segunda-feira, janeiro 14, 2019

OSMAN LINS, VAULUIZO BEZERRA, FULÔ RASTEIRA, FRB, PADRE BIDIÃO & MARCELO COUTINHO

AS ÚLTIMAS DA FRB & PADRE BIDIÃO ANUNCIA A CHEGADA DE REFORÇOS – Após haver assumido a vice Toda-Poderosidade na Hierarquia Cósmica (veja a celebração aqui), o Padre Bidião revelou detalhes acerca das incomuns FRBs ultimamente detectadas pelos cientistas e imprensa internacional. Ele tratou logo de desclassificar a NASA por completa incompetência referente ao caso, sob a acusação de malversação do erário humano, bem como alguns astrônomos que querem se aproveitar da prestidigitação internacional. Para quem não sabe – ficará sabendo agora nada mais que a mais absoluta verdade –, FRB é a sigla britânica para rajada rápida de rádio recorrente que é um fenômeno astrofísico de alta intensidade energética, manifestada como um pulso de radio transitório e com duração de apenas pouquíssimos milissegundos, para não dizer um cabelinho de sapo de nada, com uma frequência de 400 MHz, melhor dizendo, uma coisinha de nada. Essas rajadas mostram a dispersão dependente da frequência consistente da propagação através de um plasma ionizado, ou seja, quase porranenhuma, só que encerra um dos códigos mais misterioriosos oriundos das ocultas transcomunicações da abissal profundidade universal. Depois de muitas discussões, chegou-se à conclusão de que, a esse respeito, só havia na Terra, em verdade, uma única autoridade capaz de desvendá-la: o Padre Bidião. Por isso mesmo, não se furtando ao assédio da imprensa, ele anunciou recentemente em coletiva realizada nos últimos dias que: - Atenção corriola, macacões & antenas a postos! Estão chegando reforços! Explicou ele nessa entrevista que o mundo anda de pernas pro ar! Enfatiza, então, que um estrupício anda se desenvolvendo entre catabis, golpes & maloqueragens, promovendo a maior crise megaplanetária da história. Especifica ele após enumerar as presepadas do Clone o-10PB (veja detalhes desse malefício aqui), acoloiado com o Trumpetudo & seu aliadíssimo achegado Coiso, afora conluios para as doidices de Kim Jong-il dos sapatos mágicos, o invisível Jose Eduardo dos Santos, as curas paranoicas de Yajya Jammeh, as perversões de Hassanal Bolkiah, a tenda de Muammar Gaddafi, a tirania de Teodoro Obiang Nguema Mbasogo, as transações de Than Shwe, a hediondez de Isaias Afewerki, a dança de Emomali Rahmon, a escravização de Islam Karimov, as viagens de Paul Biya, a adoração do rei Hamad Al-Khalifa, as extravagâncias do rei Abdullah, as jogadas de Omar Hassan al-Bashir, o bigodinho de Aleksander Lukashenko, as insânias do rei Mswati III & outras trepeças, direitismos e pacutias nos quatro cantos do mundo – e olhe que a Terra é redonda, viu? -, assinalou com veemência os devidos esclarecimentos a respeito, traduzindo trechos das supercomunicações e, ao mesmo tempo, evidenciou tratar-se das reuniões resultantes da sua nomeação como segundo e único substituto do Onipotente, com o objetivo de salvar os terráqueos. Pormenorizou que as ondas de rádio são resultantes dos relatórios enviados desde 2002, por planetas e reinos de galáxias lá nos cafundós das imensidões interestelares e há bilhões de anos luz de distância, alertando sobre a trágica situação por que passa o planeta. Revela que essa troca de informações interuniversais são do bem, pode crer; e que não possuem nenhuma ligação com a jactância do clone da pá-virada e seus sequazes fedorentos. Instado sobre as providências a serem tomadas, o pároco foi reticente ao anunciar a sagrada nomeação do professor doutor Marcelo Coutinho, na condição de assessor especial e direto para assuntos extraordinários e, ao mesmo tempo, tornando-o, além disso, o chefe do Comando Ultragaláctico da PorraToda, responsável pela formação da equipe receptora dos reforços para proceder à salvação da humanidade. Procurado por nossa reportagem, o ilustre professor depois de se esconder dos cliques e flashes, apenas acenou pros nossos jornalistas, cochichando fora das câmaras e gravadores que se encontra dedicado na escolha dos integrantes para realização de reuniões incomunicáveis, visando traçar os planos e estratégias para tal empreitada, anunciando futuros esclarecimentos para toda população mundial. Por enquanto, reafirma que tudo será feito para que chegue a bom termo os propósitos pluriuniversais de salvar o destino terráqueo. E vamos aprumar a conversa. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais abaixo e aqui.

