quarta-feira, fevereiro 04, 2015

PAZ, PRÉVERT, HATOUM, LARSON, FISCHL, MÔNICA BELLUCCI, MARETIORE E SONIA MELLO


A HISTÓRIA DA CANÇÃOImagem: arte digital da série Trígonos, de Madhu Maretiore - A música Desejo foi concebida na segunda metade dos anos 1980 e só nos anos 2000 é que ela ganhou expressão quando a cantora Sônia Mello a incluiu no seu álbum também denominado Desejo. Daí por diante, essa canção seguiu sua própria vida: Quero ficar no seu coração e assim poder sonhar toda aventura que pintar da emoção, toda fervura que brotar das suas mãos pra iluminar a reticência que aprumou a minha vida e um dia ser feliz e nada mais. Quero ficar no seu coração e assim me agasalhar do frio impune que semeia a solidão e feito imune repetir a sensação que vai pra lua na volúpia mais fervida e um dia ser feliz e nada mais. E quando o jeito de você virar absoluta adoração será o véu perfeito e a ternura abraçará minha ilusão. Quero o meu destino a confundir-se com o seu e sermos um o que a sina prometeu. E o que sobrar de nós será um ninho verdadeiro e um dia ser feliz e nada mais. (Desejo, letra & música de Luiz Alberto Machado). Veja detalhes aqui e aqui.

Imagem: Friends lovers and other constellations: Ausstellung in Wien, do pintor e escultor norte-americano Eric Fischl.


 Ouvindo: The monologue Tick Tick Boom, do compositor e dramaturgo norte-americano Jonathan Larson (1960-1996)

CONTRIBUIÇÃO PARA A PAZContribuo para a paz quando me esforço para manifestar o melhor de mim em meus relacionamentos com os outros. Contribuo para a paz quando uso minha inteligência e minhas aptidões a serviço do bem. Contribuo para a paz quando sinto compaixão pelos que sofrem. Contribuo para a paz quando tenho a mesma consideração por todos os meus irmãos e irmãs, independente de raça, cultura ou religião. Contribuo para a paz quando ouço com tolerância as opiniões que diferem das minhas ou que são contrárias a elas. Contribuo para a paz quando recorro ao diálogo em vez da força para dissipar qualquer conflito, Contribuo para a paz quando respeito a Natureza e a preservo para as futuras gerações. Contribuo para a paz quando não procuro impor aos outros o meu conceito de Deus. Contribuo para a paz quando faço da Paz o alicerce dos meus ideais e da minha filosofia. (Ralph M. Lewis, Contribuição para a paz). Veja mais aqui

NA LOJA DE FLORES – O poeta e roteirista francês Jacques Prévert (1900-1977) esteve sempre voltado para as situações triviais do cotidiano e para o homem pequeno, impiedosamente massacrado pela rotina do trabalho e engrenagens  de uma sociedade que não favorece as aspirações mais legitimas do ser. Seus poemas, de construção simples, mas rigorosamente elaborada, caracterizam-se por lirismo contagiante, meios-tons de humor, pitadas de sarcasmo e até mesmo pelo colorido inesperado de uma anedota. Exemplo disso o seu Na loja de flores: “Um homem entra na loja de flores / e escolhe flores / a florista embrulha as flores / o homem enfia a mão no bolso / para pegar o dinheiro / dinheiro para pagar as flores/ mas de repente e ao mesmo tempo / ele põe / a mão no coração / e cai / Enquanto cai ; o dinheiro roda por terra / e depois as flores caem / ao mesmo tempo que o homem / ao mesmo tempo que o dinheiro / e a florista fica ali / vendo o dinheiro que roda / as flores que murcham/ o homem que morre / tudo isso é muito triste é claro / e é preciso que ela faça alguma coisa / a florista / não sabe o que fazer / não sabe / por onde começar / Já tantas coisas por fazer / pelo homem que morre / pelas flores que murcham / e com o dinheiro / esse dinheiro que roda / que não para de rodar. Veja mais aqui.


