terça-feira, março 24, 2020

REICH, ANAHÍ BERNERI, EDMONIA LEWIS, TABITHA KING & LADJANE BANDEIRA


ENTRE TOPADAS E DOIDICES A GENTE VAI MANDANDO VER – UMA: COMO É QUE SÃO AS COISAS NA VIDA - Estava pensando na vida, ao me dar conta que rolava a Bachianinha nº 5, do Villa-Lobos. Parei de divagar e me liguei na música. Ah, eu matava a saudade da inesquecível soprano Bidú Sayão, que, por sinal, teve uma história muito interessante. Certa vez li um relato dela dizendo: Eu não tinha voz alguma quando comecei. Os professores me disseram que eu era muito nova ainda, que minha família ia gastar dinheiro à toa. Mas eu insisti, chorei muito, garanti que não me importava com bailes, namorados, festas. E comecei a cantar. Pois é. E tornou-se a inesquecível e célebre cantora lírica, aplausos. Uma lição inestimável: talento só não basta, precisa de renúncias e muita coragem. Conheço muita gente talentosa que jamais acreditou em si própria, ou desistiu, ou ficou pelo caminho. DUAS: CORRE MUITO SANGUE EM MINHAS VEIAS – Nunca consegui a imparcialidade exigida pela academia e ciências, nunca soube alguém imparcial a tal ponto de frieza. Disciplina, tirocínio e senso de justiça, isso sim, a busca por certa isenção, sem interferir no resultado. Ah, isso sim. Logo eu que, lá pelos meus 10 ou 11 anos de idade, ganhei do meu pai uma coleção do Graciliano Ramos e, ao ler cada volume, copiei de um deles a seguinte frase: Comovo-me em excesso, por natureza e por ofício. Acho medonho alguém viver sem paixões. Afinal, nem só de carne e osso, muito sangue corre em minhas veias. É isso aí. TRÊS: MAIS OUTRA PARA FECHAR A CONTA – Mas esse mundão é muito cheio de nove horas. Quando passo a limpo as leituras da história da humanidade, muita doidice é registrada, afora um tanto de desatinos chega dá pra pensar o tamanho da estupidez. Nessa eu vou de Akira Kurosawa: Neste mundo louco, só os loucos são sãos. E num é que é mesmo, ora! Vamos aprumar a conversa gente! © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais abaixo e aqui.

DITOS & DESDITOS: [...] Não ousou olhar para cima para ver se tinha rosto. Não tinha aprendido nas aulas da igreja que a visão do rosto de Deus era reservada para o Juízo Final? E nem mesmo a forte possibilidade de uma piada cuja vítima fosse a raça humana, em que Deus era tal qual a pintura de uma mulher, apagava a certeza de que, no Juízo Final, todos nós estaríamos mortos. [...]. Trecho extraído da obra Pequenas realidades (Darkside, 2019), da escritora estadunidense Tabitha King, carregada de sutilezas, bizarrices e ferocidade, com uma trama que envolve relações familiares problemáticas e o mundo estranho e obsessivo das miniaturas, uma história grotesca e disfuncional.

COMO É QUE É, HEM? – O homem moderno é estranho à sua própria natureza. A carga organótica dos tecidos celulares do sangue determina o grau de suscetibilidade para infecção ou disposição para doenças. Na verdade fiz uma única descoberta: a função das convulsões orgásticas do plasma... E foi muito mais difícil que a observação, comparativamente simples, dos bions ou o fato igualmente e simples e evidente de que a biopatia do câncer, baseia-se no encolhimento e na decomposição geral do organismo vivo. O homem não encouraçado mantem contato com a natureza dentro e fora de si. A verdade é perigosa quando diz respeito a você. Se lhe for dada a escolha entre uma biblioteca e uma luta, sem dúvida você irá à luta. Só se fantasia o que não se pode ter na realidade. Pensamento do médico, psicanalista e cientista natural Wilhelm Reich (1897-1957). Veja mais aqui.

ANAHÍ BERNERI
Sim, gosto de trabalhar no corpo, feminino e masculino, e se você vê uma presença maior do feminino, é porque sou mulher e me sinto mais à vontade trabalhando nas histórias femininas. Também porque acho que estão faltando! Faltam personagens femininas no cinema e em qualquer lugar.
ANAHÍ BERNERI – A arte da cineasta e roteirista argentina Anahí Berneri, que teve suas obras exibidas em vários festivais de cinema do planeta. Entre suas obras encontram-se A year without love (2005), Encarnación (2007), It’s yout fault (2010), Aire libre (2014) e Alanis (2017). Veja mais aqui.

A ESCULTURA DE EDMONIA LEWIS
Até os doze anos de idade, eu levava essa vida errante, pescando e nadando... e fazendo mocassins. Fui então enviada para a escola por três anos, mas fui declarada selvagem - eles não podiam fazer nada comigo.
EDMONIA LEWIS – A arte da escultura estadunidense Edmonia Lewis (Fogo Selvagem - 1844-1907), a primeira afrodescendente a conquistar fama internacional e reconhecimento como escultora e artista. Quando estudava na universidade, ela foi agredida por desconhecidos, espancada e abandonada na estrada, sendo posteriormente acusada de envenenar duas colegas, além de ser acusada de roubar material da faculdade, sendo inocentada pelo tribunal, sendo, em seguida, proibida de se matricular, perseguida pelo isolamento e preconceito. Daí mudou-se para Roma, defendendo a causa da abolição da escravatura em um círculo de artistas expatriados. Veja mais aqui.

PERNAMBUCO ART&CULTURAS
LADJANE BANDEIRA
A arte da escritora e artista plástica Ladjane Bandeira (1927-1999).
Estrela em trânsito, da poeta Bartyra Soares aqui.
A poesia de Generino Batista aqui.
O violeiro, cordel de Luiz Viola aqui.
As práticas pedagógicas de Arantes Gomes do Nascimento aqui.
A música de Fulô Rasteira aqui.
A arte de Rivail Azevedo aqui.
O município de Belém de Maria aqui & aqui.
&
OFICINAS ABI – 2º SEMESTRE 2020
Veja detalhes das oficinas da ABI aqui, aqui, aqui, aqui, aqui & aqui.
 

MÓNICA OJEDA, BORA CHUNG, AZA NJERI & DÉBORA LAÍS FERRAZ

  Imagem: Acervo ArtLAM . Ao som dos concertos Nights from the Alhambra (2007), A Mediterranean Odyssey (2010), Troubadours On The Rhine...