sexta-feira, setembro 11, 2009

VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER




VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER - O surgimento da propriedade privada acontece com a divisão do trabalho, gerando o nascimento do Estado e uma luta de classes numa perspectiva vinculada a dominação masculina, mulheres subordinadas aos homens, criando assim a possibilidade de opressão sobre a figura feminina. A partir de então a vida social cinde-se em duas esferas: a pública, domínio dos homens, que sofrerá grandes transformações no decorrer da História e a esfera privada, lugar da família domínio da mulher, que se vê, pois excluída de qualquer participação social que ultrapasse os limites do seu ‘lar’ (MORAES, 1996, p.14). Como exemplo disto entende-se que a representação da figura feminina se apresenta numa situação de inferioridade em relação ao homem diante de várias áreas como também do mercado de trabalho, restando-lhe as atividades domésticas e o bem - estar de seu marido e família, sendo excluída de qualquer participação na sociedade que ultrapasse os limites do seu lar. A mulher tem pouca visibilidade e autonomia na sua vida, e ausência nas discussões políticas e na realização das atividades profissionais, devido à ideologia patriarcal ao longo do contexto histórico. “É por este conjunto de fatos que a questão da família torna-se crucial para a compreensão do lugar hierarquicamente inferior ocupado pelas mulheres nas sociedades de classe.” (MORAES, 1996, p.14). Sendo assim, a violência contra a mulher não se apresenta apenas por agressões físicas, mas se manifesta de várias maneiras, como também de forma sutil. Através dessas formas sutis, mulheres do mundo inteiro sofrem esses maus tratos, como xingamentos, ofensas à conduta moral e ameaças. A violência sutil se destaca por ser uma agressão que se apresenta sob forma de hostilidade verbal, como insultos, desprezo, críticas, bloqueio de iniciativa, confinamento e ameaças de abandono. Para a figura feminina subordinada ao poder masculino, o que lhe resta são apenas as tarefas do lar e aos cuidados dos filhos e do marido. A violência é uma das mais graves formas de discriminação em razão de sexo e gênero. Constitui violação dos direitos humanos e das liberdades essenciais, atingindo a cidadania das mulheres, impedindo-as de tomar decisões de maneira autônoma e livre, de ir e vir, de expressar opiniões e desejos, de viver em paz em suas comunidades; direitos inalienáveis do ser humano (TELES, 2003, p. 23). Tais violências estão estampadas nos estudos de Cavalcanti (2010), como o preconceito e a discriminação, nos indicativos sócio-econômicos, apresentando o sofrimento das mulheres e, principalmente das negras quando partem para o mercado de trabalho. Mesmo que tenham instrução e qualificação, elas recebem salários inferiores quando ocupam os mesmos cargos que os homens estão. Apesar dos direitos sociais e individuais e o de igualdade ser garantido pela Constituição e ser objetivo da República Federativa do Brasil promover o bem de todos sem preconceito de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação, vemos no Brasil várias formas de violência contra a mulher, doméstica, por estarem debaixo de um teto, onde ninguém estará vendo o ato de violência contra ela entre outras. Estes são fenômenos marcados profundamente pelo preconceito, discriminação e abuso de poder do agressor para com a vítima – geralmente mulher, criança, adolescente ou idoso – pessoas que em razão das suas peculiaridades (compleição física, idade e desenvolvimento), estão em situação de vulnerabilidade na relação social. (CAVALCANTI, 2010, p.35). Para esta autora, a violência contra a mulher geralmente se identifica com a violência doméstica, mas o conceito de violência contra a mulher é mais amplo porque inclui nesta forma qualquer ato de violência baseado em sexo, que ocasione algum prejuízo ou sofrimento físico, sexual ou psicológico às mulheres, incluídas também as ameaças de tais atos, coerção ou privação arbitrária da liberdade que ocorram na vida pública ou privada, direitos que constam no artigo 1º da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra a Mulher. “A violência contra a mulher é conceito mais amplo, pode