DITOS & DESDITOS
[...] Esta é a verdade: agora eu estou só. Com mais um pouco, chegará a madrugada. As velas ficarão pálidas, os sinos dobrarão em tua homenagem; e, quando o sol vier, não iluminará teus olhos. Mais algumas horas e nossos conhecidos te levarão para o Campo. Estarão um pouco tristes, mas não podem imaginar que imensa perda eu sofri. Dirão entre si: “Tinha de ser. Um deles havia que ir primeiro…” E acharão que já sou muito idoso, que minha capacidade de sofrer se extinguiu e que não tardarei a seguir-te. [...] Quanto aos amigos, tu sabes muito bem que não mais os possuo. Uns morreram; outros acharam na velhice um agradável pretexto para se tornarem brigões ou dementes; e o resto me aborrece pela insistência em me fazer acreditar ser bem mais velho que eles. Só tu me restavas. Junto a ti eu podia ser eu mesmo, sem temor de parecer ridículo. Eras tu quem tinha a chave do meu caráter e do dom de encantar-me. (Mesmo a tua zombaria era uma forma de afeição.) E agora um duro silêncio te envolve e imobiliza. [...] Na minha idade, já não se pode ter pensamentos estranhos nem fazer confissões. Fica-se ridículo, querida. E eu tenho que aproveitar estes últimos momentos em que ainda estamos juntos. É a última oportunidade de falar-te, mesmo sem abrir os lábios, e contar as tolices que não contarei a ninguém. Quero te dizer, por exemplo, uma coisa esquisita, uma coisa que não compreendo: os fatos culminantes de nossas vidas, aqueles que nunca poderíamos chegar a esquecer, perderam hoje esse privilégio. [...] Mas eu não devia estar me lembrando dessas coisas. Talvez alguém tenha visto meu sorriso e julgará que não sinto a tua falta. “Ele não chorou — pensará. E agora, sorri. Está maluco; ou então nem sentiu.” Decerto, minha dor não é violenta. É cansada. Mas é tão vasta, tão desalentada e profunda… E vou ficar tão sozinho, querida
Trechos do conto Elegíada, extraído da obra Os gestos (José Olympio, 1957), do escritor pernambucano Osman Lins (1924-1978). Veja mais aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.

A ARTE DE VAULUIZO BEZERRA
A arte do premiado pintor, escultor, curador e crítico de arte sergipano radicado na Bahia, Vauluizo Bezerra. O artista realiza sua arte desde 1970, ingressando na Escola de Belas Artes da Universidade Federal da Bahia, em 1976, e realizando sua primeira exposição individual na Galeria Pacce em 1978. Foi selecionado no Concurso para Projetos de Arte Experimental, em Salvador, em 1982 e realizou sua exposição individual em Munique, na Alemanha, em 1991. A partir de então realizou mostras individuais e coletivas no Brasil e no exterior, com obras em diversos museus brasileiros, sendo considerado um dos mais importantes da geração 70 da Bahia. Para conhecer melhor o seu trabalho clique aqui e aqui.

A MÚSICA DA FULÔ RASTEIRA
A banda Fulô Rasteira é formada pelos músicos Henrique Teixeira (Vocalista), Gabriel Uberti (Guitarrista, Back Vocal/Vocalista), Eduardo Ferreira (Sanfoneiro), Victor Sabino (Baixista), Jorge Luis (Baterista/Percussionista), Bruno Ferreira (Zabumbeiro) e Ewerton Ribeiro (Trianguleiro/Percussionista). A banda catendense possui um repertório reunindo o melhor do gênero musical nordestino com muita poesia condimentada com repentes notáveis e criativos.
&
Os milagres, gestão e saga do Padre Bidião aqui, aqui, aqui & aqui.
&
A arte de Paul Klee aqui
&
O teatro de Edward Albee aqui
 
muito mais na Agenda aqui.


MÓNICA OJEDA, BORA CHUNG, AZA NJERI & DÉBORA LAÍS FERRAZ

  Imagem: Acervo ArtLAM . Ao som dos concertos Nights from the Alhambra (2007), A Mediterranean Odyssey (2010), Troubadours On The Rhine...