteu sem poder largar o chão do meu país. Eu, depositário de tudo, sempre paguei o pato, azougado como quê, completo de emoção e sob o efeito do álcool, hum! um timoneiro na proteção de mercúrio seduzido pelo insólito já que nada me é estranho. As minhas batalhas algumas ganhei, muitas perdi. Nunca gostei de jogo, claro, um mau jogador. Coisas que vi que fiquei passado. Nomes que não sei dizer. Ainda perdi o que de melhor me restava e tive de ser São Jerônimo depondo à caveira, aguçando os meus cem olhos de Argus, apenas sabendo o que é bom ou mal por ser desobediente, plagiando Shulock, “Us” de Peter Gabriel e o meu trono absoluto no banheiro, reunindo os meus pecados, You’re the top de Cole Porter. A fascinação pelo proibido. Os meus gritos até me assustam e alguns até me extasiam. Eu divido a minha mesa, partilho a minha alegria, meu ancestral fenício, minha herança viking. Devo estar me masturbando: minha solidão, meu claustro. Duvido que eu tenha sanidade mental. Os demônios estão soltos, quem sabe e por alguma forma possam me perdoar. Eu sei dos meus fracassos no meio dos sonhos de Kurosawa. Bastar-me-ei a mim mesmo se de mim sobrar alguma coisa. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui, aqui e aqui.

 


DITOS & DESDITOS - A favela continua sendo o espaço onde as pessoas não são proprietárias. Portanto, ali podem ser expulsas e perder os imóveis onde moram. São lugares onde não houve ainda efetivação do título de propriedade. É um processo extremamente lento, com muitas complicações legais... Os trabalhadores pobres constituíam uma categoria bem mais ampla que a de operário. Uma população heterogênea de todos os pontos de vista, da inserção no mercado de trabalho, da formação étnica, racial, tudo... Defender o roubo como recurso de distribuição de renda revela um enorme desconhecimento das redes e tramas do submundo do crime, onde grassa o capitalismo mais selvagem de que se tem notícia... Pensamento da antropóloga Alba Zaluar (1942-2019). Veja mais aqui e aqui.

 

ALGUÉM FALOU: Os militares contam demasiado com a força, e os políticos contam demasiado com a habilidade... Questiono-me se a guerra não é provocada senão pelo único objectivo de permitir ao adulto voltar a ser criança, regredir com alívio à idade das fantasias e dos soldadinhos de chumbo... Pensamento do escritor francês Michel Tournier (1924-2016).

 

POLLYANA - [...] O que homens e mulheres precisam é de encorajamento. Seus poderes naturais de resistência devem ser fortalecidos, não enfraquecidos…. Em vez de sempre insistir nos defeitos de um homem, conte-lhe suas virtudes. Tente tirá-lo de sua rotina de maus hábitos. Mostre a ele seu eu melhor, seu verdadeiro eu que pode ousar, fazer e vencer!… A influência de um personagem bonito, prestativo e esperançoso é contagiante e pode revolucionar uma cidade inteira…. As pessoas irradiam o que está em suas mentes e em seus corações. Se um homem se sente gentil e prestativo, seus vizinhos também se sentirão assim, em pouco tempo. Mas se ele repreende, franze a testa e critica - seus vizinhos retribuirão carranca com carranca e aumentarão o interesse!... Quando você procura o mal, esperando por ele, você o receberá. Quando você sabe que encontrará o bem - você o conseguirá... Diga a seu filho Tom que você sabe que ele ficará feliz em encher aquela caixa de lenha - então observe-o começar, alerta e interessado! [...] Bem, talvez seja natural. Claro que as coisas que você não conhece são sempre melhores do que as coisas que você faz, assim como o pertador do outro lado do prato é sempre o maior. Mas eu gostaria de olhar assim para alguém distante. Não seria ótimo, agora, se alguém na Índia me quisesse? [...]. Trechos extraídos da obra Pollyana (Companhia Nacional, 2003), da escritora estadunidense Eleanor Emily Hodgman Porter (1868-1920).