ser considerada crime ou não. É o gênero de que são espécies várias formas de violência como a institucional, sexual, assédio moral, espiritual, doméstica e familiar entre outras.” (CAVALCANTI, 2007, p. 38-39). Azerêdo (2007), em sua análise sobre o preconceito contra a mulher, aborda a total falta de respeito do homem com a mulher quando esta faz sua saída para o trabalho, uma grande problemática criada a partir da imaginação do homem, que não pode deixar de existir, já que o salário de sua mulher contribui para o orçamento da casa e muitas das vezes sendo a única fonte de renda da família. A autora afirma que “a grande maioria das mulheres que buscam a delegacia das mulheres nos relata o enorme ciúme de seus companheiros, que as chamam de puta, mesmo quando elas não têm nenhuma relação fora de casa.” (AZERÊDO, 2007, p. 25). O Estado não tratava a violência contra as mulheres como um problema público, considerando-a irrelevante e natural. O reconhecimento da violência contra a mulher era legitimado pelo Código da Moralidade Popular que, até então, atuava em defesa dos direitos das mulheres. A violência contra a mulher em alguns países é considerado um processo cultural que se expressa sob relevantes formas de mutilações genitais para que a mulher possa se casar novamente. As práticas sociais e questões éticas apresentam um contexto cultural marcado de violência contra a mulher, estabelecido por leis culturais enraizando o meio social determinando o tipo de violência que a vítima deve se submeter, como no caso de 30 países da África e da Ásia. Entre as mutilações genitais, há a cliteridectomia, que incide na extirpação, no corte, na extirpação do clitóris, órgão que desempenha importante papel na relação sexual, é responsável pela maior parte do prazer da mulher. Há outro tipo de mutilação como infibulação, que consiste na sutura dos lábios maiores da vulva, deixando um pequeno orifício para a passagem do sangue da menstruação e de outros fluidos. Esses tipos de mutilação são realizados com o intuito de promover a diminuição do prazer ocasionado pelo sexo, tornando a relação um verdadeiro suplício. Portanto, esse tipo de mutilação está relacionado à fidelidade da esposa ao seu marido, tal ato em respeito às leis e aos costumes de uma determinada nação, ocorrendo a violência contra a mulher. (SAFFIOTI, 2004).
A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER – A violência doméstica contra a mulher é ocasionada no seio das relações familiares, estabelecidas pelos vínculos de parentesco natural e civil, fundamenta-se em relações interpessoais de desigualdade e de poder entre mulheres e homens ligados por vínculos consangüíneos, parentais, de afetividade ou de amizade. O agressor se vale da condição privilegiada de uma relação de casamento, convívio, confiança, amizade, namoro, intimidade, privacidade que tem ou tenha tido com a vítima, bem como da relação de hierarquia ou poder que detenha sobre a vítima para praticar a violência (CALVACANTI, 2010). A união estável é instituída pelos cônjuges através de laços de afetividade, gestos de carinhos e afinidades, mas que muitas vezes acaba mascarando uma realidade opressora sobre a mulher, acontecendo numa esfera privada que na maioria das vezes a agressão sofrida pela mulher torna-se impune. O discurso masculino por meio da dominação patriarcal vitimiza a figura feminina pelo controle social masculino. Pois a violência doméstica compromete sérios agravos ao seu desenvolvimento pessoal, moral, psíquico e a sua cidadania. A violência doméstica contra a mulher é um tipo de violação dos direitos humanos fundamentais à vida, à dignidade, segurança e integridade física e psíquica. Nesse contexto, a preocupação com ela é fundada nos altos índices da sua ocorrência no Brasil e em vários outros países mundo afora, além dos grandes prejuízos que causa à implementação da equidade entre os gêneros (CAVALCANTI, 2010, p.52). Teles e Melo (2003) apresentam a diferença entre a violência doméstica e a violência contra a mulher, onde a primeira se expressa no seio familiar, ocorrendo dentro de casa, nas relações entre pessoas da mesma família, entre homens e mulheres, pais e filhos, entre jovens e pessoas idosas. Nesta violência, ocorre