sexta-feira, dezembro 07, 2018

NERUDA, TOM WAITS, WILLIAM MERRITT CHASE & A PRAÇA É UM SONHO


A PRAÇA É UM SONHO - Imagem: arte do artista William Merritt Chase (1849-1916). - As crianças, mãos na terra, riso de tudo, bundacanasca e trelas, embalam e embolam sonho, só querem saber de brincar, a vida é uma brincadeira, afinal, quem dera minha infância. As moças seduzem e riem, zanzam e flertam pujante liberdade nas bluzinhas e sotaques, um príncipe a qualquer momento surgirá dos sonhos e elas bamboleiam nas algazarras como se a tarde pudesse outro dia. Os rapazes metidos a sério de molecagens, gladiadores de nada, pelo futebol, pilherias e machezas, indiferentes de tudo com seu onanismo nas horas roubadas da vigilância. As mulheres, oh senhoras de luxo e nobreza, puxam seus filhos pra escola, pra feira, pro salão de beleza e pras coisas de casa, ufanas de si e tudo pra cuidar. Os homens apressados, compromissos na cabeça e nos bolsos, olhadelas pra trás dum coito a tergo naquela que passou no balanço das águas, engomam seriedade na hipocrisia, senhores de si e botam pra quebrar. Os velhos tagarelam descansando a jogar conversa fora, dominós e baralhos, valetes nas mangas, a vida já pesa no semblante do corpo claudicante à espera do remédio e da cova. O comércio em alvoroço de negócios queima no consumo dos desejos e os cães ladram festivos por gatos furtivos a se insinuarem entre ratos e mesquinharias do prazer, enquanto insetos picam o trânsito nervoso das querências aos desaforos de sapos escondidos pelos cantos mais recônditos e tudo salta fora nas pegadas que o sol imprime na praça pelas ruas e passarelas, onde os religiosos de todos os credos berram sua fé aos passantes indiferentes, entre motores, apitos, sirenes e semáforos, aos gritos de que Deus não é surdo e pouco importa porque os feirantes entopem as calçadas com ambulantes de todas as bugigangas e vendem as nuvens e os céus, o canto dos pássaros, lápides e cercas, flores e frutos, a fome e a agonia nos crediários, as gaiolas e o ar que respiram, e trocam e passam troco na esperança de dias melhores com muambas e artefatos de todas as guerras do tráfico, por sonharem com um país melhor na informalidade, porque emprego e escravidão se confundem nas relações laborais, nas quais policiais e meliantes seguem, uns aos outros no trajeto da girândola que emporcalha a cidade e fazem de tudo uma festa em que nada se comemora e é só uma praça, nada mais, uma praça de um lugar qualquer que é tomada e posta a venda em negociatas para espólio desapropriados, devolução de gentileza que só a política sabe transformar em matagal de máquinas que fabricam desertos na rede das jogadas, e a praça é só uma memória de dias que foram e não voltam mais. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui.

DITOS & DESDITOS:
Grato pela palavra / que agradece. / Grato a grato / pelo / quanto essa palavra / derrete neve ou ferro. / O mundo parecia ameaçador / até que suave / como uma pluma / clara, / ou doce como pétala de açúcar, / de lábio em lábio / passa, / grato, / grandes a boca plena / ou sussurrantes, / apenas murmuradas, / e o ser voltou a ser homem / e não janela, / alguma claridade / entrou no bosque: / foi possível cantar embaixo das folhas. / Grato, és pílula / contra / os óxidos cortantes do desprezo, / a luz contra o altar da dureza. / Talvez / também tapete / entre os mais distantes homens / foste. / Os passageiros que disseminaram / na natureza / e então / na selva / dos desconhecidos, / merci, enquanto o trem frenético / muda de pátria, / borra as fronteiras, / spasivo / junto aos pontiagudos / vulcões, frio e fogo, / thanks, sim, gracias, e então / a terra se transforma em uma mesa: / uma palavra a limpou, / brilham os pratos e copos, / ressoam os talheres / e parecem toalhas as planuras. / Grato, gracias, / que viajes e que voltes, / que subas / ou que desças. / Está entendido, não / preenches tudo, / palavra grato, / mas / onde aparece / tua pequena pétala / escondem-se os punhais do orgulho / e aparece um centavo de sorriso.
Ode à gratidão extraída da obra Navegações e regressos (MediaFashion, 2012), do poeta chileno Pablo Neruda (1904-1973). Veja mais aqui.

A ARTE DE WILLIAM MERRITT CHASE
A arte do artista William Merritt Chase (1849-1916).

AGENDA:
Pré Bienal da UNE na UFRPE & muito mais na Agenda aqui.
&
A caça & a fuga do caçador, Jean-François Lyotard, João Antonio, Juliana Merçon, Úrsula Garcia, Gian Lorenzo Bernini & Lucinda Lyons, Jucati, Eliane Elias & Emerson, Lake & Palmer aqui.

RÁDIO TATARITARITATÁ:
Hoje curta na Rádio Tataritaritatá a música do cantor, compositor, instrumentista e ator estadunidense Tom Waits: No visitors after midnight live, Rockpalast, Live in Bremem & On Broadway & muito mais nos mais de 2 milhões & 900 mil acessos ao blog & nos 35 Anos de Arte Cidadã. Para conferir é só ligar o som e curtir. Veja mais aqui e aqui.


ADA LIMÓN, MÓNICA BUSTOS, LETÍCIA CESARINO, ANUNA DE WEVER & O RECIFE DE CESAR LEAL

    Imagem: Acervo ArtLAM . Ao som dos álbuns Olho D'água (1979), Revivência (1983), Rio Acima (1986), Ihu - Todos Os Sons (1996),...