Pular para o conteúdo principal

EÇA, MOLIÈRE, PUBLÍLIO, UBALDI, BERTOLUCCI, JONI MITCHELL & MUITO MAIS!!!



ABANDONO – Chove lá fora, meu coração, mais fere agora a solidão. Aos quatro ventos me molharia onde esta chuva levar. Quanta demora, ter de esperar e esta tortura a me ultrajar. Todo sigilo se atreveria em revelar o amor que me abandona aqui a revida o que faliu no seu olhar de emoção, brindar um ermo agreste que me fatia onde a procela agitar. Já outra hora, abstração, lá vai o tempo sem compaixão. Todo abandono me asfixia como a mordaça do não. E vai consumir meu coração. Não será dito o seu nome em vão pra salvar, senão, não se reveste de agerasia onde este canto alagar. Servirá pro arremesso do amor que virá represar esta chuva no peito a me afogar. Servirá pro começo do amor que brotar, que colher na luxúria do jeito e enfim amar. (Letra e música de Luiz Alberto Machado). Música inserida nas temporadas 1985/86 do show Por um novo dia. Veja mais aqui


Imagem: An Allegory with Venus and Time (detalhe, 1758), do artista plástico do Rococó italiano, Giovanni Battista Tiepolo (1696-1770). Veja mais aqui.

Curtindo o premiadíssimo álbum Both Sides Now (Warner, 2000), da cantora, artista plástica e poeta canadense Joni Mitchell. Veja mais aquiaqui.

EPÍGRAFEAut amar, aut odit mulier, nil est tertium, sentença expressada pelo escritor latino da Roma aniga, Publílio Siro (85-43aC), que significa: a mulher ama ou odeia, sem meio-termo. Veja mais aqui.

