domingo, agosto 12, 2012

BACHELARD, CRESSIDA COWELL, CLAIRE BRETÉCHER, MAURO MOTA & LITERÓTICA


ESSA MENINA - Essa menina é feita de lua. Ela voa na rua prontinha querubin. E me apronta tlin tlin no alto da campina onde tudo é cantina feita só de si. Ah, essa menina que dança com jeito, somente a gingar. Qual estrela lá mansa na unha matutina, desde sonsa ilumina onde antes supunha nunca existir. Ela está sempre aqui como chama na retina, como a grama que mina todo o quintal. E se faz de vestal de todos os presságios. Ela alucina ao contágio. E ela só vale ágio na sina do apelo a brilhar nos cabelos toda magia. O que eu mais queria: roubar o seu cheiro, seu secreto terreiro de tangerina. Ah, fulmina iminente – ela não é gente – é deusa a mendigar. Essa menina é feita de mar, intensa, quiçá, real mais divina. Quando vem cabotina só me desmantela. Ela vira a janela pronta pr´eu abrir. Essa menina chega com o olhar ardendo de vida. Quase desvalida com a boca nas asas que vaza e é guia perdidas esquinas, toda emoção repentina com o sopro de aguerrida na pele. O paladar que repele na maior febre, que tudo se quebre ao sol posto - a saliva com gosto de boa cajuína. Ela é tão traquina: o seio da boca sedenta. E venta maior ventania. E, todavia, se põe a chover: o corpo queimando o prazer. Essa menina é feita do rio que escorre ao quadril pra me afogar. Patati, patatá, é ela que me abriga como se eu fosse a viga que ela quer sustentar. Essa menina, bailarina da noite, em carne viva, vitalina, essa flor menina a me servir sucessivas entregas, peças que prega nos meus cinco sentidos. Essa menina é feita de peso: a coxa tatua o desejo que as pernas eqüinas rolam sobejo do sexo azul. Eu todo taful com seus pés nos meus braços que o abraço fulmina e lateja, água que poreja tão pequenina e vira ribeirão na luz feminina. Vingo-lhe a nuca que me ilumina e ela me sorri encantada, franzina com a gula que vai da glória à ruína. Essa menina e a mão culpada de amor. Ela brota, ereta, me socorre, me empesta. Salta da grota, na greta, virada na breca, capeta, na alvura exalta, cristalina. E tudo se arrasta, arrebata, contamina. E me larga no sopro. Meu corpo oficina. Maior serpentina de carnaval. E me faz imortal. Vem e ilumina a vida toda esquecida no meio da paixão. É quando, então, ela cisma do mundo e reduz quase tudo na palma da mão onde ela mais que altaneira me deita na esteira e me nina um milênio de paixão. © Luiz Alberto Machado. Veja mais aqui, aquiaqui.

 


DITOS & DESDITOS - Fico feliz em ganhar a vida fazendo algo divertido que é classificado como uma arte menor. A maioria dos idosos diz que nunca se sentiu tão jovem; eu nunca me senti tão velha . Tenho habilidades muito desenvolvidas para não fazer nada. Não sou um grafomaníaca, como Cabu, que desenha nos bolsos ou nas costas. Quando estou trabalhando em um álbum, é tão cansativo, levar sem trégua quando eu gosto, então, difícil de parar completamente. Meu desenho decorre menos do sentido de observação do que do sentimento de pertencimento a um grupo social. Eu sempre falo mais ou menos de mim e meus personagens tiram sarro de minhas próprias falhas Pensamento da cartunista francesa Claire Bretécher (1940-2020), criadora de obras como Les Frustrés e a adolescente Agrippine.

 

ALGUÉM FALOU: Ao longo dos anos tem havido um crescente número de mulheres em uma grande gama de cargos, como professoras associadas, professoras universitárias e cargos elevados na administração das universidades. Mas ainda há uma subrepresentação das mulheres que ocupam papéis importantes nos laboratórios fazendo experimentos. Quando estava na graduação, 50% dos alunos da turma e da própria universidade eram mulheres. Agora estou numa posição em que há menos de 10% de mulheres no mesmo patamar. Pensamento da bióloga molecular estadunidense Carol Greider, Premio Nobel de Medicina de 2009, que noutra ocasião assim se expressou: Uma foto apareceu nos jornais em que estou com meus filhos. Quantos homens que ganharam o Nobel nos últimos anos, e que têm filhos da mesma idade que os meus, aparecem em uma foto em que seus filhos estão presentes? Essa é uma grande diferença não é? Em si, esta é uma afirmação.

