segunda-feira, maio 27, 2019

BAUMAN, JOÃO ANTONIO, MATA ATLÂNTICA, CELIA DEMEZIO & GRUPO NOIR, MULHERES ARTISTAS & DOS EMBALOS, O AMOR


DOS EMBALOS, O AMOR – Demervaldito quase bate as botas: levou uma peixeirada bem onde fica o coração e não morreu. Dessa vez Damianita passou da conta. Ou foi ele que não cansava de aprontar, ora. Toda vez que ele se enxeria pras bandas doutra saia, ela ameaçava: Eu lhe capo! Ele só ria, nem nem. Mas vamos lá! Tudo começou quando ela sorriu naquela tarde em que tudo dava errado, dos males o menor. Nem se deu conta direito, só caindo em si muito depois, aí deu fé: estava gamado de fazer pena. Nunca se viu como, prestava para mais nada. Pode ser o melhor sujeito do mundo, basta entrar mulher na história, muda de figura na hora. Ainda por cima, ela afável, na flor da idade com o cabelo escorrido, franja na testa, uma lindeza tímida, passiva, serelepe naquele vestidinho de alça, intocável, inteiriça, toda demasiada para ele, grandiosa, caiu do céu. Os olhos, que olhos! Era como se pedissem sempre. A boca, que lábios, tudo desejavam. O abestado endoidou por ela: Eita, mulher  dos diabos! Ele estremecia todo atrapalhado, vivia tonto, vidrado nela. Subornava um e outro só pra saber dela, onde morava, para onde ia, cadê-la! E ao vê-la, rodeava espantado. Conseguiu dois dedos de prosa, ela fácil, risonha. O namorico deu no maior dueto. A coisa ia bem, um pro outro, idílio lindo. Arengavam vez ou outra, renovavam plangentes, juras de amor eterno. Contudo, o cara madraceava pulando cerca impune feito cabrito solto. Ao ser flagrado na perfídia, oxe, ora perrengue, chega ficava mole, maior lerdeza. Seu tratante! Ele, num pé e noutro, dobrava ajeitados, reconciliavam-se. Porém, não tomava tento, não podia ver rabo de saia que perdia a cabeça. Ela na ameaça: Pulou fora, eu corto! Quando mangavam, ele: Sou lá moça, meu! Brinque não, rapaz, abre o olho! Maior badalo: Macho de responsa não passa aperto. Nisso levava tudo na flauta, aprendia o que não servia para nada e se virava na vida, tudo se arranjaria de um jeito ou de outro, errava zanzando. Vem dela chamar na grande: E aí? Ele meio lá, meio cá. Tome jeito! Ele sempre nem aí. Vai dela começar enxoval, pensar numa casa arrumada, filhos, coisas de marido e esposa. Ele abria os olhos: Noivos? Passava o tempo, na verdade: dois anos, dois meses e dois dias. Já? Dos minutos pras horas, ela fechando o cerco, papeis no cartório pra cônjuge, reuniões na igreja que ele ia na marra, o padre e o rol das responsabilidades esponsais. Ele saía doidinho dessas coisas, enchia o tampo, acordava assustado: Casamento? Não é papo para mim. Foi daí caiu na fraqueza. Ela, em cima da bucha, pegou-lo com a mão e tudo na botija. Olhou pros lados, pegou o que estava mais próximo, cravou-lhe no peito, com raiva, para matar. Escapou fedendo, ela não sabia: o coração dele é do lado direito. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui.