a intimidação da mulher pelo homem no espaço doméstico. Pode-se afirmar que sofrem espancamentos, humilhações e ofensas nas relações descritas, as mulheres são alvo principal (TELES; MELO, 2003). Esta violência doméstica é denominada por alguns autores também como intrafamiliar e, neste caso, pode ocorrer fora do espaço doméstico, como resultado de relações violentas entre membros da própria família. Para elas, “existe uma crítica em relação a essa terminologia porque, mais uma vez, ela estaria escondendo a violência contra a mulher. Sabemos que a principal vítima desse tipo de violência é população feminina (TELES; MELO, 2003, p.19). Para Azerêdo (2007), a violência doméstica contra a mulher está relacionada à divisão entre o espaço público e o privado (doméstico), o primeiro espaço sendo ocupado pelos homens e o segundo pelas mulheres. A definição de “homem público” é encontrada no dicionário Novo Aurélio como  homem que se consagra a vida pública, não existindo o verbete mulher pública, porque até o século passado esta mulher pública era a prostituta nos dicionários brasileiros. Ficando notória a discriminação contra a mulher até nos meios dos significados das palavras da língua portuguesa: [...] o que pode indicar que a vida pública continua sendo dos homens, foi uma boa surpresa não encontrar a definição tradicional de “mulher pública”, se restringindo às prostitutas, implicando ao mesmo tempo, uma desvalorização destas e das outras mulheres que se dedicam à vida pública. (AZERÊDO, 2007, p. 27). Este tipo de violência é um problema complexo por ser exercida em espaço privado, aumentando assim seu potencial ofensivo, ou seja, não se pode tratar da mesma maneira um delito praticado por um estranho e o mesmo delito praticado por alguém de estreita convivência, como maridos, companheiros, namorados atuais e anteriores. A violência doméstica contra a mulher se enquadra num tipo de violação dos direitos humanos, fundamentais à vida, à dignidade, segurança e integridade física e psíquica.
A VIOLÊNCIA NO BRASIL – A violência no Brasil, segundo Machado (2010), vem desde o primitivo enfrentamento tribal indígena e, principalmente em maiores proporções, desde o primeiro dia da invasão portuguesa para o processo de colonização em 1500, quando se deu o genocídio indígena e a escravidão que se prolongam disfarçados até o momento presente. Neste tocante, assinala Cavalcanti (2010, p. 30): As populações indígenas, vitimas iniciais desse processo, foram escravizadas ou exterminadas pelas guerras empreendidas pelo conquistador português. O segundo alvo da violência colonizadora foi a população negra. Como se sabe, entre os séculos XV e meados do século XIX, aproximadamente 30 milhões de negros foram violentamente retirados de seu continente de origem, traficados, mortos e transformados em escravos. Constata-se que ao longo do processo histórico durante o período da colonização até a República, a violência foi responsável por dizimar contingentes significativos de índios e negros, resultado das investidas de conquista e exploração do território brasileiro. Com o advento da República no século XIX, uma série de movimentos reivindicatórios evolvia as lutas pelo trabalho e pelo voto que vão desembocar nas primeiras décadas do século XX. Depois disso, conforme Cavalcanti (2010, p. 30), “No século XX a historia mundial foi marcada pela violência praticada por duas grandes guerras que vitimaram milhões de pessoas”. Foi a partir daí que, no entendimento de Adorno (1991, p. 66) que a violência endêmica alcançou níveis assustadores ampliada pelo envolvimento de policiais civis e militares na criminalidade, pelo fato da delinqüência e os crimes violentos terem aumentado, como também porque “[...] as políticas econômicas neoliberais aprofundaram as desigualdades de um sistema de relações sociais já bastante assimétricas e condenaram milhões de pessoas a viverem na pobreza e na exclusão social”. E isso mesmo com a promulgação da Constituição Federal de 1988 consolidou direitos e garantias ao cidadão. No presente se constata na realidade brasileira, segundo Cavalcanti (2010, p. 30) que: No inicio do século XXI, em que se tinha a expectativa de que a sociedade estaria tão evoluída a ponto de conviver