MENSAGEM DA PAZ – Entre as obras do filósofo, místico e escritor italiano Pietro Ubaldi (1886 – 1972), merece destaque a VI Mensagem da Paz - Escrita na Noite de Quinta-feira Santa, no Monte de Santo Sepulcro, diante de Verna (Páscoa de 1943 ), da qual destaco os seguintes trechos: [...] Não vos desgarreis no caos, que é só aparente. Imersos como estais no pormenor, na aflição, na fadiga, não enxergais e não compreendeis o bem que existe além da aparência do mal. Deus, no entanto, invisível e onipresente, está ao vosso lado, caminha convosco, acompanha os vossos passos e vos guia; sempre vos provê, além da aparente desordem, com a ordem imensa e eterna de Suas sábias leis. Sua mão se inclina para o humilde para o fraco, para o vencido, a fim de erguê-lo de novo. Que vos conforte esta afirmação de uma divina lei de justiça acima da lei humana da força. Diante de dois caminhos vos deixei e fizestes a escolha. O mundo tem a prova que livremente desejou. Desde que vos deixei, o mundo tem percorrido velozmente o caminho da História. O mais profundo caminho e a mais proveitosa lição se encontram na dor, escola e sanção de Deus. Repousareis. Assim é necessário, a fim de que os resultados do esforço desçam em profundidade e sejam assimilados. Não vos detenhais, no entanto, nos pormenores do momento ou do caso particular, que não constituem toda a vida. Esta se encontra nas grandes trajetórias de desenvolvimento da Lei, em que se exprime o pensamento de Deus. Somente se vos elevardes encontrareis a verdade universal, imóvel no movimento, a justiça perfeita. Somente se vos transportardes acima das contingências do momento e do lugar, achareis a completa liberdade, a tranquilidade do absoluto, a paz que está acima da vitória ou da derrota, a verdadeira paz, tão distante das coisas humanas. Elevar-se é a grande meta da vida — elevar-se pelos caminhos do espírito — e esse trabalho, sempre possível e livre, pode ser seguido e levado a termo, em qualquer época ou lugar. Ninguém, em nenhum caso, pode tolher a liberdade de vos construirdes a vós mesmos, avançando assim em qualidade e poder. E esta ascese é o que mais importa; é para atingi-la que sofreis as provas da vida. Após cada curva da História, obtém-se seu sumo, sua verdadeira colheita, que é a ascensão. As verdadeiras riquezas não se encontram fora de vós: estão em vosso íntimo e são elas que vos fazem mais poderosos e felizes. São os vossos bons predicados, que nunca se perderão; e não vossas posses materiais, que hão de desaparecer. Qualquer que seja o turno de vencedores ou vencidos, suceder-se-ão, como vaga após vaga, as multidões dos que sofrem e dos que gozam; e o triunfo pode ser instrumento de perdição e a desventura, de ressurreição. Nenhuma vida, como nenhuma força, pode ser anulada; tudo sobrevive, transformando-se. Substancialmente, a guerra a ninguém destrói. Minha palavra, que está acima do mundo e de suas lutas, diz, repetindo a lei de Deus que rege a vida: ai de quem possuindo apenas a superioridade da força, dela abusa, esquecendo a justiça. Tudo é compensado na Lei e se paga com longas reações sucessivas, de ódios e vinganças. A palavra do equilíbrio ensina ao vencedor que não é lícito abusar da vitória, pois, por isso, se paga; e indica ao vencido os caminhos do espírito, em cuja liberdade é possível restaurar as próprias forças em face de qualquer escravidão exterior. O primeiro acomete as fronteiras naturais da força, o segundo nas privações encontra a liberdade. Voltará o sol a brilhar e a vida florescerá de novo, após a tempestade. É lei de equilíbrio. O que importa, sobretudo, é que aprendais a lição. Recordai: que cada um guarde, na profundeza do espírito, com o poder de uma convicção, de uma qualidade adquirida, o fruto de tantas provações. E que a nova floração da vida não irrompa numa algazarra louca de carne satisfeita, numa orgia de matéria triunfante. O escopo da guerra e o conteúdo da vitória não se acham no triunfo material, mas num triunfo no espírito, numa nova civilização. Ai de vós, se não houverdes aprendido a dura lição e não mudardes de roteiro. Se, em vez de subirdes pelos caminhos do espírito, voltardes a palmilhar as velhas estradas, haveis de recair sob as mesmas dolorosas consequências, cada vez mais graves. Minha voz é universal e se desvia das dissensões humanas. Tem as vezes, no entanto, necessidade de descer. Diz-se, então com escândalo: Deus é parcial. Mas existe uma balança, um reflexo de justiça, uma ordem também na História e nela devem atuar. A imparcialidade absoluta seria indiferença e ausência de Deus. A justiça e a ordem, que são os princípios do ser, devem descer também á Terra e aí operar, pesando sobre o mal e vencendo-o, no choque das forças. De outro modo, Deus estaria somente no céu, e não presente e ativo também no mundo, entre vós, no meio de vossas lutas. Estas são guiadas por Ele, a afim de que não se reduzam a absoluta destruição e caos, mas sejam instrumento de construção e de bem. Ele os guia para que as provas e as dores do mundo redundem no fruto que é a ascensão de espírito, objetivo de vida. Deixo-vos, por isso, para conforto dos justos, estas verdades: o vosso esforço, mesmo que não possa ser senão individual e isolado, quando é puro e sincero e se dirige ao supremo escopo da elevação espiritual, também se encontra na trajetória da vida. E, por isso, protegido e encorajado, porque essa é a trajetória ordenada pela lei de Deus. Por essa mesma lei, segundo a qual o universo está construído e que lhe regula o funcionamento orgânico, as forças do mal, embora todas as dificuldades e resistências, jamais poderão prevalecer sobre as forças do bem. É fatal, pois, o triunfo final do espírito e no espírito vencereis. Essa vitória vale a imensa dor que é seu preço. Amplamente já está sendo executado o plano divino da vida. Veja mais aqui.

BEI DE TUNES – No livro Notas contemporâneas (1909 – Livros do Brasil, 1984), do escritor português Eça de Queiroz (1845-1900), encontro a expressão Bei de Tunes, significando uma espécie de bode expiatório ou cabeça de turco, que muito se popularizou e se tornou proverbial por conta dessa obra, fruto de uma polêmica entre o autor da obra e os ataques desferidos pelo escritor Pinheiro Chagas pela falta de assunto e a obrigação de escrever um artigo em dia certo. Dessa polêmica publicado no livro em referência destaco o trecho: [...] Sabe você o que eu fiz numa destas agonias, sentindo o moço da tipografia a tossir na escada, e não podendo arrancar uma só ideia útil do crânio, do peito, ou do ventre? Agarrei ferozmente na pena e dei, meio louco, uma tunda desesperada no bei de Tunes... – No bei de Tunes? – Sim, meu caro Chagas, nesse venerável chefe de Estado, que eu nunca vira, que nunca me fizera mal algum, e que creio mesmo a esse tempo tinha morrido. Não me importei. Em Tunes há sempre bei; arrasei-o. Veja mais aqui.

