domingo, julho 31, 2011

CIDA PEDROSA, RAYMOND BERNARD, TOMÁS DE KEMPIS, LUNÁRIO PERPÉTUO, VIDA DE ARTISTA, FEMINISMO & SUFRAGISMO.


A arte do artista visual e arquiteto romeno Marcel Janco (1895-1984). Veja mais abaixo.

 

DÃO CHICOTE, BATUBANGA & LORILEIA BOCO-MOCO – Dão Chicote vivia no mundo das nuvens, sonhava de olho aberto. De tanto ler folheto de cordel, acreditava um dia virar super-herói – no caso dele, Lampião. E assim se deu: botou um gibão cheio de brebotes bizarros– adornos de tampas duns frascos a farrapos, tiras, fitas e bregueços; um chapéu meia lua de couro com penduricalhos e uma estrela de Davi com uma flor de lis; uma alpercata com solado de pneu de caminhão, uma camisa quadriculada com remendos coloridos e espelhos e medalhões, uma calça coronha encardida e cheia de manchas; óculos de aro e lentes redondas; uma garrucha enferrujada na cartucheira, um punhal vergado de madeira, embornal bordado com moedas, metais, chimbras, botões e recortes multicores, estava pronto seu uniforme recheado de doidices para suas desventuras andantes na defesa de pobres e injustiçados. Faltavam um escudeiro, uma mulher musa amada e um ritual de consagração. Pôs-se em providências e logo achou Batubanga – aquele que foi parido num batuque de xangô da Maria Banga, a mesma que endoideceu na hora dos passos e de susto com a feiúra gerada na hora do parto inusitado, deu seu último suspiro e desceu aos infernos. Era o seu escudeiro cagado e cuspido. Partiu para a musa inspiradora e bateu de frente com Lorileia Boco-Moco, uma paixão antiga, da infância, a sua Dulcineia. Agora sim, era só convencê-los com lábias e tudo resolvido. Não foi bem assim, teve de se esforçar e muito para vencer o alheamento de ambos, até que conseguiu tangê-los estrada afora. No meio do caminho, entre umas e outras viradas de copo, se arreta com os dois, mete as mãos pelas pernas, troca tapa com o seu nada fiel escudeiro que insistia em botar gosto ruim no seu idílio, retrucando com a maior má-vontade e a coisa quase desanda de vez. Bastou uma topada e, na lata, um desenho do Alonso Quijano de joelhos diante da Aldonza Lorenzo. Inspirou-se e às pressas remoeu sua paixão, ela nem aí pro chaleirado dele nos calcanhares dela. Eram juras e aranzéis dum lado e o Batubanga queimando seu filme no outro ouvido da amada. Como era o rumo da fazenda de um conhecido, animou-se para convidá-la à quadrilha do casamento: En avant, tout, anarriê. Meiotas, goles e engasgos, se animaram. Ele já ouvia na ideia o coro: anavantú, anarriê. E pronto para ser ordenado na jagunçada, ora. Lá chegando ele com alvoroço, ela: Eu, hem? Os cabras vendo-lhe cheio dos quequeos, jogam-lhe uma lata cheia de mijo e ele bebaço se dá por batizado. Peito inflado com a sagração, chama o parceiro com promessas de fortuna e glória, determinado que trouxesse a sua dama para a cerimônia matrimonial. Ela tinha escapulido, nem sinal de seus rastros. Então, entraram na molecagem: enfeitaram uma vassoura como se fosse ela e celebraram o casamento. Na hora do beijo, Dão trupica e bate o quengo no poste, rela a venta no chão e, na sarjeta, anuncia duelo com Frescão, seu algoz! Puto da vida, ataca o inimigo com toda fúria e finda inchado de hematomas, arreado inconsciente no meio fio. Nem mel, nem cabaço. Amanhece de ressaca sem saber onde está nem o que fez na noite anterior, procurando por Batubanga que o coloca a par da chacota toda. Tendo suas investidas todas malogradas, ganhou o apelido de Véio Gala Rala. Murchou e saiu cabisbaixo. Dias depois já recuperado tornava a insistir ma coisa. Apesar de dissuadido, insistia provar seu amor à amada que deu nos calos e babau. Revoltado com o abandono e a greia dos pariceiros, saiu como quem ia pra guerra se arvorando herói contra todos os inimigos que lhe surgiam pela frente: mandacarus, cercas, chãs, touceiras, porteira, para ele todos são demônios encantados por Frescão. Eis que de repente, leva um bofetão de deixá-lo estirado, foi ver melhor: Será a minha doce amada Lorileia? Não, não era, era a sobrinha Doidamares xingando-o furiosa! Que foi? Ela descascou a reputação do tio, deixando-o mais raso que poeira no subsolo. Foi a maior lengalenga de juntar gente. O pior é que foi acusado de estuprador por ela. A própria sobrinha? Eita! Findou preso. Lascou. Solitário condoído, resolveu redigir uma carta de amor para Lorileia. Às mangações de outros presos, o fez duelar com todos até ser sacudido todo estropiado. Hem, hem. Estava humilhado de todos os achincalhes enquanto ainda sonhava glorificado por centenas de capítulos nas loas do Desgraçado Cangaceiro Dão Chicote, com seus feitos cantados em sextilhas inventadas por supostos cantadores afamados, ganhando de mesmo só o escárnio de um coquista anônimo desaforado que, para piorar a situação, fugia da mira sem pagar o verso e a obrigação. Para lascar tudo ainda deram de recitar o Epitáfio de Dulcineia de Cervantes: Repousa aqui Dulcinéia; / de carnes roliça outrora, / mas só pó e cinza agora / na morte espantosa e feia. / Da ralé vinha sua veia / e com indícios de dama, / do grão Quixote foi chama,/ e a glória de sua aldeia. Ela morreu? Não, nunca existiu, bestão! © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui, aqui, aqui e aqui.


 A arte do artista visual e arquiteto romeno Marcel Janco (1895-1984). Veja mais abaixo.

 

DITOS & DESDITOS - Aquele para quem tudo é unidade, que leva tudo à unidade, que vê o todo em um, pode ser firme em seu coração e viver pacífico em Deus. Nada há que po~ssa desviá-los ou abaixá-los, já que, cheios da vida eterna, eles queimam do fogo do amor, que nunca se apaga. Trechos extraídos da obra Imitação de Jesus (Loyola, 1992), do escritor alemão Tomás de Kempis (1379-1471), texto de literatura devocional auxiliar à oração e às práticas devocionais pessoais. Veja mais aqui, aqui e aqui.

 

ALGUÉM FALOU: [...] A p0olítica é assunto dos homens. Algumas vezes, ela serve aos nossos desígnios, outras, não.  [...] Cada um está no seu lugar, ligado, fundido nos outros, e cumpre sua missão como deve. [...] Numa sociedade onde tudo parece claro, observam-se tantas pessoas que, de maneira hábil, se envolvem com uma aureola misteriosa para dissimular o vazio que nelas existe, que não p0odemos evitar um certo mal-estar quando a mesma atitude é usada com uma finalidade extremamente importante e séria. [...] Que é a paz para quem nunca conheceu o tormento e a alegria, para quem nunca sofreu, a verdade para quem não compartilhou o erro e a unidade para quem ignorou a diversidade? [...]. Trechos extraídos da obra Encontros com o insólito (Renes, 1970), do escritor, advogado humanista e místico francês, Raymond Bernard. Veja mais aqui e aqui.

 

LUNÁRIO PERPÉTUO - A primeira edição d’O Non Plus Ultra do Lunário e Prognóstico Perpétuo, do matemático, astrônomo, naturalista e compilador espanhol, Jerônimo Cortez (1560-1611), data de 1703, da casa de Miguel Menescal, Lisboa, expressando a ciência contida, geral e particular, para todos os reinos e províncias, que foi emendado conforme expurgatório da Santa Inquisição e traduzido em português. A obra possu um pouco de tudo, desde astrologia, deuses mitológicos, horóscopos, receitas, calendários, aritmética, filosofia, astronomia, biografias, conhecimentos agrícolas, conselhos, entre outras. Entre seus trabalhos estão o Compendio de regras breves (1594), Fisionomia natural e vários segredos da natureza (1597), Aritmética prática (1604), entre outros. Veja mais aqui, aqui, aqui & aqui.

 

QUATRO POEMASMORTE SOB CARBONO - a floresta (dentro / da sala) / espia o homem / que se apóia na caneta / nomes números nódoas / as velhas esperam / o ventilador gira / o café esfria o bigode do funcionário / — papel poeira pesares / — idades vãs / entre / um documento e outro / um carimbo e outro / uma certidão e outra / as velhas / acertam um grampo na alma / e pactuam um prazo com a morte. URBE - hoje na minha boca / não cabem girassóis / cabe um poemapodre / cheiro de mangue Capibaribe / um poemaponte / galeria esgoto chuvas de abril / um poemacidade / fumaça ferrugem fuligem / hoje na minha boca / cabe apenas o poema / o poema hóspede da agonia. DIFERENÇA - meu amor ouve fado / não rodopia / apenas baila e espreita. / eu gosto de tanto. / minha mãe sempre diz: / seus olhos são trágicos. O CAMINHO DA FACA - parte em arco / rumo ao corpo amado / flecha a fera, exposta / à chaga / cruza a dor, o sonho / escuta / zunindo a lâmina / flamejante alcança / artérias e vasos / aquedutos pontes / parte em seta / rumo ao corpo amado / serena ira, ao amor / alcança / desdobra a carne / desnuda a veia / instala certeira / a eternidade / pára qual âncora / dentro do corpo amado / ferina flor, ao corpo / planta. Poemas da poeta e advogada Cida Pedrosa, auto0ra dos livros As filhas de Lilith (2009) e Miúdos (2011). Veja mais aqui.

