domingo, março 10, 2013

AYN RAND & TECA CALAZANS, DANNY REIS, TATIANA ROCHA, VALÉRIA OLIVEIRA, NATÁLIA MALLO E DANI LASALVIA

O OBJETIVISMO DE AYN RAND: A REVOLTA DE ATLAS – [...] Um ligeiro tremor na voz dele lhe deu uma súbita revelação de quanto o interesse e o pedido de Dagny tinham significado para ele e de que a decisão não tinha sido fácil.  – Kellogg, há alguma coisa que eu possa oferecer para você ficar? – Nada, Srta. Taggart. Nada neste mundo. Ele se voltou para deixar a sala. Pela primeira vez na vida ela sentiu-se perdida e derrotada. – Por quê? – perguntou ela, sem se dirigir a ninguém. Ele parou. Deu de ombros e sorriu. Era como se ele voltasse à vida, e aquele era o sorriso mais estranho que ela jamais vira: continha um contentamento interior e secreto, e desânimo, e infinita amargura. E ele disse: – Quem é John Galt? A NASCENTE – [...] James Taggart estava sentado à mesa de trabalho. Parecia um cinquentão que tivesse chegado a tal idade diretamente da adolescência, sem passar pelo estágio intermediário da juventude. Tinha a boca pequena e petulante e alguns raros fios de cabelo se elevavam na fronte calva. Seu ar desleixado e sua má postura pareciam desafiar o corpo alto e esguio, cuja elegância, condizente com a de um aristocrata confiante, transformava-se na falta de jeito de um palerma. A pele do rosto era pálida e macia. Os olhos, mortiços e velados, em movimentos lentos e incessantes, deslizavam pelas coisas como num eterno ressentimento por elas existirem. Parecia obstinado e gasto. Tinha 39 a nos. A VIRTUDE DO EGOISMO Num sentido popular, a palavra “egoísmo” é sinônimo de maldade: representa a imagem de um insensível e cruel assassino que passa por cima de pilhas de cadáveres para atingir os seus próprios fins, alguém que não se importa com qualquer ser humano e que tem como objetivo último a obtenção de gratificação pessoal com caprichos vãos num qualquer momento imediato. Todavia, a definição mais exata da palavra “egoísmo” dada pelo o dicionário é: preocupação com os nossos próprios interesses. Esta definição não encerra uma avaliação moral: não nos diz se a preocupação com os nossos próprios interesses é algo bom ou mau; nem nos diz o que de fato constitui os interesses do homem. Cabe à ética responder a estas questões. Como resposta, a ética do altruísmo criou a imagem do ser humano insensível, de forma a levar o homem a crer em dois princípios básicos: a) que, independentemente da sua natureza dos seus interesses, cuidar deles é algo mau e b) que a atividade do ser humano insensível é, de fato, o resultado do seu próprio interesse (ao qual o altruísmo nos impõe renunciar para o bem daqueles com quem convivemos).  Dando uma perspectiva da natureza do altruísmo, das suas consequências e da grandeza da corrupção moral a que dá origem, dou o exemplo do meu livro Atlas Shrugged – ou de qualquer cabeçalho da imprensa atual. O nosso foco de análise é as deficiências do altruísmo no domínio da teoria ética. Há duas questões morais que o altruísmo agrupa num único “pacote”: 1) O que são valores? 2) Quem deveria ser o beneficiário dos valores? O altruísmo substitui a segunda questão pela primeira: escapa à tarefa de definir um código de valores morais, deixando, assim, o homem sem qualquer orientação moral. O altruísmo defende que qualquer ação feita em benefício dos outros é boa e que qualquer ação feita em prol de interesses próprios é má. Deste modo, o beneficiário de uma ação é o único critério de valor moral – e desde que o beneficiário não seja o próprio agente da ação, tudo é aceitável. Sob todas as variantes da ética altruísta se pode avaliar a terrível imoralidade, a injustiça crônica, o grotesco valor dos dois pesos e duas medidas, os conflitos e contradições insolúveis que caracterizaram as relações e sociedades humanas ao longo da história. [...] A ética objetivista defende que o agente tem de ser sempre o beneficiário da sua ação e que o homem deve agir em função dos seus próprios interesses racionais. Porém, este direito resulta da sua natureza de homem e da função dos valores morais na vida humana. Por isso, é apenas aplicável num contexto de código de valores racional e objetivamente demonstrado e validado, o qual define e determina o verdadeiro interesse próprio do homem. Não é uma autorização para fazer “o que lhe apetece” nem se aplica à visão altruísta do insensível cruel e “egoísta” nem a qualquer outro homem