TODO DIA É DIA DA MULHER: MEIMEI CORRÊA – A poeta e radialista Meimei Corrêa, com seus muitos nomes e vida diversa, parceira no projeto MCLAM e de muitos vídeos que se encontram no YouTube, também é digna de figurar entre as homenageadas da campanha Todo dia é dia da mulher. Da sua lavra destaco As mulheres em mim: Sou eu a mulher carente... também / A fera que tu tens em teu domínio / Sou quem roga em preces e diz amém / Sou quem te faz louco em teu raciocínio / Sou eu quem te cuida, zela por ti / Sou eu quem dá broncas, mas com jeitinho / Chora, se redime, canta e sorri / Sou a que te cobre com meus carinhos / Sou a que trabalha e em ti quer repouso / Com todo o erotismo quer o teu gozo / Sou eu quem te ampara quando precisas / Sou a que tem medos e a corajosa / Sou mulher tão calma e sou perigosa / Sou o amor e a fêmea que tu cobiças. Veja mais aqui, aqui , aqui , aqui e aqui.



ARSÍNOE – Na peça teatral O Misantropo, do dramaturgo, ator e encenador francês Jean-Baptiste Poquelin, mais conhecido como Molière (1622-1673), encontro na cena quatro do terceiro ato, a personagem Arsínoe em visita à jovem e bela Celimena, a título de prestar-lhe um serviço, repete tudo quanto se diz de pérfido e ferino nos meios sociais contra ela. Celimena, agradecendo, diz que não levou a mal a visitante e que a confidencia feita a autoriza a também usar de franqueza, repetindo o que se diz de mal sobre Arsínoe nos mesmos meios. Esta acisa a estocada, dizendo que vê bem que Celimena se irritara, ao que a dona da casa replica: Ao contrário, madame; e se fôssemos mais prudentes, esses avisos mútuos passariam a ser um hábito. Tem-se, com isso, que ser uma pessoa Arsínoe é ser um Tartufo de saia, uma falsa devota, uma leva-e-traz, uma intrigante. Veja mais aqui e aqui.

L’ASSEDIO – O filme L'assedio (Assédio, 1998), do cineasta Bernardo Bertolucci, é baseado em um conto de James Lasdun, contando a história de um excêntrico pianista inglês que mora num apartamento e uma garota africana que estuda medicina na Universidade que trabalha para ele em troca de hospedagem. Ele se sente atraído por ela, recebendo a recusa dela poruqe o marido está preso na África. O destaque é para a atuação da atriz britânica Thandie Newton. Veja mais aqui e aqui.

IMAGEM DO DIA
Todo dia é dia da atriz Thandie Newton.


Veja mais Entrega, Antonio Vivaldi, Cesare Pavese, Theodor Adorno, Ítalo Calvino, Ledo Ivo, Chiquinha Gonzaga, Maria Adelaide Amaral, Luchino Visconti, William Etty, Anne-Sophie Mutter, Rosamaria Murtinho, Annie Girardot, Julião Sarmento, Marize Sarmento & Grupo Carochinha aqui


E mais também Hannah Arendt, Rubem Braga, Eleanor Jack Gibson, Tarsila do Amaral & Edvard Hagerup Grieg aqui.
  
CRÔNICA DE AMOR POR ELA
 
Na sua boca, o que me dera, me dará.
Vem dela na minha vela o embalo, larali, laralá.
Meu falo espera tudo nela, revela a vida, saravá.
Atravesso à vera, mendigo dela, meu beijo verá.
(LAM)
 
Veja aqui, aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Recital Musical Tataritaritatá
Veja aqui.

TODO DIA É DIA DA MULHER
Veja as homenageadas aqui.

Postagens mais visitadas deste blog

A MULHER

A MULHER – Quando criei o blog “Crônica de amor por ela” levado pelo mote dado pela poetamiga Mariza LourençoEla nua é linda – um bloguerótico” eu pensava publicar meus versos, tons & prosas poéticas voltadas para o amor e afetividade, sexualidade e cumplicidade das paixões, desejos e amizade entre os seres humanos.


Arte: Mariza Lourenço.
De primeira, eu queria fazer uma homenagem às mulheres pelo reconhecimento de grandeza do seu ser.


Arte: Mariza Lourenço.
Depois, eu queria fazer uma homenagem ao amor, este sentimento que envolve todos os seres humanos.


Arte: Derinha Rocha.
Quando menos pensei eu estava com um livro pronto: o “Crônica de amor por ela” reunindo poemas, prosas poéticas, poemiúdos, .canções, proseróticas, poemiuderóticos, croniquetas, noveletas, expressões ginofágicas priápicas e outros teréns e juras de amor por ela.


Arte: Derinha Rocha.
UNIVERSO FEMININO – O universo feminino muito me encanta, fascina e me faz cada vez mais cativo ao maravilhoso ser que é a mulher.