 

PSICANÁLISE DO FOGO – [...] O fogo aceita os valores opostos do bem e do mal [...] Brilha no paraíso e arde no inferno [...] É doçura e tortura, bom e mau [...] Calor doméstico e apocalipse [...] Ele pode ser brincadeira e castigo para a criança próxima a uma lareira, diz ainda o filósofo que conclui: O fogo é grande mestre de tolerância, já que aceita contradições [...] Uma psicanálise indireta e segunda que buscaria sempre o inconsciente sob o consciente, o valor subjetivo sob a evidência objetiva, o devaneio sob a experiência. Só se pode estudar o que primeiramente se sonhou. A ciência se forma mais sobre um devaneio do que sobre uma experiência [...]. Trechos extraídos da obra La psychanalyse du feu (Idées Gallimard, 1972), do filósofo, crítico literário e epistemólogo francês Gaston Bachelard (1884-1962). Veja mais aqui e aqui.

 

A LENDA DA LLORONA – Llorona, um poema: Não nubla, senhora, a luz de seus olhos, / não chore, senhora, porque chorar te deixa feia  / e o rim inunda com estrepes feridos / Bem, quem chora muito muito pouco faz xixi. / Se fosse pelos seus filhos, pare de chorar. / Se fosse pelo seu amante, mais uma razão... / Llorona, a morte nunca é um grande problema / e você tem que morder a bala −dizem– coração. / Lágrimas de sangue ou água alcalina / nem diluem o amor nem despertam o amor; / mas em vez disso, eles infame de humildade canina / e a alma ondula e a córnea irrita... / Não chore, Llorona, porque chorar te deixa feia / e quem chora muito mija muito pouco... Poema do poeta e jornalista mexicano Renato Leduc (1897-1986), dando conta da lendária Llorona: uma mulher que perdeu os seus filhos, que foi convertida numa alma penada, procura-os em vão, perturbando com o seu pranto os que a ouvem. No México colonial, a cada noite os sinos do templo católico marcavam o toque de recolher, às onze da noite. Passada essa hora, começavam a ouvir prantos e gritos angustiosos, emitidos por uma mulher sobrenatural, que percorria de madrugada da colônia espanhola e desaparecia misteriosamente antes do alvorecer. Após o acontecimento que se repetia por várias noites, os vizinhos começaram a se interrogar quem seria essa mulher que pretendia se afogar. Aflorando às janelas e saindo inesperadamente ao seu encontro, distinguiram uma mulher vestida de branco, oculta por um véu, magra e cadavérica, que se ajoelhava olhando a Oriente na praça Maior. Ao ver que a seguiam, se desvanecia entre a bruma junto ao Lago de Texcoco. Essa história foi resgatada de uma narrativa de Malinche, uma indígena do México traduzia a língua local e foi uma auxiliar de Cortês, inscrita no Lienzo Tlaxcala - Roupa de Tlaxcala, que foi um documento traduzido, no século XV. Aí formularam diversas teorias sobre a fantasmagórica desconhecida, que o povo, por sua perpétua aflição, começou a chamar: Llorona. Dizia-se que era uma mulher indígena, apaixonada por um cavaleiro espanhol ou criollo, com quem teve três meninos. No entanto, ele não formalizou a sua relação: limitava-se a visitá-la e evitava casar-se com ela. Tempo depois, o homem casou-se com uma mulher espanhola, pois tal enlace resultava-lhe maior conveniência. Ao certificar-se, Llorona, enlouqueceu de dor e afogou os seus três filhos no rio. Depois, ao ver o que tinha feito, se suicidou. Desde então, o seu fantasma tem se ouvido a gritar "Ai, meus filhos!" (ou então, emite um gemido mudo). Costumam achá-la na margem do rio, percorrendo o lugar onde morreram os seus filhos e onde ela pôs termo à vida. Alguns interpretam a lenda com a crença totonaca nas Cihuateteo, mulheres mortas de parto e que se tornaram deusas.

 

DOS DRAGÕES – [...] Não existe algo como impossível, Soluço, apenas improvável. A única coisa que nos limita são os limites da nossa imaginação [...] Às vezes é apenas um Verdadeiro Amigo que sabe o que queremos dizer quando tentamos falar. Alguém que passou muito tempo conosco e ouve atentamente o que estamos tentando dizer e tenta entender. [...] Para um herói não pode triunfar o tempo todo. Às vezes ele será derrotado, e como ele enfrenta essa derrota é um teste de seu caráter. [...] Trechos extraídos da obra How to Train Your Dragon (Little, Brown Books/Young Readers, 2010), da escritora inglesa Cressida Cowell.

