quinta-feira, fevereiro 20, 2020

MARIA MADALENA, MOLIERE, SARAH KANE, AURADON & GENINHA DA ROSA BORGES



NESSES TEMPOS DE FALSO-MORALISMO, SÓ APERTO O PITOCO DO FODA-SE & BABAU! – LÁ VAI UMA NA BASE DO ÓLEO DE PEROBA: Eita! Haja gente dissimulada nesses tempos líquidos! Não sei como a fábrica de óleo de peroba dá vencimento! O que há de camuflagem não dá para prever em nossa vã hipocrisia. Rolou, tá rolado. Os caras colocam a culpa na provocação: É que ela veio toda reboladeira, com quase tudo de fora, toda exibida e facilzinha, aí o juízo encurtou e a doidice lambeu os beiços! Como é? Por causa disso usam da licenciosidade e avançam no que acham que é moleza, assediam no maior chaveco e blá blá blá de derrubar avião, para sair cantando de galo: Abriu a guarda, mando ver; passo o rodo e como todas! Na horagá: a descompostura! Não é bem assim não, maloqueiro. Ela fecha a cara, a polícia bate na porta e o lero rola na defesa com ar de seriedade: Como é que é? Na caradura: assim e assado. Engaloba delegado, juiz e toda macharia engravatada (se o Coisonário insinua libidinagem com qualquer uma que lhe seja do contra, ora! Que é que se pode esperar?). Pudera, neste tempo de neopentecostal fundamentalismo as coisas quando andam vão para onde mesmo, hem? Pelo jeito, fica tudo pelo dito e não dito – só pra eles, os coisominios, né? E ainda posam de puritanos. Lembrei do Mencken: Mostre-me um puritano e eu lhe mostrarei um filho da puta! LÁ VÃO DUAS, APERTURAS: Moliére mesmo passou por maus bocados! Para ter uma ideia, os atores da época eram mal vistos pela opinião pública e excomungados pela igreja. Ele herdou do pai: tapeceiro da corte; trocou o palácio pelo teatro: foi ator toda sua vida. Tentou abrir um teatro, não deu; empepinou-se tanto que, por conta das dívidas, foi preso duas vezes. Solto, não deixou de causar e tanto e à beça, que até a sua morte virou uma lenda: morreu no palco representando o papel principal de sua última peça, Le Malade imaginaire! Melhor dizendo: encarnava ele um doente imaginário em cena, teve lá um troço e bateu as botas na ribalta, aí de verdade. Dois padres recusaram-lhe a extrema unção e um terceiro chegou quando já era tarde demais. Foi impedido de ser sepultado, porque era acusado pelo clero de representar o falso e o imoral. Graças à esposa dele, Armande, o rei Luís XIV conseguiu que ele fosse enterrado entre os nados-mortos, ou seja, os não batizados e, com um detalhe, durante a noite. Assim foi. E ele: Morre-se apenas uma vez, mas por tanto tempo! Eu prefiro viver dois dias na terra do que mil anos na história. EITA, EXPLICANDO: À BEÇA? Ah, a expressão deve-se a um teitei medonho de brabo! Seguinte: uma treta que envolvia o Tratado de Petrópolis, entre o cabeçudo Ruy Barbosa e o maior da lábia Barão do Rio Branco, fez o prosopopaico ministro demitir-se para advogar a causa do Amazonas de incorporação do Acre, apresentando, inclusive, projeto no senado. O Ruy era fodão mesmo, todo mundo sabe disso! Não perdia uma. Aliás, perdeu uma sim. Foi que um advogado sergipano virado na trepeça, Gumercindo Bessa (1859-1913), sabedor da barra mais que pesada, armou-se como pôde e apresentou argumentos esmagadores tão numerosos e abundantes em favor dos acreanos, que ganhou a causa na maior, tornando-se, por isso, figura respeitada nos meios forenses. O cara desbancou o Ruy, gente! Virou máxima: Você tem argumentos à Bessa, hem?... com o tempo, passou a ser à beça, demasiado, abundante, demasiado. E boco-moco, pacas! Serviu para encher linguiça & vamos aprumar a conversa! © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais abaixo e aqui.