Ar…

STEVENSON & FANNY, MARIANNE MOORE, BETTY MEGGERS & HANNAH YATA

A ÚLTIMA CARTA PARA FANNY - O mundo está cheio de tantas coisas, os sonhos são maiores que as dores. O sangrento Jack me persegue desde a infância, mesmo quando as aventuras davam num débil inválido, enfermiço, era eu um acendedor de lampiões com o bicho-papão fungando nas sombras dos meus cabelos. Só me restava a noite solitária com o sopro dos ventos, calafrios e tempestades terríveis, as lembranças de Cumme e as suas histórias horripilantes. Sempre foi assim entre a espada heroica e a pena inglória, os mapas e histórias inventadas, os paladinos marinheiros marchando para salvar a humanidade indefesa na minha cabeça, me fazendo faroleiro das ondas, tormentas e naufrágios, a distinguir o que era e não era entre vagabundos e ilibados senhores da sociedade. Como fui reprovado pelos professores, já sabia que nunca seria um contador de história respeitável, só um plumitivo que nada mais era que uma alma perdida com passatempos mirabolantes na ideia. Nunca me vi levantando paredes para mo…

ÉLUARD, APPIA, ALMODÓVAR, OSMAN LINS, PAULO CESAR PINHEIRO, ALBERTO DE OLIVEIRA, MALHOA, PENÉLOPE CRUZ, VALERIA PISAURO & MUITO MAIS NO PROGRAMA TATARITARITATÁ!!!!

CANTO DE CIRCO – O livro Os gestos (José Olympio, 1957), do escritor pernambucano Osman Lins (1924-1978), reúne treze contos que foram escritos nos anos 1950, abordando sobre a impotência e angustia do ser humano. Do livro destaco esse trecho do Canto de Circo: Ergue a cabeça e contemplou o lugar onde tantas vezes se apresentara para os seus breves triungos no trapézio. No dia seguinte, desarmariam o Circo – pensava; e na próxima cidade, quando o reerguessem, ele estaria longe. Nunca, porém, haveria de esquecer aquela frahil armação de lona e tabique, as cadeiras desconjuntadas, o quebra-luz sobre oespelho partido e o modo como os aplausos e a música chegavam ali. Baixou os olhos, voltou a folhear a revista. Em algum ponto do corpo ou da alma, doía-lhe ver o lugar do qual despedia e que lembrava, de certo modo, o aposento de um morto, semelhança esta que seria maior, não fosse a indiferença quase rancorosa que o rodeava; pois, a despedida iminente, só ele sentia. Os colegas – o equili…

EGBERTO GISMONTI, HANNAH ARENDT, SARAH BERNHARDT & ANJA MATKO

A ALMA DE GISMONTI - Os acordes do Palhaço de Circense trouxeram lembranças do primeiro contato na Dança das Cabeças: acordes de cordas e teclas, batidas de corpo e de alma. Outras memorações, como a do Nó Caipira ou Zig-Zag, tão similares às coisas de minha gente com suas quermesses cumprindo penitentes a sua obrigação para livrar das mandingas, enganando as dores do mundo às mungangas e saudando a vida nos parques de diversão, ou na saída da sessão do cinema, as rodas de conversa com adágios e licenciosidades nas lapadas da tirana com estalado dos dedos e caretas de mamulengo pras quatro festas do ano, no meio de loas com livusias e pinoias de Malasartes e Camonge. Ah, minha gente, como coisas de Carmo, a Cidade Coração e a herança ítalo-libanesa: a mãe que canta acalanto para ninar o futuro do seu filho ou como quem junta mão-de-milho a tomar da garapa ou do ponche, soltando lorotas e potocas para quem puxa moda de viola, parlendas e mnemonias das coisas do Monge de Ipanema ou de C…

MOLIÉRE, DURAS, PANCHATANTRA, CYBELE, VLAMINCK, MUDDY & IDA BAUER.

O DOENTE IMAGINÁRIO – A peça O doente imaginário (Le malade imaginaire, 1673) é a última entre as escritas pelo dramaturgo, ator e encenador francês Jean-Baptiste Poquelin, mais conhecido como Molière (1622-1673). Considerado um dos mestres da comédia satírica, essa peça composta em três atos, critica os costumes da época ao contar a história de um velho hipocondríaco Argan que se julga pesadamente doente sem realmente estar, acatando cegamente toda as ordens do médico que se aproveita da situação. Por outro lado, o doente quer por fim da força que sua filha Angélique contraia matrimonio com um filho de médico para que possa receber gratuitamente do genro o seu tratamento. Entretanto, a jovem filha está apaixonada por Cléante, tornando-se livre para casar depois de um ardil tramado por seu irmão Bérald para curar seu pai de sua fixação com médicos. Destaco o seu Quarto Ato: (Uma cenaburlesca, de coração de grau de um médico. Assembléia composta de porta-seringas, farmacêuticos, doutor…