A MULHER, O MOVIMENTO SUFRAGISTA & O FEMINISMO - O movimento sufragista, conforme Rodrigues (2010), emerge em meados do século XIX, quando as feministas se inserem ao assumir uma visão critica das contradições e das limitações das grandes transformações históricas, por meio das revoluções americanas e francesas que excluíram as mulheres dos parlamentos e dos governos, negando-lhes o direito básico de votar e serem votadas. É conveniente registrar que é exatamente neste momento que surgem os movimentos feministas que, em seus primórdios, conforme Bauer (2010), ficou centralizado na conquista do voto feminino sem desprezar outras reivindicações. E assinala Toledo (2008) que as primeiras lutas feministas da era burguesa foram por direitos democráticos, como o divorcio e o direito a receber uma educação completa, nos primórdios da revolução burguesa. Ao final dos anos 70, registra Bauer (2010), que surgiu uma grande quantidade de grupos feministas em todos os países capitalistas e, com eles, foram intensificadas as reflexões sobre a divisão sexual dos papeis, fonte de toda discriminação, as relações de poder entre os sexos, perpetuavam a situação imposta sobre as mulheres. Segundo Toledo (2008, p. 91): [...] nos Estados Unidos o movimento sufragista foi a primeira luta feminista de caráter internacionalista, porque envolveu mulheres de vários países do mundo e incorporou os métodos tradicionais de luta da classe trabalhadora, como passeatas massivas, assembléias, greves de fome e enfrentamentos brutais com a policia, nos quais muitas ativistas foram presas e assassinadas. Além da repressão física, as mulheres tiveram de enfrentar a repressão moral, os preconceitos e o ódio da sociedade patriarcal, que não suportava a idéia de ver mulheres abandonando o fogão para ir às ruas, marchar e gritar palavras de ordem. É com essas lutas que o feminismo, segundo Teles (2003, p. 12), refere-se às ações de mulheres dispostas a combater a discriminação e a subalternidade das mulheres e que buscam criar meios para que as próprias mulheres sejam protagonistas de sua vida e história. Para Saffioti (1987, p. 98): O feminismo é uma perspectiva político-científica na qual se identificaram as contradições fundamentais da sociedade e sua interação simbiótica, como um só sistema de dominação-exploração, que prejudica a maioria esmagadora dos membros da sociedade. Trata-se, pois, na luta política, de saber se se deseja uma democracia para poucos, uma democracia para muitos ou uma democracia para todos. Neste sentido, a autora identifica os modelos do feminismo radical e do feminismo socialista. Para Saffioti (1987), o feminismo radical demonstra sua intransigência quanto à não-aceitação das próprias diferenças sexuais biologicamente definidas. As adeptas desta corrente desejam alcançar total autonomia em relação ao homem, inclusive no terreno sexual. Já o feminismo socialista, para Saffioti (1987) é uma corrente que trata de lidar, simultaneamente, com todas as contradições básicas da sociedade regida pelo patriarcado-racismo-capitalismo. Depois de 1848, segundo Bauer (2010) o feminismo não adquiriu uma nova força, hegemônica e revolucionária no cotidiano da vida social no mundo contemporâneo. Porém, foi suficientemente capaz de cobrir dois importantes e significativos campos de luta: por um lado, a ação política e a difusão planetária de suas idéias e, por outro, a luta por melhores salários e condições satisfatórias de trabalho, articulando-se, neste caso, com o movimento socialista internacional. Por força dessas lutas, conforme Rodrigues (2010), as conquistas sufragistas só se consolidaram na primeira metade do século XX, século este em que as mulheres conquistaram esse direito praticamente em quase todos os país do mundo, permitindo que o direito do voto para elas fosse conquistado em 1920 nos EUA, em 1928 no Reino Unido, em 1944 na França e em 1976 em Portugal. O Decênio Internacional das Nações Unidas para a Mulher, iniciado em 1975, e a Conferência de Nairobi que, em 1985, encerrou suas atividades, serviram para estender um programa de igualdade de oportunidades entre os 157 países participantes de todo mundo. Veja mais aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.
REFERÊNCIAS
ADORNO, Sérgio. Sistema penitenciário no Brasil. Revista USP, n.. 9, p. 65-78., mar./maio, 1991.
ALBUQUERQUE, Rossana Maria Marinho. A análise do Estado na perspectiva marxiana. Revista de Estudos Sociojurídcos da SEUNE, Maceió, ano 3, n. 5, p. 285=318, jan/dez, 2008.
ARAÚJO, M. F. Casamento e sexualidade. A revisão dos mitos na perspectiva de gênero. Tese de doutorado programa de pós-gradução em psicologia social. Universidade de São Paulo, 1999.
AZERÊDO, Sandra. Preconceito contra a mulher: diferença, poemas e corpos. São Paulo: Cortez, 2007.
BARBOSA, Sérgio. Ciência política. In: Serviço Social: fundamento teórico-metodológicos. Londrina: Unopar, 2008.
BAUER, Carlos. Breve história da mulher no mundo ocidental. São Paulo: Pulsar, 2001.
BIANCHETTI, Roberto. Modelo neoliberal e políticas educacionais. São Paulo: Cortez, 1999.
BLAY, Eva Alterman. Violência contra a mulher e políticas públicas. Scielo Brasil, 10 jun 2010.
BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. São Paulo: Saraiva, 2002.
_____. Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2005.
____. II Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2008.
_____. Conselho Nacional dos Direitos da Mulher (CNDM). Lei 7353/85 alterado pela Lei 8028/90. Atmosfera Feminina, 2010.
_____. Programa de Prevenção, Assistência e Combate à Violência Contra a Mulher – Plano Nacional: diálogos sobre violência doméstica e de gênero: construindo políticas públicas. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2003.
CAMARGO, Marcia; AQUINO, Silvia. Redes de cidadania e parcerias: enfrentando a rota crítica. In: Programa de Prevenção, Assistência e Combate à Violência Contra a Mulher – Plano Nacional: diálogos sobre violência doméstica e de gênero: construindo políticas públicas. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2003.
_____. Políticas públicas estratégicas na proteção às mulheres. In: Programa de Prevenção, Assistência e Combate à Violência Contra a Mulher – Plano Nacional: diálogos sobre violência doméstica e de gênero: construindo políticas públicas. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2003.
CAMPANHOLE, Adriano; CAMPANHOLE, Hilton Lobo. Todas as constituições do Brasil. São Paulo: Atlas, 1976.
CARLOTO, Cássi Maria. O Conceito de gênero e sua importância para a análise das relações sociais. PUC, São Paulo.
CARVALHO, Fabricia. A mulher na Idade Média: a construção de um modelo de submissão. Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2010.
CASTILHO, Ela Wiecko. O Estatuto de Roma na perspectiva de gênero. Brasília, 2010.
CAVALCANTI, Stela Valéria de Farias. Violência doméstica: Análise da lei “Maria da Penha”, nº 11.340/06 3ª ed. Salvador: Jus Podivm, 2010.
CAVALCANTI, Vanessa. Midia, políticas públicas e gênero: divulgando o mapa do tráfico de mulheres brasileiras. Saeculum – Revista de História, João Pessoa, jul/dez. 2005.
CHAUÍ, Marilena. Participando do debate mulher e violência, perspectivas antropológicas da mulher. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.
CORREA, Sônia. Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento. AgirAzul na Rede, 2010.
FAGUNDES, Leila. O trabalho da mulher. Direuto Net, 2010.
FARIA, Helena Omena; MELO, Monica. Convenção Sobre a Eliminação de todas as formas de discriminação contra a Mulher e Convenção para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher. São Paulo, 2010.
FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Pequeno dicionário brasileiro da língua portuguesa. 11ªed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1969.
GARCIA, Lucelene. Direito das mulheres e seu reconhecimento como direitos humanos. Jus Vigilantibus, 2010.
GOES, Adarly. Seminários temáticos II: Sistema Único de Assistencia Social (SUAS) – aspectos preliminares. In: Serviço Social: fundamento teórico-metodológicos. Londrina: Unopar, 2008.
GRUPPI, Luciano. Tudo começou com Maquiavel. 14ª Edição. Porto Alegre: L&PM, 1996.
LESSA, Sérgio. Para compreender a antologia de Lukács. 3ª Ed. Unijú, 2007.
LESSA, Sérgio; TONET, Ivo. Introdução a filosofia de Marx – 1ª Ed. São Paulo: Expressão popular 2008, p. 128.
MACHADO, Ednéia. Políticas sociais I: concepções e história. In: GODOI, Sueli (Org.). Fundamentos básicos do trabalho profissional. Londrina: Unopar, 2008.
MACHADO, Luiz Alberto. Violência. Pesquisa & Cia. Disponível em http://pesquisaecia.blogspot.com/2009/02/violencia.html. Acesso em 10 jun 2010.
MANDEL, Ernest. Introdução ao marxismo. Porto Alegre: Movimento, 1978.
MARX, Karl; ENGELS; Friedrich; LENIN, Vlaidmir. Sobre a mulher. São Paulo: Global, 1981.
MENDES, Soraia da Rosa. Os direitos fundamentais das mulheres e as políticas públicas de promoção da igualdade pelo combate à violência doméstica. Fórum PLPs do Distrito Federal, 2010.
MICHEL, Andreé. O feminismo uma abordagem histórico. Tradução de Angela Loureiro de Souza. Rio de Janeiro: Zahar,1979.
MORAES, Marcia. Ser humana: quando a mulher está em discussão. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.
MORAES, Maria Lygia de Quartim. Marxismo e feminismo no Brasil. Primeira versão. São Paulo: IFCH UNICAMP, 1996.
NADER, Maria Beatriz. Transformações do comportamento feminino em fins nos primeiros cinco anos do século XXI: violência e denúncia. Fazendo Gênero 8 – Corpo, Violência e Poder. Florianópolis – UFES, agosto de 2008.
NOGUEIRA, Marli. Uma aberração legal. Mídia sem Máscara, 2010.
OLIVEIRA, Fatima. A Convenção de Belém do Pará dez anos depois. O Tempo, 2010.
OLIVEIRA, Rosiska.  As Mulheres, os Direitos Humanos e a Democracia. Brasília, 2010.
PARODI, Ana Cecília. A responsabilidade civil nos relacionamentos afetivos pós-modernos. Campinas: Russel, 2007.
PAULO NETTO, José Paulo. Economia política: uma introdução crítica. 2ª ed. São Paulo: Cortez, 2007.
PONCE, Aníbal. Educação e luta de classes. 18ª ed. São Paulo: Cortez, 2001.
PROMOTORAS LEGAIS POPULARES. Brasília, 2010.
RODRIGUES, Almira. Construindo a perspectiva de gênero na legislação e nas políticas públicas. Caderno 12, Estudos de Gênero, Goiânia, 2003.
SAFFIOTI, Heleieth. Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004.
______. O poder do macho. São Paulo: Moderna, 1987.
SANTOS, José Vicente Tavares. A violência como dispositivo de excesso de poder. Brasília: Sociedade e Estado, 1995.
SANTOS, Juarez Cirino dos. O combate à violência contra a Mulher: Uma realidade ainda incipiente. Direito Penal – Parte Geral. Curitiba: Lúmen Júris IICPC, 2006.
SILVA, José Afonso. Curso de Direito Constitucional Positivo. São Paulo: Malheiros, 2002.
SIKORSKI, Daniela. Trabalho profissional. In: GODOI, Sueli (Org.). Fundamentos básicos do trabalho profissional. Londrina: Unopar, 2008.
SOIHET, Rachel. História das mulheres e história de gênero: um depoimento? Cadernos Pagu (11), 1998, pp. 77-87.
SOUSA, Rainer. A situação da mulher na Idade Média. Brasil Escola, 2010.
TELES, Maria Amélia de Almeida. Breve história do feminismo no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 2003.
TELES, Maria Amelia de Almeida; MELO, Monica. O que é violência contra a mulher. São Paulo: Brasiliense, 2001.
TOLEDO, Cecilia. Mulheres: o gênero nos une, a classe nos divide. São Paulo: Sunderman, 2008.
VALNÊDA, Cassia Santos Carneiro. Análise conjuntural dos Juizados Especiais de Proteção à mulher e a democratização do acesso à justiça. Brasília, 2010.
ZIMMERMANN, David. Violência: estudos sobre psicoterapia analítica de grupo. Porto Alegre: Artmed, 2001.