DITOS & DESDITOS: [...] O apego à matéria gera uma paixão contra a natureza. É então que nasce a perturbação em todo o corpo; é por isso que eu vos digo: Estejais em harmonia… Se sois desregrados, inspirai-vos em representações de vossa verdadeira natureza. Que aquele que tem ouvidos para ouvir, ouça. Após ter dito aquilo, o Bem-aventurado saudou-os a todos dizendo: Paz a vós – que minha Paz seja gerada e se complete em vós! Velai para que ninguém vos engane dizendo: Ei-lo aqui. Ei-lo lá. Porque é em vosso interior que está o Filho do Homem; ide a Ele: aquele que o procuram o encontram. Em marcha! Anunciai o Evangelho do Reino. [...]. Trecho extraído da obra O evangelho de Maria Madalena (EME, 2018), de José Lázaro Boberg, reunindo o texto gnóstico encontrado no Codex Akhmin e adquirido por Carl Rheinhardt, em 1896. Este evangelho foi publicado em 1955, após o aparecimento da Biblioteca de Nag Hammadi. Trata-se do evangelho de Madalena ou Maria de Madgala, um texto encontrado no Egito do século IV, confrontando com o que sobreviveu em dois fragmentos gregos do século IIII e numa tradução mais longa para o copta do século V, por ser ela a figura feminina mais citada no Novo Testamento. Madalena era um dos apóstolos que narra episódio de Jesus, e que se comunicava com ele por meio de visões depois da ressurreição. Nesta obra, destaca-se ainda o trecho: [...] Maria Madalena se calou, pois até aqui o Salvador lhe tinha falado. Mas André respondeu e disse aos irmãos:"Dizei o que tendes para dizer sobre o que ela falou. Eu, de minha parte, não acredito que o Salvador tenha dito isso. Pois esses ensinamentos carregam ideias estranhas". Pedro respondeu e falou sobre as mesmas coisas. Ele os inquiriu sobre o Salvador:" Será que ele realmente conversou em particular com uma mulher e não abertamente conosco? Devemos mudar de opinião e ouvirmos ela? Ele a preferiu a nós?" Então Maria Madalena se lamentou e disse a Pedro: "Pedro, meu irmão, o que estás pensando? Achas que inventei tudo isso no mau coração ou que estou mentindo sobre o Salvador?" Levi respondeu a Pedro: "Pedro, sempre fostes exaltado. Agora te vejo competindo com uma mulher como adversário. Mas, se o Salvador a fez merecedora, quem és tu para rejeitá-la? Certamente o Salvador a conhece bem. Daí a ter amado mais do que a nós. É antes, o caso de nos envergonharmos e assumirmos o homem perfeito e nos separaremos, como Ele nos mandou, e pregarmos o Evangelho, não criando nenhuma regra ou lei, além das que o Salvador nos legou." Depois que Levi disse essas palavras, eles começaram a sair para anunciar e pregar. [...]. Há uma outra obra Maria Madalena - da Bíblia ao Código Da Vinci: companheira de Jesus, deusa, prostituta e ícone feminista (Zahar, 2018), de Michael Haag, analisando a forma como ela tem sido reinterpretada a cada época, desde a sua exaltação como esposa e principal apóstolo de Jesus, tornando-se no Renascimento a deusa da beleza e do amor, e na modernidade uma mulher forte e independente que se transformou em ícone feminista. Por fim, a obra Maria Madalena - O Evangelho Segundo Maria (Geração, 2018), de Armando Avena, um romance em que ela é tratada por Jesus como sua discípula amada e que se nega a casar com ele para salvá-lo da cruz. Imagem do pintor francês Jules Joseph Lefebvre (1834-1912). Veja mais aqui e aqui.

AS MÁXIMAS DE MOLIÉRE - A virtude é o primeiro título de nobreza; eu não presto tanta atenção ao nome desta ou daquela pessoa, mas antes aos seus atos. A virtude neste mundo é sempre maltratada; os invejosos morrerão, mas a inveja é poupada. Todos os vícios, quando estão na moda, passam por virtudes. Quase nos inspiram o desejo de pecar, os mil e um cuidados para o evitar. Prefiro um vício cômodo a uma virtude que fatigue. O escândalo do mundo é o que faz a ofensa, e pecar em silêncio não é pecar totalmente. Viver sem amor significa realmente não viver. Convém em certas ocasiões ocultar o que se traz no coração. Pensamento do dramaturgo, ator e encenador francês Molière (Jean-Baptiste Poquelin – 1622-1673). Veja mais aqui, aqui, aqui, aqui, aqui & aqui.