motivado por emoções irracionais, sentimentos, vontades súbitas ou caprichos. Esta ideia é apresentada como um aviso contra o tipo de “egoístas nietzschianos”, que são efetivamente um produto da moral altruísta e representam o outro lado da moeda altruísta: aqueles que creem que, independentemente da sua natureza, qualquer ação é boa se dirigida ao benefício do próprio agente, tal como a satisfação de desejos irracionais – quer de si próprio quer de si próprio quer dos outros – não constitui critério de valor moral. A moralidade não é um concurso de caprichos. AYN RAND -  A escritora, dramaturga, roteirista e filósofa norte-americana Alisa Zinov'yevna Rosenbaum, ou apenas Ayn Rand (1905-1982), desenvolveu o sistema filosófico chamado de Objetivismo por meio das suas obras A Nascente e A Revolta de Atlas, nas quais dramatiza seu homem ideal, o produtor que vive por seu próprio esforço e não dá nem recebe o imerecido, que honra as conquistas e rejeita a inveja. Ela projetou uma escola de arte chamada “Realismo Romântico”, no qual os artistas românticos realistas iriam combinar um compromisso com a apresentação de cenas verossímeis estabelecidos em algo como o mundo real com os ideais de um novo romantismo, que desse forma às cenas, melodias e histórias para apresentar o caráter essencialmente heroico do homem. Em seus próprios romances a autora desenvolveu um estilo de “realismo tendencioso” que envolveu ricos personagens em torno de tramas centradas em princípios-chaves e ideias. Além disso, ela criou o objetivismo que é a filosofia do individualismo racional fundado com base de que não há nenhum objetivo moral maior do que atingir a felicidade. Essa filosofia politicamente defende o capitalismo laissez-faire, entendendo o capitalismo, um governo estritamente limitado a proteger o direito de cada um a vida, liberdade e propriedade proíbe que qualquer um inicie força contra outros. Os heróis do objetivismo são empreendedores que criam negócios, inventam tecnologias, criam arte e ideias, dependendo dos seus próprios talentos e das trocas com outras pessoas independentes para alcançar seus objetivos. É, portanto, otimista, sustenta que o universo é aberto para as conquistas humanas e felicidade e que cada pessoa tem consigo a habilidade de viver uma vida rica, realizada e independente. Para a autora, o Objetivismo é um sistema completo de pensamento que demarca posições em todos os principais campos da filosofia. É uma corrente que é contra todas as formas de relativismo metafísico ou idealismo e sustenta que é simplesmente absurdo falar de qualquer coisa “sobrenatural” – literalmente além ou acima da natureza. A ética objetivista reconstrói a moralidade a partir do zero e, por outro lado, foi feito para a era do capitalismo industrial, ensinando o que ficou claro com o enriquecimento do ocidente: que uma harmonia de interesses existe entre indivíduos racionais, de que o beneficio de um indivíduo não necessita advir por meio do sofrimento de outrem. Assim, sustenta que o propósito da moralidade é definir um código de valores de apoio a vida humana. E os valores do Objetivismo são os meios para a conquista de uma vida feliz. Eles incluem coisas como riqueza, amor, satisfação no trabalho, educação, inspiração artística e muito mais. A ética objetivista é um código que honra a realização e aconselha a celebração, não a inveja, pela grandeza. Ela honra a criatividade não só de artistas ou estudiosos, mas de produtores em cujos ombros a civilização descansa: industrialistas e engenheiros, investidores e inventores. Ela sustenta que qualquer trabalho é espiritual quando pensado e feito, não importa qual a escala de realização, do trabalhador da linha de produção ao chefe executivo da empresa, e do secretário mais desconhecido para a estrela de cinema mais famosa. Em suma, o objetivismo enfatiza as noções de individualismo. autossustentação e capitalismo, preconizando o individualismo filosófico e o liberalismo econômico. Essa filosofia possui uma base aristotélica, advogando que o ser humano é dotado de capacidade racional e deveria observar o mundo através do único meio possível de fazê-lo: a lógica. Este complexo filosófico é sustentando por cinco pilares: a metafísica como realidade objetiva; a epistemologia pela razão; a ética pelo autointeresse; a política pelo liberalismo e capitalismo; e a estética pelo juízo de valor metafísico. Veja mais aqui e aqui.