VIDA DE ARTISTA: LUIZ ALBERTO MACHADO – Entrevista concedida ao programa Vida de Artista, comandado pela jornalista Gal Monteiro, na TVEducativa, Maceió, Alagoas, por ocasião de realização do show Tataritaritatá, no Projeto Palco Aberto, no dia 19 de maio, no Espaço Cultural Linda Mascarenhas.

Vida de Artista: Luiz Alberto Machado – Parte 1

Vida de Artista: Luiz Alberto Machado – Parte 2

Vida de Artista: Luiz Alberto Machado – Parte 3


Veja mais sobre:
Quando Papai Noel foi preso, Henryk Górecki, Demócrito de Abdera, Jane Campion, Alfred Eisenstaedt, Frédéric Bazille, Fernando Fabio Fiorese Furtado, A Comédia, Meg Ryan, A prisão de São Benedito & Luiz Berto aqui.

E mais:
Oniomania & Shopaholic, Píndaro, Mestre Eckhart, Maimônides, Paulo Leminski & Gilton Della Cella aqui.
A depressão aqui.
Ansiedade: elucubrações das horas corridas aqui.
O sabor da princesa que se faz serva na manhã aqui.
Orçamento & Finanças Públicas & os quadrinhos de Sandro Marcelo aqui.
Educação, Professor, Inclusão, Emir Ribeiro & Velta aqui.
A Lei de Responsabilidade Fiscal aqui.
Gilbela, é nela que a beleza se revela aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA

Leitora Tataritaritata
Veja aqui, aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra: 
 Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.

sexta-feira, julho 29, 2011

D’ANNUNZIO, MIDDLETON, MUTARELLO, JESSICA TODD HARPER & A MULHER DO RENASCIMENTO AO MARXISMO


 

A arte da fotógrafa estadunidense Jessica Todd Harper. Veja mais abaixo.

 


