segunda-feira, julho 03, 2017

RICK WAKEMAN, MEMBRANAS & INTERFACES DE FERNANDA BRUNO, KIDS DE LARRY CLARK, JANA BRIKE & QUAL É A TUA, ZÉ BRASIL?!

QUAL É A TUA, ZÉ BRASIL? - Zé Brasil vive às topadas e tombos, assanhando o tuim e ajeitando o penteado como pode. Aos empurrões segue adiante ou não sai do lugar. Tem horas que pega na embalada e, quando vai ver, está lá no meio da boiada desenfreada aos pinotes e gritaria. Sua vida pra lá de destrambelhada foi muito além dos subterrâneos infernos adentro aos voos de se estrepar ribanceira abaixo. Pudera, o pai um peró sifilítico, fugitivo de zis credores e que aportou fedorento depois de pular dum bigu de navio cargueiro, bimba na mão da secura pra descabaçar a primeira índia fogosa e emprenhá-la antes de arribar atrás do ouro perdido de Serra Pelada. A mãe bastou rebentar, largou o bebê na calçada e pulou da ponte embaixo pra morrer chorando a sina de perder o grande amor da tribo prum desalmado que lhe roubara a vergonha e a vida. Foi criado por uma mãe preta catimbozeira que se dizia sua avó e tida pelas más línguas por mula sem cabeça que aparecia todas as sextas, amasiada com um filantropo pároco italiano que lhe virou as costas depois de sacar que não tinha mais jeito. Cresceu como uma anomalia, varapau mameluco que não sabia pronde aprumava a venta, se pras bandas portuguesas, espanholas ou holandesas, quem desse mais, ora. Na escola aprendeu a folhear a Arte de Furtar do Padre Vieira pra ser um bom ladrão. Por esse expediente tapeou Deus e o diabo, apaixonando-se por todas as atrizes da tevê, idealizando ser um artista capa de revista. No ginasial, foi aluno dum professor que não sabia pronunciar o nome e lhe meteu na cabeça o Mein Kampfe – livro grosso e complicado pra ele, melhor seria se fosse um gibi e aprenderia pelas figuras -, mas bebeu cada palavra do mestre e levou ao pé da letra pra virar nazista da noite pro dia, odiando preto, viado e quem fosse do contra, vez que não sabia onde estavam os judeus pra sua fúria. Na 8ª série apaixonou-se por uma americanômana, de querer fugir com ela pros USA e se enturmar na Klu Klux Klan ou virar cucaracha. Quando procurou por ela, já era, estava agarrada nos beiços dum branquelo doutra turma, dele findar abatumado numa ficha de inscrição do Big Shit Bôbras. Foi aí que ficou mudo e foi à merda depois da era triunfal de Schumacher, da lavagem de 7 da seleção na tragédia do Mineirão, do irmão alemão do Chico e de vender a alma ao diabo, virando piada como coadjuvante feito Barrichello e Massa – eles estão rico e tu? F-o-fo-d-i-di-d-o-do: fodido! Se ele já era traumatizado com o 1x0 pro Uruguai no Maracanã de 50, imagine depois da desmoralização geral. Soube, então, que pra filosofar tinha que aprender a língua e saber da linha direta entre arianos e germanos. Pronunciou com tanta força gutural de ficar rouco e perder a voz. Daí, então, nunca mais se emendou, Maria-vai-com-as-outras, pronde vão todos, lá está ele no meio, nunca se sabe, entre procissões católicas e cultos protestantes, mesa espírita e bombo de xangô, comícios, protestos, catando pés de coelho, trevos de cinco pontas, ferradura, apostando e jogando de porrinha aos pules de bicho e loterias, entre falsas farturas e carestias, sem saber nem quem foi ou será, até cair nas mãos do juiz Teje-Preso, que foi com a sua cara porque não falava pra encher o saco, só balançava a cabeça, a ponto de, doravante, tornar-se Oficial de Justiça ad hoc na Comarca de Alagoinhanduba, nunca mais dando as caras e vivendo em diligências com trocentos mandados de prisão e outros tantos alvarás de soltura, volume dependente da veneta do magistrado, prendendo quem estava solto e soltando quem estivesse preso, e vice-versa, pau mandado juiz. Apesar de tudo, vive sem dizer uma monossilábica palavra que seja, sem pensar em nada, em seguir a vida, fazer a sua parte como puder e viver à própria sorte, esperando a morte chegar. Não há quem não pergunte na lata dele: - Qual é a tua, Zé Brasil? © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui.

MEMBRANAS E INTERFACES DE FERNANDA BRUNO
[...] o homem que “abandona” o seu corpo é o homem que faz técnica, que se desprende do aqui e agora das circunstâncias, das imposições do meio ou das urgências vitais e produz, projeta o que não estava aí. É aquele, portanto, que estabelece com a natureza – com o seu corpo e com o seu meio – não uma simples relação de acomodação ou adaptação, mas de transformação. Deste modo, não é o corpo nu ou natural que estabelece a mediação ou a fronteira entre o homem e o mundo, mas um corpo atravessado, modulado pela técnica – não é por acaso que esta também se define como mediação. Mas isto não deve conduzir à suposição de que a técnica seja um mero prolongamento das funções do corpo – aí compreendidas as cognitivas -, pois, ao disseminar suas funções no espaço externo, nem o corpo, nem o mundo permanecem os mesmos – o interior e o exterior, bem como a mediação entre eles, ganham novos contornos. [...].
Trecho de Membranas e interfaces (Mauad, 1999), da doutora em Comunicação e Cultura pela UFRJ e professora pesquisadora, Fernanda Bruno. Veja mais aqui.

