quinta-feira, abril 09, 2015

BAUDELAIRE, LENINE, JESSIVA, HELONEIDA, MAZZAROPI, SEVERINI & MUYBRIDGE.


BIBLIOTECA – A primeira biblioteca foi a do meu pai. Ainda menino, eu passava horas e horas todos os dias remexendo nos livros – aprendi a ler por volta dos cinco anos e adorava procurar figuras nas coleções. Depois de ler as coleções de Machado, Graciliano, Érico, Dostoiévski, Dickens, Lobato, entre outros, passei a bisbilhotar na Biblioteca Pública Fenelon Barreto, na qual a professora e bibliotecária Jessiva Sabino de Oliveira sempre acolhedora, atenciosa e duma afetiva bondade de incentivo à leitura, me deu espaço para mergulhar de cabeça no universo maravilhoso que é o livro. Foi ela que me iniciou na leitura das peças teatrais e romances de Hermilo Borba Filho, na poesia de Ascenso Ferreira, os clássicos, os malditos & proibidos, os vanguardistas e os da torre de marfim, afora dispor todo o acervo para o meu prazer. Por causa disso virei consumidor compulsivo de bibliotecas e livrarias, mantendo sempre o hábito de pregar os olhos em páginas e páginas de um bom livro. Veja mais aqui.

Imagem: Naked woman ink drawing, do pintor italiano Gino Severini (1883-1966)

Ouvindo: o álbum ao vivo Lenine Acústico (MTV Brasil, 2006).

AS FLORES DO MAL – O poeta, crítico de arte e tradutor francês Charles Baudelaire (1821-1867) possui uma história para lá de instigante. Órfão de pai, foi repudiado pela família por sua precoce vocação literária. Enviado para a Índia em 1841, com a intenção de frustrar suas veleidades artísticas, regressou à França no ano seguinte, dedicado a entregar-se definitivamente à literatura. Dissipou seus bens nos meios boêmios, com bebida, narcóticos e mulheres, ocasião em que conheceu a mulata Jeane Duval, inspiração de muitos poemas. Outras musas de poesia foram Mme. Sabatier e a atriz Marie Daubrun. Ao publicar As flores do mal (1857), foi processado por haver veiculado blasfêmias e obscenidades através de suas poesias. Desse livro destaco O letes, na tradução de Jamil Almansur Haddad: Vem ao meu coração, surda alma irada, / tigre adorado, meu monstro indolente; / quando afundar a minha mão tremente / na tua espessa crina tão pesada. / Nas tuas saias perfumadas, junto / ao teu colo, enterrar fronte saudosa, / e respirar, como fanada rosa, / doce bolor do meu amor defunto. / Quero dormir! O sono em vez da vida! / Num sono doce como a morte eu posso / estender os meus beijos sem remorso / nesta carne de cobre tão polida. / Para engolir os meus mudos arquejos / nada me vale o abismo de teu leito; / tens nos lábios o olvido mais perfeito / e o Letes vai fluindo nos teus beijos. / Ao meu destino que é doçura e vício, / servo serei como um predestinado; / mártir sem culpa, dócil condenado, / porém cujo fervor chama o suplício. / Depois para afogar minha aflição / cicuta eu sugarei como nepentes / nas pontas de teus seios tão trementes / onde nunca bateu um coração. Veja mais aqui e aqui.

O ESTANDARTE DA AGONIA – No livro O estandarte da agonia (Nova Fronteira, 1981), da escritora, jornalista, teatróloga e militante política Heloneida Studart (1932-2007), destaco o seguinte trecho: [...] O Fusca parou no sinal vermelho de um cruzamento: um garotinho se adiantou e ofereceu ao motorista uma minúscula tartaruga [...]. Argemiro sentiu súbita vontade de rir: encontrava-se num mundo em que se vendiam tartarugas nas esquinas, quebravam-se os dentes de um adolescente a murros e uma donzela protestante vestida em seu uniforme de nácar, era capaz de delatar o médico imprudente. Dona Delfina, esposa do general, detestava barulho. [...] Acordava à noite, dizendo que haviam ligado uma sirene à sua cama. Andava pela casa com um dedo nos lábios, dois chumaços de algodão nos ouvidos. [...]  – Já se passaram vinte anos desde que perdeu o filho único – disse a empregada, suspirando. Vesti uma calça comprida e uma blusa e saí para a rua. Algumas donas de casa passavam com suas sacolas. No pardieiro da rua fronteira, os rádios de pilha estavam ligados. A doçaria onde meu filho fora preso já abrira a porta de aço e moça manca talvez estivesse tentando dizer aos primeiros fregueses que os doces não eram os mesmos da véspera. Veja mais aqui.

O JECA MAZZAROPI – Toda minha infância e adolescência foi marcada pela arte do ator, diretor e comediante brasileiro Amácio Mazzaropi (1912-1981). Não perdia um filme dele que estivesse em cartaz no Teatro Cinema Apolo ou no Cine São Luiz. Aparecesse ele na tela, lá estava eu, primeiro da fila, ancho para ver suas presepadas. Desde o Sai da Frente (1952) até o Jeca e a égua milagrosa (1980) – salvo engano, ao todo trinta e dois filmes -, o que passou nos cinemas da minha terrinha boa, assisti. Ainda hoje quando ligo a TV que ele aparece, não faço a menor cerimonia e me aboleto para rever. Por isso a minha homenagem a esse grande artista. Veja mais aqui.