 

DOIS POEMAS - SOU UMA MULHER: eu sou uma mulher \ eu sou um amante \ eu sou um poeta \ eu sou uma filha \ Sou esposa, sou mãe! \ eu perdi a infância \ com a tempestade mais antiga \ lavei a virgindade \ à tão esperada chuva! \ ao vento \ para a terra \ para a areia \ Eu ainda sou uma Mulher! \ Para as escadas de \ rachaduras nas paredes \ Eu ainda sou uma Mulher! \ Lembrar \ a história do estanho na China? \ As fotos! \ Mulheres limitadas \ Crescendo, mas não os pés! \ Dificilmente andando, dificilmente pegando até mesmo uma coisa minúscula! \ Seus pais, irmãos, maridos, filhos \ Estas são mulheres \ Pinturas nas paredes! \ Você torce seus pulmões! \ Aí você se sente uma mulher! \ ainda estou proibido \ Em suas palavras largas e selvagens \ Fragmentos de litania rodeada! \ Lembre de mim \ A mulher em mim \Para não cair no limbo! \ Lâmpadas fluorescentes \ Assemelhando-se aos meus seios! \ retratos pálidos \ da minha feminilidade \ e Meca ficando azul com minha vergonha! \ anjos líquidos \ Chamar reuniões secretas \ quebrar \ as fronteiras do silêncio \ Escondido nos armários \ são meus pensamentos \ Minhas ações \ são roxos demais! PARA MULHERES DO AFEGANISTÃO: Enquanto ando pelas ruas de Cabul, \ atrás das janelas pintadas, \ há corações partidos, mulheres quebradas. \ Se não tiverem família masculina para acompanhá-las, \ morrem de fome mendigando o pão, \ os outrora professores, doutores, professores \ hoje nada mais são do que casas ambulantes famintas. \ Nem mesmo saboreando a lua, \ eles carregam seus corpos por aí, nos véus do caixão cobertos. \ São as pedras do fundo da fila... \ suas vozes não podem sair de suas bocas secas. \ Borboletas voando não têm cor nos olhos das mulheres afegãs \ pois eles não podem ver nada além de ruas sombreadas de sangue \ por trás das janelas coloridas, \ e não consigo sentir o cheiro do pão de nenhuma padaria \ para os corpos de seus filhos expondo, cobrem qualquer outro cheiro, \ e seus ouvidos não podem ouvir nada \ pois eles ouvem apenas suas barrigas famintas \ chorando vozes inéditas de seus donos\ com cada som de tiro e terror. \ Remédio para a amarga anistia silenciada, \o derramamento de sangue da vida da mulher afegã \ sobre a-sem-limitação-de-sentenças-pedindo ajuda \ enquanto as vozes se afastam, não saindo, mas pressionando com força \nos finais trágicos de suas vidas. \ "Mulher, você é o Marrom Violetas de Março?" \ "Eu vi um anjo no Miramar \ eu esculpi e esculpi \ até que eu a libertei". \ -Michele Ângelo \ Minha utopia escovada \ uma corrente incomum \ se tornou\ circulação autobiográfica de \ sorte extraviada diabólica. \ como mulher hoje \ Eu tenho \ nunca tive muita fruta \ Muita felicidade \ A ambição dos meus pais \ para não me ver selando meu corpo \ às tristes janelas pintadas \ Homens com identidade desconhecida \ sem rostos \ decidir pela minha própria existência \ Minha voz \ uma declaração gravada \ eu sou um pardal saltitante \ Talvez amanhã \ atrás do véu \ a carne \ morre \ toda a dor \ a tristeza \ de ser mulher \ no Afeganistão \ no ano zero, zero, zero \ eu tentei \ eu tentei \ derramar óleo ardente nas células que choram \ no meu corpo \ Dentro \ só dentro \ o óleo queimando \ eram as casas envenenadas dos desejos! \ Um cogumelo na cidade-mundo-do universo \ De tentar passar pela morte \ a cabeça primeiro e depois o pão pingando \ vem \ Mudança \ de uma idade para outra \ Animado brincando com a morte \ Eu morro para morrer e vivo para viver \ Se eu pudesse viver \ uma vida nobre. Poema da poeta iraniana Sheema Kalbasi.

 