JANELA DA VIDA – Imagem: A arte da fotógrafa Jessica Todd Harper. - Eis-me aqui, em carne, ossos e fracassos. Sou porta ao escancaro e não repare a bagunça, a anárquica arrumação, o lastimável desamparo. Não sou bem assim, levo a vida e nem sei direito, sinto além do que consigo suportar. Celebro meus defeitos, não posso negá-los, nem ser diferente do que sou: vou muito além do que posso. Sou um homem comum e qualquer, não guardo mágoas nem rancor; asseguro de antemão: não tenho a menor coerência. Não desafio a sabedoria das ruas, ando sempre apressado e de sorriso aberto, muito embora ninguém tenha me avisado como foi que dormiu a noite anterior. Saúdo os vivos e os mortos, que os tenha em bom lugar. Carrego a culpa de sonhar demais e, invariavelmente, quebrar a cara: sou mais onírico que real; quando não, patético. Sei que o que é ruim inevitavelmente tende a piorar como se não tivesse mais jeito, mas sou refratário a resmungos - para ter o que tenho tive que levar na marra, sangue e suor à beça e desconfio que se escapar com vida farei tudo que penso e desejo. A vida, assim voo, satisfeito ninguém está, nem dou crédito ao que se fala por aí, pro gasto exilado lá estou por aí, até lá. Ao anoitecer há sempre o espaço vazio: é como sobreviver num vácuo inescapável e os dias intermináveis, uns aos outros misturados de não se saber se hoje é quarta ou segunda ou domingo, sei lá, o sonho recolhido na minha clausura. A vida é retangular: manhãs, tardes e noites que se confundem pelas horas de claroscuros. Algo me disse à noite e não sei direito o que possa ser, menos esclarecido quanto confuso, apenas tudo prossegue indefinidamente por onde quer que se vá ou esteja. Só me resta depor ideias na alta madrugada pelo mundo das escolhas: as marcas do passado, o mistério do futuro, o lugar de cada um reescrevendo o destino no meio das minhas elucubrações. Se eu pudesse estaria longe daqui, isso sim, mas não sei o que houve, por mais que eu ande, corra, fuja, por mais que eu transite léguas distantes ou paragens incógnitas, estou sempre no mesmo lugar e só. É isso. Da janela o mundo lá fora, insuportável cativeiro que me largo rumo afora, ponteiros desencontrados a vagar por aí sem leme e, se possível, a salvo das Leônidas. Preciso sobreviver às lembranças para além dos limites, nunca mais refém da memória. Sei que é impossível e tento insistentemente. Piso o chão como se libertasse as ideias: como eu queria as mãos no barro, os pés pelas poças das calçadas, faces aos ventos, sabores de frutas maduras... mas não, as lembranças no pequeno cortejo dos antepassados, um diálogo de sombra dupla para quem experimentou as necessidades da época, a minha e dos demais. Do que sei, sou raiz arrancada de mato varrido e solto pela ventania das mil e uma noites de loucura: voos atravessando encruzilhadas de espelhos e pisos falsos, redomas e armadilhas às quedas de errar e o erro constante, as alternativas múltiplas e nenhum atalho, nenhum desconto. Se há um paradoxo, persigo na solidão, solitude. Na verdade é como se não houvesse janelas no quarto, tudo muito irrespirável. Inchei de vazio e meus outros eus abriram buracos por todo meu e corpo, tomaram vulto e me esfacelaram para sobreviverem. Povoaram o ambiente exíguo e tomaram de mim o oxigênio escasso. Logo se dispuseram à invenção de frestas e me convidaram a segui-los. Era a salvação deles. E eu estraçalhado, nada mais restava. Para quem só tinha os rebocos da parede a Lua é sempre minguante apesar de cheia e a chuva para beber e matar minha sede recortando palavras de jornais, revistas e livros. Ouço o ritmo dos dias e me são impressos na carne para guardar à memória ou esquecê-lo para nunca mais, tomara. Mais esqueci, menos lembro. Do que penso e lembro, às vezes reais e inexprimíveis: o que vivi e invento. Não simulo os instantes, perdoei tudo e todos, nenhum ressentimento, nenhuma conta nem pendência, a vida larilará, resiliência de pés suspenso pelos descampados e ribanceiras. Se o dia amanhece é para celebração da vida. Mas lá fora tudo na mesma e nenhuma opção: fazer pouco caso não é a minha, não consigo ficar indiferente à decadência flagrante e o café frio, o vento na janela, o escarcéu do mundo. Apenas soletro um poema: Agonizo devagar. Não tenho mais nada a dizer, nada, absoluta catarse. Os meus pedaços se perderam de mim no labirinto da sobriedade de Cage. Devotei meu olhar a reinventar o muro à cabeça. Criei meu tautócrono com meus versos abstrusos porque sou instigado pela descrença na frivolidade das coisas e a comunhão no meu tormento Van Gogh, minha solidão Almafuerte. Contemplo o horizonte e a vida é a tônica em todos os lugares, ainda é possível viver, talvez, pés no chão ao rés da vida - as nuvens namoram os morros limítrofes e os cobrem com as suas saias brancas por dias sem fim, enquanto o Sol cochila manso com a algazarra dos pássaros que mudam de cor a cada gorjeio, cruzando uns aos outros, num colorido de vida. Sou levado, velovoz primaveraneio, chuvoutonal do rio e pelo canavial, atravessando províncias morracima, quedabaixo, estradalhures - e a cidade ora é um pastoril com margens opostas aos desaforos e injúrias mútuas, quem do cordão encarnado que venha, quem do cordão azul que se vá; ora é a farra pelos quatro cantos de velas, fé e perdição - o povo em polvorosa nem se dá conta das estatísticas assustadoras, olvidam do extermínio como se nada acontecesse. Ah, essa manada catatônica para lá e para cá noites e dias de finados, feiras e bissextos, provam apenas que o mundo é uma bola e as anedotas como desgraças pairam no ar e aquecem a vida e os sonhos dos grados e furiosos, ora com o calor escaldante, ora com o frio das névoas dos terrores. E as mulheres, ah, as mulheres, todas sempre radiantes e fogosas no meu coração com sua carne incendiária, elas nem sabem que vão e carregam os olhares de cobiça no desfile delas, impunes e sedentas, como são aprazíveis e talvez a melhor entre as melhores coisas daqui. E os homens, cabeças de fósforos, vivem de alisar o polegar ao anular, coçando os escrotos e pensando que tudo é possível como nos sonhos e pesadelos: vivem de atrapalhar a si e a vida dos outros, quando não mudam de ideia e querem que o curso dos rios siga aos caprichos de forte sobre mais fracos e submissos. Entre os endinheirados devotam comícios de aplausos – meia dúzia de alma penada que amealhou, sabe-se lá como, muque, punho e munheca, e alternam poderes nas quatro festas do ano, feriados e celebrações umbigocentristas. Outros, entre os menos abastados, fazem e desfazem conforme o apadrinhamento e interesse. Entediante, senão desapontador tudo isso. Levanto a vista e o cenário superior, os meus desejos são muitos e vãos como se o crepúsculo se perdesse diante de um templo de acesso difícil que se parece distanciar dos fragmentos que sou inteiro. Nem havia me dado conta quando anoiteceu e tudo passava, sequer percebia porque a ausência dói e o amor, aquela semente que brota nos lugares mais improváveis. Do umbigo saiu-me outra cria e a pele sangrava, embora não saiba o que era antes do antes de antes. As palavras não me faltaram enquanto atribulado não escapava dos insetos a me devorar na festa de muitos e eu sozinho como que dança e voa e eu não sei dançar nem nadar. As águas me chamavam noitedia e o mundo era só um tabuleiro de jogos, um aquário em guerra pela sobrevivência. Em cima não sei o que se expande e em baixo outras se diluem. Só uma coisa eu sei: vivo apesar de tudo! Hoje tudo é tão falso e quase não reconheço o compatriota na atitude selvagem, apesar do riso amigo e da aparência que não esconde a semelhança: são tão estranhos quanto estúpidos, como se feras prontas para me estraçalhar. E trazem na cara lisa como se não estivesse acontecendo nada, apenas aparência do que idealizaram e isso entristece. Sim, tive sempre comigo ser imoral o desrespeito ao outro, mas como privar o faminto de se saciar diante do fausto por uma covardia ou traição, mesmo se o que estiver disposto seja imundície disfarçada. Como coibir a porta escancarada à fuga do aprisionado, mesmo que dê num precipício e jamais tivera outra opção, nunca se sabe, e escapar às pressas se não quiser ficar no mesmo. Afinal está difícil viver e muito. Da minha parte, não terceirizei a vida moral e corro sempre o risco do desafio amoral, isso porque em mim doem disfarçadas dores alheias e a minha raça é todo mundo. Diante da noite a vida é uma incógnita como sempre foi. O que passou, nunca mais e se aprendi, ao meu redor não, quase ninguém. Só um fantasma eu sei ronda ameaçador com as suas garras devastadoras no noticiário e quantos ignoram. E se aproxima presciente, ali e acolá, não poupa quem alcança, mesmo que muitos escapem, parece que nem se dão conta o quão maravilhoso é viver. Ou se preferem a morte em alvoroço, alaridos de festa. O seu alarde me traz de onde eu vim das águas de sal e sangue: reminiscências emolduradas com os pesadelos de agora. O que estou fazendo aqui: reles equilibrista entre as lapadas das borrascas, as mordidas da indiferença e os devires movediços. É só alta madrugada adentro, nenhuma estrela no céu e o dia amanhecerá logo logo. Sei e ouço lá longe o alvoroço do pau-de-arara levando os ticoqueiros para o corte da cana. Esse o anúncio de que o dia já se avizinha. Não sei como eles vivem de safras e entressafras aqui e acolá pelas estradas sazonais. Sei das famílias penduradas nos morros das periferias excluídas e eles lá de botada em pejada, da aurora ao anoitecer, chova ou faça Sol e é isso que movimenta o fim da noite enquanto não consigo pregar os olhos. É na janela que o que sou se realiza: o meu e o de todo mundo. Tem horas que sorrio ou me deprimo, o tédio e a satisfação a cada hora. É nela a depor... Quando souber de mim será como o dia nasce e se vai entre ontens e amanhãs. Será como o olho vidrado pela nascente do despertar à luz calmante e abrasada em cismar surpreso com o ignoto tácito na esquina e a surpresa da jogada plural. Quando souber de mim será como a tarde cai ou de como tudo se esvai na última gota do canto do cisne e eu capaz do inacessível, do inalcançável que nem se concebe. Quando souber de mim será como anoitece entre o luar e as trevas, o sorriso abençoado e o falível engano, umbrais por se saber e cartas extraviadas e outras jogadas dentro das garrafas de nenhum dia, o difícil sustentar o vento na boca em qualquer estrada, de ninguém nem de nada. Devia ser desse jeito e sendo assim será feito o céu: infinito e grande. Braços abertos, dado ao lado do amor, olhar incerto e o poema sem fim, o coração a quem possa apenas amar. E era ela a poesia manifestada em carne viva e eu podia apenas fruir de seu esplendor como um devotado daquela que é uma verdadeira dádiva da vida. Dela todas as graças do universo para que não fosse apenas uma janela sobre adeuses amontoando sonhos como quem perdeu um sábado na ladeira e não o encontrava mesmo já sendo sexta entre portos ocultos e naufrágios velados, enquanto lá em baixo uma procissão de consumidores idolatravam as vitrines como um milagre redentor para a infelicidade deles. Nem sempre foi assim, talvez muito pior, não sei, nem há como me salvar diante de tanta ignomínia. Mergulho em meus pensamentos. Para mim é sempre quase, não há como me defender do algoz invisível. O mundo e meu coração enlutado – quantos serão ceifados em nome da incúria e sordidez desgovernadas. É o que me sobra ser no meio da barulhada de rangidos outros e chiados incógnitos da desumanidade. É como se o meu desconsolo nas mãos do algoz, mesmo que eu não tenha inimigos, pelo menos acredito nisso. De qualquer forma o céu estrelado me diz: em cada uma delas as dores de quem se foi, vidas apagadas irresponsavelmente e ressuscitam para iluminar a imensidão de quem se perdeu e quase já não é mais. Só me resta a tentativa de voar com o peso do passado, em busca de um ventre por refúgio e lamber os talhos da carne em qualquer paz possível e no meio de paisagens disformes e ignotas sombras, porque a noite é íntima da solidão. Se pelo menos um foco de luz, tempo meio doido este, do jogo dos contrários disseminando o caos e a confusão reinante às maiores contemporizações, cada qual seu arrazoado. Eu, hem!?! Mergulhado nos meus pensamentos, ansiava pelo raiar do dia e quando ouvi não havia ninguém, era minha memória falando alto. Haja pulga ao redor das orelhas. E a cada contorno a fêmea nua entre fissuras e sinuosidades e grutas entre galhos e raízes, troncos e plantações. Todas ali, como se as mulheres que amei um dia estivessem desnudas e indefesas ao abandono. É como se parissem ali imóveis todas as cores, graus, olores e degraus, superfícies e camadas, alturas e distâncias, lonjuras tantas para meus pés erradios entre saltos pelos declives, a vertigem de tudo e o espetáculo da vida. Cá, comigo, a noite segue. Passa, tempo... Estou só e a inquietude de tudo corre no meu sangue, poros, vísceras, interstícios. Sou eu, perfil único e insubstituível, e outro eu mesmo dos muitos eus que sou na fluidez dos devires. Se poesia, não sei; ausência, álbum em cotejo. Não sei com precisão, solto rabisco no imprevisto um esboço de mensagens de nenhum sentimento, o que me toca e toco, o conflito, fragmento, e sucessões de farrapos de mim se revelam na narrativa escorrida a disparar ao incerto, porque eu dobrei de acordo com a dobra do rosto nupcial, um martelo sem mestre e o inconcluso. Nem a morte, a vida. Porque renasço e persigo o que toco e me toca, mesmo que seja só entre indiferenças e incompreensões, mediocridade no varejo. Recomeço sempre e saio jeito que for por aí. O que não sei, mesmo assim, o dedo aponta e vou se não tiver o que precise dizer. Digo e pronto, está feito, saiu, escapou. Se em silêncio, sim, o amor é a vida. E amo e até demais da conta, aprendo e reaprendo e sigo adiante até que a noite governe o reino dos sonhos perdidos. Meu olhar são caminhos, ideias, aventura, parênteses, várias lições, uma viagem existencial... Coisuma o que penso e imagino, indistinguíveis. São quase uma coisa só de tão desordenadas. Sinto que estou quase vivo, quase morto, a vida pelas sobras do que restou da precariedade, sem escapatória, de alfa para ômega, tudo embaralhado no Aleph: o topo da montanha e o abismo, a rotina e o xeque-mate, o paradoxo... A água pegando fogo, a Terra caindo, o céu descendo, a Natureza se esvaindo. Do outro lado da ribanceira arrivistas falocratas sobre monturos de rancores, ameaças e promessas; e a vulgaridade nauseante, a crueldade da violência, a eloquência do noticiário, quanto absurdo! Na verdade, horrores demais. Logo agora e o que menos precisava era um paradoxo a mais e a incompletude e o que há de inconsistente. Se sou peixe e escapei de iscas e redes de lagoas e rios, só tenho o corpo, a força do braço e amor do coração. Logicalguma: pés alados nos galhos do arvoredo perseguem aves canoras. O mundo é dos pardais e nada mais. Só queria esquecer e não saber mais nada. Desolado no meu canto, feridoída, saravento. E faço e refaço, torno a refazer, sempre. O que foi e o que irá: todos. O que não me mata me faz viver. O que não me atiça não me falta nem existe. Quem não tem audácia não vive. Quem não se arrepende não faz. Da janela a hora e já vou: a indiferença grassa, o morticínio tornou-se insuportável e a mordaça da negação ousa coibir a gritaria dos que sucumbiram e dos que escaparam aflitos. É hora de ir e lá vou eu amanhã, noitadeus, velavozgalapada&peitaberto: do meu pro seu txai coração. Recolho todos os meus mortos: os da convivência, os que se foram das mais longínquas plagas e todas as vítimas do irresponsável Genocídio do Fecamepa. Sensação das cinzas dói demais e quem culatreia ou acuado na condução persecutória, salve-se quem puder ao deus dará. Para onde vou, o que será de mim: braços abertos para o amanhã, mãos dadas assim voo, viagens da janela. É o que se pode fazer sem pregar os olhos, respiro fundo e voo: a minha liberdade é inegociável, sou ave e se eu tivesse que morrer hoje ou agora mesmo, tudo já teria valido a pena. Para onde vou será sempre dia; e o anoitecer, descanso. Por isso levo todos e quem quiser comigo bem dentro do coração: já nela vou lá. Vou em frente e à beira do abismo, fecho os olhos sem hesitação. Sigo adiante, sempre. O amanhã é aqui e agora! © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui.