FOTO DO DIA
 Imagem do fotógrafo inglês Eadweard Muybridge (1830-1904)


Veja mais sobre:
Ganhar o mundo no rumo das ventas, O mito e a política de Jean-Pierre Vermant, a literatura de Cesare Pavese, a pintura de Eugène Delacroix & Caroline Vos, a música de Wagner & Hélène Grimaud aqui.

E mais:
Brincarte do Nitolino, o Tratado Lógico-Filosófico de Ludwig Wittgenstein, o Teatro Futurista de Filippo Marinetti, a literatura de Azar Nafisi, a pintura de Eugène Delacroix, a música de Nelson Freire, a fotografia de John De Mirjian, Augustine de Charcot, a arte de Stéphanie Sokolinski, a cangaceira Dadá & Maria Iraci Leal aqui.
Do espírito das leis, de Montesquieu aqui.
Caxangá, a literatura de Cervantes & Lima Barreto, o Abstracionismo & Vassili Kandinsky, a música de Sainkho Namtchylak, o cinema de Anthony Minghella & Gwyneth Kate Paltrow, a pintura de Guido Cagnacci, a arte de Adelaide Ristori & Clara Sampaio aqui.
A poesia de Gabriela Mistral & William Wordsworth, a literatura de Gregório de Matos Guerra & Ana Miranda, o cinema de Krzysztof Kieslowski & Irène Jacob, a música de Ravi Shankar & a pintura de Almada-Negreiros aqui.
Brincarte do Nitolino & Lendas do Nordeste, Buda, O caso Anna O de Freud & Bertha Pappenheim, A fenomenologia de Edmund Husserl, a poesia de Basílio da Gama, o teatro de Edmond Rostand, a pintura de Sergei Semenovich Egornov, a música de Steve Howe & a arte de Anne Brochet aqui.
O que deu, deu; o que não deu, paciência, fica pra outra, A teoria das emoções de Jean- Paul Sartre, a literatura de Dyonélio Machado, O fim da modernidade de Gianni Vattimo, a pensamento de Friedrich Nietzsche, Neurofilosofia & Neurociência, a música de Laurence Revey, a pintura de Fernando Rosa & Jonas Paim, a fotografia de Faisal Iskandar & O sisifismo na segunda de outra semana aqui.
Para quem vai & para quem vem, A filosofia da linguagem de Mikhail Bakhtin, a Fenomenologia & o fenômeno de Armando Asti Vera, A gaia ciência de Friedrich Nietzsche, a música de Djavan, a fotografia de Gal Oppido, a pintura de João Evangelista Souza, A pancada insólita se alastra na culatra: viver, a arte de Luciah Lopez & Elciana Goedert aqui.
Se o sonho pra se realizar está custoso demais, paciência..., As origens da vida de Jules Carles, Elementos da dialética de Alexander Soljenítsi, a poesia de Gilka Machado, a música de Álbaro Henrique, a fotografia de Camila Vedoveto, A gaia ciência de Friedrich Nietzsche, As torturas prazerosas de Quiba, Aos futuros poetas de J. Martines Carrasco, a arte de Fernando de La Rocque & Fernando Nolasco aqui.
Quando a poluição torna o ar irrespirável, a vida vai pro beleleu, O mundo de Albert Einstein, a literatura de Imre Kertész, a Educação de Dermeval Saviani, A gaia ciência de Friedrich Nietzsche, a música de Mafalda Veiga, A pluralidade cultural de Manuel Diégues Júnior, a fotografia de Eustáquio Neves, a pintura de Evelyn Hamilton, a fotografia de Cida Demarchi & Os erradios catimbós de Afredo aqui.
Quem, nunca aprendeu a discernir entre o que é e o que não é, jamais aprenderá a votar, a literatura de Marguerite Duras & Stanislaw Ponte Preta, o pensamento de Friedrich Nietzsche, O combate à corrupção, a música de Miriam Ramos, o Conhecimento de Cipriano Carlos Luckesi, a arte de Lenora de Barros, a fotografia de Ed Freeman, Luciah Lopez & O amor é tudo no clarão dos dias e na escuridão das noites aqui.
Lasciva da Ginofagia aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.
História da mulher: da antiguidade ao século XXI aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Art by Walter Levy
Veja Fanpage aqui & mais aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja os vídeos aqui & mais aqui e aqui.


JAMES JOYCE, DELEUZE, JOAQUIM CARDOZO, AGAMBEN, RODOLFO AMOEDO, ARRIGO BARNABÉ & VÂNIA BASTOS, LUCIAH LOPEZ, NA ERA DO RADIO & BEZERROS

COMEÇAR, RECOMEÇAR & DOIS MILHÕES DE BEIJABRAÇÕES - Imagem: foto de Alexandre Buisse – A vida pra ser vivida é feita de ação, movimen...