domingo, maio 24, 2015

SMUTS, BRODSKY, GUANIERI, BOB DYLAN, HIRSZMAN, RANALDI, PONTORMO & BRINCARTE DO NITOLINO!!!!


HOLISM AND EVOLUTION – O livro Holism and Evolution (1926), do estadista, advogado e visionário sul-africano Jan Christiaan Smuts (1870-1950), descoberto pelo psicólogo austríaco Alfred Adler (1870-1937), tornou-se o precursor do paradigma Holístico por lançar as bases de uma epistemologia do futuro, ao defender um principio organizador da totalidade e sustentar a existência de uma tendência holística integradora e fundamental no Universo. Na obra ele conceitua o Holismo como “A tendência na natureza para formar conjuntos que são maiores do que a soma de suas partes através da evolução criativa", abordando sobre a reforma dos conceitos fundamentais de tempo, espaço, matéria e o celular e o organismo, mecanicismo, darwinismo, a personalidade como um todo, funções e ideais de personalidade, o Holistic Universe, a genealogia da fundação holística: as misturas puramente físicas, compostos químicos, organismos, espíritos, ou órgãos psíquicos; o campo holístico e o agente criativo, o corpo holístico, a personologia e o estudo de biografias de personalidades, a vida ultracientífica, assinalando que: “O crescimento e totalidades auto-desenvolvidas dentro do todo, é um processo e propósito do universo holístico lento, mas infalível”.  Veja mais aqui, aqui e aqui

Imagem: Venus and Cupid (1533), do artista plástico maneirista italiano Jacopo Pontormo (1494-1557)

Curtindo o premiadíssimo álbum Time Out of Mind (Columbia Records, 1997), do músico, poeta, artista plástico e compositor de música Folk estadunidense Bob Dylan.

VAMOS APRUMAR A CONVERSA? PROGRAMA BRINCARTE DO NITOLINO – Neste domingo, a partir das 10hs, acontecerá mais uma edição do programa Brincarte do Nitolino pras crianças de todas as idades, no blog MCLAM do programa Domingo Romântico. Na programação comandada pela Ísis Corrêa Naves muitas atrações: Sandra Fayad, Projeto Tamar, Os Trapalhões, Leonardo Andreh, Trem da Alegria, Meimei Corrêa, Tartaruguinha, Newton Heliton, Verney Filho, The Whizpos, Nita, Mulekada & muita música, muita poesia, histórias e brincadeiras pra garotada. Para conferir ao vivo e oline clique aqui ou aqui.