PSICOSE 4: 48, O TEATRO DE SARAH KANE
[...] Estou triste. Sinto que não há esperança no futuro e que as coisas não podem melhorar. Estou farta e insatisfeita com tudo. Sou um fracasso completo como pessoa. Sou culpada, estou a ser castigada. Gostaria de me matar. Sabia chorar mas agora estou para além das lágrimas. Perdi o interesse nas outras pessoas. Não consigo tomar decisões. Não consigo comer. Não consigo dormir. Não consigo pensar. Não consigo ultrapassar a minha solidão, o meu medo, o meu desgosto. Sou gorda. Não consigo escrever. Não consigo amar. O meu irmão a morrer, o meu amante a morrer, estou a matá-los aos dois. Invisto na direção da minha morte. Estou aterrorizada com a medicação. Não consigo fazer amor. Não consigo foder. Não consigo estar sozinha. Não consigo estar com os outros. As minhas ancas são grandes de mais. Não gosto dos meus órgãos genitais. Às 4:48, quando o desespero me visitar, enforco-me, ao som da respiração do meu amante. [...]
SARAH KANE - Trecho da peça teatral Psicose 4:48 – Teatro completo (Campo das Letras, 2001), da dramaturga inglesa Sarah Kane (1971-1999). Trata-se da última peça da autora que marca sua investigação da forma e nela as convenções usuais do teatro são fragilizadas, pois faz referência ao horário do dia em que “a vontade de se matar é mais intensa”, em que a relação entre corpo e mente é rompida entre espaçamentos, a falta de pontuação, a não-definição de onde falam as vozes e até mesmo a não-identificação de determinados trechos da peça. Em sua curta existência, escreveu apenas cinco peças de teatro, das quais a mais conhecida é, sem dúvida, Psicose 4.48, a derradeira delas, visto que, pouco tempo depois de finalizá-la, ela acabou se matando, enforcando-se no banheiro de um hospital de Londres, onde estava internada por causa de problemas psiquiátricos. Dela, alguns pensamentos recolhidos: Sou um plágio emocional, roubando a dor de outras pessoas, incorporando-a à minha, até não me lembrar mais de quem é. O que às vezes confundo com êxtase é simplesmente a ausência de pesar. Depois de perceber que a vida é muito cruel, a única resposta é viver com o máximo de humanidade, humor e liberdade possível. Abrace belas mentiras - a insanidade crônica dos sãos. Eu sou a fera no fim da corda. Veja mais aqui, aqui & aqui.

A FOTOGRAFIA DE JEAN-MARIE AURADON
A arte do fotógrafo francês Jean-Marie Auradon (1887-1958). Veja mais aqui.

A ARTE PERNAMBUCANA
A arte da atriz Geninha da Rosa Borges que participou de 63 peças teatrais, 10 gilmes e dirigiu 21 espetáculos aqui.
Fome: um tema proibido (CEPE, 1996), do médico, professor catedrático, pensador, ativista político e embaixador do Brasil na ONU, Josué de Castro (1908-1973) aqui.
O cordel de Leandro Gomes de Barros (1865-1918) aqui e aqui.
A poesia de Rita Isadora Pessoa aqui.
A arte de Flaira Ferro aqui
Retratos de chumbo aqui
O Pastoril do Rabeca aqui
O município de Jucati aqui & aqui
&
OFICINAS ABI
Veja detalhes das oficinas da ABI aqui, aqui, aqui, aqui, aqui & aqui.


MARTIN AMIS, PHYLLIS A. WHITNEY, ROSANA PALAZYAN & PAULA BERINSON

    Ao som dos álbuns Violão Popular Brasileiro Contemporâneo (1985), Camerístico (2007), Original (2002) e Dois Destinos (2016), do vio...