quarta-feira, maio 18, 2016

RUA DO SOL


RUA DO SOL (Imagem: foto de Marcelo Albuquerque)  – É só uma rua e eu estendi minhas mãos pro nada e pros indiferentes absortos no seu mundo de sonhos particulares e olhos maravilhados com as cores barulhentas dos vindos e idos em todas as direções. É só uma rua e só encontrei amparo no frio poste plantado e apagado pra iluminação pública sem que eu saiba sequer de onde venho e pra onde vou desterrado de tudo porque sou de nada. É só uma rua como outra qualquer em que sou um estrangeiro e meus passos pisam a manhã que vem da praia e se estende de mim deportado do chão ao ermo e sou bem mais que o tempo na conquista do espaço e o coração saltando no peito. É só uma rua e não sigo impune o trajeto no flagrante da hora e sou vivo sem ter pra onde ir na busca do céu com seu Sol enorme nas minhas veias e esquentam o meu sangue remexendo as entranhas pra serem exploradas por indigestão ou colapso de quem busca guarida sem ter onde cair morto. É só uma rua e o dia é quase uma trilha perdida no meio da mata com toda abusão da cidade que deixou de ser campo de vida para ser concreto armado com fantasmas reais que seguem espantalhos ao meu encalço, enquanto sigo pegadas que dão pras esquinas como se cada uma delas fosse um capítulo a parte do que tenho que descobrir por regos invisíveis e ocomeçam da praia ao longe e me destinam rieiras pra que eu tenha que depor os bens que não tenho para confisco, ou debulhar desgraças que nem me vitimaram. É apenas uma rua com uma praça de nenhum aconchego a servir ao passante que sequer sabe que sou negligente aos pormenores e sempre relapso ao que foi a mim confiado, e sem a miserável noção do que se passa em cada alma penada que ignoro o parentesco mais próximo e sem a versão exata dos acontecimentos que se embrulham em mentiras e sabotagens e explodem verdades de nenhuma verdade pra me lançar sem arrimo e sem prumo, abandonado dos que se apiedam e jogado entre os que perderam a comoção e sem a menor compaixão sçao bastante severos a condenar de tudo. É só uma rua e atravesso a frieza concreta com o chiado dos ferros, o aço dos viventes e das cartas marcadas na ponta dos dedos, pra saber o mundo inteiro ali no ritmo das baladas do momento e das manchetes do noticiário pelo trânsito com suas businadas, sirenes, insetos, caras fechadas, chuviscos e esbarrões nas calçadas com o anúncio da última promoção e os cartazes da liquidação das vitrines e a frenagem dos carros apressados no asfalto, a fumaça dos pastéis e churrasquinhos de carne de gato, a condução entupida e os prédios silenciosos são redomas prendendo gritos, sussurros, esperanças, choros e desenganos, e com as suas fachadas no reflexo dos para-brisas ao lado do arroto do jovem irreverente e fedorento pelo semáforo que não me deixa ir, é vermelho com o aroma do perfume barato nas risadas das moças desbocadas, a sisudez dos empregados que saem dos becos aos reclamos com a carroça atrapalhando o trânsito por causa de um caminhão na descarga de produtos de uma loja de eletrodoméstico, e o jumento assusta os transeuntes que vêm desavisados ninguém sabe de onde pra esbarrar no evangélico que berra com um livro entre as mãos e a falar da salvação dos pecadores que seguirem seu caminho, enquanto a verdureira com seu avental se perde na vidraçaria pra se livrar dos motoboys ziguezagueando entre os apressados automóveis e ônibus entupidos e carretas carregadas de consumo e solapam as marquises e destroçam o luminoso com a marca de venda e quase arranca a fachada que cai sobre uma bicicleta que passa sobre o rabo de um cachorro rabugento a fuçar o lixo na lama do meio-fio e remexer com um gato morto atiçando o mosqueiro que adorna a ferida em uma de patas e focinho e aumenta o fedor de mijo e toda inhaca que vem do beco e o monturo de lixo das lojas, bares e repartições públicas para festa dos garis puxando o contêiner para recolhê-lo sem dar vencimento da fábrica de dejetos e coisas que caem das bolsas e sacolas das mulheres e dos homens com sua encolerizada antipatia entre os distribuidores de santinhos, consultas de pais-de-santo, chips de celular, empréstimos consignados e planos de saúde, ao som da resenha policial nas alturas do rádio e o vereador aos discursos de arborizar um logradouro enquanto enche o prato na bandeja de comida rápida do fogão coletivo, em meio a um rodízio de estudantes peiticando com um pedinte que atrapalha o seu passeio e a música barata dos vendedores de cds e dvds piratas jogando porrinha no meio das pulhas e pules de loteria com a chamada do capítulo da telenovela e anúncio dos astros desconhecidos de futuras celebridades dos programas de abelhudos das intimidades, quando um freio brusco da cantada de pneu com afronta ameaçando o ar em cada quarteirão dos que seguem na vida e dos que abrem da vela. É só uma rua que sou nesse exato momento como se o segundo do passo fosse a hora de dias e toda extensão fosse a semana corrida que dá no domingo do fim da linha e tenho de voltar ou seguir adiante pra onde não sei, refazer toda andada por declives até o fim da tarde com o por do Sol no mar de onde eu vim. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui

 Imagem: a arte do pintor, gravador, desenhista e professor Ivan Serpa (1923-1973).


Curtindo o álbum The Girl with Orange Lips (Elektra Nonesuch, 1991), da soprano estadunidense Dawn Upshaw.

PESQUISA
Anatomia da destrutividade humana (Guanabra, 1975), do filósofo, sociólogo e psicanalista alemão Erich Fromm (1900-1980). Veja mais aqui, aqui, aqui e aqui.

LEITURA
Museu de Tudo (José Olympio, 1975), do poeta João Cabral de Melo Neto (1920-1999). Veja mais aqui e aqui.

PENSAMENTO DO DIA:
[...] O wertheriano convive com a morte, derrota ou é derrotado por ela. [...] enquanto o donjuanismo é leve e só pesa a posterior. [...] Levando o simplismo e o paralelelismo ao exagero, se poderia dividir a humanidade em dois tipos básicos: os que se matam e os que muitas vezes provocam a morte; o primeiro centrado em si, o segundo na plateia.
Trecho extraído do romance Confissões de Narciso (Rocco, 2001), do romancista, contista e ensaísta mineiro Autran Dourado (1926-1954). Veja mais aqui, aqui e aqui.

Veja mais outros assuntos sobre Violência Sexual, Carl Rogers, Bertrand Russel, Eurípedes, James Hilton, Rick Wakeman, Eugène Delacroix, Pelé, Movimento & Francis Bacon aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Untitled (1970), do ator, produtor, diretor, escritor e fotógrafo estadunidense Larry Clark.
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Recital Musical Tataritaritatá
Veja aqui.


DRUMMOND, RIMBAUD, LEMINSKI, MARITAIN, GILVAN LEMOS, JACOB DHEIN, GENÉSIO CAVALCANTI, CARIJÓ & SÃO BENTO DO UNA

CARIJÓ, SÃO BENTO DO UNA – Imagem: Céu de São Bento do Una , de Renatinha @Renatalcaet – Carijó, meu amigo, minhas mãos limpas e esta mis...