DITOS & DESDITOS:
[...] Aquilo, sim, meu Deus, era um mundo! [...] Cada vez que me faltam fósforos é ela que vem. Que me procura à toa, por banalidades. Chega-se, tira-me o cigarro da boca, ascende-o e recoloca-o na minha boca. Numa insolência que dá vontade de bater. E quando olho para aquela janela... São os seus olhos que estão me comendo, pedindo. [...] E eu que não procurei nada... está certo que sou maluco por ela. Fujie, ideal de beleza de todas as graças que vejo nas coisas do Japão. Que me surgiu a eclodir como o máximo. É verdade. Entretanto, nunca disse nada, nunca nem de leve um gesto inusitado que demonstrasse. Sempre eu a tapar tudo. [...] O diabo é que vivo agitado, as idéias coladas nela, nos braços, nas ancas, não sei. Impossível desguiar. Olhei para aqueles cabelos, dei com o corpo inteiriço. Desejei. Sonhei. Com os olhos de Fujie, sonhei, com a boca, com Fujie inteira. Disse seu nome sei lá quantas vezes, rabisquei-o em todos os papéis, dez, vinte, um milhão de vezes. Amassei-os. Fiz tudo de novo. Os olhos rasgados me pedindo me comendo. Quando em quando, ninguém nos vendo, leva minhas mãos a seus peitos para sentir o calor. Beijei seu retrato que eu havia fotografado e chorei que nem um moleque. Primeiro abalo na minha vida. Mas eu não disse nada. [...] Fujie, Fujie que insiste há meses. Que tenta, que procura, que espera. Eu tímido, abobalhado. O calor que se emana dos seios me dá vontade... fazer uma maluqueira à frente de todos. Escorraçando-me das conversas, dos encontros de olhos [...] Minha vontade é não voltar ao estúdio do senhor Teikan. Tomar sumiço da Liberdade. Fazer uma asneira tremenda [...] Sozinhos, mostra-me a língua, numa provocação a que não resisto [...] encolho-me, esgueiro-me. Humilhado e pequeno. Se eu quisesse, lhe diria desaforos tremendos... Mas eu nunca tive coragem. [...] Eu a enlacei. – Nega, benzinho... Lá fora a chuva fazia festa no telhado. No quarto algumas moscas estavam numa agitação irritante. Eu só sabia que estava fazendo uma canalhice. Ia chover mais, ia chover muito. Era chuva que Deus mandava. Eu fazia um esforço para me agarrar à ideia de que não era culpado. Culpada era a avenida, era a noite, era a chuva, era aquela coisa. [...].
Fujie, conto extraído da obra Malagueta, Perus e Bacanaço (Civilização Brasileira, 1963), do escritor e jornalista João Antonio (1937-1996). Veja mais aqui e aqui.

MULHERES ARTISTAS
A obra Mulheres Artistas nos Séculos XX e XXI (Série Icons – Taschen, 2003), da editora alemã Uta Grosenick, reúne as mais diversas formas do trabalho artísticos das mulheres do século XX, com ilustrações e textos selecionados, destacando artistas como Marina Abramovic, Laurie Anderson, Janine Antoni, Vanessa Beecroft, Louise Bourgeois, Hanne Darboven, Sonia Delaunay, Rineke Dijkstra, Marlene Dumas, Tracey Emin, Valie Export, Sylvie Fleury, Katharina Fritsch, Ellen Gallagher, Isa Genzken, Nan Goldin, Natalia Goncharova, Barbara Hepworth, Eva Hesse, Hannah Höch, Candida Höfer, Nancy Holt, Jenny Holzer, Rebecca Horn, Magdalena Jetelová, Frida Kahlo, Toba Khedoori, Lee Krasner, Barbara Kruger, Louise Lawler, Tamara de Lempicka, Sherrie Levine, Agnes Martin, Tracey Moffatt, Mariko Mori, Shirin Neshat, Louise Nevelson, Cady Noland, Georgia O´Keeffe, Yoko Ono, Meret Oppenheim, Elizabeth Peyton, Germaine Richier, Bridget Riley, Pipilotti Rist, Susan Rothenberg, Niki de Saint Phalle, Carolee Schneemann, Cindy Sherman, Kiki Smith, Elaine Sturtevant, Rosemarie Trockel, Adriana Varejão, Kara Walker, Pae White, Rachel Whiteread. Veja mais aqui, aqui & aqui.

A MÚSICA DE CELIA DEMEZIO & GRUPO NOIR
Curtindo esta semana o ótimo álbum Sorrisos Crônicos (2019), reunindo o trabalho musical autoral da cantora, poeta e compositora Célia Demezio e do grupo Noir, formado pelos músicos Dominic Gourd, Tanauan Nogueira e Daniel Abecassis Figueiredo, além dos arranjos de Muniz Crespo e Ivan Dos Santos Muniz, incluindo as participações Xandra Joplin, Helldrigo Tatari Gami, Ayrton Mugnaini Jr., Tiago Bode, Newton Antonio Arantes, Ivani Gonçalves Correa, Bruno Correria Bergamota. Veja mais aqui, aqui & aqui.
&
Mata Atlântica aqui, aqui & aqui
&
A OBRA DE ZYGMUNT BAUMAN
O desafio atual é composto de três partes: o interregno, a incerteza e a disparidade institucional, mas cada parte remete às outras duas, que são inseparáveis.
A obra do sociólogo polonês Zygmunt Bauman (1925-2017) aqui, aqui, aqui & aqui.


MARTIN AMIS, PHYLLIS A. WHITNEY, ROSANA PALAZYAN & PAULA BERINSON

    Ao som dos álbuns Violão Popular Brasileiro Contemporâneo (1985), Camerístico (2007), Original (2002) e Dois Destinos (2016), do vio...