 

A arte da fotógrafa estadunidense Jessica Todd Harper.

 

DITOS & DESDITOS - Não há ódio perdido entre nós. Espíritos negros e brancos, espíritos vermelhos e cinzentos, Misture-se, misture-se, misture-se, você que pode misturar. Pensamento do dramaturgo inglês Thomas Middleton (1580-1627)

 

ALGUÉM FALOU: A comédia stand-up é difícil agora. Qualquer um pode ir a um show, gravar isso e colocar você na internet. Você ou luta com ele ou o abraça. Pensamento do comediante estadunidense Jeff Dunham.

 

O SILÊNCIONão consigo encontrar as palavras nas palavras. Só encontro minha voz, no que penso. Mas o que eu penso, ninguém ouve. O que eu penso é silêncio. Então eu me calo. O silêncio é minha voz. O silêncio é a voz que eu calo. O silêncio é a voz que eu guardo. O silêncio, é lá onde eu moro. O silêncio sou eu.  Pensamento do ator, escritor, dramaturgo e quadrinista Lourenço Mutarello que também expressa: Não vejo mal nenhum nisso de ficarmos desmotivados. E eu não estou falando só de mim, acho que essa coisa de ficar sem vontade, desmotivado ou cansado, não tem nada a ver com depressão. Isso é uma coisa corriqueira. É o preço disso tudo, dessa estrutura que criamos e que acaba nos consumindo.

 

AS MULHERES - Houve mulheres serenas, / de olhos claros, infinitas / no seu silêncio, / como largas planícies / onde um rio ondeia; / houve mulheres alumiadas / de ouro, émulas do Estio / e do incêndio, / semelhantes a searas / luxuriantes / que a foice não tocou / nem o fogo devora, / sequer o dos astros sob um céu / inclemente; / houve mulheres tão frágeis / que uma só palavra / as tornava escravas, / como no bojo de uma taça / emborcada / se aprisiona uma abelha; / outras houve, de mãos incolores, / que todo o excesso extinguiam / sem rumor; / outras, de mãos subtis / e ágeis, cujo lento / passatempo / era o de insinuar-se entre as veias, / dividindo-as em fios de meada / e tingindo-as de azul marinho; / outras, pálidas, cansadas, / devastadas pelos beijos, / mas reacendendo-se de amor / até à medula, / com o rosto em chamas / entre os cabelos oculto, / as narinas como / asas inquietas, / os lábios como / palavras de festa, / as pálpebras como / violetas. / E houve outras ainda. / E maravilhosamente / eu as conheci. Poema do dramaturgo e poeta italiano Gabriele D’Annunzio (1863-1938), Veja mas aqui.


