quarta-feira, setembro 04, 2019

CHAUÍ, MOSÉ, IVAN ILLICH, VIVIANA DURANTE, LENDA MOÇAMBIQUE & QUARTA-FEIRA NO TRÂMITE DA SOLIDÃO


QUARTA-FEIRA, O TRÂMITE DA SOLIDÃO - A festa acabou e não houve nenhum barulho na madrugada. A rua está pesunhada em honra de Pã, homenagem a Baco. A festa do povo passou. Neste dia eu te ofereço minha carne em holocausto, apesar da madrugada com o luar que azula a escuridão. As ruas são do pretérito caboclinho do Rabeca, o reluzente estandarte da Virgem Guadalupe e  a extinção de Tupác Amaru até sua descendência em quarto grau. Tudo apaixonadamente vivo, tudo delirantemente sentido, tudo escandalosamente passado a limpo em mim. Contaminados estão os cultores do pecado original, do hedonismo ou do Rigveda. Hoje o morto carrega o vivo e ontem de noite correu bicho em Matriz de Camaragibe. Anteontem o bufo inspirou Zé da Justa pra afinar a orquestra e a Fubana dos artistas, varrida de sonhos, impetrava um calor nas reentrâncias das senhoras e das mocinhas. A folia fez-se noite, fez-se dia. Permita Deus este mês não seja só carnaval. Dentro de mim passou a folia do planeta com seus trogloditas modernos e o assoalho repleto de excrementos, a casa vazia e o reino dos fantasmas. Vozes cantarolam: saia do sereno, saia do sereno, saia do sereno que esta frieza faz mal. De mim, o silêncio e o meu sacrifício de Odin: apenas água para beber e braços solidários. Tudo cinzas. Não fiz abstinência da carne, nem interdição dos sentidos. A minha impulsividade e o suntuoso e o inexprimível: um dia tão grande no desvario do frevo. Não quero penitência, estou debilitado pelo incenso inebriante de mulher, aquela que dorme oculta no deleite do meu travesseiro. Tudo viverá enquanto meu verso existir: o bar, a noite, o cigarro e a solidão. O poeta morreu terça-feira e eu sigo inquieto. O amor assim que deveria ser: a vida! © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui.

DITOS & DESDITOS: [...] O mundo perdeu sua dimensão humana e readquiriu sua necessidade factual e fatídica, característica dos tempos primitivos. Mas, enquanto o caos dos bárbaros era constantemente ordenado em nome de deuses misteriosos e antropomórficos, hoje em dia só o planejamento humano é apresentado como razão para o mundo estar assim como está. O homem tornou-se joguete dos cientistas, engenheiros e planejadores. Vemos esta lógica atuar em nós e nos outros. [...] As clínicas de controle da natalidade aumentam as taxas de sobrevivência e fomentam a população; as escolas produzem mais desertores; quando diminui uma curva de poluição, aumenta outra. Os consumidores defrontam-se com a realidade de que quanto mais podem comprar, mais decepções têm que engolir [...] A exaustão e a poluição dos recursos da terra é, acima de tudo, o resultado de uma corrupção na auto-imagem do homem e de uma regressão em sua consciência. [...]. Trechos da obra Sociedade sem escolas (Vozes, 1985), do filósofo austríaco Ivan Illich (1926-2002), co-fundador do conhecido e controvertido Centro Intercultural de Documentação (CIDOC), em Cuernavaca, México. O autor expressa que É na liberdade universal de palavra, de reunião e de informação que consiste a virtude educativa, ao efetuar uma análise crítica das instituições educativas atuais e das suas características, propondo a criação de um sistema alternativo que rebata a figura da escola na de uma aprendizagem não enquadrada institucionalmente. Para ele, o atual sistema educativo converteu-se num sistema burocrático, hierarquizado e manipulador, tendo como função primordial a reprodução e o controle das relações econômicas, entendendo que: Por toda a parte, o aluno é levado a acreditar que só um aumento de produção é capaz de conduzir a uma vida melhor. Deste modo se instala o hábito do consumo dos bens e dos serviços, que nega a expressão individual, que aliena, que leva a reconhecer as classes e as hierarquias impostas pelas instituições. Entende, portanto, que em virtude disso os alunos estão sujeitos a currículos extensos e repetitivos, dados de forma demasiado rápida e superficial. Os professores, já habituados a esta rotina, não dão a possibilidade de aprofundar um ou outro tema que mais interesse os alunos, nem são capazes de atender às necessidades específicas de cada aluno. Por essa razão, a  escola passa assim a ser um local de desigualdades e de conflitos, uma vez que alguns se adaptarão melhor do que outros. Para ele, o fato da escolaridade ser obrigatória só agrava a situação, pois, aqueles que não se conseguem adaptar aos temas curriculares obrigatórios e aos métodos de ensino vigentes, arrastam-se durante anos na escola, nada aprendem de válido e perdem a sua autoestima. Quando finalmente deixam a escola, os alunos não estão preparados para ingressar no mundo do trabalho. Por consequência, observa o autor que, apesar de muitas pessoas terem já consciência da ineficácia e da injustiça patentes no sistema educativo moderno, não são ainda capazes de imaginar alternativas nem de conceber uma sociedade descolarizada. Veja mais aqui.

