quarta-feira, dezembro 26, 2018

VAMOS SALVAR O CHALÉ DO ALTO DO INGLÊS


VAMOS SALVAR O CHALÉ DO ALTO DO INGLÊS - O centenário Chalé ou Casarão do Alto do Inglês foi construído nos anos da década de 1870, em Palmares-PE, por conta da criação da Great Western of Brazil Railway Company Limited, em 1872, responsável pelo transporte ferroviário no Nordeste, notadamente em Pernambuco. Muito embora, por força do Decreto Imperial 1030, de 07 de agosto de 1852, 20 anos antes, já estivesse determinada a concessão aos engenheiros ingleses Edward e Alfred de Mornay, o direito à abertura de um caminho de ferro entre Recife e Água Preta e sua exploração por 90 anos, o que deu origem à Recife and São Francisco Railway Co. Ltda. Tanto é que já em 1862, fora inaugurada a estação de Una (hoje Palmares), compreendendo o trecho da ferrovia da qual os ingleses detinham a concessão, até o encontro dos rios Una e Pirangi. Por consequência, a construção desse empreendimento passou a ser residência dos engenheiros ingleses que se encontravam trabalhando desde 1859, em Palmares, sendo, posteriormente, a residência do fidalgo inglês Edmund Cox, que era engenheiro da Great Western Railway, inclusive membro honorário do Clube Literário de Palmares. Nos anos de 1980, por conta da política rodoviária dos governos ditatoriais do período 1964-1985, a casa já amargava o descaso que se arrastava por décadas, encontrando-se abandonada e em estado de deterioração. Por conta disso, na gestão municipal do prefeito Luís Portela de Carvalho, o chalé foi incluído juntamente com o Teatro Cinema Apolo, como patrimônio da Fundação Casa da Cultura Hermilo Borba Filho, por ocasião de sua constituição estatutária, devidamente registrada em cartório competente. A partir de então, o projeto era a restauração do patrimônio. Décadas se passaram e do casarão restaram apenas ruínas, fato que, por meio do ofício 165/2011, de 07/12/2011, da Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe), realizou e encaminhou parecer técnico, confirmando a denúncia de demolição do imóvel do Alto do Inglês, invocando a Lei Municipal 1556/2002, referente ao tombamento do patrimônio histórico, e a Lei 1757/2007 que criou o Conselho Municipal de Cultura. A Fundarpe também encaminhou cópia do parecer técnico para a Associação Municipal de Entidades (AME-Palmares) e para o Ministério Público, solicitando providências para o caso. O prefeito dos Palmares foi notificado por meio do Oficio 166/2011, destacando tratar-se de imóvel de interesse cultural e histórico do Estado de Pernambuco, devendo ser dada a devida atenção para concessão e manutenção do mesmo, inclusive pedindo urgência para ações que demandavam à sua preservação. Até o presente momento nenhuma providência foi tomada, no sentido de restaurar esse patrimônio pernambucano que se encontra abandonado e desmoronando. 

REUNIÃO PÚBLICA - 27/02/2019 - As entidades promotoras da campanha  Associação Ação Solidária dos Palmares, Associação dos Artesãos Palmarenses, Escola de Filosofia, Ciência e Política dos Palmares e Instituto Arqueológico, Histórico, Geográfico e Cultural dos Palmares, realizaram reunião na Associação Comercial dos Pakmares (ACP), dias 27 de fevereiro, contando com a presença do arquiteto Juan de Paul, do poeta, professor e acadêmico João de Castro, do presidente da Fundação, Edson Silva, dos escritores da APLE, Socorro Durán & Juarez Carlos, representante do Grucalp, professores e sociedade em geral, ocasião em que foi debatida a questão do estado em que se encontra a edificação, levantando-se o problema, inicialmente os entraves de dívidas tributárias da Fundação de Hermilo que é a proprietária do imóvel, o processo de tombamento estadual, as sugestões de participação da UFPE, IPHAN, Fundarpe e CREA-PE no caso, entre outros debates e discussões. As instituições promotoras do evento ficaram de marcar uma nova data para andamento das atividades. Interessados nas melhorias e restauração necessárias do patrimônio, contatar (81) 9-9795-8721 – Carlos Calheiros (81) 9-9711-9676 - Cícera Silvestre. Veja mais aqui, aqui & aqui.

Arte da poeta & artista visual Luciah Lopez (Curitiba-PR).



CECÍLIA MEIRELES, CLARA LEFF, ETHEL FELDMAN, TEMPO DE PERNAMBUCO & PEÇAS RUAS DA CIDADE

PELAS RUAS DA CIDADE – Acenos pros que passam rostos vivos e mãos suadas que vão e outros vindos nem sei de onde, olá pros que estão no...