quinta-feira, outubro 18, 2012

SAÚDE NO BRASILSILSILSIL!!!!!!!!

E A SAÚDE? JÁ ERA, MEU!




Um dia Zé-Corninho aparece fazendo umas caretas esquisitas.
- Qué qui tá acuntecendo, Zé-Corninho? -, perguntou o Doro.
- Tô cum dô aqui no pé do estômbo!
- Vixe! Tá prenho, desgraçado?
- Tô morreno! Tôo morrenuuuuuuuuu! -, e começou a berrar feito bicho ferido se contorcendo todo.
Doro amuntou-lo na cacunda e carregou-lo pro posto de saúde. E ele só: - Ôi, ôi, ôi. Tô morrenu.
Enquanto ele gemia, no posto não havia médico.
- Ué! E o cabra vai batê as botas aí agora, é? -, reclamou Doro.
- Leve pro hospital, oxe -, respondeu a atendente desaforada.
Lá vai Doro carregando o agonizante ladeira arriba até chegar na emergência do hospital e começar o teitei.
- Adonde qui boto esse muribundo? -, perguntou pela primeira enfermeira que viu.
- Tem maca não!
- Oxe! E fico como? Cum esse morrente pindurado no pescoço, é?
- Bote ele no chão ou procure outro hospital.
- Vôte!
Doro rodou, rodopiou e achou um canto pra despejá-lo no chão.
Aí foi procurar médico, enfermeiro o que tivesse.
Nada.
Eis que surge um zarolho que lhe aplica uma injeção no braço e ele berra na hora:
- Eita! Tá doido, tá? Sou eu que tô morreno não, é aquele ali!
- Adisculpa, moço.
E seguiu para aplicar o analgésico no inquieto Zé-Corninho que não se aguentava mais de tanta dor.
Doro ficou com o braço dormente com a picada da injeção.
- Pronto, não posso ajudá mais o rapaiz. Ocê mim lascou seu zaroio. Cadê o médico?
- Tem médico não.
- Aí, lascou.
Uma enfermeira franzina puxa o Doro e confidencia aos cochichos:
- Si quisé cuidá do seu amigo, leve pra outra cidade. Aqui num tem médico nem enfermeira. A gente é tudo só ajudante e aprendiz. Os médico da pediatria já fugiru tudo doido. É qui só tem 10 leito na UTI de lá e tem 30 criança morre-mas-num-morre. Eles tavam apostano no cara-coroa pra vê quem se salva, o resto tudo morri. Ficaru tudo di depressão, inchendo a cara na cachaça e endoidaru tudo de ficá só brincano de bru-bru nos beiços...
- Vixe, minha santa disgraça!
- A coisa tá tão abirutada aqui qui operaru mulé de fimose e homi de cesariana.
- Aí, tá certo!
- Além do maisi num tem remediu, os leito tudo se desmanchano, tão acusano a genti de uma tá di infecxação hospitalá, é pingueira pru todo lado, os equipamentu tá tudo arrebentado, as maca si arriano de véia cum peso do povo, uma lástima!
- Valei-me, meu padim Pade Ciuço!
- Se avie, ora, pegue uma banda da bunda e saia rebatendo ca outra cum seu amigo na cacunda e arribe proutro hospitá na ridondeza qui aqui o negóço tá feiím dimai. Aqui ele só vai murrer e mai nada.
Assim foi. Zé-Corninho passou horas se debatendo até que arriou num sono brabo. Desconfiaram que ele tinha morrido. Aí quando roncou, viram que estava só dormindo.
Lá pras tantas Doro não aguenta e acorda o parceiro que se levanta com dificuldade. Já era de tarde e ele estava morrendo de fome. Compraram uns mata-fome com caldo de cana e encheram a pança, sob os reclamos do adoentado que ainda se ressentia de muitas dores, agora suportáveis.
Dali foram prum consultório médico. Consultas só daqui mais três meses.
- Vixe, eu morru e num sô atendido!
Por via de dúvidas, deixaram registrada sua consulta na data marcada. E foram encher o mundo de perna vendo se davam conta de algum atendimento. Nada. Findaram na farmácia se automedicando com um vendedor do balcão.
Dali mais adiante, chegou o dia da consulta. O médico não veio porque está fazendo um congresso lá não sei onde. Remarcaram mais 2 meses depois.
Quando foi pra atendê-lo, perguntaram-no:
- Qual seu plano?
- Suisi.
- Cuma?
- Suisi, suisi, do guvêrno!
- Ah, SUS. Só daqui 20 dias.
Mais dias, finalmente, a vez dele. Meio mundo de exames. Como não tinha dinheiro para tudo, lá se foram quase um semestre. E mais 90 dias depois foi atendido com o diagnóstico de apendicite. Cirurgia encaminhada pra dali mais 180 dias.
No dia aprazado chega ele no hospital. Volta, não tem leito. Mais 45 dias: faltou o médico. Mais 6 meses: o equipamento tá quebrado. E 90 dias depois, ele já saiu de casa pensando: - Qual vai ser a bronca hoje? -, não deu outra, avisaram: os anestesistas estão de greve.
Nessa brincadeira lá se vão mais de 3 anos e o Zé-Corninho abatido, cambaleando e choramingando com tudo.
Outro dia mesmo avistei o coitado:
- Como vai, Zé?
- Sou um morto-vivo, já mandei fazê o tistamentu das poicarias qui tenho, insperando só a hora di mim interrá.
- E a cirurgia, ficou pra quando?
- Pru dia de são nunca.
E tudo continua, a história se repete todo santo dia. Isso é o Big Shit Bôbras do Fecamepa!

Veja mais da Saúde no Brasil aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.

 
Veja mais sobre:
Segunda nova, Gilles Deleuze, Manuel Puig, Mário Quintana, Paulo Freire, Pérsio, Juan de Mena, Pupi Avati, Vanessa Incontrada, Fulvio Pennacchi, Walasse Ting & Sarinha Freitas aqui.

E mais:
Quando o amor é azul aqui.
Psicopatologia & Feira Coopercam aqui.
Sociedade dos poetas mortos aqui.
Três poemas devassos de amor por ela aqui.
Crônicas palmarenses: as presepadas de Marquinhos e Marcelo aqui.
Primeiro poema de amor pra ela aqui.
Crônicas palmarenses: Ginário de Palmares aqui.
Ximênia, a prinspa do Coité aqui.
Segundo poema de amor pra ela aqui.
Decameron de Boccaccio & 30 anos de arte cidadã aqui.
O Rádio & a Radiodifusão no Brasil aqui.
Efetividade no processo aqui.
Crônicas palmarenses: o começo das arteirices aqui.
Terceiro poema de amor pra ela aqui.
Quando o Brasil dá uma demonstração de que deve mesmo ser levado a sério aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra: 
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.
 


VARGAS LLOSA, RANCIÈRE, BADIOU, WAGNER TISO, QUINET, BRUNO TOLENTINO, FRANCINE VAYSSE, FRESNAYE, NÁ OZZETTI & JOAQUIM NABUCO

A BARATA & O MONSTRO - Imagem: The Architect (1913), do pintor cubista francês Roger de la Fresnaye (1885-1925). - A noite e a solid...