A MULHER DA RENASCENÇA AO MARXISMO – Imagem: O nascimento de Vênus, do pintor italiano Sandro Botticelli (1445-1510) – No Renascimento, segundo Fagundes (2010), toma a mulher posição de relevo nas coisas da inteligência e ciência, aparecendo as figuras das “preciosas”, das “sábias” e “enciclopédicas”. Evoluindo no sistema econômico, no dizer de Fagundes (2010), gradativamente a mulher ia recebendo novas ocupações, passando a colaborar para a manutenção do lar com a fabricação de tecidos e pequenos objetos que serviam de instrumento de troca por outras utilidades. Coincidem assim, as duas formas de produção: indústria doméstica e oficina cooperativa. E tanto numa, quanto na outra, afirma-se a presença da mulher, sendo a primeira especializada no linho e cânhamo. Salienta Fagundes (2010) que com o advento da maquinaria reduzindo o esforço muscular, abre, ainda, mais a porta das fábricas às mulheres e às crianças. Em pleno desenvolvimento, o capitalismo aproveita esse afluxo de mão-de-obra para reduzir salários e aumentar as horas de trabalho. Ainda desorganizados, os trabalhadores masculinos não tem meios de reação e apenas podem, para não se submeterem às imposições patronais, procurar outras profissões. Foi com o advento da Revolução Francesa que, segundo Bauer (2010, p. 64) as mulheres começaram publicamente a intensificar sua atividade política e passaram a reivindicar direitos políticos e legais, tais como o divorcio, o direito de rever uma educação completa e adequada. Neste sentido, registra Toledo (2008) que este foi o momento em que se deu a primeira grande participação das mulheres em uma luta da classe operária, sendo durante a Revolução Francesa, a partir de 1789, quando elas combateram ao lado dos homens e também se agruparam em clubes e sociedades populares, dando um grande salto em sua emancipação. E no dizer de Toledo (2008), a atividade revolucionária feminina se reativou com as revoluções de 1830 e 1848. Foi no período em 1789-93 que, segundo Toledo (2008, p. 89), surge a francesa Olympe de Gouges que era uma das dirigentes políticas mais destacadas deste período revolucionário, defendendo que se a revolução havia abolido os privilégios feudais, devia fazer o mesmo com os do sexo masculino: “As mulheres devem ter o direito de subir à tribuna, já que tem a obrigação de subir no cadafalso”. Sob este lema ela foi a autora da Declaração dos Direitos da Mulher e da Cidadã, em 1791, como réplica à Declaração dos Direitos do Homem, no inicio da Revolução Francesa. Nesta condução, registra Toledo (2008) que a partir de 1826 surgem a Sociedade da Voz das Mulheres, o Comitê dos Direitos da Mulher, a União das Mulheres e a Sociedade de Emulação das Mulheres, todos envolvendo as reivindicações dos direitos da mulher e deflagrando a luta por sua posição autônoma na sociedade burguesa. No entanto, segundo Toledo (2008) o patriarcado é mantido e reafirmado pela sociedade burguesa para responder a determinados interesses econômicos, e não algo que se assente nas características naturais do homem. No principio do século XIX, segundo Bauer (2010), as mulheres começam a alcançar mais participação na sociedade, passando para as ocupações mais concorridas que eram a de dama de companhia e a de professora. De fato, observa Bauer (2010) que as jovens mais instruídas da classe média rechaçaram o trabalho na indústria ou mesmo o serviço domestico, procurando abrir as portas de sua independência econômica trabalhando como mestras ou mesmo instrutoras dos filhos da alta burguesia ou ainda dedicando-se à educação política que cada vez mais ampliava seus horizontes nos países europeus. Foi com o ensino que, segundo Bauer (2010), abriu-se como profissão às mulheres, porém o seu reconhecimento também nesta área não foi fácil e sim polvilhado de contradições. Por outro lado, um dos trabalhos mais duros para as mulheres e crianças, segundo Bauer (2010) era o que realizavam nas minas transportando carvão. O emprego de mulheres nas minas foi bastante difundido no inicio da industrialização. Por causa da dureza dessas atividades, a partir de 1843 foi proibido na Inglaterra e nos Estados Unidos, porém, continuou sendo largamente utilizado clandestinamente, em outros países continuou legalmente. Registra Bauer (2010) que na Escócia, no princípio do século XIX, aproximadamente 2.400 mulheres e crianças trabalhavam diuturnamente nas minas de carvão. Esse trabalho era tão desumano, pois começavam a trabalhar aos 7 anos e sua função principal era transportar o carvão, desde os fundos das minas, até a superfície, substituindo o trabalho dos cavalos e máquinas. Também registra Bauer (2010) que na Bélgica a situação não era diferente e a presença de mulheres e crianças era destacada na extração da hulha (carvão-de-pedra). É quando em 1848 dá-se o lançamento do Manifesto Comunista. E, conforme Toledo (2008), o marxismo, durante toda sua existência, desde os primeiros escritos de Marx e Engels, lutou para demolir a opressão da mulher que na sociedade não tem um fundamento natural, mas social e histórico. O marxismo, segundo Toledo (2008) proporcionou, pela primeira vez, uma base materialista cientifica não só para o socialismo como para a emancipação feminina, expondo as raízes da opressão da mulher, sua relação com um sistema de produção baseado na propriedade privada e com uma sociedade dividida em classes, na qual todas as relações são de propriedade: [...] por ter compreendido que a opressão da mulher tem uma raiz econômica, o marxismo pôde apontar o caminho para conseguir sua liberação: a abolição da propriedade privada, que proporcionará as bases materiais para transferir a sociedade em seu conjunto todas as responsabilidades domesticas e familiares que hoje recaem sobre os ombros da mulher (TOLEDO, 2008, p. 94) Observa-se, portanto, que as concepções marxistas sobre a emancipação da mulher e seu papel na luta pelo socialismo foram transformadas em teses e resoluções durante o terceiro Congresso Internacional Comunista, reunido em 1921 e que, segundo Toledo (2008), antes, portanto do período stalinista, traçando um programa e uma orientação para o trabalho entre as mulheres que, por sua clareza e concordância com os princípios do marxismo, até hoje não foram superados por nenhuma outra organização operária. Por isso, continuam sendo validos até hoje. Na observação de Saffioti (1987, p. 94), a questão das mulheres no marxismo e nas obras de Marx e Engels: Tais textos, à luz das conquistas das Ciências Sociais nestes últimos 20 anos, revelam-se pobres. Tal pobreza não diz respeito apenas ao conteúdo das analises marxistas clássicas. Ela também está presente no que tange à utilização do método conhecido como materialismo histórico ou materialismo dialético. Este método, exatamente por permitir a compreensão e explicação da natureza contraditória da realidade social, permitiu que Marx, Engels e outros, a realização de brilhantes analises da sociedade capitalista. Todavia, a sociedade européia do sec. XIX (Alemanha, Inglaterra, França) era excessivamente machista, patriarcal, androcêrntrica, para permitir a estes autores a utilização adequada do método dialético (materialismo histórico ou dialético) na analise da questão feminina. Desta forma, imbuídos da ideologia machista e praticando efetiva e cotidianamente a dominação sobre as mulheres, tais autores consideraram da mesma natureza as contradições que regem as relações entre as classes sociais e as que presidem as relações de gênero. Há pelo menos 20 anos, este tipo de análise é considerado um grave equívoco. Entretanto, na observação de Toledo (2008, p. 28): [...] Engels conseguiu materializar a opressão, descobrindo sua raiz material, mostrando que a opressão da mulher nas diversas sociedades, não tinha como causa básica a constituição do corpo feminino, mas era fruto de determinadas relações sociais que se assentavam na divisão e na exploração de uns pelos outros. A capacidade que a mulher tem de procriar passou a ser vista como sinal de fraqueza, de debilidade, servindo a um aumento da exploração do trabalho feminino e do controle sobre a reprodução. Registra ainda Toledo (2008, p. 91) que: Para Lenin, apesar de que a mulher jamais conseguirá emancipar-se enquanto o capitalismo não for superado, vale a pena lutar para conquistar a liberdade de divórcio e outros direitos democráticos. A democracia é fundamental para os trabalhadores para alcançar sua luta contra o capitalismo e aos que não acreditavam nisso. Neste sentido, assinala Toledo (2008) que apesar de o marxismo ter sido acusado pelas feministas burguesas de omissão frente à questão da mulher, é preciso ressaltar que desde que Marx e Engels lançaram o Manifesto Comunista até hoje, quando os marxistas têm travado uma luta constante no seio da classe operária para se determinar uma atitude revolucionária em relação à questão da liberação da mulher. Esse combate esteve marcado por duas grandes linhas divisórias: a primeira se deu entre os marxistas e os socialistas utópicos e. a segunda, entre os marxistas revolucionários e os reformistas, que tinham uma política de colaboração de classes. No dizer de Toledo (2008, p. 94): [...] Os socialistas utópicos pré-marxistas, como Fourier e Owen, defendiam a emancipação da mulher. [...] Foi Fourier quem primeiro alertou para a situação degradante da mulher no capitalismo, afirmando que o grau de emancipação da mulher é a medida da emancipação geral da sociedade. Por outro lado, foi, segundo Bauer (2010), a socialista Rosa Luxemburgo uma das primeiras criticas da experiência socialista no tocante à marginalização da questão da mulher Também Clara Zetkin e Alexandra Kollontal identificaram as contradições do movimento socialista argumentando que não poderiam existir duas fases na abolição da exploração e que, portanto, uma revolução socialista deveria necessariamente combinar a emancipação feminina com a luta social. Traduziam o seu pensamento numa frase: sem feminismo não há socialismo. Em meados do século XIX, segundo Bauer (2010) com o desenvolvimento da indústria pesada, verificou-se participação decrescente da mulher como força de trabalho na indústria na Europa Ocidental e nos Estados Unidos. As mulheres que trabalhavam eram majoritariamente jovens. Estas vinhas em grupos desde suas cidades e vilarejos do interior e, em muitos casos, eram alojadas nas próprias fabricas ou nas suas proximidades. Curiosamente andavam sempre juntas dos alojamentos ou vilarejos até as fábricas, onde passavam as intermináveis horas de trabalho, carregadas de agruras. É neste período que, segundo Bauer (2010), surgem as primeiras lutas em favor dos direitos da mulher. Estes movimentos, para Bauer (2010), tiveram