O INSTANTÂNEO PRESENTE – Analisando a instantaneidade do nosso tempo contemporâneo, o escritor, tradutor e professor Milton Hatoum expressou: Nosso tempo parece hipnotizar-se com a voracidade e velocidade de imagens vazias e com a aceitação de tudo o que causa sensação, escândalo, alvoroço. A literatura é o oposto de tudo isso, pois exige do escritor e do leitor um certo tempo de reflexão e interesse pela linguagem. O prazer do texto é também o do conhecimento do mundo narrado. Sem essa leitura, que é a um só tempo critica e prazerosa, corre-se o risco de trocar gatos por lebres ou gastos por livros. Mas tudo isso faz parte do cinismo crescente que, de resto, não é apenas contemporâneo. No século passado, Chateaubriand já afirmava que ‘o cinismo dos costumes, ao aniquilar o senso moral, reaviva na sociedade uma espécie de barbárie’”. Veja mais aqui


DO ESTRELATO NAS TELAS PRA HOMENAGEM EM DESEJO - A atriz e modelo italiana, Monica Bellucci abandonou o curso de Direito para brilhar nas passarelas e, posteriormente, nas telas. No cinema a sua primeira aparição ocorreu em 1992, no filme Drácula de Bram Stocker, dirigido por Francis Ford Coppola. O sucesso foi alcançado com o filme encantador Malèna, de Giuseppe Tornatore. Por causa desse filme ela foi homenageada por mim no primeiro videoclipe feito pra minha canção Desejo, interpretada pela cantora Sonia Mello. Para ambas, lindas e maravilhosas mulheres, nossas reiteradas homenagens. Afinal, todo dia é dia da mulher. Veja mais aqui.


Veja mais sobre:
Educação no Brasil aqui.

E mais:
A educação por água abaixo pra farra dos mal-educados, o cenário escolar, Friedrich Nietzsche, Gilles Deleuze & Félix Guattari, Santiago Nazarian, Pierre Salvadori, Henri Cartier-Bresson, George Segal, P com P de Teatro, Eulalia Valldosera, Roger de La Fresnaye, Jussara Silveira, Crânio & Quando ciuço pacaru embarcou no maior revestrés aqui.
Educação & formação do professor, Psicologia Ambiental & a arte na educação e direitos das comunidades, Probidade Administrativa & outras coisitas mais aqui.
O umbigo no cultuo da avareza, Denise Levertov, Johan Huizinga, Philippe Ariés, Camargo Guarnieri, Lauri Blank, Emil Nolde & Kim Thomson aqui.
O sonho de Orungan, James Joyce, Ayn Rand, Lenine, Elisa Lucinda, Enrique Simonet, Alina Zenon, Ekaterina Krysanova & Paula Burlamaqui aqui.
A obra de Darcy Ribeiro aqui.
Maceió, uma elegia para os que ousam sonhar, Luis da Câmara Cascudo & a burrinha de padre, Máximo Gorki, Mario Vargas Llosa, Autran Dourado, Sarah Vaughan, Suzana Amaral,Carl Barks & Dianne Wiest aqui.
Aos quatro cantos e ventos minha vida, Jacob Boehme, Esther Scliar, Jo Ansell, Tamara de Lempicka, Jonathan Charles & Dene Ramos aqui.
Solilóquio na viagem noturna do sol, Sêneca, Educação, Maria Esther Pallares, Paula Águas, Terry Miura & Amenaide Lima aqui.
A lição de cada amanhecer, A lenda da origem do Solimões, Anne Schneider, Alice Soares, Lorenzo Quinn, O Lobisomem Zonzo & Edla Fonseca aqui.
O cordão dos a favor & os do contra, Água, Jorge Ben Jor, Hélio Oiticica, Vampirella & Forrest J. Ackerman, Eliane Queiroz Auer & Lia Kosta aqui.
O certo & o errado no reino das ideologias, Nobuo Uematsu, Hélio Pellegrino, Mat Collishaw, Raoul Dufy & Danicleci Matias Souza aqui.
Mnemônicas anedotas, Gonzaguinha, Adolphe William Bouguereau & Bruno Steinbach aqui.
Direito de Família, Psicologia Escolar & Compromisso Social, Pedofilia, Psicose Puerperal & A liderança na organização contemporânea aqui.
Direito autoral na era digital, Psicologia Social dos valores humanos, Ambiente de trabalho & doenças ocupacionais aqui.
Onde não tem mata-burro a gente manda ver no trupé aqui.
Lasciva da Ginofagia aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.
História da mulher: da antiguidade ao século XXI aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.


CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Veja Fanpage aqui & mais aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja os vídeos aqui & mais aqui e aqui.



JUNG, BAUMAN, QUINTANA, GONZAGA, JOÃO CABRAL, DOROTHY IANNONE & ESCADA

UMA COISA DENTRO DA OUTRA – Imagem: Blue and wihte sunday morning , da artista estadunidense Dorothy Iannone . - Olá, gentamiga, um dia ra...