terça-feira, novembro 02, 2010

MARIO DE ANDRADE, HORKHEIMER, WASHINGTON IRVING, MUYBRIDGE, TRABALHO, NADJÂNIA GOMES, EU & ELA NO JEJU LOVELAND


A arte do fotógrafo britânico Eadweard Muybridge (1830-1904). Veja mais aqui e aqui.


EU & ELA NO JEJU LOVELAND - Como sempre ela chega de forma inusitada para me surpreender com seu jeito inheto de se acercar dos meus domínios. Não há fortaleza, fonteira ou batalhão que ela não usurpe na minha lucidez. O seu beijo ardente sempre é a chave exata para suplantar qualquer limite e me convida para uma viagem às paragens mais distantes e a roubar do meu senso qualquer possibilidade de firmeza no meu ser Anteu. Nem podia ser de outro jeito, vez que ela logo se entrega nua, vestes despencadas, corpo sedento para ampliar a gula da minha cobiça. Ao primeiro contato de seus lábios nos meus já estávamos no nosso Jeju Loveland, misturando nossas carnes às mais buliçosas formas de nos entregarmos um ao outro, perdendo a noção de tudo. E somos grama, toldos e bancos. E somos botão, galhos e pétalas minguando no chão. E somos o passeio louco das labaredas, acrobatas no passeio das alamedas, numa pugna amável de buscar a melhor forma de se amar. Eu já me sentia um dos graduados da Honjik University, de Seul, e modelei sua geografia e moldei seu corpo para produzir esculturas nunca dantes manipuladas por minhas mãos errantes que sentiam a vitalidade do seu corpo trêmulo a se render às minhas investidas. Ela era só uma inquietude inexplicável, dada, doada, toda minha e da forma que eu quisesse. Aos beijos demorados, já sentia a súplica do seu desejo pelo tomada da posse que eu devia subjugá-la sem reservas ou pudores, a explodir todas as dimensões de 8 ao 80 ampliadas pelos esfregões, roçados, apertões, alisados, enleios, arrastados, até a sofreguidão da batalha amável das conjugações. Sempre alada, ela estava toda minha nos meus braços, com os ductos dos seios duros, a pele arrepiada, o ventre minando, as pernas inquietas e sedentas, o coração aos pulos e o ser tremulando de volúpia. Afaguei-lhe os seios e apalpei seu sexo. Ela desfalecia suspirando como a pedir da minha língua a ciência de todos os seus mais apetitosos sabores. E eu servo cão a lamber sua carne e suas entranhas para que desmaiasse deliciada a gritar o gozo mais exaltado de todos os seus orgasmos. E na quentura de nossas ebulições, ela se virou, vergou alucinada e sentou-se no meu colo. E foi ajeitando tatilmente o meu membro rijo por suas maciais entranhas. E gemeu e se assanhou. E remexeu e rebolou, saracoteou. E acendeu a alma para voarmos nus para El Parque Del Amor, em Miraflores, Lima no Peru, quando entregues um ao outro fizemos a pose da escultura de Victor Delfin. Bafejei meu gozo na sua nuca e ela agarrando-se a mim ainda de costas, solfejou Latin Lover, insinuando a dança “Dois pra lá, dois cá” de Bosco e Aldir, e inauguramos o parque temático de Chongqing que depois foi demolido pela violência das minhas investidas no seu pódice, segurando suas ancas para que não fugisse ao ser arrastado pelas traquinagens que me fez bicicleta para ela pedalar impune ciclista nua pelas ruas de Londres ou como a modelo de Munch ou de Enrico Bianco pelas ruas de Paris. E já estávamos em Barrow Wake, Cotswold, na Official Dogging Area completamente molhados de prazer e prontos para a verdadeira vida quando fomos expulsos e afugentados para o interior da nossa mais profunda intimidade. A lua tomou conta e adormecemos felizes noite adentro até que o dia raiasse e refizéssemos todas as estripulias inimagináveis de toda satisfação humana. © Luiz Alberto Machado.. Veja mais  aquiaqui.

DITOS &DESDITOS - A arte é uma doença, é uma insatisfação humana: e o artista combate a doença fazendo mais arte, outra arte. Fazer outra arte é a única receita para a doença estética da imperfeitção. Pensamento do escritor Mario de Andrade (1893-1945). Veja mais aqui e aqui.

ALGUÉM FALOUA história dos esforços humanos para subjugar a natureza é também a história da subjugação do homem pelo homem. Pensamento do filósofo e sociólogo alemão Max Horkheimer (1895-1973). Veja mais aqui.

