segunda-feira, dezembro 10, 2018

KLIMT, FAYGA OSTROWER, SELMA DO COCO, NITOLINO & AS MULHERES AMADAS


AS MULHRES AMADAS – The kiss (1907-1908), do pintor simbolista austríaco Gustav Klimt (1862-1918). - Sou o crepúsculo na tarde azul da Áustria para que elas sejam flores na paisagem campestre de Bauerngärten e no cenário dourado de todos os jardins dos céus e da terra, todas elas desabrochando da art nouveau para serem amadas e eternizadas por todos os tempos e espaços. É da candura e fortaleza delas a se mostrarem com suas curvas de verdadeiras joias seminuas e provocantes, com suas túnicas de estampagem africana que são as armadilhas de sedução num mundo conservador. Ah é de uma delas que recolho o beijo nos braços de Emilie Flöge e me insinuo pelas madeixas das ruivas pré-rafaelitas e pela geografia das sereias dos mais profundos mares perdidos, até sentir-me senhor da nudez fatal da dominação de Judith no palácio de Nínive expondo a cabeça do general assírio que sou eu vencido aos seus encantos e feitiços. É nelas que sou herança da ouriversaria para expressá-las nuas nos painéis da Universidade, tudo queimado pela perseguição nazista aos judeus, cinzas redescobertas ao vento de todas as direções. Elas em mim resistem e renascem Danae, Adele Bloch Bauer, Serena, Mada, Fritza, Adele, as de Toulouse e aquelas entre morangos bizantinos com suas almas ao som Schubert, muitas, todas, entre quatro paredes e na orgia da cor, para amá-las no universo de dourada vida, no floral que emana de seus corpos, no tom pastel que me encanta e nas pinceladas impressionistas que as revivem na viúva Úrsula, em Gertrud Loew e as que emergiram no sanatório da convivência com Mahler e Wittgenstein, e habitam nuas e recolhidas no atelier intacto com milhares de rascunhos e em desenhos e quadros preservados que resistiram até sucumbir à apoplexia. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais abaixo e aqui.

DITOS & DESDITOS:
[...] As potencialidades e os processos criativos não se restringem, porém, à arte. [...] O criar só pode ser visto num sentido global, como um agir integrado em um viver humano. De fato, criar e viver se interligam. [...] Criar é, basicamente, formar. É poder dar uma forma a algo novo. [...] O ato criador abrange, portanto, a capacidade de empreender; e esta, por sua vez, a de relacionar, ordenar, configurar, significar. [...] Nós nos movemos entre formas. Um ato tão corriqueiro como atravessar a rua – é impregnado de formas. [...] As formas de percepção não são gratuitas nem os relacionamentos se estabelecem ao acaso. [...] Nessa busca de ordenações e de significados reside a profunda motivação humana de criar. Impelido como ser consciente, a compreender a vida, o homem é impelido a formar. Ele precisa orientar-se, ordenando os fenômenos e avaliando o sentido das formas ordenadas; precisa comunicar-se com outros seres humanos, novamente através de formas ordenadas. [...] Ainda vinculado aos mesmos padrões coletivos, ele se desenvolverá enquanto individualidade, com seu modo pessoal de agir, seus sonhos, suas aspirações e suas eventuais realizações. [...]
Trechos extraídos da obra Criatividade e processos de criação (Vozes, 1997), da pintora, gravadora, desenhista, ilustradora, professor e teórica de arte brasileira nascida na Polônia, Fayga Ostrower (1920-2001). Veja mais aqui e aqui.

A ARTE DE GUSTAV KLIMT
A arte do pintor simbolista austríaco Gustav Klimt (1862-1918). Veja mais aqui, aqui e aqui.

AGENDA:
Livros pras crianças & muito mais na Agenda aqui.
&
Publicações do Nitolino aqui.
&
A teia de Ixchel, Chantal Mouffe, Judith Butler, Lourenço Mutarelli, Viviane Mosé, Esther Erlich, Tamandaré, Vilmar Carvalho & Admmauro Gommes & Eliete Carvalho & Cavalcanti, Tom Jobim, Sarah Chang, John Lennon & Sinéad O'Connor aqui.

RÁDIO TATARITARITATÁ:
Hoje curta na Rádio Tataritaritatá a música da saudosa cantora e compositora Selma do Coco (1935-2015): Minha história Músicas do Nordeste, Jangadeiro, Areia & Meu sabiá & muito mais nos mais de 2 milhões & 960 mil acessos ao blog & nos 35 Anos de Arte Cidadã. Para conferir é só ligar o som e curtir. Foto de Andréa Rêgo Barros/PCR. Veja mais aqui.
 

JUDITH SCHALANSKY, TRIIN PAJA, ANNA LEMBKE, VCA & CRÔNICA NA ESCOLA

  Imagem: Acervo ArtLAM . Ao som dos álbuns Morning Star (2021), Beethoven: Piano Sonatas nº 3 in C Major, Op. 2 & nº 16 in G Major, ...