REFERÊNCIAS
RAND, Ayn. A nascente. São Paulo: Arqueiro, 2013.
______. A virtude do egoísmo – a verdadeira ética do homem: o egoísmo racional. São Paulo: Ortiz, 1991.
______. A revolta de Atlas – 3 volumes. São Paulo: Arqueiro, 2010.


Curtindo o primorosíssimo cd da cantora, compositora e atriz capixaba TECA CALAZANS. Para quem não conhece ainda não sabe o que está perdendo. Este novo album consagra a sua sempre charmosa, elegante e sensivelmente maravilhosa expressão de artista. Este cd celebra vários encontros. O principal deles, o da música de Meira e Maurício Carrilho com o talento privilegiado de Teca Calazans. E assinala um importantíssimo reencontro: o da canção popular com o melhor sentimento lírico brasileiro. É estimulante ver Paulinho Pinheiro e Fernando Brant recuperarem a elegância e a inteligência poéticas, junto ao talento de Maurício Carrilho que, a exemplo de seu mestre Meira, reintroduz na canção as refinadas inflexões da valsa e do choro. Assim, mais que tudo, este cd celebra o reencontro da nossa canção com a verdadeira alma brasileira, que é - e sempre foi - o que nós temos de melhor. Salve, salve, Teca!



Danny Reis começou a cantar em 2001, no coral da Associação Scholem Aleichem - ASA. Passou também pelo Centro Musical Antônio Adolfo e pela Escola Villa-Lobos. Suas primeiras participações foram no show do cantor Eduardo Braga (ex-BR6), em 2004, e no projeto “Todo Canto”, com os cantores Maisa Dillem, Vico e Verena Widmer, em setembro de 2005, no Espaço Cultural Correia Lima, no Catete/RJ. A cantora tem como principais influências grupos vocais como Folia de 3, BR6 e Arranco de Varsóvia e as cantoras Clara Nunes, Monica Salmaso, Roberta Sá, Ceumar e Marianna Leporace. Contato para shows: (21) 8105-2671 E-mail: dannyreis@gmail.com Site: www.myspace.com/dannyreismusic


TATIANA ROCHA - Belíssima página da cantora & compositora niteroiense Tatiana Rocha. Lá você terá idéia do universo desta excelente artista, conferindo sua discografia, textos, fotos & agenda. Imperdível. Não deixe de conhecer o excelente trabalho da Tatiana Rocha.

A cantora e compositora potiguar Valéria Oliveira lançou em 2009 o cd No ar. O seu sexto CD, Leve Só As Pedras, de 2007, foi produzido em parceria com Kazuo Yoshida. O álbum traz canções de Roberto Carlos (Quando) e Lula Queiroga e Lenine (O Último-Pôr-do-Sol), além de composições próprias como A Nova (com Ângela Castro e Khrystal) e Pensando em Ti (com Simona Talma), entre outras. Em 2006, a artista lançou o disco em Natal, RN, e depois seguiu em turnê pela Suíça, mostrando o trabalho de forma acústica em salas de concerto como La Fourmilliére, em Villaraboudt, Fribourg. Formada em Engenharia Civil na Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Valéria Oliveira, deixou a carreira, em 1999, para se dedicar à música. Lançou dois CDs independentes Impressões e Lanterna do Futuro, em 1997 e 2001, respectivamente. Depois vieram os álbuns Valéria Valéria Oliveira (2001), Canto Livre (2002) e Imbalança (2004, este com participação de Edu Lobo na faixa Chegança); os três últimos citados foram produzidos por Kazuo Yoshida e distribuídos no Japão. Valéria já dividiu o palco com Leila Pinheiro, Renato Braz, Belô Veloso e realizou turnê ao lado de Wanda Sá.  Confira o talento da cantora acessando Valéria Oliveira.


Foto: Alexandre Palo.

A cantora Natália Mallo lançou seu primeiro CD solo, Qualquer Lugar em 2007  que mistura uma atmosfera de música erudita com canção e música pop. Desde que chegou ao Brasil, há mais de dez anos, Natália vem preparando seu álbum de estréia e Qualquer Lugar é a quinta versão do trabalho solo dessa argentina que já veio sem o sotaque portenho e com o tempo aprendeu a perder o sotaque das influências musicais. Mariá Portugal – integrante do grupo Trash Pour 4, ao lado de Natália Mallo - assina a co-produção do CD, uma parceria essencial na concepção estética do disco que, segundo Natália, “soa um pouco hermético, mas pro bem ou pro mal, tem um clima, é instigante”. A multi-instrumentista Natália Mallo é filha de um escritor, roteirista e dramaturgo que tinha como disco de cabeceira Mel de Maria Bethânia, além da coleção original dos Beatles. Começou a aprender música aos oito anos e seguiu estudando canto, harmonia, percepção, áudio e produção musical. Veio ao Brasil visitar a Bahia e logo depois voltou para percorrer o País de mochila nas costas. Mudou-se definitivamente para São Paulo, em 1995. Confira o talento da cantora Natalia Mallo.