HISTÓRIA DO TRABALHO – [...] A palavra trabalho deriva etimologicamente do vocábulo latino tripaliare e do substantivo tripalium, aparelho de tortura formado por três paus, ao qual eram atados os condenados e que também servia para manter presos os animais difíceis de ferrar. Daí a associaçãodo trbalho com tortura, sofrimento, pena, labuta. [...]. Trecho extraído da obra Filosofando: introdução à filosofia (Moderna, 2003), de Maria Lúcia de Arruda Aranha e Maria Helena Pires Martins. Veja mais aqui e aqui.

RIP VAN WINKLE – [...] O despotismo da saia... Felizmente também esse despotismo desaparecera; estava ele com o pescoço fora da canga matrimonial, podendo ir para onde quisesse, sem aquele antigo pavor da tirania de Dame van Winkle. Apesar disso, sempre o nome da esposa era mencionado, ele sacudia a cabeça ou dava ao destino como alegria de ver-nos livre de alguém. [...] trecho do conto do escritor, historiador e diplomata estadunidense Washington Irving (1783-1859). Veja mais aqui.

SONETO DE EVOCAÇÃO E AGRADECIMENTO - No meu mundo interior, era contigo / que minh’alma sonhava. De repente, / os meus olhos e os teus – choro se o digo - / se encontraram, felizes, ternamente... / Era dançante a noite, muita gente / nos cerca – e lembra-la nem consigo - / mas o teu doce olhar ao meu fremente / coração dominou. Trago-o comigo. / Pois no íntimo do ser – viva lembrança / que o luar daquela noite inda abençoa - / tornou-se realidade uma esperança. / Obrigada! Te digo com fervor: / a ti devo o que a vida tem de boa, / meu poeta! Meu sonho! Meu amor! Poema da arquiteta, urbanista e poeta Nadjânia Gomes.

 A arte do fotógrafo britânico Eadweard Muybridge (1830-1904). Veja mais aqui e aqui.


Veja mais sobre:
Vou pro cinema, Isaac Bashevis Singer, Natasha Bedingfield, Ferdinand Saussure, Dušan Makavejev, Javier Arizabalo, Pedro Bismarck, Susan Anspach, Annie Bidal & Ivo Korytowski aqui.

E mais:
Vade-mécum – enquirídio: um preâmbulo para o amor aqui.
A cidade, a urbanização e as enchentes aqui.
Saúde na bunda aqui.
Close, Albert Einstein, Turíbio Santos & Silvio Barbato, Alcides Nogueira, Takeshi Kitano, Dahlia Thomas, Alain Bonnefoit, Neurociência, Enaura Quixabeira Rosa e Silva, Kayoko Kishimoto, Raul Longo, & Todo dia é dia da mulher aqui. 
Ânsia do prazer, Educação Sexual, Gustave Charpentier, Paulo Cesar Sandler, Beth Goular, Hironobu Sakaguchi, Ming-Na Wen, Jeremy A. Engleman, Existencialismo & Alienação na Literatura, Linguistica & Poética, Masturbação & auto-erotismo, Neuroanatomia, Voluntarismo & Ringue dos Bancos aqui.
O santo bode Frederiko aqui.
Doro Presidente aqui.
Igreja Bidiônica do Final dos Tempos aqui.
Moto perpétuo, Martin Buber, T. S. Eliot, Carl Nielsen, Mário Viana, Petr Kanka, Cecília Zilliacus, Kamila Stösslová, Zuzana Vejvodova, Hope 2050, Rick Nederlof, Francisco Zuniga, Teoria da forma literária, Psicologia na formação docente, Metodologia das ciências sociais & O Ponto G aqui.
Saúde no Brasil, HapVida-HapMorte & Derinha Rocha aqui.
Vers&prosa pra menina azul aqui.
Cantiga, Sócrates, Paul Dukas, Alceu Amoroso Lima, Leila Miccolis & Sociedade dos Poetas Vivos, Sergi Belbel, Mariana Paunova, Nagisa Oshima, Milena Olesinska,  Merello, Pesquisa em ciências sociais & Derinha Rocha aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Leitoras comemorando a festa do Tataritaritatá!
(Arte Ísis Nefelibata)
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra:
 Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.








LILI & MAIAKOVSKI, VALIE EXPORT, RAIMUNDO MAGALHÃES JÚNIOR, JACINEIDE TRAVASSOS & ANCHIETA DALI

LILI, MULHER AMADA - Simples como um mugido, sou sem um vintém no bolso, faminto às andanças, sem teto: minha casa é a rua futurista n...