em harmonia e paz, a mídia continua a denunciar o aumento sem precedentes de várias formas de violência, seja pela pratica de crimes, como assassinatos, seqüestros, roubos, estupros, ocorridos nos mais variados rincões brasileiros. [...] a face menos visível continua escondida e pouco reconhecida. São dados sobre o aumento do desemprego, da prostituição infantil, da diferença salarial entre homens e mulheres, entre pessoas brancas e negras, da pratica da violência domestica, etc. Esconde-se naquilo que se chama senso comum. Com isso, entende Cavalcanti (2010, p. 34), que a sociedade brasileira é marcadamente excludente: [...] Ela impede, sistematicamente, que uma grande parcela de seus cidadãos tenha acesso aos bens essenciais a sua nutrição, preservação da saúde, defesa da vida, entre outros. [...] Por isso é que os excluídos são ao mesmo tempo vitimas e autores dessa violência.  [...] o crescimento da violência criminal encontra-se associado à própria desorganização das instituições responsáveis pela manutenção da ordem publica, bem como à violência praticada pelas instituições, como nos casos de violência policial. Neste cenário, Cavalcanti (2010, p. 33) detecta no Brasil: [...] diversas formas de violência, como a violência urbana, a violência praticada pela discriminação contra as minorias (negros, índios, mulheres, crianças e idosos), a violência social em virtude dos altos índices de desigualdade social e pobreza, a violência doméstica, entre outras. O crescimento da violência no Brasil não é composto de uma única explicação. Certamente se encontra associado à lógica da pobreza e da desigualdade socioeconômica. [...] não há como negar a relevância da desigualdade socioeconômica na explicação do crescimento da violência. [...] exige analise dos vários aspectos da denominada exclusão social. A violência contra a mulher no Brasil, por exemplo, é fruto de processo histórico marcado pela opressão e pela desigualdade de gênero entrelaçados nas relações sociais entre homens e mulheres.
REFERÊNCIAS
ADORNO, Sérgio. Sistema penitenciário no Brasil. Revista USP, n.. 9, p. 65-78., mar./maio, 1991.
ALBUQUERQUE, Rossana Maria Marinho. A análise do Estado na perspectiva marxiana. Revista de Estudos Sociojurídcos da SEUNE, Maceió, ano 3, n. 5, p. 285=318, jan/dez, 2008.
ARAÚJO, M. F. Casamento e sexualidade. A revisão dos mitos na perspectiva de gênero. Tese de doutorado programa de pós-gradução em psicologia social. Universidade de São Paulo, 1999.
AZERÊDO, Sandra. Preconceito contra a mulher: diferença, poemas e corpos. São Paulo: Cortez, 2007.
BARBOSA, Sérgio. Ciência política. In: Serviço Social: fundamento teórico-metodológicos. Londrina: Unopar, 2008.
BAUER, Carlos. Breve história da mulher no mundo ocidental. São Paulo: Pulsar, 2001.
BIANCHETTI, Roberto. Modelo neoliberal e políticas educacionais. São Paulo: Cortez, 1999.
BLAY, Eva Alterman. Violência contra a mulher e políticas públicas. Scielo Brasil, 2009.
BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. São Paulo: Saraiva, 2002.
_____. Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2005.
____. II Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2008.
_____. Conselho Nacional dos Direitos da Mulher (CNDM). Lei 7353/85 alterado pela Lei 8028/90. Brasília, 2009.
_____. Programa de Prevenção, Assistência e Combate à Violência Contra a Mulher – Plano Nacional: diálogos sobre violência doméstica e de gênero: construindo políticas públicas. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2003.
CAMARGO, Marcia; AQUINO, Silvia. Redes de cidadania e parcerias: enfrentando a rota crítica. In: Programa de Prevenção, Assistência e Combate à Violência Contra a Mulher – Plano Nacional: diálogos sobre violência doméstica e de gênero: construindo políticas públicas. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2003.
_____. Políticas públicas estratégicas na proteção às mulheres. In: Programa de Prevenção, Assistência e Combate à Violência Contra a Mulher – Plano Nacional: diálogos sobre violência doméstica e de gênero: construindo políticas públicas. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2003.
CAMPANHOLE, Adriano; CAMPANHOLE, Hilton Lobo. Todas as constituições do Brasil. São Paulo: Atlas, 1976.