SELECTED POEMS – No livro Selected poems (1965) do poeta russo e ganhador do Prêmio Nobel de 1987, Joseph Brodsky (1940-1996), destaco o poema O país dos lagos: Neste tempo, no país dos arrancadores de dentes / cujas filhas, de Londres, fazem vir suas roupas, / puxando em suas tenazes fechadas até a / bandeira um dente de sabedoria anônima; / eu, escondendo ruinas piores que o Partenon / em minha boca, espião, quinta coluna, agente / de uma civilização apodrecida; no civil / professor de retorica, eu vivia / no colegio às margens do Grande Lago de água doce / onde todas as terças-feiras, ao suplicio do aborrecimento / eu submetia os indígenas, os adolescentes simplórios. / Naquele tempo, tudo o que eu escrevia / em reticencias sempre se resumia / sem me desabotoar, eu caia em minha cama / e se eu descobria, no teto dentro da noite / uma estrela, fiel às leis da combustão, / ela rolava de minha face ao travesseiro / mais rápida que o voto que eu formulava. Merece também destaque o seu O fim de uma Belle Époque: Porque a arte poética se exprime pelas palavras / eu, um dos embaixadores enfadonhos, calvos e surdos / desta potência secundária, a esta aliada; / para não violentar meu próprio cérebro, / eu seguro minhas roupas, corro à banca de jornal / para procurar o jornal da noite. / O vento caça folhas. De velhas lâmpadas o brilho / surdo transforma estas tristes regiões / pelo jogo das placas, em triunfos dos reflexos / e dá a impressão de abundância. / Aqui, mesmo o ladrão de laranjas a arranca do minério. / E depois o sentimento de seu olhar, / é um sentimento que esqueci. / Neste triste país, tudo é feito para o inverno: / sonhos, muros de prisão, casacos, vestidos de noiva / no branco do Ano Novo, a agulha dos segundos / a blusa de pardal, a lama do minério lixiviado / costumes puritanos, roupa branca e no braço do músico / o violino transforma-se num aquecedor de madeira. / País estereotipado: quando se diz o volume / global da fundição e do chumbo que ele produz / sacode-me em seguida sua cabeça aturdida / lembra-se do antigo poder / das baionetas e das chibatas dos cossacos. / Mas as águias, imantadas, pousam sobre o minério / e mesmo as cadeiras de palha estão presas aqui / por cavilhas e parafusos. / Da liberdade, somente o peixe no mar sabe o preço. / Mas seu silencio nos obriga a inventar / nossas etiquetas e nossa própria contabilidade. / O mundo parece um catalogo de preços correntes / criança da morte, o tempo, das coisas e dos corpos / alimenta-se e encontra nos legumes crus / todas as suas propriedades. O galo escuta o carrilhão do relógio. / Ai de mim, viver no tempo das realizações é difícil / para uma alma elevada. Levantando o vestido da beleza / encontras o que procuravas, mas não um milagre novo / não é que se repete estritamente aqui. / Os axiomas de Lobacheski, mas um mundo esquartejado / deve se estreitar em algum lugar e aqui / a perspectiva acabou. / Os agentes do poder talvez roubaram / o mapa da Europa; as outras cinco ou seis partes do mundo / estão muito distanciadas; ou seria uma fada / que me aguarda,mas daqui, eu não posso me evadir. / Na ausência de um criado, eu mesmo me sirvo do vinho de missa / para beber e coço a cabeça de meu gato. / Apontar o canhão para minha têmpora, como o dedo sobre o erro / ou ainda, novo Cristo, andar sobre os mares... / os olhos embriagados, embaçados, como não distinguir / trem e barco? Que importa, será poupado da vergonha / e não mais que a barca sobre a água / a roda, sobre o carril, não deixarás vestígio. / À rubrica judiciária, o que se escreve nos jornais? / A sentença foi executada. Lendo estas palavras, / através de seus óculos de armação de aço, / o cidadão verá um homem deitado / perto de um muro de tijolos, com o rosto contra o chão. / Ele não dorme, pois os sonhos têm direito / de desprezarem as cabeças esburacadas. / Luzes da época enraízam-se / num tempo onde não se sabe mais distinguir / a queda de um herói da de um bebê. / O monstro de olhos brancos não quer olhar / além da morte. É uma pena, a mesa está pronta. / E os pires numerosos / mas nenhum compadre para fazê-la virar / para te invocar, Rurik, e para te interrogar. / A visão da época, é a do impasse / não cabe ao espirito trepar nas arvores / mas aos escarros escorrerem pelo muro, / não é o Príncipe que é preciso evocar, / é o dinossauro. / Para um último verso, não arrancarei / do pássaro, sua pena. Uma cabeça inocente / não tem nada a fazer a não ser esperar o machado / e a coroa de louro. Por fim destaco Sobre a morte de Jukov: Eu vejo as colunas dos descendentes transidos / o caixão sobre a carreta, a garupa dos cavalos. / O vento não traz até onde estou / clarins russos, o soluço. / O cadáver veste um grande uniforme: / Jukox, o fogoso, parte para a morte. / Guerreiro, diante de ti caiam as muralhas, mesmo / quando o gládio inimigo valia mais que o teu. / Tuas marchas faziam evocar Aníbal / nas estepes do Volga. / Mas tal qual Belisário, tal qual Pompeu / terminaste os teus dias em desgraça, esquecido. / Por sua ordem o sangue do soldado, correu / em terras estrangeiras. Ele o chorou? / Ele lembrou-se de seus homens morrendo / no leito branco, reservado aos civis? / A derrota está completa: o que lhes dirá / se ele vier, no Hades, a encontra-los? Veja mais aqui.

ELES NÃO USAM BLACK-TIE – A peça teatro em três atos e seis quadros Eles não usam black-tie (1958 – Civilização Brasileira, 1978), do ator, diretor, dramaturgo e poeta italiano naturalizado brasileiro, Gianfracesco Guarnieri (1934-2006) trata da greve e da vida operaria, com preocupações e reflexões universais do ser humano e de cunho sociopolítico, trazendo os camponeses e gente simples para a cena. Da obra destaco: Ato I (Barraco de Romana. Mesa ao centro. Um pequeno fogareiro, cômoda, caixotes servem de bancos. Há apenas uma cadeira. Dois colcjões onde dormem Chiquinho e Tião) Quadro I – Maria (falando baixo, entre risos) – Pronto, lá se foi o sapato... enterrei o pé na lama... Tião: Olha só como tá meu lindo! (Passa a mão pela roupa, risonho. Para fora) Ei, Juvencio! Tocando na chuva estraga a viola! (Pausa. O violão afasta-se) É um maluco... tocando na chuva. Maria: fala baixo, tu acorda o pessoa! Tião: Acorda, não. Maria: É melhor a gente ir andando... é só um pedacinho. Tião: pra fica enterrada na lama? Não senhora, vamo espera estiá. Maria: D. Romana não vai acha ruim? Tião (acendendo o lampião): Não sei porquê! Maria: Vamo embora, Tião. Tá tarde, mamãe não dorme enquanto eu não chego... Tião: Qué te aquietá? (Pausa. Aponta a cadeira:) Senta aqui. Maria obedece. Tião senta-se no chão junto dela. A viola continua. Pergunta. Maria (sorrindo): Tu gosta de eu? Tião: Ó dengosa, eu sem tu não era nada... Maria: Bobagem, namoro como tu era... Tião: Tudo passou! Maria: Pensa que eu não sei? Todas elas miando: “Tiãozinho pra cá, Tiãozinho pra lá...” (Abraçando-o) Mas eu roubei ocê pra mim! Tião: Todo eu! Maria (fazendo bico): Fingido! Tião: Palavra, dengosa! Maria: Sei tudo tintim por tintim. Quando ocê namorava na cidade era o garoto mais sapeca do Flamengo. Namorava uma filhinha-de-papai que era vizinha dos seus padrinhos e por causa dela levou uma bronca deles. Viu como sei tudo?.... Tião: Muito bem, o que mais? [...] Em 1981 foi realizada uma versão homônima para o cinema, dirigido pelo cineasta e um dos expoentes do Cinema Novo, Leon Hirszman (1937-1987). Veja mais aqui.