Veja mais sobre:
Quando tudo é manhã do dia pra noite, Agonia da noite de Jorge Amado, Posthuman bodies de Halbertam & Livingstone, a música de Bizet & Adriana Damato, Folclore musical de Wagner Ribeiro, a pintura de Aleksandr Fayvisovich & Bryan Thompson, a fotografia de Christian Coigny, a arte de Mirai Mizue & Luciah Lopez aqui.

E mais:
As astúcias do juiz Teje-Preso aqui e aqui.
Preconceito, ó! Xô pra lá, Diários de viagem de Franz Kafka, Cantos de Giacomo Leopardi, A revolta de Atlas de Ayn Rand, a música de Leoš Janáček & Cheryl Barker, o cinema de Alessandro Blasetti & Sophia Loren, Jacques Lacan & Maguerite Anzieu: o caso Aimée, a arte de Liliana Castro, a pintura de Helmut Breuninger & Hermann Fenner-Behmer aqui.
Todo dia é dia da mulher, O processo de Franz Kafka, a música de Leoš Janáček, a pintura de Anna Chromý, a arte de Ibys Maceioh & Karyme Hass aqui.
O trânsito e a fubica do Doro aqui.
O dia da criação de Vinícius de Morais aqui.
Lagoa da prata, Conheço o meu lugar de Belchior, O folclore no Brasil de Basílio de Magalhães, Chão de mínimos amantes de Moacir da Costa Lopes, Culturas e artes do pós-humano de Lucia Santaella, a fotografia de Tatiana Mikhina, a arte de Joseph Mallord William & Wesley Duke Lee aqui.
A lenda do açúcar e do álcool, Educação não é privilégio de Anísio Teixeira, História da filosofia de Wil Durant, a música de Yasushi Akutagawa, Não há estrelas no céu de João Clímaco Bezerra, Cumade Fulôsinha de Menelau Júnior, Maria Flor de João Pirahy & a arte de Madison Moore aqui.
Cruzetas, os mandacarus de fogo, Concepção dialética da história de Antonio Gramsci, O escritor e seus fantasmas de Ernesto Sábato, Sob os céus dos trópicos de Olavo Dantas, a pintura de Eliseo Visconti & Benício, a fotografia de Rita-Barreto & a arte de Rosana Sabença aqui.
O passado escreveu o presente; o futuro, agora, Estudos sobre teatro de Bertolt Brecht, Sociolinguistica de Dino Preti, a música de Adriana Hölszky, Nunca houve guerrilha em Palmares de Luiz Berto, a pintura de Dimitra Milan & Vera Donskaya-Khilko, a escultura de Antonio Frilli & a arte de Thomas Rowlandson aqui.
O feitiço da naja: a tocaia & o bote, Sistemas de comunicação popular de Joseph Luyten, Palmares & o coração de Hermilo Borba Filho, Porta giratória de Mário Quintana, a música de Vanessa Lann, o teatro de Liz Duffy Adams, a pintura de Joerg Warda & a arte de Luciah Lopez aqui.
Faça seu TCC sem Traumas: livro, curso & consultas aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

KIDS DE LARRY CLARK
O drama Kids (1995), escrito pelo cineasta e roteirista Harmony Korine e dirigido pelo ator, diretor e fotógrafo Larry Clark, foca em um dia meados de 1990, a vida de um grupo de jovens sexualmente ativos e o seu comportamento diante do sexo e das drogas durante a era do HIV, que não sabem qual direção seguir em suas vidas e que pouco se interessam por isso, existindo apenas para o consumo e o hedonismo. Trata-se de um retrato trágico sem qualquer concessão aos modelos hollywoodianos. Destaque pra atriz e designer estadunidense Chloë Sevigny.

RÁDIO TATARITARITATÁ: RICK WAKEMAN
Nesta segunda, 03/07, especial com a música do pianista e tecladista de rock progressivo britânico, Rick Wakeman, e seus principais álbuns 1984 (1981), Journey to the centre of the earth (1974), The six wives of Henry VIIII (1973), Criminal Records (1977), Myths and legends of King Arthur and the knights of the round table (1975), Return to the center of the earth (1999), entre outros shows ao vivo com Jon Anderson (2010). Veja mais aqui, aqui e aqui.

A ARTE JANA BRIKE
A arte da artista letã Jana Brike.
 

HERMILO, JESSIE BOUCHERETT, LUIZ BERTO, PINTANDO NA PRAÇA & SERRA DO QUATI – CAPOEIRAS

SERRA DO QUATI, CAPOEIRAS - Imagem: Serra do Quati/Capoeiras/Raimundo Lourenço. - Nasci na beira do Una, andejo do dia singrando na vida. ...