A LINGUAGEM NA FILOSOFIA DE MARILENA CHAUÍ - A partir de uma leitura no capítulo 5, da obra “Convite à Filosofia”, da filosófa brasileira Marilena Chauí, sobre “A linguagem”, importantes reflexões são levadas numa abordagem esclarecedora. Inicialmente a autora inicia aborda a máxima aristotélica de que o homem é um animal político, no sentido de social e cívico, em virtude do poder da linguagem. Em sua referência, através do pensamento do filósofo grego Aristóteles, se distingue a manifestação do homem com outros animais, quando ao homem é dado o poder da palavra, no sentido grego “logos” e aos demais animais, apenas, a voz, no sentido “phoné”. A partir de Aristóteles, a eminente professora discorre acerca do aprofundamento temático, com releitura do filósofo francês, Jean-Jacques Rousseau, que comunga da mesma idéia aristotélica. Daí, ela recorre seguindo o pensamento do lingüista dinamarquês Louis Trolle Hjelmslev, trazendo a importância da linguagem no processo de comunicação e de relação social e política do ser humano.
Numa outra vertente, Marilena traz o sentido de linguagem adotado pelo filósofo grego, Platão, que obtinha o sentido de “phámakon”, ou seja, segundo ela, esta palavra adotava um tríplice sentido na idéia platônica, quais sejam, o de remédio, veneno e cosmético. Neste sentido, Chauí (2004, p. 148) assinala: “(...) Platão considerava que a linguagem pode ser um medicamento ou um remédio para o conhecimento, pois, pelo diálogo e pela comunicação, conseguimos descobrir nossa ignorância e aprender com os outros. Pode, porém, ser um veneno quando, pela sedução das palavras, nos faz aceitar, fascinados com o que vimos ou temos, sem que indaguemos se tais palavras são verdadeiras ou falsas. Enfim, a linguagem pode ser cosmético, maquiagem ou máscara para dissimular ou ocultar a verdade sob as palavras. A linguagem pode ser conhecimento-comunicação mas também pode ser encantamento-sedução”. Nesse sentido, enfatiza a autora que esta idéia platônica é encontrada na passagem bíblica da Torre de Babel, quando o homem fora castigado pela audácia de alcançar a divindade, provocando, pois, a confusão resultante de tal façanha: várias línguas para que se desentendessem.
A partir dessas duas linhas de pensamento, a platônica e a aristotélica, bem como dos mitos e religiões, a autora parte para a apresentação da força da linguagem considerando o mito bíblico da gênese, o exemplo clássico que se mantém até os dias atuais nas liturgias religiosas cristãs, assim como os rituais indígenas, africanos e de feitiçaria, onde a invocação através de sentenças, frases, passes e sons vocálicos, anunciam a transformação do ambiente com introdução divina solidificando suas crenças e, ao mesmo tempo, criando tabus que se tornam sacralizados e não devem ser profanados.
Na dimensão grega dada à linguagem no sentido “logos”, Marilena Chauí ressalta que este sentido possui uma tríplice significação com a idéia de fala/palavra, pensamento/idéia e realidade/ser. Neste sentido, Chauí (2004, p. 149), afirma: “(...) Logos é a palavra racional em que se exprime o pensamento que conhece o real. É discurso (ou seja, argumento e prova), pensamento (ou seja, raciocínio e demonstração( e realidade ( ou seja, as coisas e os nexos e as ligações universais e necessárias entre os seres. Logos é a palavra-pensamento compartilhada: diálogo; é a palavra-pensamento verdadeira: lógica; é a palavra-conhecimento de alguma coisa: o ´logia` que colocamos no final de palavras como cosmologia, mitologia, teologia, ontologia, biologia, psicologia, sociologia, antropologia, tecnologia, filologia, farmacologia, etc”. Fica, portanto, distinguido a dualidade existente no poder da linguagem, sendo uma dimensão apoiada nos mitos que são consagrados nas religiões e sociedades, enquanto que a outra, na racionalidade, ou seja, como bem menciona a autora, “as palavras são conceitos ou idéias, estando referidas ao pensamento, à razão e à verdade”, (p. 150).
Nesse ínterim, a autora se direciona para a abordagem acerca da origem da linguagem, fazendo distinção entre esta e a língua, em conformidade com o que se patenteou da divergência grega, consolidando-se a linguagem como natural e, a língua, convencional. Ou seja, como ela mesmo se reporta: “A linguagem como capacidade de expressão dos seres humanos é natural, isto é, os humanos nascem com uma aparelhagem física, anatômica e fisiológica que lhes permite expressarem-se pela palavra; mas as línguas são convencionais, isto é, surgem de condições históricas, geográficas, econômicas e políticas determinadas, ou, em outros termos, são fatos culturais. Uma vez constituída uma língua, ela se torna uma estrutura ou um sistema dotado de necessidade interna, passando a funcionar como se fosse algo natural, isto é, como algo que possui suas leis e princípios próprios, independentes dos sujeitos falantes que a empregam” (p. 150). Responde, pois, que a linguagem se originou da imitação, ou seja, a onomatopéia ou imitação dos sons animais e naturais; da imitação dos gestos; da necessidade humana para enfrentar as intempéries; e das emoções, ou seja, das sensações intrínsecas do ser humano.
Partindo, pois, para o que significa, enfim, a linguagem, a autora afirma que:”A linguagem é um sistema de signos ou sinais usados para indicar coisas, para a comunicação entre pessoas e para a expressão de idéias, valores e sentimentos” (p. 151). Ou seja, a partir de tal definição uma complexa rede de significados se inserem como sendo a linguagem um sistema, que indica coisas, que estabelece a comunicação e que exprime pensamentos, sentimentos e valores. Ou como a própria autora diz: “A definição nos diz, portanto, que a linguagem é um sistema de sinais com função indicativa, comunicativa, expressiva e conotativa”(p. 151). Nessa condução, a autora se direciona para as questões que levam a uma outra duplicidade de idéias, através da divergência conceitual adotada pelos empiristas, de um lado, e pelos empiristas, de outro.Os empiristas consideram a linguagem um fenômeno físico que não se tem consciência de sua causa, mas sim de seus efeitos. Já os intelectualistas consideram a linguagem como um instrumento do pensamento para exprimir conceitos e símbolos, para transmitir e comunicar idéias abstratas e valores.
Na observação da autora, ambas as teorias que se mostram antagônicas, se complementam em pontos comuns como o fato da linguagem ser considerada como um instrumento indicativo ou denotativo e de representação das coisas e das idéias.
Mais adiante a autora aborda o movimento de purificação da linguagem através do positivismo lógico que distinguiam a linguagem natural da lógica, quando a primeira seria a que se fala no dia-a-dia e caracterizada pela imprecisão, enquanto que a segunda, seria formalizada e inspirada na matemática e na física. Com isso, a autora chega nos estudos realizados através da lingüística na definição da origem da linguagem e, com tais estudos lingüísticos chegou-se a conclusão que a linguagem é constituída pela língua e a fala ou palavra, que a língua é uma totalidade ou uma estrutura; que numa língua distinguem-se o significante e o significado; que a relação dos signos e significante com as coisas é convencional; que a língua é um código e se realiza por meio de mensagens; que o sujeito falante possui as capacidades de competência e desempenho; e que a língua é praticada de maneira não consciente.
Por fim, a autora passa descrever a experiência da linguagem no fato de como ela se relaciona e relaciona os seres humanos, considerando a tradicionalidade da relação binária da linguagem a partir do signo verbal como coisa indicada ou como idéia, conceito, valor, ou seja, expressando a realidade ou o pensamento, quando, no entanto, estudos realizados pela filosofia da linguagem encontraram uma forma ternária, considerando que a linguagem refere-se ao mundo por meio das significações possibilitando a relação ser humano com a realidade; que ela se relaciona com sentidos já existentes e cria sentidos novos, proporcionando a relação humana com o pensamento; que exprime e descobre significados, viabilizando a comunicação na relação entre os seres humanos; e tem o poder de suscitar significações, recordando, imaginando coisas novas reais ou fictícias. Ou seja, como a autora explicita: “A linguagem não traduz imagens verbais de origem motora e sensorial nem representa idéias feitas por um pensamento silencioso, mas encarna as significações. As palavras têm sentido e criam sentido” (p. 156).
Esclarecedoras informações são magistralmente abordados à luz da filosofia para compreensão da linguagem e do processo de comunicação entre os seres humanos. Veja mais aquiaqui, aqui, aqui e aqui.