 

CACTO - Insólito, agressivo, / de pudor botânico: / cacto. / Espantalho / da chuva, / bandido xerófilo, / multiapunhalante. / Mãos ásperas / lixam o tempo. / A língua / dura e espinhenta / lambe e fere / o ígneo vento. / Cacto de aço / verde árido. / Mas / com o pranto nas raízes / e o impacto cromático / da flor cactácea / que se / abre neste mormaço. Poema O Galo e o Cata-vento (1962), do poeta, jornalista, professor e memorialista Mauro Mota (1911-1984). Veja mais aqui e aqui.

 

A arte do fotógrafo e diretor de cinema britânico David Hamilton (1933-2016).

 

PROGRAMA DOMINGO ROMÂNTICO – O programa Domingo Romântico que vai ao ar todos os domingos, a partir das 10hs (horário de Brasilia), é comandado pela poeta e radialista Meimei Corrêa na Rádio Cidade, em Minas Gerais. Confira a programação deste domingo aqui. Na edição deste 12/08 do programa Domingo Romântico, uma produção da radialista e poeta Meimei Correa e apresentado por Luiz Alberto Machado, além de comemorar 2 mil membros parceiros no Grupo do Facebook, está com uma programação especial pra você, confira as atrações: Leos Janacek, Thomas Mann, John Cage, Miguel Torga, Pat Metheny, Jules Massenet, Gonçalves Dias, Dmitri Shostakovich, Bertolt Brecht, Herbert de Sousa (Betinho), William Blake, Elis Regina, Jorge Amado, Ian Fleming, Helena Meirelles, Hamilton de Holanda, Dire Straits, Marcus Viana, Beto Guedes, Leo Gandelman, Adriana Calcanhotto, Chico Buarque, Milton Nascimento, Ivan Lins, Jacob do Bandolim, Djavan, Claudionor Germano, Preta Gil, Fafá de Belém, Jetro Tull, Clara Nunes, Ana de Hollanda, Sonia Mello, Santanna, o Cantador, Roberta Sá, Tábata Corso, Virginia Rosa, Maytê Correa, Paulo Cesar Pinheiro, Giovana Guastaldi, Teresa Cristina, Agepe, Junior Ribas, Jorge Medeiros & muito mais. Veja mais aqui.


Confira mais detalhe e veja outras edições do programa aqui.


Veja mais sobre:
Ginofagia aqui, aqui e aqui

E mais:
O presente na festa do amor aqui.
Primeiro encontro, a entrega quente no frio da noite aqui.
Primeiro encontro: o vôo da língua no universo do gozo aqui.
Ao redor da pira onde queima o amor aqui.
Por você aqui.
Moto perpétuo aqui.
O uivo da loba aqui.
Ária da danação aqui.
Possessão Insana aqui.
Vade-mécum – enquirídio: um preâmbulo para o amor aqui.
Eu & ela no Jeju Loveland aqui.
O flagelo: Na volta do disse-me-disse, cada um que proteja seus guardados aqui.
Big Shit Bôbras aqui.
A chupóloga papa-jerimum aqui.
Educação Ambiental aqui.
Aprender a aprender aqui.
Crença: pelo direito de viver e deixar viver aqui.
É pra ela: todo dia é dia da mulher aqui.
A professora, Henrik Ibsen, Lenine, Marvin Minsky, Columbina, Jean-Jacques Beineix, Valentina Sauca, Carlos Leão, A sociedade da Mente & A lenda do mel aqui.
Educação no Brasil & Ensino Fundamental aqui.
Bolero, John Updike, Nelson Rodrigues, Trio Images, Frederico Barbosa, Roberto Calasso, Irma Álvarez, Norman Engel & Aecio Kauffmann aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Leitoras comemorando a festa Tataritaritatá!
Art by Ísis Nefelibata
Veja aquiaqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra: 
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.




NATALIE GOLDBERG, ANA MARÍA RODAS, HELEIETH SAFFIOTI, HOMENS & CARANGUEJOS

    Imagem: Acervo ArtLAM. Ao som da Fantasia Sul América para violino solo (2022), do compositor Cláudio Santoro; do Canto dos Aroe (20...