quarta-feira, dezembro 19, 2018

ITALO SVEVO, ROBERTA SÁ, NATHAN OLIVEIRA, CONFISSÃO & COLÓQUIO ESCRITA, SOM E IMAGEM


CONFISSÃO – Imagem: Spring nude (1962), do pintor, gravurista e escultor estadunidense Nathan Oliveira (1928-2010). - Falar o que se tem pra dizer: um diapasão entre a cabeça e o coração, num arco-íris emtre o que sou de Terra, água, ar e fogo, o que mais tiver de ser. Ouvi das estrelas os mistérios dos céus e o que se fez mistério dos mistérios, a se revelar do iniciático pra enxergar o que deve ser visto além das aparências: o imo das coisas e seres, o Sal do chão das raízes e mortos, o que encobre uma atitude entre o soez e o escrupuloso, o acerto improvável e os múltiplos erros da ignorância. A mim me dei e persisto, persevero com entusiasmo diante dos desafios para atender o chamado: nenhum laivo de angústia ou apelo de socorro. No meio da escuridão a Rosa desabrochou da alma e acendeu minha Cruz, recolhi a luz que veio da vela e me dispus à Natureza: o trânsito na correlação dos contrários, a Lei de Amra entre a graça e a gratidão. Das minhas mãos brotou o infinito, o alcance da essência de tudo e todas as coisas, pra fazer o que deve ser feito: vou sair daqui, encontrar o rumo da vida, a travessia do limiar e me entregar ao meu mito com serenidade espiritual: voo ao abrigo da doação. Revi o passado e futuro, vivo o presente e me retiro sem alarde, em paz e silêncio. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui.

DITOS & DESDITOS
[...] Rever minha infância? Já lá se vão mais de dez lustros, mas minha vista cansada talvez pudesse ver a luz que dela ainda dimana, não fosse a interposição de obstáculos de toda espécie, verdadeiras montanhas: todos esses anos e algumas horas de minha vida. [...] Na minha sonolência, recordo que o compêndio assegurava, por este sistema, ser possível recordarmos a primeira infância, a dos cueiros. De repente, vejo uma criança de fraldas, mas por que tem de ser eu? Não se parece nada comigo; na verdade, acho que se trata do bebê de minha cunhada, nascido há poucas semanas e que ela mostrava a todos como se fosse um milagre, porque tinha as mãos tão pequenas e os olhos tão grandes. Pobre criança! [...] Quando chegarás a saber que seria bom se pudesses reter na memória a tua vida, até mesmo as partes que te possam repugnar? E, no entanto, inconsciente, vais investigando o teu pequeno organismo à procura do prazer, e as tuas deliciosas descobertas te levarão à dor e à doença, para as quais contribuirão até mesmo aqueles que mais te querem. [...] Cada minuto que passa, lança-lhe um reagente. Há demasiadas possibilidades de doenças para ti, porque não é possível que sejam puros esses minutos. E além disso – pequerrucho! – és consanguíneo de pessoas que conheço. Os minutos que agora passam até que podiam ser puros, mas tal não foram decerto os séculos que te prepararam. [...] Estou analisando a sua saúde, mas não consigo fazê-lo, pois acode que, ao analisá-la, converto-a em doença. E ao escrever sobre ela, começo a duvidar sobre se aquela saúde não careceria de cura ou tratamento. Vivendo ao seu lado durante tantos anos, jamais me ocorreu essa dúvida. [...] A dúvida: eu era bom ou mau? A recordação, provocada repentinamente pela dúvida que não era nova: via-me em criança e vestido (estou certo) ainda de calças curtas, erguendo o rosto para perguntar à minha mãe sorridente: “Eu sou bom ou sou mal?” Essa dúvida devia ter sido inspirada ao menino por todos que o achavam bom, e por tantos outros que, de brincadeira, o qualificavam de mau. Não era, portanto, de admirar que a criança se sentisse embaraçada por tal dilema. Oh! Incomparável originalidade da vida! Era extraordinário que a dúvida já infligida por ela à criança, de forma tão pueril, não fosse resolvida pelo adulto depois que transposta metade de sua existência. [...] Nesta cidade, depois que rebentou a guerra, a vida é mais enfadonha do que antes e, para me recompensar da psicanálise, volto-me novamente aos meus caros escritos. Havia um ano que não consignava nenhuma palavra aqui, nisto como em tudo o mais seguindo obedientemente as recomendações do médico, que achava indispensável durante o tratamento fossem as minhas reflexões feitas ao seu lado, pois sem a sua vigilância eu estaria reforçando os freios que impediam a minha sinceridade, a minha entrega. Empregarei o tempo que me resta livre para escrever. Por isso escreverei sinceramente a história de minha cura. Toda a sinceridade entre o doutor e mim havia desaparecido e hoje respiro aliviado. [...] Foi assim que, à força de correr atrás daquelas imagens, eu as alcancei. Sei agora que foram inventadas. Inventar, porém, é uma criação, não uma simples mentira. As minhas eram invenções como as nascidas da febre, que caminham pelo quarto para que possamos vê-las de todos os ângulos, inclusive tocá-las. Tinham a solidez, as cores, a petulância das coisas vivas. [...].
Trechos da obra
A consciência de Zeno (Nova Fronteira, 2006), do escritor e dramaturgo italiano Italo Svevo - pseudônimo de Aron Hector Schmitz, depois italianizado para Ettore Schmitz (1861-1928).

A ARTE DE NATHAN OLIVEIRA
A arte do pintor, gravurista e escultor estadunidense Nathan Oliveira (1928-2010). Veja mais aqui.

AGENDA:
Escrita, som, imagem - II Colóquio Internacional 21 a 25 de maio de 2019, na Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG - Belo Horizonte, Brasil & muito mais na Agenda aqui.
&
Tanto juntou & babau!, Friedrich Nietzsche, Francesco Petrarca, Teilhard de Chardin, Antonio Callado, Euclides da Cunha, Nathan Oliveira, Brian Booth Craig, Mapa Cultural de Pernambuco, Al di Meola & Alisa Weilerstein aqui.

RÁDIO TATARITARITATÁ:
Hoje curta na Rádio Tataritaritatá a música da cantora Roberta Sá: Que belo estranho dia para se ter alegria, As melhores, Segunda Pele & Palco MPB & muito mais nos mais de 2 milhões & 990 mil acessos ao blog & nos 35 Anos de Arte Cidadã. Para conferir é só ligar o som e curtir. Veja mais aqui, aqui e aqui.


ELVIRA LINDO, ROBERTO BOLAÑO, MAIREAD MAGUIRE, DOUGLAS RUSHKOFF & NELLY BLY

    Ao som das obras Celebração (2006), Ciclo nº 1 para piano , Ponteio , Improviso , Dualismo II & Vales , da conceituada compositora...