A cantora, compositora e violonista Dani Lasalvia lançou em 2006 seu primeiro CD (duplo), Madregaia. No repertório, a artista mostra algumas canções próprias e músicas de outros compositores como Jean Garfunkel e Lony Rosa (Tietê Meu Rio), Daniel Sanches (Água de Mani), Edvaldo Santana (Variante), Geraldo Espíndola (Kikyô), Edu Santana e Juca Novaes (Samba das Índias), Heitor Villa-Lobos (Melodia Sentimental), Chico Buarque e Vinícius de Moraes (Valsinha) e Chico César (Feixe), entre outras. O resultado é uma seleção variada com influência da world music e da música regional brasileira, uma das conseqüências de sua parceria com o multi-instrumentista Dércio Marques, que assina a direção artística do álbum. A paulista Dani Lasalvia, 33 anos, estudou piano (dos sete aos 15 anos); canto lírico, percussão vocal e corporal e violão. Passou uma temporada em Moscou para aperfeiçoamento em canto lírico, no Conservatório Tchaikovsky. Voltando ao Brasil, focou seu trabalho em canto popular. A cantora chega ao disco depois de participar de três edições do projeto Prata da Casa, idealizado pelo Sesc Pompéia. Confira o talento da cantora Dani Lasalvia .




Veja mais sobre:
A mulher no cristianismo, Fernando Sabino, Francisco Mignone, Júlio Bressane, a pianista Lilian Barreto, a poesia de Germana Zanettini, a história de Teodora & Marózia, Rodrigo Luff, a arte das atrizes Adrienne Lecouvreur & Bel Garcia, Manoela Afonso & Relacionamentos pós-modernos aqui.

E mais:
As sombras de Gilvanícila, Rainer Werner Fassbinder, Ângelo Cantú, The Dresden Dolls, Heloisa & Abelardo, Barão de Itararé, Claudia Pastore, Rosel Zech, Demócrito Borges & Isabela Morais aqui.
A poesia de José Marti aqui.
Fecamepa & a arenga pela corrupção, Radamés Gnatalli, a literatura de Anton Tchekhov & Germaine Greer, a neurocientista Linda Buck, Emmanuelle Seigner & Clóvis Graciano aqui.
A anarquia de cores de Iara Vichiatto aqui.
Ná na garganta, Jan Cláudio & Eduardo Proffa aqui.
Aprender a aprender aqui.
Entrevista direto do Japão com a nutricionista Simone Hayashi aqui.
Musa Tataritaritatá: ih, deu chabú aqui.
A primavera de Ginsberg, libelo & anátema aqui.
Big Shit Bôbras: liderança, a segunda emboança aqui.
A primavera de Ginsberg, Frederick Chopin, a pintura de Karl Briullov, a pianista Valentina Igoshina, o teatro de Paula Vogel, o cinema de Jane Campion, a arte de Andréa Beltrão & Meg Ryan, Direitos Humanos, Cordel do Professor & Mademoiselle Dubois aqui.
O pensamento de Noam Chomsky aqui.
Palmares aqui.
Caetés & a História do Brasil aqui.
O teatro de Brecht, Stanislavski, Bornhein, estudos & história aqui.
A teoria interpessoal de Harry Arack Sullivan, Irina Costa, Danny Calixto, Bernadethe Ribeiro, Daniella Alcarpe, Débora Ildêncio & Rose Garcia aqui.
Litisconsórcio, Tavito, Bruno Vinci & Teco Seade aqui.
Psicologia na Educação & Bandas Alagoanas: Eek, Gato Zarolho & Palhaço Paranoide aqui.
Poetas do Brasil aqui, aqui e aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA;
Veja Fanpage aqui e mais aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra: 
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja os vídeos aqui & mais aqui e aqui.




VINICIUS, MIGUEL ASTURIAS, ORTEGA Y GASSET, CAMILLE CLAUDEL & RICHARD MARTIN

IARA, IARAVI – Um dia Fiietó se apaixonou. E ele com a sua força e firmeza no braço, altivez de porte e agudez de vista, dominava a matari...