CARLOTO, Cássi Maria. O Conceito de gênero e sua importância para a análise das relações sociais. PUC, São Paulo.
CARVALHO, Fabricia. A mulher na Idade Média: a construção de um modelo de submissão. IFCS, 2009.
CASTILHO, Ela Wiecko. O Estatuto de Roma na perspectiva de gênero. PFDC/PRF/MPF, 2009.
CAVALCANTI, Stela Valéria de Farias. Violência doméstica: Análise da lei “Maria da Penha”, nº 11.340/06 3ª ed. Salvador: Jus Podivm, 2010.
CAVALCANTI, Vanessa. Midia, políticas públicas e gênero: divulgando o mapa do tráfico de mulheres brasileiras. Saeculum – Revista de História, João Pessoa, jul/dez. 2005.
CHAUÍ, Marilena. Participando do debate mulher e violência, perspectivas antropológicas da mulher. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.
CORREA, Sônia. Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento. AgirAzul na Rede, 2009.
FAGUNDES, Leila. O trabalho da mulher. Direuto Net, 2009.
FARIA, Helena Omena; MELO, Monica. Convenção Sobre a Eliminação de todas as formas de discriminação contra a Mulher e Convenção para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher. PGE/SP, 2009.
FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Pequeno dicionário brasileiro da língua portuguesa. 11ªed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1969.
GARCIA, Lucelene. Direito das mulheres e seu reconhecimento como direitos humanos. Jus Vigilantibus, 2009.
GOES, Adarly. Seminários temáticos II: Sistema Único de Assistencia Social (SUAS) – aspectos preliminares. In: Serviço Social: fundamento teórico-metodológicos. Londrina: Unopar, 2008.
GRUPPI, Luciano. Tudo começou com Maquiavel. 14ª Edição. Porto Alegre: L&PM, 1996.
LESSA, Sérgio. Para compreender a antologia de Lukács. 3ª Ed. Unijú, 2007.
LESSA, Sérgio; TONET, Ivo. Introdução a filosofia de Marx – 1ª Ed. São Paulo: Expressão popular 2008.
MACHADO, Ednéia. Políticas sociais I: concepções e história. In: GODOI, Sueli (Org.). Fundamentos básicos do trabalho profissional. Londrina: Unopar, 2008.
MACHADO, Luiz Alberto. Violência. Pesquisa & Cia, 2009.;
MANDEL, Ernest. Introdução ao marxismo. Porto Alegre: Movimento, 1978.
MARX, Karl; ENGELS; Friedrich; LENIN, Vlaidmir. Sobre a mulher. São Paulo: Global, 1981.
MENDES, Soraia da Rosa. Os direitos fundamentais das mulheres e as políticas públicas de promoção da igualdade pelo combate à violência doméstica. Fórum PLPs do Distrito Federal, 2009.
MICHEL, Andreé. O feminismo uma abordagem histórico. Tradução de Angela Loureiro de Souza. Rio de Janeiro: Zahar,1979.
MORAES, Marcia. Ser humana: quando a mulher está em discussão. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.
MORAES, Maria Lygia de Quartim. Marxismo e feminismo no Brasil. Primeira versão. São Paulo: IFCH UNICAMP, 1996.
NADER, Maria Beatriz. Transformações do comportamento feminino em fins nos primeiros cinco anos do século XXI: violência e denúncia. Fazendo Gênero 8 – Corpo, Violência e Poder. Florianópolis – UFES, agosto de 2008.
NOGUEIRA, Marli. Uma aberração legal. Mídia sem Máscara. 2009.
OLIVEIRA, Fatima. A Convenção de Belém do Pará dez anos depois. O Tempo. 2009.
OLIVEIRA, Rosiska.  As Mulheres, os Direitos Humanos e a Democracia. MRE, 2009.
PARODI, Ana Cecília. A responsabilidade civil nos relacionamentos afetivos pós-modernos. Campinas: Russel, 2007.
PAULO NETTO, José Paulo. Economia política: uma introdução crítica. 2ª ed. São Paulo: Cortez, 2007.
PONCE, Aníbal. Educação e luta de classes. 18ª ed. São Paulo: Cortez, 2001.