IMAGEM DO DIA
 
Hoje é dia da belíssima atriz Helena Ranaldi – em cena na peça teatral Amor Perverso (2014), de Inês Stranger.


À procura da paternidade, A trombeta do anjo vingador de Dalton Trevisan, Vivendo com as estrelas de Duília de Mello, Lenda & Arte de Ernst Kris & Otto Kurz, a música de Cristina Braga & a pintura de Ernest Descals aqui.

E mais:
Brincarte do Nitolino, a literatura de Hermilo Borba Filho, Estética da criação verbal de Mikhail Bakhtin, Estado de sítio de Albert Camus, a música de Luis Gonzaga & Guerra Peixe, a poesia de Stella Leonardos, o cinema de Ettore Scola & Sophia Loren, a arte de Léon Bakst & a pintura de Patrice Murciano aqui.
A música de Nando Lauria aqui.
Sonetos de Meditação de John Donne, Justine de Marquês de Sade, Ética a Nicomaco de Aristóteles, Casa de bonecas de Henrik Ibsen, a música de Antonio Carlos Nóbrega, O anjo exterminador de Luis Buñuel, a pintura de Darel Valença Lins & Hieronymus Bosch, Ética & A maneira de ser de Marilene Alagia Azevedo aqui.
O amor de Naipi & Tarobá, Arte e percepção visual de Rudolf Arnheim, a literatura de Luiz Ruffato.Improvisação para o teatro de Viola Spolin, a música de Vivaldi & Max Richter, a fotografia de Fernand Fonssagrives, a pintura de Fernand Léger, a arte de Regina Kotaka & Eugénia Silva aqui.
Penedo, às margens do São Francisco, O princípio da hipocrisia de Georges Bataille, a literatura de Adonias Filho, História da formação social do Brasil de Manoel Maurício de Albuquerque, a música de Bach & Rachel Podger, a arte de Marcel Duchamp, a pintura de Jaroslav Zamazal, a fotografia de Karin van der Broocke Zine Vanguard,& a arte de Kéfera Buchmann aqui.
Ela, marés de sizígia, Tratado da argumentação de Chaïm Perelman & Lucie Olbrechts-Tyteca, a poesia de Yone Giannetti Fonseca, Pensamento crítico de Walter Carnielli & Richard Epstein, Privatte Coletion de James Halperin, a música de Guilherme Arantes, Derek Van Barham & Vaudezilla, a pintura de Tom Pks Malucelli & Luciah Lopez aqui.
As olimpíadas do Big Shit Bôbras – O Big Bode, Os dragões do éden de Carl Sagan, A arte de furtar de Affonso Ávila, a música de Peter Machajdik, Microbiologia dos alimentos, Casa do Contador de História, a pintura de Brian Keeler & Gray Artus aqui.
Só a poesia torna a vida suportável, Vanguarda nordestina de Anchieta Fernandes, A arte poética de Walmir Ayala, Vanguarda e subdesenvolvimento de Ferreira Gullar, a música de Ira Losco, o cinema de Anna Muylaert, a arte de Michael Mapes, a pintura de Károly Lotz & Jean Dubuffet aqui.
Fecamepa – quando o Brasil dá uma demonstração de que deve mesmo ser levado a sério aqui.
Cordel Tataritaritatá & livros infantis aqui.
Lasciva da Ginofagia aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.
História da mulher: da antiguidade ao século XXI aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Art by Ísis Nefelibata
Veja Fanpage aqui & mais aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra:
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja os vídeos aqui & mais aqui e aqui.


DRUMMOND, RIMBAUD, LEMINSKI, MARITAIN, GILVAN LEMOS, JACOB DHEIN, GENÉSIO CAVALCANTI, CARIJÓ & SÃO BENTO DO UNA

CARIJÓ, SÃO BENTO DO UNA – Imagem: Céu de São Bento do Una , de Renatinha @Renatalcaet – Carijó, meu amigo, minhas mãos limpas e esta mis...