ALGUÉM FALOU: As pessoas que, desgostosas e decepcionadas, não querem ouvir falar em política, recusam-se a participar de atividades sociais que possam ter finalidade ou cunho políticos, afastam-se de tudo quanto lembre atividades políticas, mesmo tais pessoas, com seu isolamento e sua recusa, estão fazendo política, pois estão deixando que as coisas fiquem como estão e, portanto, que a política existente continue tal qual é. A apatia social é, pois, uma forma passiva de fazer política. A política não é uma ciência. É uma arte, uma ação que se inventa. Pensamento da filosófa brasileira Marilena Chauí. Veja mais aqui, aqui, aqui, aqui, aqui & aqui.

A LUA FEITICEIRA E A FILHA QUE NÃO SABIA PILAR - A lua tinha uma filha branca e em idade de casar. Um dia apareceu-lhe em casa um monhé pedindo a filha em casamento. Alua perguntou-lhe: —Como pode ser isso, se tu és monhé? Os monhés não comem ratos nem carne de porco e também não apreciam cerveja... Além disso, ela não sabe pilar... O monhé respondeu: —Não vejo impedimento porque, embora eu seja monhé, a menina pode continuar a comer ratos e carne de porco e a beber cerveja... Quanto a não saber pilar, isso também não tem importância pois as minhas irmãs podem fazê-lo. A lua, então, respondeu: —Se é como dizes, podes levar a minha filha que, quanto ao mais, é boa rapariga. O monhé levou consigo a menina. Ao chegar a casa foi ter com a sua mãe e fez-lhe saber que a menina com quem tinha casado comia ratos, carne de porco e bebia cerveja,mas que era necessário deixá-la à-vontade naqueles hábitos. Acrescentou também que ela não sabia pilar mas que as suas irmãs teriam a paciência de suprir essa falta. Dias depois, o monhé saiu para o mato à caça. Na sua ausência, as irmãs chamaram a rapariga (sua cunhada) para ir pilar com elas paraas pedras do rio e esta desatou a chorar. As irmãs censuraram-na: —Então tu pões-te a chorar por te convidarmos a pilar?... Isso não está bem! Tens de aprender porque é trabalho próprio das mulheres. E, sem mais conversas, pegaram-lhe na mão e conduziram-na ao lugar onde costumavam pilar. Quando chegaram ao rio puseram-lhe o pilão na frente, entregaram-lhe um maço e ordenaram que pilasse. A rapariga começou a pilar, mas com uma mágoa tão grande que as lágrimas não paravam de lhe escorrer pela cara. Enquanto pilava ia-se lamentando: —Quando estava em casa da minha mãe não costumava pilar... Ao dizer estas palavras, a rapariga, sempre a pilar e juntamente com o pilão, começou a sumir-se pelo chão abaixo, por entre as pedras que, misteriosamente, seafastavam. E foi mergulhando, mergulhando... até desaparecer. Extraído da obra Contos populares moçambicanos (Ndjira, 1997), organizada por Eduardo Medeiros. Veja mais aqui, aqui, aqui & aqui.

ARTE DE VIVIANA DURANTE - A arte da bailarina italiana Viviana Durante, autora da obra Ballet: the definitive illustrated story (DK, 2018), um guia visual da história do balé, com fotografias sugestivas que capturam bailarinos famosos e histórias importantes de balé, destacando o trabalho de Margot Fonteyn, Carlos Acosta e Darcey Bussell, entre outros, efetuando uma abordagem desde as origens na corte e nas primeiras empresas nacionais de balé, até a cena contemporânea e locais extraordinários que encenam. A autora foi considerada uma das maiores bailarinas dramáticas de sua geração. Veja mais aqui.

A OBRA DE VIVIANE MOSÉ
A solidão é a base da dignidade. a dor da alma nada mais é do que seus limites se rasgando para caber mais mundo. o homem precisa de algum conhecimento pra sobreviver, mas pra viver precisa da arte.
A obra da poeta, filósofa, psicóloga e psicanalista capixaba, Viviane Mosé aqui e aqui.


ADA LIMÓN, MÓNICA BUSTOS, LETÍCIA CESARINO, ANUNA DE WEVER & O RECIFE DE CESAR LEAL

    Imagem: Acervo ArtLAM . Ao som dos álbuns Olho D'água (1979), Revivência (1983), Rio Acima (1986), Ihu - Todos Os Sons (1996),...