RODRIGUES, Almira. Construindo a perspectiva de gênero na legislação e nas políticas públicas. Caderno 12, Estudos de Gênero, Goiânia, 2003.
SAFFIOTI, Heleieth. Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004.
______. O poder do macho. São Paulo: Moderna, 1987.
SANTOS, José Vicente Tavares. A violência como dispositivo de excesso de poder. Brasília: Sociedade e Estado, 1995.
SANTOS, Juarez Cirino dos. O combate à violência contra a Mulher: Uma realidade ainda incipiente. Direito Penal – Parte Geral. Curitiba: Lúmen Júris IICPC, 2006.
SILVA, José Afonso. Curso de Direito Constitucional Positivo. São Paulo: Malheiros, 2002.
SIKORSKI, Daniela. Trabalho profissional. In: GODOI, Sueli (Org.). Fundamentos básicos do trabalho profissional. Londrina: Unopar, 2008.
SOIHET, Rachel. História das mulheres e história de gênero: um depoimento? Cadernos Pagu (11), 1998.
SOUSA, Rainer. A situação da mulher na Idade Média. Brasil Escola, 2009.
TELES, Maria Amélia de Almeida. Breve história do feminismo no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 2003.
TELES, Maria Amelia de Almeida; MELO, Monica. O que é violência contra a mulher. São Paulo: Brasiliense, 2001.
TOLEDO, Cecilia. Mulheres: o gênero nos une, a classe nos divide. São Paulo: Sunderman, 2008.
VALNÊDA, Cassia Santos Carneiro. Análise conjuntural dos Juizados Especiais de Proteção à mulher e a democratização do acesso à justiça. GEPSOJUR, 2009.
ZIMMERMANN, David. Violência: estudos sobre psicoterapia analítica de grupo. Porto Alegre: Artmed, 2001.

Veja aqui e aqui.




Veja mais sobre:
Tem horas que até o amor fala grego, Lev Vygotsky, Rachel de Queiroz, Ledo Ivo, Chick Corea & Friedrich Gulda, William Shakespeare, Jean-Luc Godard, Auguste Rodin, Agnolo Bronzino & Marina Vlady aqui.

E mais:
A saga do Padre Bidião aqui.
Villa Caeté aqui.
A poesia do cordel de Chico Pedrosa, Bob Motta & Jorge Filó aqui.
A poesia viva de Raymundo Alves de Souza aqui.
Cordel Ais coisa qui tu me diz..., de  Bob Motta aqui.
Literatura de cordel: Mulher cariri, cariri mulher, de Salete Maria – Cordelirando aqui.
Cordel do Meio Ambiente, de Marcos Maciel - Janduís – RN aqui.
O evangelho de José Saramago aqui.
Cordel do quebra pau no STF, de Bob Motta aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.


CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
 Recital Musical Tataritaritatá
Veja aqui.


Gentamiga, a edição deste sábado, dia 12 de setembro, do Tataritaritatá no programa Alagoas Frente & Verso da Rádio Difusora, traz os seguintes destaques: Guimarães Passos, Antonio Nóbrega, a música instrumental do alagoano Toni Augusto, Fecamepa trazendo Doro para presidente, A anedota do Mindinho no Brincarte, Sóstenes Lima, Valderez de Barros, Bia Marinho, Osman & o Samba de Ladeira, Artur Passos, Exposição Metamorfose, Sétima Mostra Alagoana de Dança, IV Bienal do Livro de Alagoas & muito mais.Confira ao vivo e online a partir das 9 horas da manhã deste sábado clicando aqui na Rádio Difusora de Alagoas.Veja mais já está disponível para download de todas as edições do Tataritaritatá na Rádio Difusora de Alagoas no seu computador


KRISHNAMURTI, MILLÔR, CELSO FURTADO, JOSEPH CAMPBELL, BARBOSA LIMA SOBRINHO, GILVAN LEMOS, RIO UNA & MARQUINHOS CABRAL

MARQUINHOS CABRAL: DESDE MENINO SOLTO NA BURAQUEIRA – A gente aprontou muitas e tantas no quintal lá de casa e nos cômodos da casa dele ...