como objetivo principal a luta por igualdade de direitos constitucionais, e, num segundo plano, a igualdade no terreno profissional. Estes movimentos foram conduzidos por mulheres operárias e das classes médias que reivindicavam igualdade diante da lei e a possibilidade de poderem votar. As primeiras mulheres que se manifestaram publicamente em favor da igualdade de direitos foram as norte-americanas. Por causa disso, segundo Bauer (2010), as mulheres passaram a se introduzir nos novos setores criados na esfera da produção ou até mesmo a se rivalizar com os homens naqueles setores que até aquele momento haviam sido ocupados por eles. Surgiu, então, no dizer de Bauer (2010), o oficio de enfermeira que foi ocupado por jovens religiosas, em virtude da Guerra da Criméia (1854). Diz o autor que tudo começou simplesmente assim: “[...] as jovens se ofereceram para traalhar nos hospitais de campanha. Sua proposta foi aceita. A partir deste momento nascia a profissão de enfermira. Outras abriram caminho como comerciárias” (BAUER, 2010, p. 80). Diante disso, assinala Bauer (2010) que o acesso da mulher no universo da profissionalização, foi facilitado pela invenção da máquina de escrever, quando ocorreu, então, a instalação das primeiras fábricas nos Estados Unidos, em 1866, e numerosas mulheres trabalha como datilógrafas. Foi ainda neste período que, registra Bauer (2010), surge o sindicalismo feminino finalmente absorvido pelo movimento operário e crescendo com a tendência de integrar as mulheres e suas reivindicações nas organizações operárias antes exclusivamente masculinas. Significa, então, dizer que com a Revolução Industrial, segundo Bauer (2010), puseram-se em movimento uma serie de transformações que afetariam profundamente a condição social da mulher, principalmente, ou mais evidentemente, a partir da segunda metade do século XIX. A partir de então, pode-se dizer que o trabalho da mulher começou a ser valorizado como um instrumento efetivo de mobilidade social e como uma solução para ajudar a família em sua difícil situação econômica. Além do setor têxtil, que empregava a maioria das mulheres operárias, a presença da mão-de-obra feminina foi também marcante e bastante utilizada em outros setores da economia capitalista (BAUER, 2010). Com a ocorrência do incidente que culminou com a definição do 8 de março como o Dia Internacional da Mulher, foi motivado, segundo Teles (2003), pela greve das operárias têxteis da Fábrica Cotton, ocorrida em Nova York (EUA) em 1857. Na ocasião, relata Teles (2003), que as forças policiais atearam fogo à fábrica para reprimir aquelas que insistiam na greve, quando então morreram 129 operarias queimadas. Elas reivindicavam a redução da jornada de trabalho para 10 horas e o direito á licença-maternidade. Em razão disso, durante o II Congresso de Mulheres Socialistas, realizado em Copenhague, na Dinamarca, a comunista alemã Clara Zetkin propôs que se consagrasse o dia 8 de março como o Dia Internacional da Mulher (TELES, 2003). Foi em 1866 que, segundo Toledo (2008), a Associação dos Encadernadores de Paris tomou a iniciativa de incluir em seus estatutos a igualdade de direitos entre trabalhadores e trabalhadoras. Outro fato que merece registro ocorreu quando o político e escritor John Stuart Mill, perdeu seu cargo parlamentar, em 1868, por defender o direito do voto feminino e, um ano mais tarde, publicou “A escravidão das mulheres”, uma obra que serviria de base teórica para o movimento sufragista posterior. Também outro fenômeno que derivou do crescimento das cidades e da industrialização, segundo Bauer (2010), foi o aumento da prostituição feminina, principalmente, nas grandes cidades européias como Londres e Paris. As prostitutas eram recrutadas entre as jovens operárias que não podiam resistir à miséria dos seus salários. Com relação à prostituição, Bauer (2010, p. 74) assinala que: [...]  desde a época medieval e moderna, a prostituta existiu como uma alternativa de subsistência para as mulheres de escassos recursos econômicos. A emigração, o alijamento do núcleo familiar e a existência de períodos sem trabalho (sazonalidades) em certos setores da economia foram fatores que contribuíram para que as jovens operárias se prostituíssem para poderem sobreviver. Nos bordéis de Paris,  a maioria das prostitutas provinha das cidades industriais do norte da França. É de se asseverar que na Revolução Industrial, segundo Bauer (2010), a maioria das mulheres assalariadas dedicava-se ao serviço doméstico, à confecção de roupas e à industria têxtil. Na Inglaterra, o país precursor da revolução industrial, também registrado por Bauer (2010), o serviço doméstico era o setor que mais absorvia a mão-de-obra das mulheres provenientes das classes populares. Neste sentido, sinaliza Bauer (2010, p. 69) que: As mulheres que já haviam-se ocupado com a produção têxtil, com a mecanização inexorável desta industria, transformaram-se na mão-de-obra majoritária das fábricas. As fiadoras e as tecelãs domésticas foram substituídas por trabalhadoras fabris. Observa, então, Toledo (2008, p. 30) que “[...] No moderno sistema fabril, a relação familiar não deixou de ser uma relação de poder” e que, com isso, as mulheres como trabalhadoras assalariadas, participavam da produção social, no domínio do trabalho coletivo, e adquirindo assim, maior independência diante do homem. Contudo, a monogamia e o patriarcado não só se mantiveram como foram agravados com o advento da indústria moderna. E, por causa disso, entende Toledo (2008, p. 31) que “[...] os papeis sexuais não são estabelecidos pela natureza, mas pela cultura, pelos costumes, pelas práticas cotidianas dos povos e, sobretudo, pelas necessidades econômicas de sobrevivência (o que chamaríamos relações de produção)”. Daí, segundo Bauer (2010), a presença da mulher se dava de forma numerosa nas fábricas de calçados, na indústria de papel e na fabricação de ladrilhos e telhas. Na França e na Espanha era comum que se encarregassem da fabricação de tabaco. Já no setor metalúrgico inglês, eram majoritárias nas fábricas de porcas e parafusos e em meados do século XIX formavam de 80 a 90% da mão-de-obra deste setor. Merece registro o entendimento de Moraes (2002) de que nessa fase a mulher das classes econômicas mais favorecidas, começou a trabalhar fora e a assumir uma profissão, quando, por questões financeiras e com o desenvolvimento do sistema capitalista cada vez mais opressor, o marido passou a não ter condições de assumir o sustento da família. Contudo, observa Moraes (2002) que nem todas as profissões foram franqueadas às mulheres e que a elas foram oferecidas profissões consideradas especificamente femininas, ou seja, profissões que eram mais apropriadas ao famoso instinto materno, tais como professora primária, enfermeira ou secretária. Lembra mais Moraes (2002) que, no ultimo caso, elas foram consideradas por muitos anos prostituta de luxo e eram poucas as contratadas que não atendiam ao padrão de beleza feminino. Neste sentido, alega ainda Moraes (2002) que foram relegadas às mulheres de classes economicamente desfavorecidas, as profissões relacionadas aos cuidados domésticos, tais como babás, faxineiras e empregadas domésticas, ou às profissões que não exigiam capacidade de inovação ou criação, como o trabalho nas fábricas, além do recrutamento de mulheres para servirem como enfermeiras de guerra. Outra profissão foi destinada às mulheres nesse tempo, as quais foram contempladas, conforme Bauer (2010), à nova tarefa doméstica da educação primária dos filhos. Com isso, o homem viu-se constrangido a abrir-lhe, ao mesmo tempo, o mundo da instrução e da cultura. Tal fato se deu, no entendimento de Bauer (201), em razão da necessidade do capital, sobretudo com o nascimento da grande indústria, carecendo de uma nova política escolar, de um desenvolvimento sem precedentes da instrução. Assim, para o autor, tendo aberto à mulher um novo campo de trabalho, o ensino, necessitava também de mão-de-obra feminina mais qualificada; mas esta sua necessidade não deixa de ser contraditória. Entretanto, salienta o autor mencionado que o ensino foi não só a primeira profissão moderna aberta às mulheres, como uma das únicas em que tornar-se-iam em breve numericamente dominantes. Esta presença começou na escola infantil e atingiu até mesmo as mais sofisticadas universidades do mundo inteiro. Coaduna-se este pensamento com a assertiva de Bauer (2010), de que o sistema patriarcal considera tradicionalmente a instrução feminina como qualquer coisa de ocasional e a ser concedida em doses mínimas; assim, mesmo quando o acesso às escolas superiores foi liberalizado, o programa de estudos continuava a ser inspirado em princípios discriminatórios, tendentes a perpetuar a escravidão da mulher e a reforçar o domínio ideológico sobre as consciências femininas. Por conclusão, entende Bauer (2010), que durante todo o século XIX, o serviço doméstico conheceu o auge de sua história, coadunando-se com o crescimento das cidades e a consolidação da burguesia como classe hegemônica na sociedade capitalista. Assim sendo, para a próspera burguesia européia, dispor de um serviço doméstico numeroso e eficiente era um sinal de distinção e de uma posição econômica sólida: [...] As condições de vida no serviço domestico não eram nada boas. Debaixo da aparência de uma vida tranqüila, com seus uniformes bem limpos e passados e seu aspecto saudável, escondiam-se jornadas de trabalho que não tinham fim e uma dependência total e respeitosa a seus senhores em troca de um salário quase sempre irrisório (BAUER, 2010, p. 73). Além do mais, segundo Bauer (2010, p. 77), a história da educação feminina tem sido sempre um campo de lutas e batalhas, no mais das vezes ignoradas; lutas tanto mais radicais quanto se pensa que foram conduzidas em momentos de acentuada repressão e em meio a dificuldades de toda espécie. Tal condução leva ao entendimento de que, conforme Toledo (2008, p. 90) [...] Se a opressão da mulher não surgiu com o capitalismo, mas nas sociedades escravistas, foi seu advento e, sobretudo a Revolução Industrial que transformaram radicalmente as condições de vida de milhões de mulheres ao inseri-las no seio da classe trabalhadora. E foi ao mesmo tempo o sistema econômico que começou a criar as condições materiais que tornaram a liberação da mulher uma meta possível. Fica expresso, portanto, com o que foi aqui abordado, que as lutas das mulheres persistiam durante esta fase histórica, ora chegando a conquistas, ora mantendo-se o enfrentamento de sua ação autônoma, deflagrando contradições e perspectivas de novas lutas na busca por seus direitos e pela igualdade. Veja mais aqui, aqui e aqui.