FONTE BIBLIOGRÁFICA:
CHAUÍ, Marilena. Convite à Filosofia. São Paulo: Ática, 2004, p. 147/156.




Veja mais sobre:
Fonte no Crônica de amor por ela, Gabriel García Márquez, Paul Éluard, José Paulo Paes, Alan Watts, Carmina Burana de Carl Orff, Michel de Montaigne, Fernando Bonassi, Ingmar Bergman, Birgitta Valberg, Maurice Béjart, Birgitta Pettersson & Rachel Lucena aqui.

E mais:
Ana Lins, a Revolução Pernambucana de 1817 & Todo dia é dia da mulher aqui.
João Cabral de Melo Neto, Joan Baez, Rigoberta Menchú, Simone de Beauvoir & Eduardo Viana aqui.
A paranoia da paixão por ela aqui.
Manoel Bentevi, Sinhô, Marshal McLuhan, Parafilias, Ópera Maldita, Giulia Gam & Anna Bonaiuto aqui,
Fecamepa: quando o Brasil dá uma demonstração de que deve mesmo ser levado a sério aqui.
O evangelho segundo padre Bidião & Jesus voltou aqui.
Pra tudo tem jeito, menos pro que não pode ou não quer aqui.
Tantas fazem & a gente é quem paga o pato aqui.
Globalização, Educação & Formação Pedagógica, Direito Ambiental & Psicologia Escolar aqui.
A poética teatral de Federico Garcia Lorca aqui.
DST/AIDS, Educação & John Dewey aqui.
Sincretismo religioso aqui.
Racismo aqui.
O trabalho da mulher aqui.
Levando os direitos a sério, de Ronald Dworkin aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Leitora Tataritaritatá!
Veja mais  aqui, aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra: 
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.



TAJA KRAMBERGER, LÍDIA JORGE, HILARY PUTNAM & NORDESTE

  Imagem: Acervo ArtLAM . Ao som dos álbuns Source (2014) e Upstream (2019), do grupo Dreisam – “ Triângulo perfeito, nada geométrico, ...