REFERÊNCIAS
ADORNO, Sérgio. Sistema penitenciário no Brasil. Revista USP, n.. 9, p. 65-78., mar./maio, 1991.
ALBUQUERQUE, Rossana Maria Marinho. A análise do Estado na perspectiva marxiana. Revista de Estudos Sociojurídcos da SEUNE, Maceió, ano 3, n. 5, p. 285=318, jan/dez, 2008.
ARAÚJO, M. F. Casamento e sexualidade. A revisão dos mitos na perspectiva de gênero. Tese de doutorado programa de pós-gradução em psicologia social. Universidade de São Paulo, 1999.
AZERÊDO, Sandra. Preconceito contra a mulher: diferença, poemas e corpos. São Paulo: Cortez, 2007.
BARBOSA, Sérgio. Ciência política. In: Serviço Social: fundamento teórico-metodológicos. Londrina: Unopar, 2008.
BAUER, Carlos. Breve história da mulher no mundo ocidental. São Paulo: Pulsar, 2001.
BIANCHETTI, Roberto. Modelo neoliberal e políticas educacionais. São Paulo: Cortez, 1999.
BLAY, Eva Alterman. Violência contra a mulher e políticas públicas. Scielo Brasil, 10 jun 2010.
BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. São Paulo: Saraiva, 2002.
_____. Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2005.
____. II Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2008.
_____. Conselho Nacional dos Direitos da Mulher (CNDM). Lei 7353/85 alterado pela Lei 8028/90. Atmosfera Feminina, 2010.
_____. Programa de Prevenção, Assistência e Combate à Violência Contra a Mulher – Plano Nacional: diálogos sobre violência doméstica e de gênero: construindo políticas públicas. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2003.
CAMARGO, Marcia; AQUINO, Silvia. Redes de cidadania e parcerias: enfrentando a rota crítica. In: Programa de Prevenção, Assistência e Combate à Violência Contra a Mulher – Plano Nacional: diálogos sobre violência doméstica e de gênero: construindo políticas públicas. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2003.
_____. Políticas públicas estratégicas na proteção às mulheres. In: Programa de Prevenção, Assistência e Combate à Violência Contra a Mulher – Plano Nacional: diálogos sobre violência doméstica e de gênero: construindo políticas públicas. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2003.
CAMPANHOLE, Adriano; CAMPANHOLE, Hilton Lobo. Todas as constituições do Brasil. São Paulo: Atlas, 1976.
CARLOTO, Cássi Maria. O Conceito de gênero e sua importância para a análise das relações sociais. PUC, São Paulo.
CARVALHO, Fabricia. A mulher na Idade Média: a construção de um modelo de submissão. Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2010.
CASTILHO, Ela Wiecko. O Estatuto de Roma na perspectiva de gênero. Brasília, 2010.
CAVALCANTI, Stela Valéria de Farias. Violência doméstica: Análise da lei “Maria da Penha”, nº 11.340/06 3ª ed. Salvador: Jus Podivm, 2010.
CAVALCANTI, Vanessa. Midia, políticas públicas e gênero: divulgando o mapa do tráfico de mulheres brasileiras. Saeculum – Revista de História, João Pessoa, jul/dez. 2005.
CHAUÍ, Marilena. Participando do debate mulher e violência, perspectivas antropológicas da mulher. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.
CORREA, Sônia. Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento. AgirAzul na Rede, 2010.
FAGUNDES, Leila. O trabalho da mulher. Direuto Net, 2010.
FARIA, Helena Omena; MELO, Monica. Convenção Sobre a Eliminação de todas as formas de discriminação contra a Mulher e Convenção para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher. São Paulo, 2010.
FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Pequeno dicionário brasileiro da língua portuguesa. 11ªed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1969.
GARCIA, Lucelene. Direito das mulheres e seu reconhecimento como direitos humanos. Jus Vigilantibus, 2010.
GOES, Adarly. Seminários temáticos II: Sistema Único de Assistencia Social (SUAS) – aspectos preliminares. In: Serviço Social: fundamento teórico-metodológicos. Londrina: Unopar, 2008.
GRUPPI, Luciano. Tudo começou com Maquiavel. 14ª Edição. Porto Alegre: L&PM, 1996.
LESSA, Sérgio. Para compreender a antologia de Lukács. 3ª Ed. Unijú, 2007.
LESSA, Sérgio; TONET, Ivo. Introdução a filosofia de Marx – 1ª Ed. São Paulo: Expressão popular 2008, p. 128.
MACHADO, Ednéia. Políticas sociais I: concepções e história. In: GODOI, Sueli (Org.). Fundamentos básicos do trabalho profissional. Londrina: Unopar, 2008.
MACHADO, Luiz Alberto. Violência. Pesquisa & Cia. Disponível em http://pesquisaecia.blogspot.com/2009/02/violencia.html. Acesso em 10 jun 2010.
MANDEL, Ernest. Introdução ao marxismo. Porto Alegre: Movimento, 1978.
MARX, Karl; ENGELS; Friedrich; LENIN, Vlaidmir. Sobre a mulher. São Paulo: Global, 1981.
MENDES, Soraia da Rosa. Os direitos fundamentais das mulheres e as políticas públicas de promoção da igualdade pelo combate à violência doméstica. Fórum PLPs do Distrito Federal, 2010.
MICHEL, Andreé. O feminismo uma abordagem histórico. Tradução de Angela Loureiro de Souza. Rio de Janeiro: Zahar,1979.
MORAES, Marcia. Ser humana: quando a mulher está em discussão. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.
MORAES, Maria Lygia de Quartim. Marxismo e feminismo no Brasil. Primeira versão. São Paulo: IFCH UNICAMP, 1996.
NADER, Maria Beatriz. Transformações do comportamento feminino em fins nos primeiros cinco anos do século XXI: violência e denúncia. Fazendo Gênero 8 – Corpo, Violência e Poder. Florianópolis – UFES, agosto de 2008.
NOGUEIRA, Marli. Uma aberração legal. Mídia sem Máscara, 2010.
OLIVEIRA, Fatima. A Convenção de Belém do Pará dez anos depois. O Tempo, 2010.
OLIVEIRA, Rosiska.  As Mulheres, os Direitos Humanos e a Democracia. Brasília, 2010.
PARODI, Ana Cecília. A responsabilidade civil nos relacionamentos afetivos pós-modernos. Campinas: Russel, 2007.
PAULO NETTO, José Paulo. Economia política: uma introdução crítica. 2ª ed. São Paulo: Cortez, 2007.
PONCE, Aníbal. Educação e luta de classes. 18ª ed. São Paulo: Cortez, 2001.
PROMOTORAS LEGAIS POPULARES. Brasília, 2010.
RODRIGUES, Almira. Construindo a perspectiva de gênero na legislação e nas políticas públicas. Caderno 12, Estudos de Gênero, Goiânia, 2003.
SAFFIOTI, Heleieth. Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004.
______. O poder do macho. São Paulo: Moderna, 1987.
SANTOS, José Vicente Tavares. A violência como dispositivo de excesso de poder. Brasília: Sociedade e Estado, 1995.
SANTOS, Juarez Cirino dos. O combate à violência contra a Mulher: Uma realidade ainda incipiente. Direito Penal – Parte Geral. Curitiba: Lúmen Júris IICPC, 2006.
SILVA, José Afonso. Curso de Direito Constitucional Positivo. São Paulo: Malheiros, 2002.
SIKORSKI, Daniela. Trabalho profissional. In: GODOI, Sueli (Org.). Fundamentos básicos do trabalho profissional. Londrina: Unopar, 2008.
SOIHET, Rachel. História das mulheres e história de gênero: um depoimento? Cadernos Pagu (11), 1998, pp. 77-87.
SOUSA, Rainer. A situação da mulher na Idade Média. Brasil Escola, 2010.
TELES, Maria Amélia de Almeida. Breve história do feminismo no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 2003.
TELES, Maria Amelia de Almeida; MELO, Monica. O que é violência contra a mulher. São Paulo: Brasiliense, 2001.
TOLEDO, Cecilia. Mulheres: o gênero nos une, a classe nos divide. São Paulo: Sunderman, 2008.
VALNÊDA, Cassia Santos Carneiro. Análise conjuntural dos Juizados Especiais de Proteção à mulher e a democratização do acesso à justiça. Brasília, 2010.
ZIMMERMANN, David. Violência: estudos sobre psicoterapia analítica de grupo. Porto Alegre: Artmed, 2001.



Veja mais sobre:

Das decepções com as mazelas na vida, Luís da Câmara Cascudo, Noam Chomsky, Hector Babenco, Frieze Magazine, Marília Pêra, Maria Luísa Mendonça, Xuxa Lopes, Sara Bareilles, Danielle Winits, Enki Bilal & O rabicho da Geralda aqui.



E mais:
A explosão do prazer & Zine Tataritaritatá aqui.
Desenvolvimento Psicossocial & Justiça à Poesia aqui.
A mulher e as relações de gênero aqui.
A mulher, a Lei Maria da Pena & Ginocracia aqui.
Paulo Freire & a Pedagogia do Oprimido aqui.
Satyricon de Petrônio aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.

&

Agenda de Eventos aqui.



CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Leitora Tatartaritatá.
Veja aqui, aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra:

Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.




EMMA LAZARUS, NADINE GORDIMER, LAGERLÖF, YOURCENAR & JOAN RODRIGUEZ

    Ao som de Pavane por une infante défunte (1899), de Maurice Ravel , com a Orchestre National de France, sob a regência da maestrina fin...